Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Inês posta em desassossego

por Pedro Correia, em 04.05.10

 

Inês de Medeiros tomou uma atitude que merece aplauso: prescinde do pagamento das viagens semanais Lisboa-Paris-Lisboa que o Parlamento, por despacho de Jaime Gama, lhe havia autorizado em termos muito controversos, como aqui critiquei na altura. O despacho foi redigido à contre-coeur pelo presidente da Assembleia da República - a tal ponto que Gama chegou a especificar, no seu próprio articulado, que não constituiria jurisprudência destinada a balizar casos futuros. A deputada independente eleita na lista do PS por Lisboa percebeu bem as entrelinhas deste despacho, que devolve agora ao remetente esclarecendo que pretendeu ver esclarecida a situação mas não necessita de favores. Foi pena que o Parlamento tenha perdido seis meses neste folhetim que desgastou inutilmente Inês de Medeiros e voltou a dar uma péssima imagem dos nossos deputados, incapazes de tomar decisões em tempo útil sobre questões do seu foro exclusivo.

E afinal até já havia doutrina estabelecida sobre o assunto, como José Medeiros Ferreira recorda no seu blogue, Córtex Frontal: "Fui deputado [do PS] pelos Açores durante cerca de dez anos. Como resido em Lisboa, e assim o declarei aos serviços da Assembleia da República, só tinha direito a duas viagens por mês ao meu círculo eleitoral."
Conclui Medeiros Ferreira: "Há muitas maneiras de fazer contas e de tratar de assuntos delicados." Pois há, como os dois casos comprovam. Dentro da própria bancada socialista. Bastaria um pouco mais de memória parlamentar para o mais recente nunca ter chegado a assumir as proporções que assumiu, pondo Inês em tão grande desassossego. Já ensinava Camões, n' Os Lusíadas: " (...) essas honras vãs, esse ouro puro / Verdadeiro valor não dão à gente; / Melhor é merecê-los sem os ter, / Que possuí-los sem os merecer."

Nada mais certo.

 


280 comentários

Sem imagem de perfil

De Ricardo Alves Gomes a 04.05.2010 às 04:46

Desculpem-me meus Senhores, mas rectidão e lisura de procedimentos não é nada disto!

Das duas uma:

Ou a Senhora Deputada tem direito a que a Asembleia da República lhe pague os bilhetes das viagens para o domicílio que indicou depois de eleita, ou não tem.

- Se tem (e aí é que o tautológico despacho "mete o pé na argola"), aplique-se a regra;
- Se não tem, denegue-se a pretensão à Requerente.

As hipocrisia pessoal tem limite, contíguo à vergonha pública. Vejamos:

- Depois de meses de discussão na A.R. por causa de uns bilhetes de avião, em a Deputada fez tudo para reivindicar o seu alegado direito (só faltou pedir um Parecer Administrativo ao Prof. Freitas do Amaral);
- Depois de, finalmente, ter sido proferido Despacho favorável sobre tão espúria dúvida;
- Depois da interessada ter rejubilado por lhe ter sido feita justiça;

Vir agora Inês de Medeiros renunciar ao que lhe fora atribuído por quem competia decidir é escarnecer do Órgão de Soberania que integra.
A Assembleia da República deve dar-se ao respeito, não jamais podendo admitir que um deputado lhe "cuspa na cara".
Se Inês de Medeiros achava que tinha direito antes do direito lhe ser reconhecido, não pode agora vir dizer, "afinal, pensando bem, não aceito a esmola".

Resultado:

Agora, e com a devida vénia aos nossos Ilustres Administrativistas, só vejo uma "saída" para a A.R. - que não pode, de todo, ficar em tão vulnerável e indigna situação.

