Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O único poder dos jornalistas

por Pedro Correia, em 14.01.10

  

É um disparate considerar o jornalismo o 'quarto poder'. Os jornalistas não exercem nenhuma função que possa equivaler-se aos poderes clássicos dos políticos que legislam, governam e definem as normas destinadas a ser aplicadas pelos magistrados nos tribunais. Um jornalista só tem um poder ao seu alcance: o poder da pergunta. Cabe-lhe suscitar questões, desfazer dúvidas, interrogar-se sobre tudo quanto não sabe. O simples poder da pergunta, quando bem excercido, tem um inegável valor social, permitindo aferir o comportamento dos agentes políticos e consolidar o exercício da cidadania. Naturalmente, as perguntas que se impõem só podem ser feitas em sociedades livres - por isso os sistemas ditatoriais elegem sempre os jornalistas como inimigos principais. Acertam o alvo ao proceder assim.

Infelizmente, muitos profissionais da informação demitem-se do seu direito - que é também um dever deontológico - de questionar os poderosos. É, de facto, uma missão muitas vezes incómoda - mas da qual nenhum jornalista digno da profissão que exerce deve demitir-se sob pretexto algum. Há que continuar a interrogar, a interpelar, a questionar ministros, deputados, autarcas, gestores públicos, líderes partidários. Mesmo quando muitas portas se fecham nas caras, quando o assessor do assessor manda dizer que Sua Excelência não está, quando as ameaças de represálias surgem com a insídia recomendada nos manuais do ramo, há que continuar a fazer perguntas. Incomode-se quem se incomodar.

Este é o único poder dos jornalistas. E não se iludam: não existe mais nenhum.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


66 comentários

Imagem de perfil

De João Carvalho a 14.01.2010 às 13:25

Perfeito.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 15.01.2010 às 01:23

Gracias, compadre.
Imagem de perfil

De Luís Naves a 14.01.2010 às 13:32

Muito bom
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 15.01.2010 às 01:24

Obrigado, Luís.
Imagem de perfil

De Carlos Barbosa de Oliveira a 14.01.2010 às 13:47

De acordo, Pedro. Só existe outro poder, quando alguns jornalistas se esquecem da sua profissão e ficam "embebbed with (someone or something"). Isso , infelizmente, está a acontecer muito em Portugal...
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 15.01.2010 às 01:24

Pois, Carlos. 'Embedded' terá a ver com outras coisas, mas com jornalismo não.
Imagem de perfil

De Carlos Barbosa de Oliveira a 15.01.2010 às 10:54

Infelizmente, tem muito a ver, Pedro, porque é dessas relações que "nascem" algumas notícias que fazem primeiras páginas de jornais e aberturas de noticiários televisivos.
Sem imagem de perfil

De Desconhecido Alfacinha a 14.01.2010 às 13:55

"E não se iludam: não existe mais nenhum."

Exacto. Era bom que as Redacções percebessem isso e deixassem de olhar para o umbigo.

Á atenção do Sr. Oliveira: O que, acertadamente, refere não é jornalismo, é assessoria... Quiçá aqueles relacionados com o jornalismo de investigação deixassem de o confundir com o receber telefonemas...
Sem imagem de perfil

De António P. a 14.01.2010 às 14:15

Caro Pedro,
Belo texto.
O poder de perguntar é realmenet importante. Não só em jornalismo mas em tudo ( ou quase ).
Não sendo jornalista estou de acordo consigo nomeadamente quando diz que esse poder deve "ser bem exercido".
Pena é que a maioria dos jornalistas ( pelo menos os que eu leio, vejo, ouço ) prescindam desse poder para fazer análise e/ou emitir opiniões.
Nos cursos de jornalismo há alguma cadeira sobre como fazer perguntas ?
Se não houver candidato-me :))
Um abraço
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 15.01.2010 às 01:27

Olá, António. Infelizmente os jornalistas demitem-se cada vez mais do seu direito - que é um dever - de fazer perguntas. Muitos mais não fazem do que estender um microfone. Com isso abdicam de um dos maiors atributos desta profissão - o de serem representantes e portadores das dúvidas e perplexidades do cidadão comum.
Sem imagem de perfil

