Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Se podes olhar, vê; se podes ver, observa

por Rui Rocha, em 21.12.16

Encontro na escolha de Mariana Mortágua como personalidade do ano na área da economia feita pelo Observador a mesma lógica que justificou a atribuição do Nobel da Paz a Obama. Não estava então em causa, como agora não pode estar, qualquer reconhecimento por uma conduta passada mas antes a tentativa de vinculação futura a um comportamento alinhado com a natureza da distinção atribuída. No caso de Obama pretendia-se, nomeadamente, que encerrasse Guantánamo. No de Mortágua, presumo, deseja-se que pare de torturar números. De qualquer maneira, ou é isso ou os tipos do Observador são malucos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

ornitorrinco-2[1].jpg

 

"acordo ortográfico" de 1990, concebido por Cavaco Silva e que José Sócrates mandou ratificar em 2008, surgiu com o propósito de unificar a grafia. Propósito utópico, irrealizável: nunca haverá unidade ortográfica entre os países de língua portuguesa (reparem, por exemplo, como os brasileiros - e só eles - persistem em chamar Cingapura a Singapura).

Não unificou: baralhou ainda mais a ortografia. Passou a haver três normas - a que radica no português europeu com ramificações em Angola, Cabo Verde, Goa, Guiné-Bissau, Macau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste, a norma brasileira e o modelo híbrido que o AO90 veio introduzir. Híbrido porque nuns casos transformou a nossa ortografia em mero decalque da brasileira enquanto noutros aprofundava as diferenças - como nas palavras recepção, decepçãoexcepcional, introspecçãoexpectativaimperceptível ou espectadores (que alguns aqui no torrão, por motivos que talvez Freud explique, adoram transformar em "espetadores").

 

ornitorrinco-2[1].jpg

 

Instalou-se portanto uma ortografia à la carte que em vez de clarificar só confundiu. E em vez de democratizar, como seria intenção subsidiária dos esdrúxulos legisladores que pariram este ornitorrinco, gerou uma nova aristocracia do idioma, acentuando as distâncias entre os que o escrevem correctamente - por exemplo, sem quebrar famílias lexicais, como em "Egito"/egípcio, "caráter"/característica ou "setor"/sectorial - e os restantes, que se sentem obrigados a usar o acordês embora discordem dele e na intimidade persistam em escrever como sempre escreveram. Seguindo aliás o insuspeito precedente do próprio Cavaco, principal patrocinador político da coisa.

 

ornitorrinco-2[1].jpg

 

Quando passo os olhos pelo Observador fico sempre com a noção desta dualidade, ali cultivada com esmero. Nas peças informativas, destinadas ao "povinho", este jornal digital faz questão de nos bombardear com títulos e entradas em acordês: "Moçambique promete desinfetar a casa"; "Portugal já adotou o novo acordo ortográfico"; "Portugal é eletrónico e este filme ensina-lhe isso"; "Onde para a Viatecla?"  Não porque os jornalistas que assinam estas peças necessariamente assim queiram, mas porque existe uma norma interna que tal impõe. Como se a Resolução do Conselho de Ministros assinada em Janeiro de 2011 por Sócrates que tornou obrigatória a aplicação do AO90 apenas ao "Governo e todos os serviços, organismos e entidades sujeitos aos poderes de direcção, superintendência e tutela do Governo", se estendesse afinal aos restantes organismos, públicos e privados - dos tribunais às empresas, das editoras às redacções de jornais.

Já os selectos artigos de opinião dos habituais colunistas do Observador, em nítido contraste, são na grande maioria escritos em português correcto - ou seja, na grafia pré-acordês. Refiro-me por exemplo aos textos de Rui Ramos, Luís Aguiar-Conraria, Laurinda Alves, Paulo de Almeida Sande, Alexandre Homem Cristo, João Carlos Espada, Mário Pinto, Paulo Tunhas, Helena MatosJoão Marques de AlmeidaCarlos Silva e Maria João Avillez.

Upstairs, downstairs: pura dualidade ortográfica introduzida pelo "acordo" que visava unificar o idioma. Passaram a existir os proletários da escrita e os aristocratas da escrita - os primeiros, forçados a aplicar o AO90; os outros, dispensados da sua utilização.

 

ornitorrinco-2[1].jpg

 

É quanto basta para ilustrar o ridículo deste ornitorrinco legado ao País por Cavaco e Sócrates, que se atreveram a legislar sobre a língua sem conhecimentos sumários da matéria.

Autoria e outros dados (tags, etc)

No Observador também repararam

por Sérgio de Almeida Correia, em 23.10.15

"Cavaco não precisava de ter dito isto para justificar a sua acertada decisão. Num discurso de 28 parágrafos houve dois desnecessários e infelizes, que provocam mais problemas do que abrem a porta a soluções. Houve 122 palavras a mais.

Cavaco dividiu quando devia ter unido. Acentuou divergências quando precisamos de convergência. Extremou posições ideológicas quando a hora é de pragmatismo." - Paulo Ferreira, Observador

Autoria e outros dados (tags, etc)




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D