Aqui fica um esboço do que deve ser determinado:

Determina-se que:
1. Para efeitos de abonos, despesas de representação e outras subvenções a que tenham direito no exercício do seu madato, o domicílio do deputado presume-se o do Círculo Eleitoral por onde é eleito, salvo quando venha requerer, fundamentadamente, que lhe seja atribuído outro dentro do território nacional.
2. O pedido de alteração do domicílio depende de autorização expressa da Assembleia da República.
3. Exceptua-se do disposto nos números anteriores os casos dos deputados eleitos pelos Círculos Eleitorais da Europa e Resto do Mundo.

Da próxima, os Chefes (ou Capatazes encarregues das diligências) que metam Inês de Medeiros pelo Círculo do Resto do Mundo...
Mas atenção.
Não vale trocar milhas por viagens em benefício pessoal... agências "Cosmos" eram nos tempos dourados, em que vivíamos num período de fartura. Agora, o PEC há-de impõr que as milhas acumuladas em vôo revertam para o cartão «Star Alliance» do Estado, que assim poderá emitir alguns bilhetes mais conta, onerando menos a tesouraria.

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 04.05.2010 às 10:51

Obrigada Sr. Ricardo Alves Gomes, até que enfim que a classe culta, corajosa,educada,bem informada,competente,crítica, e com a cabeça fresca, neste caso, estou a referir o SENHOR Ricardo Alves Gomes e outros personagens ilustres que escreveram todos estes belíssimos comentários,estão todos de parabéns. TÍTULO PARA ESTA NOTÍCIA VERGONHOSA: MANIFESTO DE DEPUTADA EMIGRANTE. ( Inês Medeiros -eleitata por circulo eleitoral em portugal e em França!...)
Imagem de perfil

De João Carvalho a 04.05.2010 às 11:29

Não venha para aqui GRITAR que me dá cabo dos tímpanos dos olhos. E é falta de educação.
Sem imagem de perfil

De Paulo Henriques a 04.05.2010 às 16:49

O "senhor" é um lírico, desde quando o sr. (Anónimo a 4 de Maio de 2010 às 10:51) faltou à educação, a não ser que Vª Exª. consiga captar infra-sons ou ultrasons... ou então isto é apenas um uma revista de B.D.(Banda desenhada)... que é cada vez o que este país mais se parece!!!! E existem sempre os lacaios do poder como o Senhor, se não é parece!!!!
A Dª Inês nem parecem ser filha do maestro, pessoa que admiro imenso, pela sabedoria contrastante com uma postura simples, que não lhe deve ter transmitido estes valores, devem ser más companhias. Por ventura, considera razoável que a srª deputada, num país miserável como o nosso, ainda se ofereçam mordomias destas... Os crânios do partido, ou a Srª não sabiam que a mesma morava em Paris, eu já sabia e sou só um estúpido.... Felizmente não morava na Austráulia!!!! Senão, lá estavam os alarves (desculpe-me a gíria mais popular), que trabalham mais de 40 horas semanais e ganham apenas o ordenado mínimo, felizmente não é o meu caso, enquanto a "nobreza" esbanja.... O tempo de Maria Antonieta ficou esquecido, o povo tem a memória curta, mas .... a História, às vezes repete-se, mudam é os personagens!!!!
Imagem de perfil

De mischa a 04.05.2010 às 17:29

Sem dúvida a melhor opiniâo/comentário que vi sobre o assunto Parabéns!
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 04.05.2010 às 17:40

«Aqui fica um esboço do que deve ser determinado:

Determina-se que:
1. Para efeitos de abonos, despesas de representação e outras subvenções a que tenham direito no exercício do seu madato, o domicílio do deputado presume-se o do Círculo Eleitoral por onde é eleito, salvo quando venha requerer, fundamentadamente, que lhe seja atribuído outro dentro do território nacional.
2. O pedido de alteração do domicílio depende de autorização expressa da Assembleia da República.
3. Exceptua-se do disposto nos números anteriores os casos dos deputados eleitos pelos Círculos Eleitorais da Europa e Resto do Mundo.»

Transcrevo propositadamente estas suas sugestões. Estou de acordo com elas. Bem faria a Assembleia da República em adoptá-las de imediato, impedindo que surgissem novos focos de polémica.

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D