Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A César o que é de César

por Leonor Barros, em 04.11.09

Se há coisas que não entendo é esta mania da Igreja Católica meter o bedelho em tudo. Nesta questão do casamento entre pessoas do mesmo sexo é bom não esquecer que se fala de casamento e não de matrimónio. Já se sabe que se o objectivo do matrimónio é a procriação, a união entre pessoas do mesmo sexo não tem cabimento e é portanto excluída. Assim sendo, não percebo porque têm de opinar tendo em conta que não é assunto da Igreja, uma vez que o casamento não é reconhecido e que quem se casa pelo civil continua a arcar com as repsonsabilidades do acto ímpio. Se querem trazer luz às ovelhas tresmalhadas façam-no em local próprio. O Estado não se rege pelas leis da igreja, graças a deus. Por acaso a sociedade civil exige um referendo ao celibato dos padres?


40 comentários

Sem imagem de perfil

De Ana Cleto a 04.11.2009 às 16:49

Que confusão que vai nessa cabeça, santo Deus!
Imagem de perfil

De Leonor Barros a 04.11.2009 às 16:51

Não vejo confusão nenhuma. Uma coisa é casamento, outra é matrimónio. O que está em causa é o casamento e não é assunto da Igreja Católica.
Sem imagem de perfil

De Ana Cleto a 04.11.2009 às 16:57

Pronto, não será confusão, mas ignorância desculpe lá.
Imagem de perfil

De Leonor Barros a 04.11.2009 às 17:05

Começar uma conversa apelidando os outros de ignorantes não faz parte do que se possa chamar um diálogo e/ou conversa civilizada.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 04.11.2009 às 17:15

Vamos ver se nos entendemos, Ana.
Dirigir-se a uma senhora - que é uma das autoras do DO e é uma cidadã com toda a legitimidade para expor o que pensa (e em que não deve ser caso exótico pela singularidade, seguramente) - a sugerir ignorância é pouco próprio.
Tem a Ana aqui todo o espaço que entender para contrapor, para expor o que entender sobre este assunto (e outros) e sabe que pode fazê-lo sem que isso lhe custe qualquer preço. Faça-o com elevação, que jamais algum de nós a desiludirá no tom com que nos dirigi(r)mos a si.
Creio que agora estamos entendidos, não é?
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 04.11.2009 às 19:52

A Ana... Cleto fica sempre assim quando lhe falta o caviar.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 04.11.2009 às 22:12

Valha-me Deus! Cleto!
Imagem de perfil

De Pedro Oliveira a 04.11.2009 às 17:23

Gostei da ideia do referendo ao celibato....
Ás vezes temos de aturar cada comentador nos blogues.
Imagem de perfil

De Leonor Barros a 04.11.2009 às 17:38

Raramente têm nome, esses, Pedro :-)
Sem imagem de perfil

De john a 04.11.2009 às 17:25

Bom, cara Leonor, eu não diria que se trata de "meter o bedelho", mas sim de expressar uma posição. Como qualquer instituição poderá fazê-lo, dado que ainda vivemos num país livre, pelo menos tanto quanto sei. Creio que são duas coisas diferentes. Já viu o que seria se, por vivermos num estado laico, as confissões religiões não pudessem expressar publicamente as suas opiniões? E os monárquicos, também teriam de ser silenciados? Afinal, vivemos numa república...
Imagem de perfil

De Leonor Barros a 04.11.2009 às 17:41

Todos sem excepção temos direito a uma opinião, mas não temos o direito de nos imiscuir se não nos disser respeito. Prezo muitíssimo a liberdade de expressão, se não nunca poderia exercer esse direito também ao escrever num blogue.
Sem imagem de perfil

De Carlos Pimentel a 04.11.2009 às 17:49

Bem visto. Vivemos em democracia e a democracia preza a liberdade de expressão. Felizmente até dos que desejariam controlar (ainda mais) a dita.

Isso não quer dizer é que se vá já a correr fazer um referendo.Trata-se dum assunto do foro privado, entre dois seres humanos adultos e livres a quem é negado um direito elementar. Ora, isso é discriminatório, eventualmente, até inconstitucional; referendar o quê?
Sem imagem de perfil

De john a 05.11.2009 às 10:55

Carlos, também não sou apologista do referendo; aliás, este tema a mim interessa-me rigorosamente nada. Se querem casar, casem-se; se não se querem casar, não se casem. Sinceramente: quero lá saber. Se houvesse referendo, votaria nulo, ou nem sequer me daria ao trabalho de fazer mais de duas centenas de quilómetros para ir votar.

Leonor, com o devido respeito, não tem razão. Se seguirmos esse seu argumento à risca, então ninguém fala de coisa nenhuma. Goste ou não, a Igreja Católica é uma instituição com importância na sociedade portuguesa. E por isso tem o direito de falar, tal como os monárquicos têm o direito de defender o regresso da Monarquia, tal como a Associação Animal tem o direito de defender que todos devíamos comer só saladas, tal como a Associação República e Laicidade, ou lá como se chama, tem o direito a querer ver os crucifixos retirados (mas não a eliminação dos feriados religiosos, curiosamente...). Olhe, eu também acho que na Animal ou na República e Laicidade só existem idiotas, e nem por isso acho que se deviam calar. Defendam lá o que quiserem. Se concordar com eles (o que seria muito, muito raro), aplaudo. Quando não concordar, ou fico calado, ou rio-me. Mas eles que falem. Faz bem falar. A opinião da Igreja tenha de ser seguida, ou até escutada, porque não tem; mas ninguém tem o direito de a silenciar. Seja ou não um assunto que "lhe diga respeito".
Imagem de perfil

