Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



"Um mar de ruínas"

por Pedro Correia, em 12.06.17

cover-r4x3w1000-589080e3dfcf2-Hollande%20et%20Hamo

 François Hollande e Benoit Hamon

 

 

«Nada grandioso será alguma vez conseguido sem grandes homens.»

Charles de Gaulle

 

Lembram-se de François Hollande, o indivíduo que segundo alguns arautos lusos proclamavam ruidosamente há cinco anos, iria  revitalizar a débil esquerda europeia?

Hollande, bem avisado, decidiu não se recandidatar ao Eliseu: à beira do fim do mandato inaugurado em 2012, a sua taxa de popularidade entre os franceses era de longe a mais baixa da V República, fundada em 1958 pelo general De Gaulle. O delfinato possível do chefe do Estado cessante foi assegurado pelo medíocre Benoit Hamon, sufragado pelas "primárias" - o último grito da moda Outono-Inverno da saison política parisiense - mas arrasado nas urnas quando deixou de se jogar a feijões e houve eleições a sério: recolheu apenas 6,3% dos votos, ficando na quinta posição entre os candidados à corrida presidencial.

A primeira volta das legislativas francesas acaba de traçar um retrato fidedigno do Partido Socialista Francês, avaliando-se assim o verdadeiro legado político de Hollande: entre 7% e 10%. "Um mar de ruínas", na justa definição do Libération. Com o Presidente Emmanuel Macron a vencer, como se esperava, por intermédio do seu novo partido pós-ideológico, República em Marcha - criado só há 14 meses. Numa prova de que em democracia tudo pode transformar-se.

Há umas semanas, o ex-primeiro-ministro Manuel Valls causou imenso escândalo ao anunciar que o PSF estava morto. Tinha razão, como esta catástrofe eleitoral confirma. Resta aos socialistas franceses encerrar para balanço, imitando o que François Mitterrand fez em 1969, na ressaca do Maio de 68, ao mandar sepultar a defunta SFIO [Secção Francesa da Internacional Operária] num congresso do qual emergiu o Partido Socialista, agora falecido aos 48 anos. Paix à son âme.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Penso rápido (83)

por Pedro Correia, em 10.05.17

Jean-Luc Mélenchon, o representante da esquerda radical na recente campanha presidencial francesa, patinou em toda a linha. Num momento em que se exigem mais que nunca posições claras dos políticos, sem ambiguidade de qualquer espécie, o ex-socialista preferiu chutar para canto, evitando recomendar o voto na segunda volta desta corrida ao Palácio do Eliseu. Equiparando assim de algum modo Emmanuel Macron a Marine Le Pen. Uma ambivalência que lhe valeu muitas críticas e contrastou com o ocorrido em 2002, quando  assumiu a preferência pelo conservador Jacques Chirac na segunda volta das presidenciais, contra Jean-Marie Le Pen, pai de Marine.
Desta vez o ódio a Macron - um centrista moderado, bastante mais próximo da esquerda do que alguma vez Chirac foi - falou mais alto, levando o vacilante Mélenchon a imitar a atitude de Pilatos.
Lavou as mãos.
E os Pilatos, como é sabido, nunca ficam bem na história.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Penso rápido (82)

por Pedro Correia, em 09.05.17

Alguns por cá torciam pela vitória eleitoral de Marine Le Pen. Como se uma França fechada ao mundo, de fronteiras herméticas como a pequena Suíça entrincheirada entre montanhas, não fosse uma péssima notícia para nós.
Uma França encerrada a cadeado não teria sido o país de acolhimento de mais de um milhão de emigrantes portugueses e lusodescendentes, nunca seria um importante parceiro comercial do nosso país, jamais ascenderia ao estatuto de quinta economia mundial (e segunda europeia). Sem esquecer que a nação que agora terá Emmanuel Macron como Presidente é uma das raras potências atómicas do planeta e permanece como um dos cinco Estados do mundo com assento no Conselho Permanente do Conselho de Segurança da ONU. Isolar-se seria um absurdo e um risco acrescido para a paz.
Confesso que me custa perceber como existe por cá tanta gente aparentemente interessada em ver muitas Marines le Pens espalhadas por essa Europa fora, cada qual pretendendo transformar os respectivos países em estados-fortaleza, combatendo as sociedades abertas de braço dado com o fundamentalismo islâmico. Uns e outros são companheiros de luta nessa aberrante fé.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Nem Joana D´Arc valeu a Le Pen

por João Pedro Pimenta, em 09.05.17

As sondagens em França lá falharam de novo, como tem acontecido no último ano. Afinal de contas, Emmanuel Macron teve uma percentagem mais alta do que as previsões mais optimistas faziam prever, levando até alguns apaniguados de Marine Le Pen a pensar que era possível chegar ao Eliseu.

Olhando para alguns resultados locais das eleições em França, encontram-se números curiosos. Na Vendeia, por exemplo, esse bastião contra-revolucionário e da "reacção", Emmanuel Macron venceu com quase 70%, acima da média nacional, ainda que, pelos resultados da primeira volta, a histórica região continue preferencialmente à direita. Já em Colombey-les-Deux-Églises, terra que se confunde com Charles De Gaulle - que aqui está, aliás, sepultado - a Frente Nacional sai vencedora, talvez pelo trocadilho atribuído ao próprio general, onde numa hipotética islamização, a terra se passaria a chamar "Colombey-les-Deux-Mosquées". Também aqui, na primeira volta, a direita ficou claramente em maioria.

 

Mas não resisti a ver quais tinham sido os resultados em Domrémy-la-Pucelle. Macron ganhou, com um resultado próximo da média. Mas porquê esta curiosidade em saber a votação desta pequena localidade perdida nos confins dos Vosges? É que Domrémy-la-Pucelle é precisamente a terra de Joana D´Arc, a heroína e padroeira de França ("pucelle", ou donzela, é um sufixo em honra da própria), que Marine LePen e a Frente Nacional tanto evocam, ao ponto de se tentar colar a ex-candidata presidencial à donzela martirizada em Rouen. De pouco serviu a inspiração. E na hora de votar, os descendentes de Joana D´Arc acabaram por preferir a original a escolher a cópia falsificada.

