Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Obama, Churchill e São Paulo

por Pedro Correia, em 20.10.09

 

 

Barack Obama ganhou o Nobel da Paz ao fim de nove meses incompletos de mandato por constituir – garante o Comité Nobel – um sinal de esperança para os seus contemporâneos. Não precisou de dar um passo concreto a favor da paz: bastou-lhe discursar. Longos floreados verbais foram tudo quanto chegou para comover o júri de Oslo, premiando uma presidência que por enquanto não concretiza – só promete. Prometeu encerrar Guantánamo e apurar todas as responsabilidades por delitos criminais lá cometidos – e ainda não o fez. Prometeu retirar as forças americanas do Iraque – mas deverão permanecer por lá até 2011. Prometeu reforçar a presença militar no Afeganistão, um gesto pouco consentâneo com um Nobel da Paz – e há, de facto, uma séria possibilidade de Washington destacar para lá mais 40 mil soldados a curto prazo.
 
E que mais?
Prometeu firmeza contra o Irão e a Coreia do Norte, que desenvolvem programas nucleares autónomos, em desafio à comunidade internacional – e com isso limitou-se a desenterrar, sem utilizar esse nome, a velha tese do ‘Eixo do Mal’ que George W. Bush lhe transmitiu por legado. Não arriscou a vida e a liberdade contra sistemas iníquos, como Nelson Mandela e Lech Walesa. Não foi prisioneiro de consciência, como Andrei Sakharov e Aung San Suu Kyi. Não protagonizou mudanças drásticas no mapa político e diplomático, como Willy Brandt e Mikhail Gorbachev. Ninguém pode equipará-lo aos líderes espirituais que cruzam o mundo em defesa da resolução de todos os conflitos por meios pacíficos, como o Dalai Lama ou o arcebispo Desmond Tutu. E muito menos alguém de bom senso o imagina com uma auréola de santidade, como uma nova Madre Teresa.
Neste caso, o Nobel não distingue sequer – como tantas vezes ocorreu no passado – uma carreira política notável ou no mínimo esforçada, na senda dos exemplos de Aristide Briand, Gustav Stresemann, Eisaku Sato ou Jimmy Carter: Obama, recém-chegado à alta roda da política, não tem estatuto para tanto, por mais veneradora que seja a sua legião de adeptos, dentro e fora dos Estados Unidos.
 
Há muito que o Nobel da Paz se vinha descaracterizando e banalizando, ao serviço de objectivos políticos. O prémio que agora distingue Obama só confirma essa descaracterização, prestando aliás um péssimo serviço ao actual inquilino da Casa Branca ao elevar ainda mais o patamar das expectativas com que o globo inteiro segue o seu mandato. E indicia que a rota política de Obama só pode ser descendente: restam-lhe cada vez menos troféus a conquistar. Talvez, nos próximos anos, lhe concedam também o Nobel da Literatura – se Churchill o recebeu, enquanto era primeiro-ministro, por que não também o simpático sucessor de Bush, autor de duas autobiografias?
Depois só lhe resta ser proclamado Papa. Para tanto, basta-lhe superar o irrisório pormenor de não ser católico. Também São Paulo não o era antes de rumar à estrada de Damasco. O céu é o limite.


1 comentário

Sem imagem de perfil

De João André a 21.10.2009 às 09:40

Completamente de acordo, com o extra de Obama ter sido proposto há meses (atrás, como diria o João Carvalho :)), numa altura em que ainda não tinha feito mesmo nada.

Já agora, para comparação com S. Paulo, Obama poderá tornar-se santo, mas não Papa. Isso foi o S. Pedro. Mas pronto(s), Obama pode ultrapassar ambos e tornar-se santo e Papa mesmo sem ser ainda católico.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D