Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Palavras para recordar (31)

por Pedro Correia, em 04.12.17

pes_250957[1].jpg

 

ANTÓNIO COSTA

Lusa, 23 de Maio de 2006

«O problema dos incêndios florestais não se resolve em um, dois, três, quatro ou cinco anos. Mas não há desculpas, está ao nosso alcance podermos ultrapassar as melhores médias da União Europeia em termos de prevenção e combate aos fogos florestais.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (30)

por Pedro Correia, em 27.11.17

2905266392_596d7380bd[1].jpg

 

PEDRO LIMA

Correio da Manhã, 30 de Novembro de 2012

«O reconhecimento não é um factor que procure. Dou o melhor de  mim em cada trabalho sem esperar nada em troca. Costumo dizer que o reconhecimento é como uma droga dura porque nunca é suficiente.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (28)

por Pedro Correia, em 31.10.17

ana-gomes[1].jpg

 

ANA GOMES

i, 26 de Fevereiro de 2011

«José Sócrates tem as qualidades necessárias para levar o País a sair desta crise. Não me passa pela cabeça que o PS mude de liderança nesta conjuntura.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (27)

por Pedro Correia, em 18.09.17

Antonio_Costa_2014_(cropped)[1].jpg

  

ANTÓNIO COSTA

Jornal de Negócios, 4 de Julho de 2015

«A minha classificação sobre as agências de rating é que são lixo. Foi por isso que rescindi, aliás, o contrato com todas quando era presidente da Câmara de Lisboa. É uma gente que já demonstrou não ser minimamente credível, fiável.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (26)

por Pedro Correia, em 10.08.17

BSS3n3t[1].jpg

 

BOAVENTURA DE SOUSA SANTOS

Público, 11 de Maio de 2013

«Portugal tem a democracia basicamente suspensa.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (25)

por Pedro Correia, em 21.07.17

armenio-carlos[1].jpg

 

 ARMÉNIO CARLOS

Correio da Manhã, 26 de Janeiro de 2013

«Daqui a pouco vêm aí outra vez os três reis magos: um do Banco Central Europeu, outro da Comissão Europeia e o mais escurinho, o do FMI, e já se fala em mais medidas de austeridade.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (24)

por Pedro Correia, em 13.07.17

Antonio_Costa_2014_(cropped)[1].jpg

  

ANTÓNIO COSTA

TSF, 16 de Janeiro de 2017

«O grande desafio que temos pela frente é a melhoria da produtividade na plantação do eucalipto. A produtividade média que temos por hectare é baixíssima e temos condições de a melhorar significativamente. (...) Tal como está previsto desde 2015, na estratégia florestal nacional, a área prevista para a plantação de eucaliptos permitirá responder àquilo que é a procura crescente por parte da indústria, permitindo aumentar a produção de pasta e de papel.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (23)

por Pedro Correia, em 10.07.17

PedroAdaoSilva[1].png

 

PEDRO ADÃO E SILVA

Expresso, 20 de Abril de 2013

«É todos os dias mais evidente que o euro, tal como existe, é um factor de estrangulamento da nossa economia. Com uma moeda valorizada e com níveis de endividamento insustentáveis, seremos lentamente empurrados para fora do euro.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (22)

por Pedro Correia, em 26.06.17

pes_28281[1].jpg

 

RICARDO SALGADO

RTP, 15 de Setembro de 2008

«Os bancos portugueses portaram-se bem, não investiram nos "produtos tóxicos" que estão por trás da crise.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (21)

por Pedro Correia, em 20.06.17

Antonio_Costa_2014_(cropped)[1].jpg

 

ANTÓNIO COSTA

SIC, 9 de Agosto de 2016

«Os incêndios evitam-se reestruturando a nossa floresta: essa é uma prioridade política a que terá que ser dada execução tão rapidamente quanto possível.(...) Não é por haver vento que há incêndios nem é por haver calor que há incêndios.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cristofobia, essa palavra de raro uso

por João Pedro Pimenta, em 07.05.17

Hoje em dia encontramos fobias por toda a parte. Não me refiro a doenças clinicamente determinadas, mas às fobias sociais, sobretudo no que à sexualidade e religião dizem respeito. Entre outras, encontramos a homofobia (que se tende a exagerar nuns casos e a ignorar noutros), a islamofobia, e, já sem o sufixo mas usado pelas mesmas razões, o anti-semitismo, normalmente reduzido à sub-espécie anti-judaísmo ou mesmo anti-sionismo.

