Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O PSD a votos (7)

por Pedro Correia, em 02.03.10

 

 

Debate Paulo Rangel- Pedro Passos Coelho

 

1. Se hoje o PS de José Sócrates está no Governo, isso deve-se em boa parte à incompetência do PSD de Manuela Ferreira Leite, de cuja direcção Paulo Rangel fez parte. Pedro Passos Coelho deixou isto claro no debate desta noite na SIC Notícias - o primeiro frente-a-frente televisivo entre os candidatos à liderança social-democrata.

Rangel fez questão de acentuar que não exerceu efectivas responsabilidades directivas no partido entre Junho de 2009, quando o PSD venceu as europeias, e Setembro, quando o partido laranja foi derrotado nas legislativas. Mas perdeu a oportunidade de se demarcar, neste debate, da decisão de excluir Passos Coelho das listas eleitorais - uma manifestação de 'asfixia democrática' da direcção social-democrata que logo se virou contra o partido.

 

2. O eurodeputado mostrou-se mais nervoso e muito mais à defensiva neste confronto em que Passos Coelho esteve francamente melhor na abordagem das questões económicas, que tanto preocupam os portugueses. E foi incapaz de rebater o argumento central do seu antagonista sobre o Orçamento de Estado, já aprovado graças à abstenção do PSD (e do CDS).

"O PSD viabilizou o Orçamento para 2010 sem forçar o PS a suspender os grandes projectos de obras públicas. (...) Esta é a primeira vez que se faz um Programa de Estabilidade e Crescimento num tempo diferente do Orçamento", criticou Passos Coelho. Rangel, remetido à defesa, não deu nenhuma justificação satisfatória.

Foi igualmente incapaz de rebater outro argumento central de Passos: é inútil encher a boca com a palavra "ruptura", pois as grandes mudanças na sociedade portuguesa envolveram sempre o entendimento entre os dois maiores partidos. Foi assim em 1982, quando a revisão constitucional eliminou a tutela do Conselho da Revolução sobre as instituições políticas, e também em 1989, quando outra revisão da lei fundamental pôs fim ao primado da economia pública em Portugal.

 

3. Rangel, procurando legitimar-se, invocou os exemplos de Francisco Sá Carneiro - fundador do partido - e Aníbal Cavaco Silva para justificar os seus contínuos apelos à "ruptura". Mas em nenhum momento como este foi tão visível a discrepância entre o candidato que milita há três décadas no partido e aquele que só assinou a ficha de inscrição há quatro anos, após um percurso algo enigmático pelo PP de Manuel Monteiro.

Rangel: "Se lermos o discurso de Cavaco Silva no congresso da Figueira da Foz..."

Passos: "Paulo, eu estive lá. Eu ouvi-o."

 

4. Em democracia, a melhor ruptura obtém-se pelo voto. Nenhum militante antigo ou recente, diga Paulo Rangel o que disser, imagina Sá Carneiro ou Cavaco a perder uma eleição contra Sócrates como sucedeu ao PSD de Manuela Ferreira Leite. Os seus herdeiros políticos terão de responder por isso nesta campanha interna. E Rangel é um herdeiro político de Ferreira Leite, o que talvez explique a incomodidade que revelou neste debate.


4 comentários

Imagem de perfil

De Pedro Oliveira a 03.03.2010 às 13:55

Boa tarde caro Pedro,
A vida não tem sido fácil e tempo para ler os amigos não tenho tido,mas hoje tinha de o ler porque não vi o debate.Como tal e se me permite deixo aqui cópia que fiz no Vila Forte sobre este tema.
Grande abraço

"Não vi o debate,conto ver na net quando puder,mas como tive que me levantar ás 5 da manhã fui ouvindo várias pessoas, já li outras e a conclusão tem sido unânime: Pedro Passos Coelho mostrou-se mais preparado para ser líder,enquanto Paulo Rangel para romper sem mostar que tem competências para liderar o partido e o país.

Como já sabem o meu apoio , caso votasse, seria para Aguiar Branco, porque lhe reconheço caracteristicas de líder(quem quiser que vá ao histórico do VF e leia sobre o que já escrevi sobre liderança e líderes) e de estadista, mas como penso que parte do partidoestá na onda do barulho e do "efe erre á" esta noticia, http://www.ionline.pt/conteudo/49334-passos-coelho-comeca-demolidor-na-corrida-lider , deixa-me triste porque Aguiar Branco não terá hipótese,mas por outro vejo que PPC ganha o congresso, logo as directas e isso é melhor que termos alguém que tendo algum poder já mostrou algum do seu carácter...
Vejo com agrado qque pessoas que prezo e que SEMPRE foram social-democratas saibam distinguir estratégia com táctica,que não embarcam em ondas e que não têm medo de escrever Paulo Rangel, nunca!

Mas como é óbvio a minha opinião vale o que vale e para a maioria vale zero, mas o meu voto nas legislativas vale tanto como o de qualquer português."
Sem imagem de perfil

De P.J.Cordeiro a 03.03.2010 às 16:01

Boa Tarde.

Concordo com a maioria do que foi escrito. Só me entristecem as frases do tipo "gente que SEMPRE foi Social Democrata...". Isto porquê? Porque tal como disse Winston Churchill "Fanático é o sujeito que não muda de ideia e não pode mudar de assunto". Ou seja, uma pessoa não tem que pertencer toda a vida a um partido só porque foi o primeiro a que se associou, por exemplo desde os tempos de escola. Isso são os clubes de futebol. Aqui tratam-se de ideias políticas que o tempo se encarrega de nos demonstrar, ou não, se até um determinado período da nossa vida fomos mais ou menos exigentes com determinados vectores políticos.
Meus amigos, cada vez mais a política é feita de e por pessoas e não de dogmas. E quanto a mim não são compatíveis com testas de ferro nem cães de fila.
Abraços.
Imagem de perfil

De Pedro Oliveira a 03.03.2010 às 16:33

Assumo que tenho muitas dificulade em aceitar que alguém que não se lembra que foi militante de um partido(deve ter sido por amor que interesse não tinha nenhum...), só porque foi um razoável orador como líder parlamentar e porque ajudou o PSD a ganhar umas eleições, para mim e muitos quem perdeu foi o PS e Sócrates pela conjuntura e pelo cabeça de lista escolhido, venha agora armado em salvador da pátria e falar em rupturas. O que o Partido precisa é de um líder e não de um radical de direita.
Como diz e bem António Capucho, há quem, demasiados, no PSD, não ligue quando se diz que o PSD é de direita, mas eu sim.
Por fim, dizer para conhecer o crácter de alguém basta dar-lhe poder, com o pouco que tem e ao que aspira já vimos todos o carácter de Paulo Rangel.
Mas sei que no PSD há quem vá votar em Rangel, para que ele "morda" em voz alta os calcanhares de Sócrates para provocar eleições anticipadas e ao mesmo tempo lhe seja, ao PR, "preparada a cama" para que novo líder assuma os comandos do PSD, daí eu falar em estratégia e táctica.
Mas isto sou eu a "escrever" alto....
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 03.03.2010 às 17:37

Paulo Rangel já veio dizer que se encontra "à direita do PSD". Creio, sinceramente, que desta vez está no partido errado. Há uns dez anos estava no partido certo. À direita do PSD.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D