 

Resultado de imagem para jeanne d'arc marine le pen

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os derrotados

por Pedro Correia, em 08.05.17

Melenchon-vs.-Marine-Le-Pen-et-de-deux-proces[1].j

 Marine Le Pen e Jean-Luc Mélenchon, dois dos derrotados em França

 

Galeria de derrotados nas eleições presidenciais francesas:

 

1. Marine Le Pen. Chegou a vaticinar que atingiria os 40%. Ficou muito longe disso, tendo recolhido apenas um terço dos votos. Sai com uma derrota expressiva desta corrida ao Eliseu, que aliás culmina com a dissolução anunciada da Frente Nacional.

 

2. François Hollande. O Presidente cessante confirmou-se como o mais impopular Chefe do Estado da V República Francesa. Termina o mandato como uma figura irrelevante, quase patética. Quem diria que há cinco anos foi saudado como uma lufada de esperança da esquerda europeia...

 

3. Socialistas. Os últimos três anos têm sido catastróficos para a família socialista a nível europeu: derrotas copiosas em Espanha, Grécia, Hungria, Polónia, Bélgica, Holanda e Reino Unido. Seguiu-se o humilhante quinto lugar alcançado pelo representante do PS francês, Benoit Hamon, nesta corrida ao Eliseu, em que só recolheu 6,3% dos votos.

 

4. Comunistas. Desde a queda do Muro de Berlim tornaram-se num “tigre de papel”, para usar uma velha expressão maoísta. O seu representante indirecto neste escrutínio, Jean-Luc Mélenchon, prometia muito mas nem à segunda volta chegou. Terminaram numa espécie de terra de ninguém, recomendando a abstenção.

 

5. Conservadores. O caos estratégico na direita conservadora francesa, de inspiração bonapartista e gaullista, levou-a a ser contaminada pela sua adversária histórica, de inspiração orleanista e colaboracionista (duas fontes históricas da Frente Nacional). Ignorar a probidade do general De Gaulle foi meio caminho andado para chegar aqui.

 

6. Corrupção. Os franceses, como os europeus em geral, decretaram tolerância zero à corrupção em todas as suas formas. Político apanhado a delapidar o erário público é político condenado à derrota por antecipação. François Fillon, que chegou a ser apontado como favorito ao Eliseu, experimentou isto na pele.

 

7. Primárias. Este processo de escolha dos concorrentes a cargos políticos do máximo relevo foi seriamente posto em causa ao longo dos últimos meses. Tanto Fillon, que à direita derrotou Sarkozy e Alain Juppé, como Hamon, que ultrapassou Manuel Valls, venceram as primárias à direita e à esquerda. De nada lhes valeu na eleição a sério.

 

8. Eurofóbicos. Politólogos de vários matizes andaram meses a repetir a mesma tese: a eurofilia estava em acentuada regressão na União Europeia, apressando-lhe o fim. Mas as presidenciais francesas, ganhas pelo eurófilo Emmanuel Macron, desmentem esta tese em toda a linha. A eurofobia, essa sim, sai derrotada deste escrutínio.

 

9. Catastrofistas. A propósito das presidenciais francesas, legiões de comentadores e “analistas políticos” desfilaram nos jornais e nas pantalhas advertindo para os riscos de implosão da União Europeia, do sistema monetário europeu e até da democracia política neste espaço geográfico em que nos inserimos. Não tinham qualquer razão, mas também não darão o braço a torcer. Vão continuar a repetir-nos essas balelas nos tempos mais próximos, serão após serão.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O programa de Macron

por Pedro Correia, em 05.05.17

ob_8daf5a_emmanuel-macron[1].jpg

 

Destaques do  programa eleitoral do candidato presidencial francês Emmanuel Macron, fundador do movimento Em Marcha:

 

1. Redução de um terço do número actual de deputados e senadores.

2.  Supressão do regime especial de aposentação dos deputados.

3. Generalização do voto electrónico até 2022.

4. Paridade absoluta de género nas listas eleitorais.

5. Cumprimento intransigente do direito à igualdade de género no espaço público francês.

6. Alteração do mapa administrativo, com a supressão de um quarto das entidades territoriais hoje existentes.

7. Criação de um estado-maior permanente de operações de segurança interna como peça fundamental na luta contra o terrorismo.

8. Encerramento de templos e associações religiosas onde se faz a apologia da violência e do terrorismo.

9. Anulação de novas missões militares francesas no estrangeiro, salvo em casos de legítima defesa.

10. Prioridade absoluta à cibersegurança e à ciberdefesa.

11. Reforço do orçamento da defesa até atingir 2% do orçamento anual francês.

12. Fixação de um tecto máximo de 0,5% do défice estrutural das finanças públicas até 2022.

13. Grande plano de investimentos públicos, orçado em 50 mil milhões de euros, destinados à qualificação dos recursos humanos, à modernização dos serviços públicos, à transição ecológica e à reabilitação urbana.

14. Introdução de mecanismos de controlo do investimento estrangeiro para preservar os sectores estratégicos.

15. Redução do imposto sobre as sociedades, de 33,3% para 25%.

16. Primado aos acordos de empresa no estabelecimento de novos contratos laborais.

17. Redução para 7% do desemprego nos próximos cinco anos.

18. Supressão de 120 mil postos de trabalho na administração pública.

19. Flexibilizar os horários de funcionamento dos serviços públicos.

20. Acelerar a convergência dos sistemas de pensões e reformas.

21. Criação de 30 mil apartamentos sociais para os jovens.

22. Redução do número de canais públicos audiovisuais.

23. Oposição ao alargamento das actuais fronteiras da NATO.

24. Manutenção das sanções à Rússia.

25. Alargamento a mais cinco países do número actual de membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (com inclusão da Alemanha, do Brasil, da Índia, do Japão e de um país africano a designar).

