Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Música recente (73)

por José António Abreu, em 24.02.17

Ty Segall, álbum Ty Segall.

Um dos comentários a este vídeo no Youtube é cruel: «dad music». Seja. Apreciar rock de garagem estará fora de moda, mas estar fora de moda pode ser uma maneira de combater as tendências para a uniformidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (72)

por José António Abreu, em 21.02.17

The Invisible, álbum Patience.

Os Invisible são Dave Okumu, produtor do primeiro álbum de Jessie Ware, guitarrista da malograda Amy Winehouse, e Tom Herbert e Leo Taylor, colaboradores habituais de Adele. A música que fazem evita a velocidade e a grandiloquência; trata-se de pop electrónica, mas num registo contemplativo e melancólico. Alguns dos melhores temas do álbum incluem convidadas (Anna Calvi, por exemplo).

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (71)

por José António Abreu, em 17.02.17

Osso Vaidoso, álbum Miopia.

Ana Deus e Alexandre Soares num segundo álbum de sonoridade mais «suja», assente em letras de gente como Jorge Luis Borges, Natália Correia, Nicolau Tolentino, Rainer Maria Rilke e Sá de Miranda.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (70)

por José António Abreu, em 14.02.17

Minor Victories, álbum Minor Victories.

Um projecto só possível nos tempos actuais. Rachel Goswell, dos Slowdive, Stuart Braithwaite, dos Mogway, e Justin Lockey, dos Editors, trabalharam à distância e nunca gravaram todos no mesmo local.  O resultado mistura a tendência pop de Lockey com a guitarra densa de Braithwaite. A voz de Goswell acrescenta o toque de leveza e fragilidade.

 

(Sempre me pareceu que o planeta seria destruído por um gato - o de Blofeld, por exemplo. Ou então por um humano com cabelo alaranjado.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (69)

por José António Abreu, em 10.02.17

Señoritas, álbum Acho Que É Meu Dever Não Gostar.

Sandra Baptista e Maria Antónia Mendes, ex-Naifa (Sandra também ex-Sitiados), num conjunto de canções despidas, à base de acordeão, guitarra, baixo e tarola, gravadas em casa de Sandra. A perspectiva é madura e feminina, a sonoridade faz pensar em tangos e nas bandas sonoras mais famosas de Ennio Morricone.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (68)

por José António Abreu, em 07.02.17

Elbow, álbum Little Fictions.

Há qualquer coisa na voz de Guy Garvey que anima a alma. Ainda por cima, neste álbum ele está apaixonado.

 

We protect our little fictions
When we bow to fear
Little wilderness mementos
But there's only you and me here
Fire breathing
Hold tight
Waiting for the original miracle

(...)

Life is the original miracle
(...)
Love is the original miracle

(no tema que dá título ao álbum)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (67)

por José António Abreu, em 03.02.17

 Kasey Chambers, álbum Drangonfly.

Country alternativo de uma australiana com uma carreira iniciada há dezassete anos que já passou por inquietações sobre a beleza e a existência de Deus.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (66)

por José António Abreu, em 31.01.17

Kid Koala featuring Emiliana Torrini, álbum Music to Draw To: Satellite.

Onze temas instrumentais, em registo ambiental, mais sete com a voz da islandesa Emiliana Torrini, num estilo ligeiramente mais electro-pop.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (65)

por José António Abreu, em 27.01.17

 Rita Wilson, álbum Rita Wilson.

Imensos actores cantam, outros tocam banjo. Rita Wilson (que, com Tom Hanks, forma um dos casais do mundo do show business com que é mais fácil simpatizar) será apenas mais um exemplo. Mas canta bastante bem, neste seu segundo álbum, ao contrário do que aconteceu no primeiro, até escreveu as letras e, honestamente, hoje apetece-me algo alegre e inconsequente.

 

(É provável que esta tendência para associar alegria a inconsequência diga muito sobre mim.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (64)

por José António Abreu, em 24.01.17

Capitão Fausto, álbum Capitão Fausto Têm os Dias Contados.

Pop assumida, em oito temas onde não há medo de usar (e de subverter) clichés.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (63)

por José António Abreu, em 20.01.17

 Amanda Shires, álbum My Piece of Land.

