Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O Paraíso é já ali...

por Carlos Barbosa de Oliveira, em 04.02.09

Pais Antunes, ex -secretário de Estado do Trabalho do PSD,  defende a "diminuição dos custos do trabalho", para  evitar mais despedimentos.

Torna-se cada vez mais visível o Paraíso que nos promete o PSD se vencer as legislativas de Outubro.

Autoria e outros dados (tags, etc)


12 comentários

Imagem de perfil

De Pedro Oliveira a 04.02.2009 às 11:57

Não acredito que Pais Antunes seja o Porta voz do PSd nesta matéria ou em outra qualquer, meu caro Carlos.
Mas se eu estiver enganado, claro que a agulha do PSD não está a apontar na direcção correcta.
Imagem de perfil

De Carlos Barbosa de Oliveira a 04.02.2009 às 16:04

Não será o porta-voz, Pedro, mas é um fiel intérprete da política do PSD. Não te esqueças que foi MFL quem congelou os salários dos funcionários públicos...
Imagem de perfil

De Pedro Oliveira a 04.02.2009 às 17:22

Carlos, só para que saiba, a minha esposa não é aumentada há 4 anos, eu não vou ser aumentado este ano,mas recebo todos os meses.Como vê a vida custa a todos.E tenho um primo na Alemanha que trabalha numa fábrica de moveis que também não foi aumentado em 2008 e este ano não sabe se a fábrica aguenta até às Ferias.Por isso quando me falam na Função publica que tem perdido poder de compra e que 2,9% é pouco, custa-me um pouco,mas ok.
Sei que possivelmente não vai concordar,mas já viu se o dinheiro dos 2,9% dos 700 000 funcionários públicos fossem aplicados para ajudar as familias em que o casal está desempregado, seria uma boa ajuda?É que neste momento a função pública tem uma ENORME vantagem em relação a nós, não têm a incerteza de amanhã chegarem à sua fábrica e ela estar fechada, isso faz toda a diferença, acredite.
abraço
Imagem de perfil

De Carlos Barbosa de Oliveira a 04.02.2009 às 17:42

Pedro, permite-me que te recorde uam coisa: os funcionários públicos perderam 10% do poder de compra nos últimos 8 anos e, quando MFL foi Ministra das Finaças congelou os salários, que assim se mantoiveram por mais dosi anos, já com Sócrates. Foram-lhes cortadas as progressões na carreira e as antigas diuturnidades ( aliás com fortes críticas de MFL que, provocaram algumas gargalhadas), cortaram-lhes nas reformas, obrigaram-nos a trabalhar mais anos ( tenho amigos que só aos 65 anos se vão poder reformar com 43 a 45 anos de serviço) e cortaram-lhes nos benefícios de saúde. Além do mais, descontam mais do que os trabalhadores do sector privadoa -11,5% ( Caixa e ADSE), mas pouca gente sabe disso
Os FP são muitas vezes os "bombos da festa" porque as pax desconhecem a situação.
A tua ideia seria boa se, fosse reversível, isto é, quando so funcionários públicos estavam a perder poder de compra e na privada se viam aumentos de 5 a 10 por cento ( sei do que estou a falar, porque conheço vários casos) , tivessem constituído um fundo de apoio para os funcionários públicos que foram despedidos, por serem considerados excedentários.
É que, ao contrário do que dizes, houve muitos que foram mandados para casa pelas razões que já referi, perante o aplauso da opinião pública que os considera uns malandros e indigentes.
Sem imagem de perfil

De AAA a 04.02.2009 às 15:36

Não percebo a razão de ser da ironia. Os custos do trabalho (entre outras,as contribuições para a Seg. Social) são um encargo demasiado elevado para muitas empresas, principalmente neste momento.

E outra coisa que já se fala lá fora: vamos mesmo ter que discutir se os ordenados (a começar pela função pública) não terão que ser reduzidos para acudir a quem fica dsempregado. E na privada, não despedir ou despedir menos, reduzindo salários a todos.

Vai ver que não vai faltar muito até chegarmos aí.
Imagem de perfil

De Carlos Barbosa de Oliveira a 04.02.2009 às 16:07

Admitindo que tem razão ( não me custa nada caceitá-lo) pergunto: a crise terá de ser sempre paga por quem trabalha, enquanto alguns empresários são beneficiados com subsídios para combater o desemprego?
Sem imagem de perfil

De AAA a 04.02.2009 às 17:11

A crise é paga por todos, meu caro Carlos Barbosa de Oliveira. Só que o nosso sofrimento custa mais a suportar que o do vizinho (seja ele empresário ou não).
Não queira conhecer o drama do empresário que não tem que dar que fazer ao empregado e com os ordenados para pagar no fim do mês...
Imagem de perfil

De Carlos Barbosa de Oliveira a 04.02.2009 às 17:25

Não tomo a nuvem por Juno, caro Luís! Conheço casos de empresários que também sofrem quando são obrigados a despedir. Infelizmente são uma minoria, mas existem.
Conhece também, certamente, empresários que se aproveitam da crise para despedir, não é verdade?
De qualquer modo, as palavras de Pais Antunes são inaceitáveis. Vêm na linha do que já defendeu Pacheco Pereira e procuram revitalizar uma ideia que me parece perigosa: mais vale ter um emprego e ganhar pouco, do que não ter nenhum. Ou. lido noutro prisma, reduzam-se as despesas com a Segurança Social e cada um que se amanhe.
Lembroi-lhe que, durante a Grande Depresão, nos EUA, uma das medidas do Rossevelt, incluídas no New Deal foi melhorar as condições de Previdência Socialç dos traballhadores e reduzir a jornada de trabalho.
Sem imagem de perfil

De AAA a 04.02.2009 às 20:02

Dois pontos de discussão: as palavras de Pais Antunes referiam-se aos custos do trabalho por parte das empresas. Redução das contribuições para a Seg. Social, por exemplo. Agora digo eu: eventualmente cortar no subs . de férias ou reduzir salários, por exemplo. Pode parecer-lhe impensável mas daqui a um ano podemos voltar a falar.

Vai ver que vai ser o Estado a avançar com essa medida quando os cartuchos (leia-se milhões a torto e a direito) que agora estão a gastar sem controlo se acabarem.

Quando a opção for manter o emprego e ganhar menos ou despedir, qual acha a melhor opção? E não tenho dúvidas de que esse tempo - em que não haverá uma terceira opção - virá em breve.

Outra questão é a que se refere ao apoio social para acudir aos desempregados. Mas alguém aqui não concorda com essa ideia? O problema é que o orçamento não estica, daí a previsível necessidade do estado cortar nas nas regalias sociais e/ou ordenados para fazer face a essa despesa.
Sem imagem de perfil

De Luis Melo a 04.02.2009 às 16:08

Não me parece que Pais Antunes seja o responsável por "dar a opinião do PSD".

Mas talvez a alguns "dê jeito" ouvir as opiniões destes senhores, e transformá-las na posição oficial do partido.

Não é concerteza o que se passa com CBdO, certo?
Imagem de perfil

De Carlos Barbosa de Oliveira a 04.02.2009 às 16:23

Talvez haja por aí uns mal intencionados a quererem transformar as opiniões de Pais Antunes, na posição do PSD. Eu não sou um deles, certamente.
Sem imagem de perfil

De Luis Melo a 04.02.2009 às 16:29

Também me queria parecer, mas fiquei com dúvidas quando concluiu :Torna-se cada vez mais visível o Paraíso que nos promete o PSD...

Comentar post



O nosso livro





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D