É precisamente no caso das religiões que fico mais perplexo quando vejo palavras usadas por tudo e por nada. Quando se fala da islamofobia na Europa por exemplo. Não que não a haja (e por vezes passa despercebida, como o atentado recente num centro islâmico de Zurique), mas tende não raramente a ser sobrevalorizada. Ou o anti-semitismo, outro fenómeno inegável. Mas é raro, raríssimo, encontrarmos referências à cristofobia.

Vimos, recentemente, um atentado na principal igreja copta do Egipto que vitimou inúmeros fiéis, cancelou as celebrações da Páscoa e motivou uma atenção especial do Papa na sua visita recente ao país. Vemos o número de cristãos no Médio-Oriente, ali presentes desde os tempos bíblicos, a diminuir constantemente, seja porque fogem para outras paragens, seja porque são simplesmente liquidados pelas maiorias. Boa parte dos seus mosteiros e igrejas são agora ruínas ou meras recordações. No Iraque, na Síria, no Egipto (há pouco mais de meio século, os cristãos de Alexandria, contando também com as comunidades italianas, gregas e britânicas, seriam mais de metade da população da cidade), noutras paragens do norte de África e do Sahel, mesmo no Líbano, a percentagem tem diminuido drasticamente.

Resultado de imagem para christians middle east

 

Apesar disso, é raríssimo encontrarmos a palavra cristofobia para dar nome a essa trágica mudança demográfica e cultural. Quando qualquer gesto menos simpático para com os muçulmanos na Europa, por exemplo, dá logo azo a acusações de islamofobia, não se compreende porque é que em situações bem mais graves não se fala de actos cristófobos. A palavra deve soar desconhecida a muitos, mas não é nenhuma invenção de última hora. Na realidade, ocasiões houve em que se a usou, mas para garantir que era "uma invenção" e um pretexto para a vitimização.

 

Não deixa de ser estranho que a religião que, juntando todas as suas igrejas, reúne mais fiéis no Mundo, não tenha grandes referências vocabulares para as perseguições de que é alvo. A explicação pode estar, para além da secularização da sociedade ocidental, nos medos e mentalidades pós-coloniais, ligadas a uma certa ideia de politicamente correcto, em que o cristianismo seria a religião do "ocupante" ocidental, pelo que a perseguição dos cristãos tratar-se-ia de uma justiça histórica e da expulsão dos antigos dominadores. Uma ideia peregrina, já que as populações que mais sofrem são minorias há muito estabelecidas no terreno, ou pelo menos evangelizadas sem ser à força (no  extremo-oriente, por exemplo). O que é certo é que as perseguições cristãs não só provocam menos eco como raramente se ouve a palavra que lhes devia estar associada.

 

Não há nenhuma razão para que o termo cristofobia não seja usado como merece. Quando há perseguições a cristãos e tentativas de eliminar a sua cultura é disso mesmo que se trata. A cristofobia existe, é constante e reiterada e infelizmente não tende a desaparecer. O pior mesmo é ser ignorada e escondida. Se não ajudamos os que são perseguidos, ao menos não escondamos que o são nem neguemos as palavras certas para o denunciar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (20)

por Pedro Correia, em 13.03.17

images[7].jpg

 

JORGE SAMPAIO

Diário de Lisboa, 25 de Março de 1981

«Seria uma grande vitória terminar com o ambiente de 'macartismo', com o ambiente totalitário que se tem vindo a desenvolver neste partido [PS].»

 

Frase extraída do livro 43 Anos e 6 Meses de Má Política (Contraponto, 2017), organizado por Luís Naves

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (19)

por Pedro Correia, em 27.02.17

imagesHDPQ1XAU.jpg

 

ALBERTO JOÃO JARDIM

Jornal da Madeira, 24 de Dezembro de 2011

«Resta saber se Portugal, com a independência nacional em parte bastante perdida, ainda é um Estado democrático de Direito.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (18)

por Pedro Correia, em 20.02.17

8262298_tIFvi[1].jpg

 

NICOLAU SANTOS

Expresso, 20 de Fevereiro de 2010

«Vítor Constâncio foi eleito pelo Ecofin como o nome a apresentar ao Conselho Europeu de Março para ocupar o lugar de vice-governador do Banco Central Europeu. Foi uma escolha unânime, batendo os outros dois candidatos ao lugar. É uma grande vitória para o país e uma grande vitória para Constâncio, pois resulta essencialmente do prestígio nacional e internacional de que o governador do Banco de Portugal desfruta. (...)