Composto durante a fase final de uma gravidez, longe do marido (Jason Isbell andava em digressão), é um trabalho de subtilezas, reflectindo solidão e inquietudes, mas também esperança no futuro.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (62)

por José António Abreu, em 17.01.17

Warpaint, álbum Heads Up.

Há uma incursão pela pop em New Song, o terceiro tema. De resto, o álbum mantém a sonoridade complexa e ligeiramente arrastada habitual nas Warpaint.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (61)

por José António Abreu, em 13.01.17

The XX, álbum I See You.

 O título não podia ser mais adequado. Ao terceiro álbum, os XX sacodem (ainda que ligeiramente) a tendência para a introspecção e olham para fora.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (60)

por José António Abreu, em 10.01.17

Bat for Lashes, álbum The Bride.

Um álbum conceptual, de acesso não exactamente imediato, sobre uma mulher cujo noivo morre no dia do casamento. A ideia-base podia ter constituído receita para um conjunto intragável de lamentações, mas Natasha Khan é demasiado inteligente para cair nessa armadilha. Ainda assim, não será o trabalho ideal por onde começar a descobrir a música da londrina.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (59)

por José António Abreu, em 06.01.17

Sean Riley & The Slowriders, Sean Riley & The Slowriders.

O regresso, após quatro anos, de uma das bandas que me chegaram a fazer pensar haver uma ligação subterrânea entre Coimbra e o Sul dos Estados Unidos (as outras: D3Ö, Bunnyranch, os projectos de Paulo Furtado). Tê-lo-ia assinalado antes mas o José Maria Gui Pimentel adiantou-se.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (58)

por José António Abreu, em 03.01.17

Steve Gunn, álbum Eyes on the Lines.

Suave, fluído, quase sempre com a guitarra em primeiro plano. Talvez o melhor álbum de 2016 para ouvir enquanto se conduz.

 

(Para além de Gunn, no vídeo surge o guitarrista Michael Chapman - bem como a casa deste, situada no condado inglês de Northumberland.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (57)

por José António Abreu, em 30.12.16

Justice, álbum Woman.

A electrónica de outro duo de franceses (i.e., não os Daft Punk), cantando em inglês, num vídeo que inclui uma actriz norte-americana e um carro japonês. A globalização ainda não perdeu a guerra.

 

(Colocar Susan Sarandon, de óculos escuros e cabelo solto, ao volante de um descapotável traz de volta certas memórias...)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (56)

por José António Abreu, em 27.12.16

 Carla Dal Forno, álbum You Know What It's Like.

Texturas sombrias e roufenhas onde a voz procura um lugar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (55)

por José António Abreu, em 23.12.16

The I Don't Cares, Wild Stab.

Após encontrar na cave de Paul Westerberg (The Replacements) muitos temas escritos ao longo dos anos mas nunca utilizados, Juliana Hatfield (um dos ícones da década de 1990) convenceu-o a formar uma banda com ela. O resultado é ligeiramente desconexo mas totalmente isento de pretensiosismo: dezasseis temas low-fi, com arestas por polir, que soam mesmo a material gravado numa cave, em dias de descontracção.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (54)

por José António Abreu, em 20.12.16

Angel Olsen, álbum My Woman.

Da indie ao rock quase puro (i.e., retro), a palete de Olsen continua a expandir-se.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (53)

por José António Abreu, em 16.12.16

Conor Oberst, álbum Ruminations.

Um dos trabalhos mais intimistas, minimalistas e pessimistas de Oberst, composto em Omaha no Inverno passado enquanto ele recuperava de "laringite, ansiedade e exaustão", e gravado em 48 horas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (52)

por José António Abreu, em 13.12.16

M.I.A., álbum AIM.

A dificuldade de muitos artistas com mensagens políticas radicais é conseguirem conjugá-las com o desejo, tão humano, de estrelato (ou, numa versão mais benigna, de atingirem um público vasto). Houve uma época em que a raiva de M.I.A. parecia genuína. Hoje, encontra-se demasiado estilizada para convencer plenamente. Há boas canções em AIM (a do vídeo acima, por exemplo), mas também há (demasiadas) canções fracas e, acima de tudo, nenhuma constitui um desafio, lírica ou musicalmente; em nenhuma o ouvinte sente o desconforto de ver a sua mundividência posta em causa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (51)

por José António Abreu, em 09.12.16

Wilco, álbum Schmilco.

