Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Engraçada teoria (2)

por Adolfo Mesquita Nunes, em 08.10.09

O PS tem insistido, a propósito da governabilidade, na ideia de que o povo português ofereceu ao PS a legitimidade para governar, chumbando as propostas da oposição, pelo que tem de ser a oposição, e não o PS, a ceder nos seus programas eleitorais. Afinal de contas, diz-se pelo PS, o programa do PS foi o que recolheu mais votos.

Engraçada esta teoria socialista que trata os portugueses como uma massa colectiva, cuja vontade se traduziu no resultado eleitoral e que parece esquecer-se que cada voto é um voto e que a maioria dos votos quis penalizar a governação socialista. Se o PS quer governar o país de acordo com a vontade dos portugueses, não pode valorizar mais os votos da minoria de eleitores que votou no PS, como se essa minoria valesse mais do que a maioria dos que votou por uma mudança de política.

Engraçada esta teoria socialista que parece esquecer que a maioria dos portugueses não quis o programa do PS e que, mais do que isso, pretendeu que este chegasse a compromissos vários com as oposições. Se o eleitorado quisesse que fossem as oposições a ceder perante o PS e não o contrário, teria dado maioria aos socialistas.

Seria por isso preferível que o PS, respeitando os resultados eleitorais e a vontade expressa pelo povo, se preparasse para ceder no seu programa eleitoral em vez de fazer-se de virgem ofendida de cada vez que alguém profere a palavra compromisso. É que, desta vez, e muito enganado posso eu estar, o ónus da governabilidade recai sobre o governo e não sobre qualquer um dos partidos da oposição. A isto voltarei.


4 comentários

Sem imagem de perfil

De Clara França Martins a 08.10.2009 às 23:27

É evidente que o Carlos Santos, cujo post fui ler, tem toda a razão. Os argumentos, que estão a ser apresentados pelos vários partidos da oposição para justificarem a não viabilização do governo PS, são completamente absurdos e uma fraude ao eleitorado que votou neles e que pretende, como é óbvio, que eles influenciem a governação, negociando com o governo. Caso contrário, não valeria a pena existir oposição. O partido que tivesse maior número de votos governaria o país e...pronto! Ora isto seria um autêntico absurdo. E, se quisermos continuar no reino do absurdo preconizado pelos partidos que neste momento estão na oposiçao, se, num próximo acto eleitoral, o PSD fosse o partido mais votado com maioria relativa, o PS, logicamente, faria o mesmo e...o país tornar-se-ia totalmente ingovernável até...uma nova maioria absoluta! Por favor! Haja senso!

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D