Autoria e outros dados (tags, etc)

O programa de Le Pen

por Pedro Correia, em 05.05.17

171157[1].jpg

 

Destaques do programa eleitoral da candidata presidencial francesa Marine Le Pen, líder da Frente Nacional:

 

1. Renegociação dos tratados europeus.

2.  Recusa intransigente dos tratados de comércio livre.

3. Convocação de um referendo sobre a integração da França na União Europeia.

4. Restabelecimento de uma moeda nacional francesa, restaurando a soberania monetária do país.

5. Expulsão de todos os estrangeiros comprovadamente associados a movimentos fundamentalistas islâmicos.

6. Criação de uma agência unificada de combate ao terrorismo, sob a dependência directa do primeiro-ministro.

7. Repor a pena de prisão perpétua para os crimes mais graves.

8. Recrutamento de 15 mil novos elementos para as corporações policiais.

9. Aumento para 2% da percentagem mínima do orçamento do Estado destinado à defesa, com esta cláusula garantida na Constituição, e progressivo aumento até 3%.

10. Retirada da França do comando integrado da NATO.

11. Pôr fim à venda de palácios e outros edifícios públicos, mantendo-os integrados no património do Estado.

12. Alicerçar a diplomacia francesa nos princípios do realismo, reforçando os laços com os países francófonos.

13. Elaboração de um plano nacional de promoção da igualdade de género e de luta contra a precariedade laboral e social.

14. Inscrever o princípio da laicidade no código laboral.

15. Interdição de todo o apoio orçamental do Estado a locais de culto.

16. Fixação nos 60 anos da idade legal para a reforma, com 40 anos de contribuições para o sistema público.

17. Pôr fim à aquisição automática da nacionalidade francesa através do casamento.

18. Simplificar os mecanismos de expulsão de imigrantes em situação ilegal.

19. Restabelecimento das fronteiras nacionais, com a denúncia unilateral do Espaço Schengen.

20. Retirada da bandeira europeia dos edifícios públicos franceses.

21. Inscrever na Constituição o princípio da prioridade nacional, estabelecendo o primado da cidadania francesa.

22. Introdução de um sistema eleitoral proporcional nas eleições para os órgãos do Estado.

23. Criação de referendos de iniciativa popular, a partir da recolha de 500 mil assinaturas.

24. Redução do número de deputados (de 577 para 300) e de senadores (de 348 para 200).

25. Restabelecimento do mandato presidencial de sete anos, não renovável.

Autoria e outros dados (tags, etc)

França: os últimos 50 anos

por Pedro Correia, em 05.05.17

Recordei aqui quem foram os inquilinos da Casa Branca, ano a ano, durante o último meio século - de Lyndon Johnson, em 1967, a Barack Obama, entretanto substituído por Donald Trump.

Na antevéspera da eleição de um novo inquilino do Palácio do Eliseu, quando se confrontam nesta segunda volta das presidenciais o centrista Emmanuel Marcon e a nacionalista Marine Le Pen, relembro agora quem foram os titulares da Presidência da República Francesa, também durante os últimos 50 anos.

Volto a dividir este período por cinco décadas, para uma consulta mais fácil. Só altero as cores: vermelho para os Chefes do Estado mais conotados com o socialismo, azul para aqueles que assumiram ser conservadores ou liberais.

No final do mês farei o mesmo em relação ao Reino Unido, que irá a votos já em Junho para escolher um novo elenco parlamentar.

 

 ......................................................................................

 

Georges_Pompidou[1].jpg

 

1968/1977

1968 - Charles de Gaulle

1969 - Georges Pompidou

1970 - Georges Pompidou

1971 - Georges Pompidou

1972 - Georges Pompidou

1973 - Georges Pompidou

1974 - Giscard d' Eistang

1975 - Giscard d' Eistang

1976 - Giscard d' Eistang

1977 - Giscard d' Eistang

O conservador Pompidou, continuador do gaullismo sem De Gaulle, foi a figura dominante nesta década de transição em França. Até à sua morte prematura.

 

 

mitterrand[1].jpg

 

1978/1987

1978 - Giscard d' Eistang

1979 - Giscard d' Eistang

1980 - Giscard d' Eistang

1981 - François Mitterrand

1982 - François Mitterrand

1983 - François Mitterrand

1984 - François Mitterrand

1985 - François Mitterrand

1986 - François Mitterrand

1987 - François Mitterrand

Outra década, mudança de ciclo político em Paris. Com o socialista Mitterrand - derrotado nas presidenciais de 1965 e 1974 - a impor-se enfim na eleição de 1981.

 

 

FrancoisMitterrand[1].jpg

 

1988/1997

1988 - François Mitterrand

1989 - François Mitterrand

1990 - François Mitterrand

1991 - François Mitterrand

1992 - François Mitterrand

1993 - François Mitterrand

1994 - François Mitterrand

1995 - Jacques Chirac

1996 - Jacques Chirac

1997 - Jacques Chirac

Segunda década com predomínio de Mitterrand no Eliseu. Foi até agora o mais longo consulado desde o início da vigência da V República francesa, em 1958.

 

 

220px-ChiracUSA[1].jpg

 

1998/2007

1998 - Jacques Chirac

1999 - Jacques Chirac

2000 - Jacques Chirac

2001 - Jacques Chirac

2002 - Jacques Chirac

2003 - Jacques Chirac

2004 - Jacques Chirac

2005 - Jacques Chirac

2006 - Jacques Chirac

2007 - Nicolas Sarkozy

Um decénio quase completo sob a presença tutelar de Chirac, discípulo político do general De Gaulle. Conservador, beneficiou do voto maciço da esquerda contra Jean Marie Le Pen na segunda volta das presidenciais de 2002.

 

                              Francois_Hollande_2015.jpeg[1].jpeg

 

2008/2017

2008 - Nicolas Sarkozy

2009 - Nicolas Sarkozy

2010 - Nicolas Sarkozy

2011 - Nicolas Sarkozy

2012 - François Hollande

2013 - François Hollande

2014 - François Hollande

2015 - François Hollande

2016 - François Hollande

2017 - François Hollande

Uma década repartida entre a direita e a esquerda. Na segunda metade da década em contraciclo com a Alemanha e o Reino Unido, onde têm predominado os conservadores. A partir de agora abre-se uma incógnita.

 

 ......................................................................................

 

Balanço: a direita política dominou o Eliseu em 30 dos últimos 50 anos (percentagem: 60%). Com cinco presidentes: De Gaulle, Pompidou, Giscard, Chirac e Sarkozy.

O Partido Socialista só teve dois inquilinos no palácio presidencial durante este meio século: Mitterrand e Hollande. Este último sai sem deixar saudades.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Soma e segue

por Pedro Correia, em 24.04.17

Três eleições, três vitórias da Europa.