Constâncio resistiu a todas as acusações e sai por cima para um cargo de grande responsabilidade e prestígio. Merece-o inteiramente. Foi um grande governador do Banco de Portugal. E a solidez com que o sistema financeiro português ultrapassou a crise é a prova disso mesmo.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (17)

por Pedro Correia, em 13.02.17

jose_socrates_adn[1].jpg

 

JOSÉ SÓCRATES

Expresso, 11 de Janeiro de 2008

«Tenho a certeza que todos os portugueses compreendem que, com o défice e a dívida controlados, o País está melhor e terá mais futuro.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (16)

por Pedro Correia, em 06.02.17

 Belmiro_de_Azevedo2[1].JPG

 

BELMIRO DE AZEVEDO

Expresso, 16 de Outubro de 2004

«Marcelo Rebelo de Sousa é um entertainer, não poderia ser primeiro-ministro. É bom para aquilo da televisão, valha-nos Deus.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (15)

por Pedro Correia, em 30.01.17

CGTP-A039-09_141[1].jpg

 

MANUEL CARVALHO DA SILVA

Expresso, 26 de Maio de 2007

«Só fiz greve uma vez na vida. Foi antes do 25 de Abril, na empresa a que ainda pertenço.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (14)

por Pedro Correia, em 23.01.17

pes_455729[1].jpg

 

JOSÉ ANTÓNIO SARAIVA

Sol, 30 de Junho de 2007

«Um destes dias, num elevador de Lisboa, fiquei cara-a-cara com uma adolescente que irresistivelmente me fez vir à memória a imagem da jovem negra da colecção de cromos: tinha as orelhas perfuradas em vários sítios por argolas, outras duas argolas no nariz, um furo entre o lábio inferior e o queixo, 'ornamentado' com uma pequena esfera prateada, e, quando abria a boca, deixava ver mais uma esfera cravada na língua.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (13)

por Pedro Correia, em 16.01.17

pes_21070[1].jpg

 

JOSÉ MIGUEL JÚDICE

Expresso, 10 de Março de 2007

«Se Sócrates falhar, o CDS e o PSD não têm condições para fazer o que o País precisa. Em primeiro lugar porque não se entendem. Ninguém se entende com o Portas. Nunca houve uma relação de confiança entre os dois partidos.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (12)

por Pedro Correia, em 12.01.17

 

6760468847_71930a9c23[1].jpg

 

ANTÓNIO CAPUCHO

Sol, 4 de Fevereiro de 2011

«Passos Coelho tem toda a razão. Porque é que eu hei-de ter passe social? E porque é que a CP me faz desconto a mim? A minha mulher contou-me que vai para Lisboa por metade do preço por ter mais de 65 anos. Não faz nenhum sentido. É neste tipo de coisas que por uma questão moral mas também financeira que Passos Coelho tem de ser aparentemente liberal, mas é ele que está a defender o Estado Social.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (11)

por Pedro Correia, em 02.01.17

 pes_455729[1].jpg

 

JOSÉ ANTÓNIO SARAIVA

Sol, 15 de Janeiro de 2010

«É difícil imaginar Pedro Passos Coelho no papel de líder do PSD nacional.

(...) Por tudo isto, admito que Aguiar-Branco pode ser o líder de que o PSD precisa.

E sendo este palpite naturalmente falível - até porque só o conheço da televisão - o passado diz-me que, de uma forma geral, a intuição não me engana.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (10)

por Pedro Correia, em 27.12.16

GetResource[1].jpg

 