De M.Coelho a 14.01.2010 às 14:17

Pedro,
Estou de acordo consigo, mas estaria ainda mais de acordo se o comentário do Carlos B. de Oliveira fosse o último parágrafo do seu poste .
Saudações.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 15.01.2010 às 01:28

Obrigado pelas suas palavras. É um gosto recebê-lo aqui.
Imagem de perfil

De Pedro Oliveira a 14.01.2010 às 14:22

Concordo perfeitamente, e ás vezes fico "danado" por alguns jornalistas não serem capazes de fazer 'aquela' pergunta.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 15.01.2010 às 01:29

Também eu, Pedro. E tenho-me apercebido disso vezes de mais.
Sem imagem de perfil

De CPrice a 14.01.2010 às 14:35

Ao contrário de Kafka, e naturalmente que em um outro contexto totalmente diferente, o meu contexto, já me espantei por não ter respostas às minhas perguntas, mas recuso-me a acreditar que tenho de as deixar de fazer.

Gostei deveras, Pedro. "Incomode-se quem se incomodar .."
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 15.01.2010 às 01:30

É isso, Catarina. No dia em que os jornalistas deixarem de fazer perguntas, "incomodem quem incomodarem", a nossa democracia ficará demasiado parecida com uma ditadura. Não quero isso. Nenhum de nós quer.
Sem imagem de perfil

De Luís Serpa a 14.01.2010 às 14:42

Este é um daqueles seus posts, Pedro, para os quais a única qualificação que me ocorre é "salutar". Enfim, não é a única: "bom", "até que enfim" (latu sensu) também serviriam, entre muitas outras.

Mas é a minha favorita.


Imagem de perfil

De Pedro Correia a 15.01.2010 às 01:30

Obrigado pelas suas palavras amigas, Luís. Um abraço.
Sem imagem de perfil

De Paulo Quintela a 14.01.2010 às 15:00

Há 20 anos era eu um jovem ingénuo, vejo-me nesse tempo a produzir um texto semelhante ao seu, com o mesmo grau de pureza.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 14.01.2010 às 18:31

Desculpe lá, mas parece-me improvável. Entendo muito bem onde quer chegar, mas não é por esse caminho.
Há 20 anos, nenhum jovem ingénuo escreveria um texto como este, porque qualquer jovem ingénuo, há 20 anos, era um "dono do mundo" e nem sequer vinha daí qualquer mal ao mundo.
O importante é perceber a realidade, hoje, para reflectir deste modo e concluir deste modo.
Sem imagem de perfil

De Paulo Quintela a 14.01.2010 às 19:02

Não há lugar a desculpas, melhor do que uma boa polémica só uma mulher bonita ou um uísque velho. Vejo que entendeu onde eu queria chegar e sim, há 20 anos eu estava cheio de mim e era ainda capaz de defender o indefensável (e fi-lo), hoje sei que a 'verdade' anda à solta e é irmã da liberdade, sei também que sempre que as duas se encontram, mudam o mundo, um pouquinho, mas mudam.

Os jornalistas exercem poder sim e o meu amigo sabe-o bem, mas exercem-no no quadro de outros poderes e são instrumentos da circunstancia, da dos outros poderes, da sua própria ideologia (veja Helena Matos n'o Publico, a titulo de exemplo) e da sua própria subsistência. No quadro desta realidade complexa detém poder porque influenciam, porque fazem análise, porque recebem ordens e cumprem-nas, porque são permeáveis às suas fontes (que guardam como bem maior e têm pavor em perder), porque dão eco ou porque o calam.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 15.01.2010 às 01:32

No dia em que deixasse de acreditar em cada frase que escrevi, Paulo Quintela, abandonaria esta profissão. Não tenho a menor dúvida quanto a isso.
Sem imagem de perfil

De Paulo Quintela a 15.01.2010 às 11:01

Acredito plenamente. Aqui a discussão fi-la no plano conceptual, não no plano pessoal.

Comentar post


Pág. 1/3



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D