Um dos trabalhos mais acústicos e intimistas dos Wilco. As letras exprimem confusão, nostalgia, por vezes até mesmo depressão, mas também uma subtileza e ironia muito particulares (I hope you find someone to lose, someday). A música adiciona a esperança.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (50)

por José António Abreu, em 06.12.16

 Jenny Hval, álbum Blood Bitch.

 Eu sei, estamos em tempo de Natal, de músicas expansivas, com sininhos e mensagens de optimismo... Mais ou menos isto, creio. (Não estou a ironizar assim tanto: há imensa beleza e algum optimismo nos sons densos e nas letras carregadas de sangue, sexo e solidão que a norueguesa Hval incluiu neste trabalho. Assim de repente, Period Piece pode até ser o único tema alguma vez escrito no qual uma mulher admite encontrar conforto no espéculo do ginecologista: Some people find it painful / But all I feel is connected. OK.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (49)

por José António Abreu, em 02.12.16

Rita Redshoes, álbum Her.

Uma sonoridade expansiva, cinematográfica, que remete para outras décadas e combina na perfeição com a voz límpida de Rita. Encontro-lhe um ponto negativo: aqui e ali, o optimismo e a força de vontade expressos nas letras resvalam para o lugar-comum (sou mulher / sem vergonha de vencer / eu aprendo ao viver / e não mudo o meu caminho). Pela primeira vez, alguns temas (quatro) são em português.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (48)

por José António Abreu, em 29.11.16

Christian Kjellvander, álbum A Village: Natural Light.

A música do sueco Kjellvander devia ser um segredo menos bem guardado. Leonard Cohen, Mark Lanegan e os Tindersticks andam por aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (47)

por José António Abreu, em 25.11.16

Mitski, álbum Puberty 2.

A passagem para a idade adulta e a tentativa de encontrar um lugar e um sentido no mundo, através de rotinas que ajudam mas também prendem, e de relações que, hoje em dia, parecem sempre provisórias e desequilibradas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (46)

por José António Abreu, em 22.11.16

 Gisela João, álbum Nua.

Dá-me a sensação de que o título e a foto da capa do álbum têm vindo a receber quase tanta atenção como a música. Sinal de que Gisela pode ser uma das mais genuínas representantes da tradição fadista, na linha, digamos, amaliana - algo que este álbum comprova de forma brilhante -, mas é também uma mulher atraente. E de que certas reacções ligeiramente infantis nunca mudam.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (45)

por José António Abreu, em 18.11.16

Colbie Caillat, álbum The Malibu Sessions.

O título é apropriado: ainda mais do que nos álbuns anteriores, encontra-se aqui uma sonoridade leve e arejada que, pelo menos desde os Beach Boys, é marca registada do Sul da Califórnia. De vez em quando - e mesmo às portas do Inverno - sabe bem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (44)

por José António Abreu, em 15.11.16

Agnes Obel, álbum Citizen of Glass.

Há uma clara mudança de registo e, todavia, o encanto de Obel permanece intacto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (43)

por José António Abreu, em 11.11.16

Noiserv, álbum 00:00:00:00.

Piano, por vezes voz. Nas letras, o português substituiu o inglês. São oito temas breves, sempre delicados e bastante mais despidos do que era habitual.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (42)

por José António Abreu, em 08.11.16

James Vincent McMorrow, álbum We Move.

Ao terceiro álbum, as fundações indie da música do irlandês McMorrow foram atingidas por uma onda de R&B. É como se Beyoncé tivesse substituído Jay-Z por Conor Oberst, levando este a descobrir um novo mundo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (41)

por José António Abreu, em 04.11.16

Teresa Salgueiro, álbum O Horizonte.

Apontamentos e sensações apoiados em música apenas pontualmente escapando a um onirismo que, associado à voz quase demasiado límpida de Teresa Salgueiro, por vezes se me torna cansativo. Talvez por isso acabo preferindo os temas mais percussivos, com "Desencontro" à cabeça. Mas em doses moderadas é sublime.