Primeiro nas presidenciais austríacas.

Depois nas legislativas holandesas.

Agora na primeira volta das presidenciais em França.

Os extremistas progridem nos ecos alarmistas dos telediários mas recuam nas urnas: excelente notícia para todos nós.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vale a pena fazer primárias?

por Luís Menezes Leitão, em 24.04.17

As primárias correspondem a um traço muito  característico da democracia americana, funcionando como ligação do eleitorado às candidaturas presidenciais. Tal possibilita que candidatos populistas e desalinhados possam triunfar. Foi o que permitiu a ascensão de Trump à presidência. É, no entanto, muito duvidoso que se ganhe alguma coisa em fazê-las no espaço europeu e especialmente em sistemas parlamentares, em que a ascensão à chefia do governo depende do parlamento. António Costa foi escolhido em primárias do PS como candidato a primeiro-ministro, mas só chegou a esse cargo porque criou uma geringonça que o sustenta, não lhe tendo as primárias assegurado qualquer benefício.

 

Em França, onde vigora um sistema presidencial, as primárias foram criadas como reacção ao surpreendente resultado de 2002, em que Jean-Marie Le Pen suplantou Lionel Jospin, passando à segunda volta. O PS francês chegou à conclusão que, se deixasse que continuassem a concorrer todos os candidatos folclóricos de todas as esquerdas possíveis e imaginárias, o resultado seria sempre ser ultrapassado pela Frente Nacional. Criou assim umas primárias para escolher o candidato presidencial de esquerda, e a direita passou a imitá-lo, escolhendo também em primárias o candidato da direita. Foi assim que Benoit Hamon e François Fillon foram desta vez escolhidos como candidatos da esquerda e da direita. Mas curiosamente nenhum passou à segunda volta.

 

A verdade é que ambos eram péssimos candidatos, o que demonstra o falhanço das primárias. Numa eleição interna aberta a simpatizantes, tende a ser escolhido o candidato com que os simpatizantes mais simpatizam e não aquele que tem maiores possibilidades de sucesso, o que só os militantes sabem avaliar. Por isso é que Macron, que não se sujeitou a quaisquer primárias, e Marine Le Pen, que é a líder do seu partido, passaram à segunda volta.

 

Esperemos que isto sirva de lição a quem anda a propor primárias. Os partidos têm que saber escolher candidatos que os levem ao poder e não candidatos do gosto dos simpatizantes, mas mal colocados para ganhar eleições. A simpatia não chega e o pragmatismo é essencial na escolha dos candidatos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

France partout

por João Pedro Pimenta, em 23.04.17

Lá pelas 19:00, mais minuto menos minuto, teremos as primeiras projecções dos resultados da primeira volta das presidenciais francesas. Às 19:45 começa o superclássico Real Madrid-Barcelona, em que os "merengues", treinados pelo antigo craque francês Zinedine Zidane, tentarão dar a estocada final no rival da Catalunha, essa região vizinha de França. Não há por onde escapar: dê por onde der, hoje todas as atenções se centram em franceses ou aparentados.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Simpatia para com Putin. Desejo de aderir à Aliança Bolivariana, onde pontificam regimes como o de Cuba e o da Venezuela. Abandonar a NATO. Alterar os tratados que regem o euro. Estabelecer um «novo papel» para o BCE. «Libertar» as finanças públicas das «garras» dos mercados financeiros. Criar um «Fundo Europeu de Desenvolvimento Social» para a «expansão dos serviços públicos, do emprego e das qualificações». Aumentar o salário mínimo em 15% (para os 1700 euros). Fixar o tempo de trabalho nas 35 horas semanais e limitar as horas extraordinárias («sob controlo de representantes dos trabalhadores»). Instaurar tectos salariais. Aumentar o poder dos trabalhadores nas empresas e dos cidadãos nas instituições bancárias. Fixar a idade da reforma nos 60 anos, com pagamento integral das pensões. Integrar 800 mil precários na Função Pública. Implementar um plano contra a «especulação imobiliária». Congelar as rendas. Construir 200 mil habitações sociais. Criar um «estatuto social» para os jovens, remunerando-os em situações como a procura do primeiro emprego. Nacionalizar empresas, com enfoque nas do sector sector energético (e.g., Total). Criar «pólos» públicos de produção em vários sectores (energia, banca, medicamentos, ...).

E por aí fora.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mal menor

por Diogo Noivo, em 22.04.17

Macron.jpg

Emmanuel Macron 

 

São quatro os candidatos que se destacam para a primeira volta das presidenciais francesas. Dois deles, Marine Le Pen e Jen-Luc Mélenchon, não deviam estar num boletim de voto, mas sim no boletim clínico de um hospício. Como sempre acontece com os extremos opostos em política, são mais as coisas que os unem do que as que os separam: anti-europeistas; anti-globalização, anti-establishment; anti-NATO; proteccionistas; contrários aos princípios basilares da democracia liberal; defensores de um Estado cuja principal função parece ser a de contratar tudo e todos. Extrema direita e extrema esquerda distinguem-se apenas no tom do cretinismo: Le Pen considera que todos os muçulmanos são potenciais terroristas; Mélechon defende uma união bolivariana entre França, Venezuela e Cuba. Em suma, nenhum dos componentes deste duo insano é solução para nada de coisa nenhuma. Sobram, portanto, Emmanuel Macron e François Fillon. 

 

Fillon tem a experiência e o estofo necessários para implementar as reformas políticas que França precisa e sempre recusou. Mas Fillon é hoje a cara dos abusos do poder. Sucessivos escândalos mostram que, no passado, François Fillon serviu o Estado, mas também se serviu dele, nomeadamente usando dinheiro público e empregos fictícios para pagar salários a familiares. Pedir sacrifícios aos franceses quando se tem este cadastro não é propriamente edificante e não augura grandes resultados eleitorais num país onde a população nutre um profundo desagrado, se não desprezo, pela classe política. Será porventura injusto que um caso de abuso ofusque anos de trabalho político sério, mas as coisas são como são. 

