Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ursos

por Sérgio de Almeida Correia, em 11.06.14

Depois de tudo o que foi dito sobre o Tribunal Constitucional e os seus juízes, e as dificuldades que estes "criaram" ao Governo pelo último chumbo, a ministra das Finanças admite agora poder prescindir do último cheque da troika.

Perante isto, não sendo o primeiro dia de Abril, há poucas conclusões a tirar:

(1) não precisavam do dinheiro e andaram, de novo, a esmifrar os contribuintes sem necessidade;

(2) fizeram uma tempestade num copo de água por causa do TC para ver se criavam uma crise política, radicalizavam os espíritos e obrigavam o PR a convocar eleições;

(3) andaram a gozar com o Zé Povinho.  

Em qualquer um dos casos, o que a ministra disse foi muito feio, revelando uma tremenda falta de respeito para com quem lhe paga o ordenado.

Ninguém gosta de fazer figura de urso. Mas foi essa a nossa figura. E, se assim foi, talvez seja altura dos ursos comerem a foca.

Autoria e outros dados (tags, etc)


15 comentários

Sem imagem de perfil

De Valhelhas a 11.06.2014 às 09:14

Foi pena não terem prescindido de todas as prestações e a esta hora já os aposentados e funcionários públicos e das empresas públicas andavam felizes e contentes.
Sem imagem de perfil

De da Maia a 11.06.2014 às 09:56

O cheque guardado chama-se "Eleições 2015", mas se o tiverem que gastar já, pode passar a ser "Eleições à vista".
Sem imagem de perfil

De João a 11.06.2014 às 13:14

De pleno acordo. O problema, é que andamos a fazer figuras de ursos e continuamos porque ainda há gente que vota nesta gente de total incapacidade, para as funções que desempenham. Não é preciso muito, para se ver que este governo tem andado a governar-se e a desgovernar o país.
Imagem de perfil

De Manuel a 11.06.2014 às 14:26

As vezes acho que Portugal é um pequeno país especialista em abolir convenções. Logo pela forma que você expõe a situação, sou levado a um dilema: mas afinal aquilo que o TC defende, é um dever e uma obrigação da nação, ou é um capricho de uma classe? É que já ninguém se entende, afinal o que queremos?! - Ser gente séria ou ser uma cambada de macacos há procura de bananas gratuitas?
Sem imagem de perfil

De l.rodrigues a 11.06.2014 às 16:26

A minha Avó costumva dizer: Deus manda ser bom, mas não mada ser parvo. Ser gente séria não é aceitar tudo o que nos enfiam na goela.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.06.2014 às 01:23

O TC defende o que está na constituição, é o dever dos juízes, fazer aquilo que outros juraram e não cumpriram. Ser gente séria e os sérios, cumprem o que prometem, estes não cumpriram o que prometeram em eleições, nem a constituição que prometeram cumprir perante a honra deles mesmos, logo, de sério e de honra, têm muito pouco, ou nada.
Sem imagem de perfil

De mmpf a 11.06.2014 às 19:42

Quando leio este post e alguns dos comentários concluo que há quem continue a não perceber nada. Se o dinheiro é emprestado (e não dado!!!) pela troika ou pelos "mercados" pouco interessa (se os juros forem equivalentes). O que interessa é que continuamos a ter défices orçamentais, logo temos que continuar a pedir dinheiro emprestado, a acumular dívida e a pagar os respectivos juros (já nem digo pagar de volta o que nos emprestaram - há quem diga que as dívidas só se gerem...). Mas esta simples aritmética parece escapar ao TC, ao autor do post e a alguns dos comentadores; e também a alguns dirigentes políticos de topo que conseguem, na mesma frase, criticar o esforço para reduzir o défice orçamental e o aumento da dívida pública!
Temos o que merecemos.
Imagem de perfil

