Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Uma boa pergunta

por Pedro Correia, em 29.06.16

O inglês manter-se-á como língua oficial da União Europeia após a saída do Reino Unido?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Be Careful

por Francisca Prieto, em 20.11.14

Dizer que se vai ao Peru, não é bem a mesma coisa do que dizer "I am going to Turkey".

Autoria e outros dados (tags, etc)

Só conta se for em inglês

por Pedro Correia, em 03.08.14

Devemos acautelar-nos contra estas listas. Provêm quase sempre do universo literário ou jornalístico anglo-saxónico, indiferente a tudo quanto não se publica em língua inglesa, e insistem em fazer-nos crer que nada existe fora desse idioma. A ausência de Marguerite Yourcenar (e das suas Memórias de Adriano) basta para retirar credibilidade a quem organizou este rol das vinte obras literárias mais influentes escritas por mulheres, a que cheguei via João Oliveira e o seu Sentido dos Livros.

Já nem falo de outras omissões incompreensíveis -- de Simone de Beauvoir a Isabel Allende, de Karen Blixen a Clarice Lispector. Mas o próprio universo anglófono está mal representado. Como é possível esquecer Carson McCullers, Virginia Woolf, Pearl S. Buck, Jean Rhys ou Patricia Highsmith? E se J. K. Rowling comparece não se entende de todo a ausência de Agatha Christie...

Enfim, digo destas listas o que os políticos dizem das sondagens: valem o que valem. Por vezes valem quase nada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Línguas

por José Navarro de Andrade, em 13.03.12


Ao contrário da vasta maioria dos países, os Estado Unidos não têm uma língua oficial; a adopção do inglês é apenas de facto. Só em 28 estados o inglês é designado como língua oficial, sendo o Hawai o caso único em que existem duas línguas de estado: o inglês e o havaiano. No Novo México e no Louisiana há leis que estimulam o bilinguismo nos documentos oficiais: inglês/espanhol no primeiro, inglês/francês no segundo.

Uma das possíveis razões para este vazio legislativo prender-se-á com a enorme discussão acerca do tema, logo nos primeiros anos após a independência. A aversão a tudo que era britânico grassava vivaz e há pelo menos o episódio de em 1794 as vastas comunidades germânicas da Virginia terem entregue uma petição no Congresso para que as leis passassem a ser publicadas em alemão. A proposta morreu num comité. Outro exemplo, este quase caricato, dessa aversão, foi a proposta de um tal Thorton, que concebeu uma nova grafia para o inglês falado nos EUA, como forma de o distinguir. Além de “e”s invertidos e “i”s com a pinta em baixo, ele afirmava que assim “Di Amerike languids uil des bi az distint az de gevernment, fri from aul foliz or enfilosofikel fasen.”

Mas a história mais famosa é dada à luz em 1814 num artigo de William Gifford no Quartely Review, segundo a qual Charles Astor Bristed propôs ao Congresso que adoptasse o grego clássico como língua oficial. Não era ideia implausível, dada a forte inspiração da república ateniense, frutificada pelas filosofias iluministas e maçónicas, na arquitetura constitucional americana. Após discussão, o documento foi rejeitada apenas por um voto de diferença.

Para muitos esta história é apócrifa e inventada por Gifford, embora tenha sido reiterada pela Cambridge History of American Literature. Para outros comprova que a língua, a sua adopção e a sua grafia, não decorrem de uma inevitabilidade natural, mas de uma decisão institucional.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D