Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Lenine, herdeiro de Danton

por Pedro Correia, em 16.12.09

 

Um dos mais estimulantes ensaios políticos surgidos este ano em Portugal, assinado por Rui Bebiano, tem como foco central a Revolução de Outubro e o seu protagonista máximo, Vladimir Lenine. É um acontecimento histórico que ainda hoje gera os maiores equívocos e as mais delirantes interpretações. O Avante!, por ocasião do 90º aniversário deste acto fundador do totalitarismo contemporâneo, em Novembro de 2007, considerava-o um "marco maior na caminhada humana pela emancipação".

A visão de Rui Bebiano, professor de História Contemporânea na Universidade de Coimbra e investigador do Centro de Estudos Sociais, não podia ser mais antagónica. Neste seu livro, Outubro, o autor desmistifica a figura de Lenine, que "nas várias histórias do comunismo e dos ideais socialistas surge na maioria das vezes tratada de forma bastante benévola ou mitificada". Menciona, aliás, inúmeros intelectuais que visitaram Moscovo nas décadas de 20 e 30 e só lá viram a "sociedade do futuro", caucionando com a sua palavra um dos regimes mais sanguinários de todos os tempos. Intelectuais como Bertrand Russell, Henri Barbusse, George Bernard Shaw, Romain Rolland, H. G. Welles e Stefan Zweig - todos seguiram as pisadas do jornalista norte-americano John Reed com a sua obra de megapropaganda Os Dez Dias que Abalaram o Mundo, que Lenine gostaria de ter visto publicada "em milhões de cópias em todas as línguas". Não custa perceber porquê. Outro companheiro de estrada do totalitarismo foi o influente crítico norte-americano Edmund Wilson. "Na União Soviética, senti-me como se estivesse num santuário moral onde a luz nunca pára de brilhar", escreveu ele nesses anos de chumbo do sistema concentracionário soviético.

 

A obra teórica de Lenine já prenunciava o Terror Vermelho instaurado na Rússia em 1918 após a supressão dos liberais, monárquicos, sociais-democratas, socialistas revolucionários e todos quantos podiam travar a insaciável sede de poder do Partido Comunista. No seu livro Que Fazer? (1902) sublinhou a necessidade de construção de uma "vanguarda revolucionária" para o derrube da "sociedade burguesa". Em O Estado e a Revolução (1917) antecipava a tomada violenta do poder para a instauração da ditadura revolucionária, consumada meses depois, com o assalto ao Palácio de Inverno, que afinal "foi um putsch militar e não uma insurreição das massas".

Lenine, como recorda Rui Bebiano (também autor do blogue A Terceira Noite), proclamava que "não existe moral na política, apenas conveniência". Não admira, assim, que tenha sido o autor moral da "organização sistemática da violência revolucionária como instrumento de transformação e ferramenta do poder", da "repressão sem contemplações de qualquer modalidade de dissidência" e do "exercício sistemático da brutalidade contra populações inteiras". No auge do Terror Vermelho enviava telegramas aos seus sequazes, incentivando-os a meter "balas nas cabeças" dos opositores políticos. Só entre 1918 e 1920, segundo os registos históricos, houve na URSS 12.733 execuções. Como acentuou John Gray, no seu livro A Morte da Utopia, "no fim de 1921, cerca de 80 por cento das pessoas que estavam presas nos campos de concentração [soviéticos] eram camponeses ou operários".

 

Lenine, que era um homem inegavelmente culto, apreciava música clássica. Um dia, ao ouvir pela enésima vez a Apassionata, confessou a Gorki: "Se continuar a escutá-la, não acabo a revolução." Trocou Beethoven pelas balas demolidoras contra a "democracia burguesa" que tanto odiava. A seu ver, como salienta Rui Bebiano, "toda a atitude reformista  se tornava inútil e abominável, salvo quando servisse como instrumento da mudança integral".

Era, no fundo, um legítimo herdeiro de Danton, que na noite anterior à sua morte dizia: "O verbo guilhotinar, notai, não se pode escrever no passado. Não se diz: 'Fui guilhotinado'."

O futuro que ambos propunham, Danton e Lenine, era esse mesmo: o da guilhotina. Surpreende haver ainda hoje quem os celebre de forma acrítica como libertadores da espécie humana.

 

Outubro, de Rui Bebiano (Angelus Novus, 2009). 102 páginas.


10 comentários

Imagem de perfil

De Pedro Correia a 16.12.2009 às 21:16

Matéria inesgotável. Não é por acaso que surge aqui o Danton. Só o terror 'revolucionário' da última década do século XVIII em França dava imenso pano para mangas.

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D