 

Resta-nos então Emmanuel Macron. Enquanto foi Ministro da Economia bateu-se pela liberalização de alguns feudos profissionais em sectores altamente protegidos, como o notariado ou os transportes públicos. Propõe as muito adiadas reformas, embora seja menos ambicioso do que Fillon. Macron é europeísta, defende uma economia aberta de mercado e tem a coragem de propor algumas reformas impopulares. Mas falta-lhe tarimba. Nunca foi eleito para qualquer cargo público e a sua experiência política resume-se em grande medida à titularidade da pasta da Economia entre 2014 e 2016. Pior, toda a sua campanha tem um aroma de voluntarismo "inspiracional" (é como se diz agora), de tipo Obama. Muita vontade, muito ânimo, muito allez!, mas tudo com um cheiro a inconsequência, típica da política-espectáculo. Tal como Obama, Macron é levado ao colo pela imprensa internacional, o que recomenda prudência na avaliação do candidato.

 

Se, como indicam as sondagens, Macron e Le Pen passarem à segunda volta, o sistema de partidos francês sofrerá uma alteração profunda pois será a primeira vez desde 1958 que os dois principais partidos ficam apeados. E se tal acontecer, mais incógnitas se perfilam no horizonte: a eleição Macron pode obrigar a coligações, algo invulgar no arranjo político-partidário de França; a eleição de Le Pen traduzir-se-á numa viagem para uma dimensão alternativa tão incerta como perigosa.

De resto, face ao atentado terrorista que marcou o final de campanha, Le Pen insistiu num discurso radical e isolacionista, contraproducente, que mais não faz do que agravar o problema e deteriorar os já maltratados pilares do Estado de Direito Democrático. As credenciais de Macron nesta matéria não são brilhantes, mas com ele há pelo menos a esperança de que possa vir a entender o que está em causa.

Assumindo que a política é a arte do possível, Emmanuel Macron é o mal menor. Ainda assim, de longe o mais desejável para França e, pela parte que me toca, para uma Europa salubre. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

França: votar contra a eurofobia

por Pedro Correia, em 22.04.17

ng8113368[1].jpg

melenchon_france_insoumise[1].jpg

 Le Pen e Mélenchon, irmãos siameses anti-UE

 

Nas presidenciais de amanhã em França decide-se, acima de tudo, o destino da Europa. Um destino em sério risco, na medida em que dois dos quatro candidatos mais bem situados para rumarem à segunda volta, segundo as mais recentes sondagens, somam 41% das intenções de voto.

Ninguém tenha dúvidas: esta corrida ao Eliseu é também um referendo à construção europeia. Se prevalecer a mensagem de ódio e anátema à União Europeia propalada nas margens extremas do sistema político por Marine Le Pen e Jean-Luc Mélenchon, irmãos siameses na eurofobia, todo o continente ficará mais perigoso. Porque esta lógica de exclusão para que apontam os extremismos, à esquerda e à direita, é herdeira directa de mil guerras num espaço continental assolado pelos fantasmas do soberanismo, do nacionalismo e da xenofobia - o horror ao "internacionalismo", ao "globalismo", ao que vem de fora.

O verdadeiro confronto ocorre aqui entre eurófilos e eurófobos. Emmanuel Macron destaca-se entre os primeiros e merece por isso o triunfo eleitoral que a maioria das pesquisas lhe augura, embora por números incertos e precários. Ninguém se iluda com a oratória dos demagogos de turno, sempre prontos a apontar ao inimigo externo, como ocorreu com o Brexit, vai fazer um ano: a União Europeia é uma conquista civilizacional que merece ser defendida todos os dias. Eleição após eleição, voto a voto.

Como a história nos ensina, nunca nada está definitivamente garantido.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O drama repete-se na direita tradicional francesa

por João Pedro Pimenta, em 04.04.17

 

Ou François Fillon é perfeitamente inábil, ou a fortuna abandonou-o definitivamente depois das surpreendentes primárias em que se içou a candidato da direita republicana francesa. Há dias realizou uma manifestação no Trocadéro, com a Torre Eiffell em fundo, e que reuniu algumas dezenas de milhares de apoiantes, para afirmar que prosseguia como candidato e atirando-se à justiça e aos correligionários partidários que o haviam abandonado. Uma prova de força lhe deu algum oxigénio e que obrigou o partido a reafirmar o seu apoio, ao mesmo tempo que Alain Juppé se mostrava indisponível para ser um "plano b". Até algumas formações que o haviam abandonado voltaram de repente atrás. Mas novo caso bizarro, o dos fatos comprados a preço de ouro a alfaiates parisienses de renome, alguns deles pagos em numerário por "amigos" (o que é que isto nos lembra), veio manchar de novo o suposto currículo impecável de Fillon. E depois disso, vieram à superfície novos rumores que não abonam nada a favor da auto-propalada integridade do candidato gaullista.

 
 
No debate a cinco que se seguiu, Fillon tentou dar um ar da sua graça, mas passou despercebido e a sua prestação só ficou acima da de Benôit Hamon, o candidato oficial e nada consensual do PS francês. Único ponto a favor: era o que tinha a gravata mais elegante.
 
 
Recorde-se que Fillon era, até há semanas, o provável vencedor tanto da primeira como da segunda volta das presidenciais francesas. A rejeição a Marine LePen, as lutas internas do PS francês e a pouca relevância a que a esquerda radical está votada, numa eleição a que se apresentam quase 50 candidatos (incluindo trotsquistas, bonapartistas e simples apêndices zangados das forças maiores), fazia prever que Fillon fosse o próximo locatário do Eliseu. A partir do momento em que os cargos da família Fillon vieram à ribalta pública, através do impiedoso Canard Enchainé, as intenções de voto caíram e emergiu Emanuel Macron, o candidato do centro sem suporte partidário.
 