CLARA FERREIRA ALVES

Expresso, 30 de Junho de 2007

«A Baixa de Lisboa é, em 2007, um cadáver. E um cadáver que afecta as áreas vizinhas, mesmo as que tentam resistir, como o Chiado e o Príncipe Real. Não é possível num dia de Junho de uma cidade "mediterrânica" como esta, quando se comemora o Santo António, que a data seja entendida não como uma oportunidade de negócio pelos lojistas e donos de restaurantes, e sim como um período de férias. A falta de sentido prático dos portugueses é lendária. Em toda a Baixa não se encontrava, naquele santo dia, mais do que meia dúzia de restaurantes abertos onde turistas melancólicos debicavam grelhados e imperiais. No dia em que a cidade devia estar mais cheia de gente e em festa, o ambiente era de funeral. A Rua Augusta era um estudo sobre a depressão urbana. O Terreiro do Paço parecia, como sempre, um estaleiro.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (9)

por Pedro Correia, em 19.12.16

ptp[1].jpg

 

PAULO TRIGO PEREIRA

Público, 13 de Fevereiro de 2011

«O Egipto está longe mas os portugueses já começam, também, a estar cansados desta insustentável leveza do jogo político, em que a liberdade dos cidadãos é sempre adiada.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (8)

por Pedro Correia, em 12.12.16

136px-JEdBet[1].jpg

 

JOSÉ EDUARDO BETTENCOURT

Diário de Notícias, 5 de Julho de 2009

«Esta ambição, este espírito de corpo, esta coesão, esta sede de conquista marcarão um novo ciclo da vida do Sporting. As pessoas sabem bem com o que poderão contar nesta Nova Era, sabem que nos regemos por valores, que privilegiamos o mérito, que apostamos na qualidade e que colocaremos as 24 horas de cada dia ao serviço do clube, para construirmos, ao lado dos sócios, em terra firme e com os olhos nas estrelas, o caminho para muitos sucessos desportivos.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (7)

por Pedro Correia, em 05.12.16

BSS3n3t[1].jpg

 

BOAVENTURA DE SOUSA SANTOS

20 de Janeiro de 2009

«Acho que em Cuba a democracia radical, contra-hegemónica, não liberal, é a condição de tudo o resto. E por que razão? A crise da democracia liberal é hoje mais evidente do que nunca.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (6)

por Pedro Correia, em 28.11.16

Augusto_Santos_Silva[1].jpg

 

AUGUSTO SANTOS SILVA

Público, 7 de Março de 2008

«A liberdade é algo que o País deve a Mário Soares, Salgado Zenha e Manuel Alegre e não a Álvaro Cunhal ou a Mário Nogueira.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (5)

por Pedro Correia, em 21.11.16

7474569_hFTfC[1].jpg

 

VASCO PULIDO VALENTE

Público, 23 de Fevereiro de 2008

«O destino de Portugal é, como sempre foi, apodrecer ao sol.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (4)

por Pedro Correia, em 14.11.16

moreira[1].jpg

 

VITAL MOREIRA

Diário de Notícias, 23 de Novembro de 2013

«A primeira coisa que importa dizer sobre o livro de José Sócrates A Confiança no Mundo: Sobre a Tortura em Democracia é que se trata de uma aposta inteiramente bem sucedida. Estamos perante um trabalho universitário sólido, bem investigado, bem concebido, bem argumentado, bem escrito. (...) Tem seguramente assegurado um lugar de relevo na literatura sobre o tema. Merece-o.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (3)

por Pedro Correia, em 07.11.16

F48-a14[1].jpg

 

GONÇALO RIBEIRO TELLES

Público, 28 de Outubro de 2007

«O meu desejo é que se implante a monarquia em Portugal para podermos voltar a viver em democracia.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (2)

por Pedro Correia, em 31.10.16

010-0033-00001_142[1].jpg

 

JOSÉ PACHECO PEREIRA

Público, 1 de Dezembro de 2007

«Só há uma alternativa a esta política do modelo social europeu e essa alternativa é um consistente, persistente e intransigente programa de liberalismo moderado, reformista, prudente, passo a passo, sempre no mesmo sentido de dar mais liberdade a pessoas e a empresas do domínio abafador do Estado.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras para recordar (1)

por Pedro Correia, em 24.10.16

pes_455729[1].jpg

 

JOSÉ ANTÓNIO SARAIVA

Sol, 8 de Dezembro de 2007

«Com os computadores, os últimos elos que restavam nas relações familiares foram quebrados.

O computador estimula a solidão.

O computador promove o homem anti-social - que, no limite, passa a vida em frente de uma máquina sem precisar de sair de lá.»

Autoria e outros dados (tags, etc)


O nosso livro


Apoie este livro.



Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D