De João Carvalho a 04.11.2009 às 17:28

Não estou certo de que o matrimónio (religioso) tenha a procriação como objectivo, embora esta seja encarada como resultado natural e, por conseguinte, o matrimónio tenha em vista a consagração de uma família sólida. Mas não é isso que me traz.
O que ora me move foi ter ficado a pensar no celibato dos padres. Opondo-se este ao matrimónio - logo, à constituição de uma família - como é que aparecem, aqui e ali, tantos procriados? Vou pensar no assunto...
Imagem de perfil

De Leonor Barros a 04.11.2009 às 17:43

Em relação à primeira parece-me que a procriação é um dos objectivos principais.
Não sei responder, João. É um mistério insondável ;-)
Sem imagem de perfil

De Paulo Quintela a 04.11.2009 às 17:50

Referendemos o celibato dos ditos, Quanto a 'meter o bedelho', felizmente já o meteram mais, a velhice da instituição já não lhes permite tanto coito. E se referendássemos a idoneidade e a legitimidade de acção de uma instituição que tem as mãos sujas de sangue e que durante séculos refreou o desenvolvimento da humanidade (que se levante Giordano Bruno)?
Imagem de perfil

De João Carvalho a 04.11.2009 às 17:57

Só um lado, como sempre. Como se os homens dentro e fora da Igreja não fossem parte da Humanidade.
Sem imagem de perfil

De Paulo Quintela a 04.11.2009 às 18:06

Claro que são, como o foram Pol Pot, o Sr. Adolfo e D. José Maria de Melo, confessor de Maria I e inquisidor-mor. Todos foram parte da Humanidade.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 04.11.2009 às 18:11

Pois, pois. E V. deve ter um tique qualquer num dos olhos.
Sem imagem de perfil

De Paulo Quintela a 04.11.2009 às 18:15

Se assim fosse, até nisso seria humano. Já o meu amigo, estará muito acima do comum dos mortais. Sorte sua (com que a natureza felizmente não me bafejou) ou nem por isso.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 04.11.2009 às 18:28

Já o conheço, porque já tivemos discussões sobre a matéria. É que V. fala de umas figuras tenebrosas da História e reconhece implicitamente que a maioria das pessoas não se distingue pelo mal. Já a Igreja, para si, é um todo: são todos portadores dos piores dos males.
Meu caro, a Igreja já fez muito mal, mas está cheia de espalhar o bem junto de quem mais precisa. Não é preciso ser-se crente para o reconhecer. Para si, a Igreja teria de ser perfeita, claro, só que deixaria de ser parte da Humanidade, pela perfeição.
Estou a repetir-me e parece-me escusado.
Sem imagem de perfil

De Paulo Quintela a 04.11.2009 às 18:35

Meu caro, está a misturar 'alhos com bugalhos' e efectivamente parece que estamos em posições inconciliáveis (pelo menos ao nível do tipo de discussão que esta plataforma permite) mas igualmente respeitáveis (sob o ponto de vista da minha avaliação).
Imagem de perfil

De João Pedro a 04.11.2009 às 18:23

Depende do que se entender por "desenvolvimento da humanidade". Mas por essa lógica, o caro comentador também deve apoiar alberto João Jardim quando ele defende a ilegalização de partidos comunistas.
Sem imagem de perfil

De cr a 04.11.2009 às 17:58

Dou-lhe toda a razão, porque raio serão " eles " tão abelhudos?
Fiquem-se lá pelas coisinhas deles...
Voto em si.
Sem imagem de perfil

De Afundação Suores a 04.11.2009 às 18:15

Pelos vistos, o jacobinismo típico da I República continua a ter os seus sequazes, aliás, fiéis - termo mais adequado à circunstância.
Perdoai-lhes, Senhor, que eles não sabem o que dizem...
Imagem de perfil

De Leonor Barros a 04.11.2009 às 19:58

Tenham medo, tenham muito medo...
Sem imagem de perfil

De Alexandre Damasceno Poço a 04.11.2009 às 18:21

Cara Leonor, discordo da sua opinião. É certo que este não é um assunto da Igreja Católica, mas como é sabido, a Igreja é uma organização afecta a muitos milhões de portugueses, está profundamente enraizada na sociedade portuguesa e desde sempre que teve preocupações sociais.
Assim, parece-me legitimo que possa emitir a sua opinião, pois sente que esta para breve uma alteração da realidade social.

Cumprimentos
Imagem de perfil

De Leonor Barros a 04.11.2009 às 19:56

Dar opinião podemos sempre todos, felizmente. Exigir um referendo sobre o assunto é outra, apenas porque o tema é fracturante e vai contra os princípios da Igreja Católica. Quanto ao resto, não acho que a realidade social se vá alterar. Vai apenas haver oportunidade para os indíviduos do mesmo sexo, se assim o desejarem, de legitimar a sua união e de usufruir dos mesmos direitos que os heterossexuais.
Sem imagem de perfil

De M.Coelho a 04.11.2009 às 19:54

Leonor,
já falta pouco para a mimosearem com o epíteto de amiga dos "aventais".
Já vai no jacobinismo e nos fieis da 1ª. República.
Estou plenamente de acordo consigo, aliás, já referira o assunto no meu próprio blog.
Saudações.
Imagem de perfil

De Leonor Barros a 04.11.2009 às 19:59

E sou mesmo amiga dos aventais, é que vou fazer o jantar e uso avental nessas alturas ;-)
Saudações
Imagem de perfil

De ariel a 04.11.2009 às 21:20

A propósito de aventais Leonor, estou aqui a comentar com um, acabei agora de fazer o jantar. Quanto à substancia do post , é evidente que subscrevo integralmente.

Comentar post


Pág. 1/2



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D