O drama de Fillon parece ser, como já muitos jornais franceses salientaram, uma repetição do que aconteceu a Edouard Balladur nas presidenciais de 1995. Em fins de 1994, Jacques Delors, a cessar o seu mandato na Comissão Europeia e largamente favorito entre os eleitores para suceder a François Mitterrand, declarou-se fora da corrida. O PS francês teve de se contentar com Lionel Jospin, abrindo caminho ao favoritismo do centro-direita. Jacques Chirac, então maire de Paris, ex Primeiro-Ministro e antigo candidato derrotado em anteriores presidenciais (o que em França dá estatuto de persistência), era a escolha óbvia da aliança gaullista-liberal entre o RPR e a UDF. Mas o então Primeiro-Ministro, Edouard Balladur, com largos apoios à direita e no governo, resolveu avançar e dividiu todo aquele espectro político. A alguns meses das eleições, era o favorito nas sondagens, tanto na primeira como na segunda volta. Mas aos poucos, o seu ar demasiado senhorial, alguns casos obscuros emergentes, as suas ideias sociais pouco populares e a pouca simpatia que a personagem despertava no "homem comum" fizeram-no cair do pedestal. Balladur tinha allure de chefe de estado, mas era pouco comunicativo e empático. O contrário de Chirac, uma velha raposa, um gaullista à antiga, afável e acessível, que aos poucos subiu nas sondagens, e em Abril de 1995 passou à segunda volta, com Jospin, deixando Balladur para trás, após o que seria, sem surpresa, eleito Presidente de França. O então chefe de governo demitiu-se, e com ele os jovens turcos que o tinham apoiado, como François Fillon e Nicolas Sarkozy. François Bayrou, que também lhe tinha dado o apoio, transitou para o novo governo, que seria chefiado por Alain Juppé, até ali Ministro dos Negócios Estrangeiros e apoiante indefectível de Chirac.
 
 
A história presidencial em França parece repetir-se 22 anos depois, no mesmo sector, com a diferença de que desta vez a segunda volta não deverá ser entre um gaullista e um socialista. As forças políticas mudaram, mas muitos dos seus intervenientes não, em especial algumas figuras que conviveram no mesmo governo: Fillon (nem de propósito, apoiado por Balladur) é um candidato em desgraça; Sarkozy antecedeu-o; Juppé caiu mas ia sendo repescado; e Bayrou, que aprendeu a apostar no cavalo certo (Sarkozy primeiro, Hollande depois), apoia Emanuel Macron e pode voltar à ribalta política, se a sua aposta se voltar a concretizar. A política francesa, com as suas reviravoltas, apoios, dissensões e "richelieunismos" vários, continua a ser um apaixonante manancial de interesse na política europeia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Frases do debate presidencial

por Pedro Correia, em 21.03.17

XVM4d78d7e0-0dbd-11e7-9af1-a7debc100a78[1].jpg

Filllon, Macron, Mélenchon, Le Pen e Hamon ontem na TF1 (foto Le Figaro)

 

Aqui ficam as principais frases do primeiro debate televisivo entre cinco dos onze candidatos presidenciais em França, ocorrido ontem à mesma hora em que os canais "noticiosos" portugueses, totalmente alheados do assunto, preenchiam tempo de antena com intermináveis blablablás sobre futebol:

 

Benoît Hamon: «Quero pôr fim à democracia intermitente, por uma Europa que esteja libertada do dogma da austeridade.»

«Defendo um novo pilar da protecção social, com o rendimento básico universal.»

«Serei um Presidente justo, que porá fim às políticas feitas pelos mesmos de sempre.»

«Serei independente de todos os lóbis.»

 

Emmanuel Macron: «Pretendo proteger o povo francês sem o dividir.»

«Sou capaz de trazer de novo a esperança.»

«Defendo um projecto de alternância profunda, com novos rostos e novos hábitos.»

«Sou favorável à lei de 1905, pela separação da Igreja e do Estado.»

 

François Fillon: «Um francês que vá para a Síria fazer guerra contra nós deve ser privado da nacionalidade francesa.»

«A escalada do fundamentalismo ameaça a sociedade e a própria religião muçulmana.»

«Comigo a França será daqui a dez anos a primeira potência europeia.»

«A nossa saída da zona euro, como defende Marine Le Pen, mergulharia o país no caos económico.»

 

Jean-Luc Mélenchon: «Quero devolver a França aos franceses, libertando-os da monarquia presidencial.»

«Serei o último Presidente da V República. Quero alterar todas as regras.»

«É preciso castigar os corruptos, mas também os corruptores.»

«Comigo sairemos da NATO.»

 

Marine Le Pen: «Temos de declarar guerra total ao fundamentalismo islâmico.»

«Quero ser a Presidente francesa, não quero ser vice-chanceler da senhora Merkel.»

«A segurança é fundamental. Sem paz nas escolas nenhuma aprendizagem é possível.»

«Comigo todas as decisões serão tomadas de acordo com a vontade do povo francês.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Nous sommes Fillon

por Rui Rocha, em 07.02.17

fillon.jpg

- Ouve esta, ó Mário, tu ouve-me só esta. Vou à Ana Paula Vitorino e digo: já viste aquela história do Fillon?
- Ahahahah!
- Depois vou ao marido da Ana Paula Vitorino... ai como é que se chama o gajo?
- O Eduardo Cabrita?
- Isso. O Cabrita. Vou ao Cabrita e digo: já viste aquela história do Fillon?
- Ahahahah!
- Depois vou ao Vieira da Silva e digo: já viste aquela história do Fillon?
- Ahahahah!
- Depois vou à filha do Vieira da Silva... ai como é que se chama a filha do Vieira da Silva?
- A Mariana?
- Isso. A Mariana. Vou à Mariana e digo: já viste aquela história do Fillon?
- Ahahahah! Que sacana. E depois?
- Depois fui ao Carlos César.
- Ahahahah!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

França e o futuro da UE

por José António Abreu, em 28.11.16

nomeação de François Fillon como candidato do centro-direita às eleições presidenciais francesas abre perspectivas interessantes. Se, como tudo parece indicar, for ele a defrontar Marine Le Pen na segunda volta, não apenas a eleição de Le Pen ficará quase impossível (por muito que a faceta social-conservadora de Fillon desagrade à esquerda «progressista», ele constituirá sempre um mal menor) como, qualquer que seja o vencedor, ficam garantidas mudanças fundamentais na política francesa – e, por arrasto, na europeia. É sabido que uma vitória de Le Pen conduziria a França para fora do euro e da UE, provocando o colapso desta. Mas uma vitória de Fillon garantirá uma alteração fundamental no balanço de forças entre os países que defendem e aplicam reformas estruturais e os países que, na prática, se lhe opõem. Fillon defende cortes no Estado e uma economia baseada na iniciativa privada e nas exportações. Num país como França, não é líquido que consiga fazer tudo o que pretende. No mínimo, enfrentará enorme contestação dos grupos que se alimentam do Estado. Mas terá o peso da estagnação francesa a seu favor (muita gente sabe que algo tem de ser feito) e uma legitimidade dupla: a conferida pela eleições e a decorrente da clareza, verdadeiramente admirável, com que tem exposto as suas ideias. Ora uma França reformista (honestamente, parece um oxímoro) estará muito mais alinhada com a Alemanha e tornará a União Europeia muito menos condescendente para com países que preferem ir arrastando os pés. Convinha que estes se preparassem – para qualquer dos cenários.