 

(Note to self: ouvir nas colunas ou experimentar outros auscultadores.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (40)

por José António Abreu, em 01.11.16

Lisa Hannigan, álbum At Swim

O terceiro álbum da irlandesa que Neil Jordan me permitiu descobrir não foge muito ao registo presente nos outros dois. Será talvez um pouco mais ambiental, mais líquido (swim in your current, flow on every word you say, canta ela em Undertow), mas não deixa de incluir, de forma quase displicente, frases como hang the rich and spare the young (oh, Lisa...). Foi produzido por Aaron Dessner, dos The National, mas, ao contrário do sucedido noutras produções dele (ver último trabalho dos Frightened Rabbit), a sonoridade dos The National não fica evidente. Dessner terá mesmo desempenhado um papel crucial na realização do álbum, ajudando Lisa a vencer o bloqueio criativo em que estava mergulhada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (39)

por José António Abreu, em 28.10.16

Leonard Cohen, álbum You Want it Darker.

O álbum mais recente do cantor que não ganhou o Nobel da literatura. Talvez o último álbum de um homem que, aos 82 anos, se confessa pronto para morrer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (38)

por José António Abreu, em 25.10.16

 Phantogram, álbum Three.

Sinceramente, é o pior dos três álbuns dos Phantogram. O mais comercial, o que apresenta mais temas que fazem o ouvinte franzir a testa e perguntar-se o que raio lhes passou pela cabeça. O desejo de sucesso, talvez. Aproveitam-se duas ou três boas canções, com este primeiro single destacado na frente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (37)

por José António Abreu, em 21.10.16

 Solange Knowles, álbum A Seat at the Table.

Um excelente - forte, inteligente, maduro - cocktail de funk, r&b, soul e psicadelismo. Com este seu terceiro álbum, Solange, cinco anos mais nova e bastante menos conhecida do que a irmã, merece bem um «lugar à mesa». 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (36)

por José António Abreu, em 18.10.16

Peixe:Avião, álbum Peso Morto.

Tudo é breve e pequeno demais, queixam-se os Peixe:Avião no tema Miragem. Não a música deles. As paisagens sonoras que fabricam podem ser desoladas, até mesmo opressivas, mas não lhes falta fôlego nem ambição.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (35)

por José António Abreu, em 14.10.16

Regina Spektor, álbum Remember Us to Life.

Por vezes, Regina tomba no cliché. Mas quando liberta a sua faceta mais iconoclasta consegue produzir pop estranhamente viciante.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (34)

por José António Abreu, em 11.10.16

Porches, álbum Pool.

Porches é um projecto do nova-iorquino Aaron Maine, iniciado em 2010. Arriscando-me a parecer condescendente (não é minha intenção), a música de Maine pode ser considerada uma versão bastante mais electrónica da música de Greta Kline (Frankie Cosmos), sua namorada e colaboradora. Mas ele até começou primeiro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (33)

por José António Abreu, em 07.10.16

Sui Zhen, álbum Secretly Susan.

Apesar de ser um álbum conceptual, sobre a imagem que projectamos (ou tentamos projectar) online, Secretly Susan, da australiana Becky Su Zhen, raramente sacrifica a espontaneidade da música ao conceito. E a música combina pop, bossa nova, electrónica, minimalismo e a sonoridade japonesa shibuya-kei, ela própria uma combinação de várias coisas, entre as quais a canção francesa ao estilo Serge Gainsbourg. Restam alguns pormenores excessivamente artsy (como este vídeo, realizado pela própria Sui Zhen) mas vale a pena espreitar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (32)

por José António Abreu, em 04.10.16

Andy Shauf, álbum The Party.

Um álbum de contos curtos, em que cada tema analisa (ou reflecte o ponto de vista de) um interveniente numa pequena festa. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (31)

por José António Abreu, em 30.09.16

Eleanor Friedberger, álbum New View.

Cada canção dos The Fiery Furnaces parecia conter ideias suficientes para três ou quatro temas distintos. Sozinha, Eleanor faz pop mais normal. Mantém-se, contudo, um elemento de estranheza, em parte inerente à voz dela, em parte decorrente das letras offbeat e da própria música. É como se a maioria das canções estivesse em equilíbrio instável, podendo desmanchar-se a qualquer momento.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (30)

por José António Abreu, em 27.09.16

 Daughter, álbum Not to Disappear.

