Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Obama, Churchill e São Paulo

por Pedro Correia, em 20.10.09

 

 

Barack Obama ganhou o Nobel da Paz ao fim de nove meses incompletos de mandato por constituir – garante o Comité Nobel – um sinal de esperança para os seus contemporâneos. Não precisou de dar um passo concreto a favor da paz: bastou-lhe discursar. Longos floreados verbais foram tudo quanto chegou para comover o júri de Oslo, premiando uma presidência que por enquanto não concretiza – só promete. Prometeu encerrar Guantánamo e apurar todas as responsabilidades por delitos criminais lá cometidos – e ainda não o fez. Prometeu retirar as forças americanas do Iraque – mas deverão permanecer por lá até 2011. Prometeu reforçar a presença militar no Afeganistão, um gesto pouco consentâneo com um Nobel da Paz – e há, de facto, uma séria possibilidade de Washington destacar para lá mais 40 mil soldados a curto prazo.
 
E que mais?
Prometeu firmeza contra o Irão e a Coreia do Norte, que desenvolvem programas nucleares autónomos, em desafio à comunidade internacional – e com isso limitou-se a desenterrar, sem utilizar esse nome, a velha tese do ‘Eixo do Mal’ que George W. Bush lhe transmitiu por legado. Não arriscou a vida e a liberdade contra sistemas iníquos, como Nelson Mandela e Lech Walesa. Não foi prisioneiro de consciência, como Andrei Sakharov e Aung San Suu Kyi. Não protagonizou mudanças drásticas no mapa político e diplomático, como Willy Brandt e Mikhail Gorbachev. Ninguém pode equipará-lo aos líderes espirituais que cruzam o mundo em defesa da resolução de todos os conflitos por meios pacíficos, como o Dalai Lama ou o arcebispo Desmond Tutu. E muito menos alguém de bom senso o imagina com uma auréola de santidade, como uma nova Madre Teresa.
Neste caso, o Nobel não distingue sequer – como tantas vezes ocorreu no passado – uma carreira política notável ou no mínimo esforçada, na senda dos exemplos de Aristide Briand, Gustav Stresemann, Eisaku Sato ou Jimmy Carter: Obama, recém-chegado à alta roda da política, não tem estatuto para tanto, por mais veneradora que seja a sua legião de adeptos, dentro e fora dos Estados Unidos.
 
Há muito que o Nobel da Paz se vinha descaracterizando e banalizando, ao serviço de objectivos políticos. O prémio que agora distingue Obama só confirma essa descaracterização, prestando aliás um péssimo serviço ao actual inquilino da Casa Branca ao elevar ainda mais o patamar das expectativas com que o globo inteiro segue o seu mandato. E indicia que a rota política de Obama só pode ser descendente: restam-lhe cada vez menos troféus a conquistar. Talvez, nos próximos anos, lhe concedam também o Nobel da Literatura – se Churchill o recebeu, enquanto era primeiro-ministro, por que não também o simpático sucessor de Bush, autor de duas autobiografias?
Depois só lhe resta ser proclamado Papa. Para tanto, basta-lhe superar o irrisório pormenor de não ser católico. Também São Paulo não o era antes de rumar à estrada de Damasco. O céu é o limite.


1 comentário

Imagem de perfil

De Dylan a 21.10.2009 às 00:02

O Nobel da Paz tem características diferentes dos restantes prémios atribuídos pela Academia Sueca. Desde logo, é atribuído em Oslo por um comité independente norueguês, laureando alguém ou alguma entidade que se distingue pela capacidade de resolver diplomaticamente diversos problemas, independentemente de ficarem concluídos ou não. Foi assim com Jimmy Carter, é agora assim com Barack Obama. Porque privilegia o diálogo e o bom senso entre os povos, porque ele próprio é o resultado da esperança e do sonho: ter sido o primeiro presidente afro-americano da história dos EUA. Um exemplo do idealismo norte-americano, ainda hoje cobiçado, abraçando causas como os Direitos Humanos e trabalhando internamente para um plano de reforma do sistema de saúde. Com Obama, voltaram as preocupações com o meio ambiente, com o desarmamento nuclear, com a desmobilização do Iraque e com a possibilidade do fim do embargo a Cuba. Apressou-se a condenar o golpe de Estado nas Honduras e a normalizar as relações institucionais com a Rússia, não esquecendo a tentativa de cativar o mundo árabe ao admitir a criação do Estado da Palestina , fundamental para a paz no Médio Oriente.

Negar isto, em menos de nove meses, é cair no discurso dos conservadores norte-americanos e de parte da esquerda europeia, recheada de tiques estalinistas

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D