Autoria e outros dados (tags, etc)

França: os últimos 50 anos

por Pedro Correia, em 25.11.16

Lembrei aqui quem foram os inquilinos da Casa Branca, ano a ano, durante o último meio século - de Lyndon Johnson, em 1967, a Barack Obama, agora na recta final do seu mandato.

Como estamos a seis meses da eleição presidencial francesa, em que François Hollande - caso se recandidate - se arrisca a sofrer uma derrota de proporções históricas, é hoje a vez de recordar quem foram os inquilinos do Palácio do Eliseu desde 1967.

Volto a dividir este período por um período de cinco décadas, para uma consulta mais fácil. Só altero as cores: vermelho para os Chefes do Estado mais conotados com o socialismo, azul para aqueles que assumiram ser conservadores ou liberais.

Em breve seguir-se-á outro país.

 

 ......................................................................................

 

Georges_Pompidou[1].jpg

 

1967/76

1967 - Charles de Gaulle

1968 - Charles de Gaulle

1969 - Georges Pompidou

1970 - Georges Pompidou

1971 - Georges Pompidou

1972 - Georges Pompidou

1973 - Georges Pompidou

1974 - Giscard d' Eistang

1975 - Giscard d' Eistang

1976 - Giscard d' Eistang

O conservador Pompidou, continuador do gaullismo sem De Gaulle, foi a figura dominante nesta década de transição em França. Até à sua morte prematura.

 

 

mitterrand[1].jpg

 

1977/86

1977 - Giscard d' Eistang

1978 - Giscard d' Eistang

1979 - Giscard d' Eistang

1980 - Giscard d' Eistang

1981 - François Mitterrand

1982 - François Mitterrand

1983 - François Mitterrand

1984 - François Mitterrand

1985 - François Mitterrand

1986 - François Mitterrand

Outra década, mudança de ciclo político em Paris. Com o socialista Mitterrand - derrotado nas presidenciais de 1965 e 1974 - a impor-se enfim na eleição de 1981.

 

 

FrancoisMitterrand[1].jpg

 

1987/96

1987 - François Mitterrand

1988 - François Mitterrand

1989 - François Mitterrand

1990 - François Mitterrand

1991 - François Mitterrand

1992 - François Mitterrand

1993 - François Mitterrand

1994 - François Mitterrand

1995 - Jacques Chirac

1996 - Jacques Chirac

Segunda década com predomínio de Mitterrand no Eliseu. Foi até agora o mais longo consulado dede o início da vigência da V República francesa, em 1958.

 

 

220px-ChiracUSA[1].jpg

 

1997/06

1997 - Jacques Chirac

1998 - Jacques Chirac

1999 - Jacques Chirac

2000 - Jacques Chirac

2001 - Jacques Chirac

2002 - Jacques Chirac

2003 - Jacques Chirac

2004 - Jacques Chirac

2005 - Jacques Chirac

2006 - Jacques Chirac

Um decénio completo sob a presidência de Chirac, discípulo político do general De Gaulle. Conservador, beneficiou no entanto do voto maciço da esquerda contra Jean Marie Le Pen na segunda volta das presidenciais de 2002.

 

 

                             t100_sarkozy[1].jpg Francois_Hollande_2015.jpeg[1].jpeg

 

2007/16

2007 - Nicolas Sarkozy

2008 - Nicolas Sarkozy

2009 - Nicolas Sarkozy

2010 - Nicolas Sarkozy

2011 - Nicolas Sarkozy

2012 - François Hollande

2013 - François Hollande

2014 - François Hollande

2015 - François Hollande

2016 - François Hollande

Uma década repartida em partes iguais entre a direita e a esquerda. Na segunda metade da década em contraciclo com a Alemanha e o Reino Unido, onde predominaram os conservadores.

 

 ......................................................................................

 

Balanço: a direita política dominou o Eliseu em 31 dos últimos 50 anos (percentagem: 62%). Com cinco presidentes: De Gaulle, Pompidou, Giscard, Chirac e Sarkozy.

O Partido Socialista teve dois inquilinos no palácio presidencial durante este meio século (percentagem: 38%). Com apenas dois titulares: Mitterrand e Hollande.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cartas de amor

por Helena Sacadura Cabral, em 31.10.16
Acabei hoje de ler as cartas de Mitterrand a Anne Pingeot, mãe da sua filha Mazzarine, agora uma mulher de 41 anos. São centenas de epístolas que revelam o lado mais privado do homem que ocupou o mais alto cargo político na França.

A intimidade, quando revelada, tem sempre o duplo efeito de nos fazer participar de algo que não vivemos. E se, neste caso, isso pode ter um lado algo perverso, visto que se trata de um triângulo amoroso, noutras circunstâncias pode ajudar a compreender melhor alguém de quem só conhecemos o lado público.

Anne Pingeot e François Mitterrand apaixonaram-se no começo dos anos sessenta. Nessa altura o político francês tinha 46 anos, era casado e pai de dois filhos, e ela tinha 19. Anne tornar-se-ia - nas próprias palavras de François - não apenas a sua amante, mas a mulher da sua vida. 

Esta relação intensa e de enorme cumplicidade só se tornou pública em 1994, quando a revista Paris Match publicou fotografias do então Presidente da República a sair de um restaurante parisiense com a filha de ambos, Mazarine, nessa altura com 20 anos. Este “escândalo mediático” para a época foi, até então, bem protegido pela comunicação social que o conhecia desde há muito.