De Sérgio de Almeida Correia a 12.06.2014 às 03:03

Se há "dirigentes políticos de topo que conseguem, na mesma frase, criticar o esforço para reduzir o défice orçamental e o aumento da dívida pública", então há coisas que estão muito mal explicadas e executores que também não sabem o que andam a fazer. Se ao fim de três anos de lapsos comunicacionais, tendo um batalhão de especialistas em comunicação a trabalhar nos gabinetes, isso acontece é porque deve haver alguma coisa que não funciona.
Mas seria conveniente que alguém explicasse o que se está a passar numa linguagem que todos possam entender, não lhe parece?
Culpa do TC , dos comentadores ou do autor do post , que pela parte que lhe toca se limita a ler e ouvir o que lhe vai chegando, é que não creio que seja.
Sem imagem de perfil

De mmpf a 12.06.2014 às 13:29

Caro Sérgio Correia
A fim de conservarmos a sanidade mental temos que nos abstraír do "ruído" produzido pelos tais especialistas que refere - é precisamente para fazerem esse "ruído" que são pagos. Agora os tais políticos a que me refiro, ou não sabem do que falam, ou sabem e aldrabam-nos intencionalmente. Não sei o que é pior.
Sem imagem de perfil

De João a 12.06.2014 às 18:05

O seu post está excelente e relata a vida real tal qual ela é. Se outros não gostam paciência, continue a escrever o que lhe vai na alma e não se coíba de dizer o que pensa, só porque alguns acham que eles é que sabem tudo e os outros não sabem nada.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.06.2014 às 12:03

A dívida pública quem a fez? Fomos nós, cidadãos? Não, não fomos, nem tão pouco nos perguntaram se queríamos mais uma auto-estrada, ou mais isto, ou mais aquilo, logo não vale tudo. Todos os estados têm dívidas, salvo raras excepções (talvez uma Noruega, mas esses têm petróleo e uma população diminuta) logo, nós jamais deixaremos de ter défices e sem economia ainda pior. Não é tirando aos cidadãos que se pagam dívidas, mas sim com com uma economia próspera, o que por este caminho de tirar e cortar e aumentar impostos, não nos leva a lado nenhum, leva-nos, sim a pedir, pedir e pedir e nunca mais paramos de pedir. Isto leva-nos à destruição total e a prova está à vista. O TC, limita-se a cumprir a constituição que é para isso que são pagos, se assim não fosse, tudo isto se tornaria num desvario, onde governos que faziam o que queriam e muito bem lhes apetecia e assim não pode ser. Há pessoas e as pessoas não são coisas. Reestruturar a dívida, será a única hipótese e ter governos sérios que não digam hoje A e amanhã B o que nunca sabemos se o que dizem é ou não verdade. Temos o que merecemos porque aceitamos tudo o que nós dizem e nunca dizemos basta.
Sem imagem de perfil

De mmpf a 12.06.2014 às 17:50

Não fizemos a dívida mas fomos vivendo melhor e agora temos que a pagar. Gostemos ou não, é sempre assim. Por isso é melhor não embarcar em novas aventuras. Quanto à sua ideia do crescimento - infelizmente, e ao contrário da austeridade, não se decreta! Nos últimos 10 anos antes da troika os governos fartaram-se de lançar dinheiro (emprestado) na economia e o resultado é o que se sabe. Pergunte ao Hollande que ele explica-lhe.
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 11.06.2014 às 22:33

Sérgio, estás a falar do que não sabes. Resguarda-te, se não queres fazer má figura.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 12.06.2014 às 16:17

Basicamente o autor ainda não entende como funciona dívida, défice, cheque da UE, juros... logo não entende sequer uma notícia com que está de acordo...

A ministra disse na prática que há a possíbilidade de não fazer mais dívida via UE se os mercados estiverem com juros baixos para não se ter de sujeitar ás imposições desta.

O bizarro do post é que o Governo abre a eventualidade de não querer o cheque da UE precisamente para poder não cumprir as regras "esmifradoras" da UE.
Imagem de perfil

De Sérgio de Almeida Correia a 13.06.2014 às 03:09

Agradeço a tradução, mas se continuarem a falar assim suspeito que no fim estarão a falar só para eles. Ou para o lucklucky, visto que não consigo ler isso na notícia.

Comentar post





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D