Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Diário de uma eleitora angustiada

por Teresa Ribeiro, em 25.09.09

Serei mais consequente punindo ou relativizando?


13 comentários

Sem imagem de perfil

De Paulo Quintela a 25.09.2009 às 10:42

Votando nulo.
Sem imagem de perfil

De tric a 25.09.2009 às 10:49

sinceramente, não consigo perceber como é que se consegue relativizar o endividamento de Portugal
Imagem de perfil

De João Carvalho a 25.09.2009 às 10:58

Mas quem é que relativiza? V. anda a bater na porta errada. Mais chato do que a potassa. Quer os endereços de mil blogues mais próprios para a sua pregação?
Sem imagem de perfil

De dita dura a 25.09.2009 às 10:55

Eu não voto
Sem imagem de perfil

De dita dura não, cabeça dura a 25.09.2009 às 11:05

Sinonimo de grande inteligência e enorme espírito civico...
Sem imagem de perfil

De João Sousa a 25.09.2009 às 11:20

Se todos os abstencionistas fossem votar e votassem em branco, será que 40% de votos brancos trariam consequências?
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 25.09.2009 às 11:37

Punindo quê?

Relativizando o quê?

Não percebo o post.
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 25.09.2009 às 12:36

Punindo os partidos de poder votando noutros, ou relativizando os abusos, as mentiras e incompetências de quem nos vem governando, escolhendo um deles para governar. É isto, Luís Lavoura, que quero dizer.
Sem imagem de perfil

De Zé a 25.09.2009 às 14:21

Lavoura vota no CDS
Sem imagem de perfil

De Maria a 25.09.2009 às 13:08

Se o resultado da minha atitude, para mim, natural - votar
segundo a minha vontade se transformar em punição então eu estarei punindo.
Imagem de perfil

De Carlos Barbosa de Oliveira a 25.09.2009 às 15:33

Cavaco Silva desfez-me as dúvidas. Infelizmente...
Sem imagem de perfil

De 100anos a 25.09.2009 às 16:58

Meus caros,
O que me parece evidente é que o sistema político e eleitoral não responde com eficácia a todas as preocupações do eleitor.
Por exemplo, há muitos eleitores que não tendo simpatia a favor de nenhum dos concorrentes e tendo mesmo antipatia por todos eles em proporções mais ou menos iguais, mas não querendo deixar de participar na festa da democracia que são as eleições, acabam por votar em branco; ora o nosso sistema não só não valoriza os votos brancos, como os atira para um canto sem lhes dar a menor relevância.
Há também a questão da proporcionalidade dos votos e dos mandatos.
Pouca gente consegue compreender porque é que um partido que, por hipótese, tem apenas 45% dos votos expressos, consegue obter 52% dos mandatos; creio que é a altura de colocar as cartas na mesa e defender que deve haver um sistema de proporcionalidade pura – x% de votação deverá equivaler aos mesmos x% de deputados.
Dir-me-ão que tal método (o método de Hondt) foi pensando para criar governos estáveis, mas não creio que essa seja uma objecção válida; é que o alibi dos governos estáveis favorece inevitavelmente os maiores partidos e desfavorece os menores (só para terem uma ideia, nas últimas legislativas, em 2005, o PS teve 45,03% de votantes e obteve 52,60% de mandatos de deputado; o Bloco de Esquerda obteve 6,35% dos votos do eleitorado, mas não foi além dos 3,40% em número de deputados); isto é uma enorme entorse da democracia.
As leis eleitorais não têm que se preocupar em garantir governos estáveis, têm é que ter como que traduza com rigor e exactidão as opções dos cidadãos votantes.
Traduzindo tudo isso para linguagem comum, o meu voto vale bastante mais se votar num dos grandes partidos, vale muito menos se votar num pequeno partido e não vale nada se votar branco ou nulo.
Nesse quadro, a pura e simples abstenção – por não se aceitar um sistema tão injusto – pode ser a opção mais lúcida.
Nessa perspectiva, só por ignorância se poderão acusar os abstencionistas de serem pouco democráticos ou de se estarem a marimbar para o regime.
Deverão, sim, ser responsabilizados os arquitectos do sistema politico-eleitoral por deixarem fora da opção válida de voto uns milhares muito largos de cidadãos.
Sem imagem de perfil

De 100anos a 25.09.2009 às 17:38

Há uma gralha, perdeu-se parte do texto.
Quem o queira ver completo poderá ir a
http://paixaodaleitura.blogspot.com/2009/09/abstencao-branco-nulo.html

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D