O poder estranhamente animador da melancolia. Ou talvez - porque a música, como as outras artes, é sempre a dois - o poder estranhamento animador da melancolia partilhada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (29)

por José António Abreu, em 23.09.16

Cristina Branco, álbum Menina.

Há quase três anos e meio escrevi o que ainda considero essencial dizer sobre a minha relação com a música de Cristina Branco. Em Menina, ela arrisca de novo, conferindo ao fado uma leveza, uma faceta de alegria ou, pelo menos, de recomeço, que, sem o deixar tombar no kitsch, está longe de ser comum.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (28)

por José António Abreu, em 20.09.16

Liima, álbum ii.

ii é o primeiro álbum dos Liima, que não são do Peru, mas do norte da Europa. Trata-se de uma colaboração entre os dinamarqueses Efterklang e o percussionista finlandês Tatu Ronkko, desenvolvida entre Berlim, Helsínquia, Istambul e uma ilha obscura no Atlântico chamada Madeira (e depois gravada na capital alemã, ao longo de três dias). A música, baseada em sintetizadores e percussão, é uma mistura de paranóia e de alegria. Inclui, de facto, alguns apontamentos de sonoridade andina e, comparada com o que os Efterklang fazem habitualmente, parece mais solta, por vezes quase improvisada. Numa consequência talvez inevitável, também se me afigura menos precisa e coesa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (27)

por José António Abreu, em 16.09.16

Grouplove, álbum Big Mess.

Depois do tom elegíaco do álbum de Nick Cave e atendendo a que o Verão ainda nem sequer acabou, acho que se justifica um momento de pop alegre e despretensiosa.

 

(Nota a ter em conta, porém: em 2011, estes mesmos Grouplove lançaram um álbum intitulado Never Trust a Happy Song.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (26)

por José António Abreu, em 13.09.16

 

Nick Cave & The Bad Seeds, álbum Skeleton Tree.

No ano passado, um dos filhos de Nick Cave morreu ao cair de um penhasco em Brighton. Apesar de vários temas incluídos em Skeleton Tree serem anteriores ao acontecimento, ele marca todo o álbum, talvez o mais intenso e pessoal da carreira de Cave.

 

(Não resisti a incluir vídeos de dois temas, um mais agreste, o outro - bom, o outro será apenas a mais tocante balada que Cave já escreveu e interpretou.) 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (25)

por José António Abreu, em 09.09.16

Kevin Morby, álbum Singing Saw.

Esteve em Paredes de Coura há um par de semanas. Os anos sessenta e setenta - de Bob Dylan a Lou Reed, passando por Leonard Cohen - andam por aqui. E, talvez por alguma iconografia religiosa, também me lembra os EUA de Flannery O'Connor. 

 

(Se a última referência não fizer despertar o Adolfo Mesquita Nunes da letargia blogosférica em que anda mergulhado, desconheço o que poderá consegui-lo.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Música recente (24)

por José António Abreu, em 06.09.16

The Divine Comedy, álbum Foreverland.

A carreira de Neil Hannon enquanto The Divine Comedy tem variado entre o estilo crooner e a pop irónica, passando por um mal compreendido mas sublime Regeneration (2001), onde arriscou uma sonoridade mais 'suja' (o falhanço comercial do álbum foi lamentável não apenas porque é excelente mas porque terá feito Hannon retrair-se e abandonar experiências radicais). Lançado na sexta-feira passada, ainda não tive tempo para ouvir Foreverland com a atenção que certamente merece. Mas qualquer álbum de Neil Hannon, por muito derivativo que seja, me é imprescindível - até os dois que fez sob o nome The Duckworth Lewis Method, em colaboração com Doug Walsh, dos Pugwash, inteiramente dedicados a esse desporto estranho: o cricket.

 

 (Sticky Wickets, um dos álbuns dos The Duckworth Lewis Method, tem uma das minhas capas de discos favoritas - nada condizente com a célebre fleuma britânica.)

Autoria e outros dados (tags, etc)




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D