E se é verdade que Pingeot terá sofrido pelo silêncio que a rodeou e à sua filha, seguramente que a mulher oficial, Danielle, e os outros filhos não terão sofrido menos, já que chegaram a habitar em lados opostos no Eliseu.

O livro "Lettres à Anne", que saiu há cerca de quinze dias em França, deixou-me uma sensação estranha, que pouco tem que ver com conceitos morais – embora eles existam – mas que tem mais a ver com o homem e o conceito de família que estão por detrás daquelas cartas.

De facto, se esta mulher era assim tão importante, porque é que ele se não divorciou da primeira? Se esta filha foi o fruto desse imenso amor, porquê esconde-la tanto tempo dos olhares públicos? E porque é que todas estas personagens aceitaram desempenhar um papel que apenas Mitterrand impunha? Finalmente, o que leva Anne Pingeot a publicar agora estas missivas, quando o seu amor morreu há vinte anos e a sua rival há cinco?

Estas são para mim as perguntas mais inquietantes. Da resposta a qualquer delas depende, afinal, a ideia que façamos dos diversos intervenientes nesta história.

Que foi uma impressionante história de amor, parece evidente. Mas que tipo de poder tinha este homem para que ela se tenha desenrolado deste modo?!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Trocar Marx por Astérix

por Pedro Correia, em 19.09.16

 

g09b[1].gif

 

Nunca a extrema-direita esteve tão próxima de ganhar eleições decisivas em França – incluindo a eleição presidencial. Mas, apesar disso, também nunca a Frente Nacional francesa beneficiou de um silêncio tão complacente de uma parte da esquerda europeia, sem excluir a portuguesa, que prefere virar baterias contra o actual primeiro-ministro Manuel Valls, um reformista moderado. O mesmo silêncio resignado que em Janeiro de 2015 acolheu a formação da coligação governamental em Atenas entre o Syriza e o partido xenófobo Gregos Independentes, da direita musculada.

Marine Le Pen, líder da FN, beneficia desta tolerância de sectores situados à esquerda do PS – e até de algumas franjas socialistas – por confluir com elas no discurso eurofóbico, na retórica anticapitalista, na declarada simpatia pela Rússia de Putin, na hostilidade à NATO, no apego ao Estado como motor da economia. Une-os o combate à democracia liberal, o culto do proteccionismo económico e o ódio aos Estados Unidos.

Esta esquerda, que sempre foi internacionalista, abraça hoje fervorosamente o nacionalismo e marcha sem pudor de braço dado com a direita extremista no combate à globalização. Outrora sonhava edificar o socialismo à escala universal. Agora, pelo contrário, sonha com um Ocidente entrincheirado em fronteiras inexpugnáveis. Com cada nação transformada numa aldeia gaulesa de banda desenhada, nutrida pela poção mágica de Moscovo.

Trocou Marx por Astérix. Marine – loira como o herói de Uderzo e Goscinny – sorri e agradece. O Eliseu já se vislumbra ao virar da esquina.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Burquíni: o fim da polémica

por Diogo Noivo, em 07.09.16

Publiquei ontem um texto sobre o burquíni e sobre a controvérsia gerada pela proibição do seu uso nas praias de alguns municípios franceses. Tivesse eu esperado umas horas e tinha-me poupado ao esforço: a polémica morreu. Esta minha afirmação não é semelhante à de Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios Estrangeiros, a propósito do galpgate. Neste caso, a afirmação baseia-se em factos.

Hoje tudo ficou esclarecido. Pouco importa se o burquíni é, ou não, um símbolo de um Islão radical. Da mesma forma, é despropositado analisar se o uso desta peça de vestuário constitui um exercício de liberdade de expressão. Estes e outros debates são inúteis para o caso em apreço. A proibição teve na sua base algo muito mais simples (e revelador): ser francês é ser branco e católico. E pronto. Nada como falar claro para acabar com as dúvidas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O burquíni e a democracia francesa

por Diogo Noivo, em 06.09.16

burquini_fotoAP.jpg

 

O debate sobre o burquíni abalou os alicerces da identidade nacional francesa. Quando uma peça de vestuário é capaz de tal proeza, teme-se pela saúde da identidade nacional, tão frágil que soçobra perante tecido.

Os detractores do burquíni dirão que não está em causa a indumentária, mas sim o que ela simboliza. Aliás, foi esse o racional que fundamentou a proibição imposta em França (os alegados problemas de higiene, aduzidos ao debate pelo presidente do município de Cannes, parecem-me um fundamento demasiado patético para ser levado a sério). O valor deste argumento é discutível, pois não é de todo evidente que a burqa (e, por maioria de razão, o burquíni) seja uma representação de uma estripe radical e violenta do Islão. Como, por outro lado, também não está demonstrado que o uso do burquíni seja uma consequência da coacção - embora, neste aspecto em concreto, existam bons argumentos para ser cauteloso, sem recorrer às litanias ultramontanas que se vão lendo aqui e ali. 

Mas mesmo que o burquíni fosse uma expressão de um Islão sectário e violento, a forma como se decidiu implementar a proibição invalidou por completo toda e qualquer boa intenção que a fundamentasse. Se, como foi evocado, o objectivo fosse o de banir do espaço público representações de ideologias repressoras, sectárias e violentas, deveria ter sido ilegalizada toda a parafernália onde figurem os rostos de Che Guevara ou de Mao, para dar apenas dois exemplos. Mais, se se pretende proteger a sociedade francesa do ódio e da violência (nas suas mais diferentes expressões), então as autoridades estavam obrigadas a ilegalizar o partido Frente Nacional. Mas nada disto aconteceu. Quis-se suprimir alegadas manifestações de ódio, mas apenas no seio da comunidade muçulmana. A todos os outros sectores da sociedade aplicou-se o muito português ‘tudo como d’antes, quartel-general em Abrantes’.

É abusivo e ridículo inferir deste caso que França adoptou uma política de perseguição religiosa exclusivamente direccionada contra o Islão. A verdade, como escreveu João Pedro Pimenta n’A Ágora, é  que se trata de mais um exemplo do jacobinismo francês, em que a tão afamada "laicidade" é na realidade uma atitude anti-religiosa disfarçada.  No entanto, ao pegar num argumento geral e aplicá-lo somente a um pequeno sector da sociedade, criaram-se condições (e factos) para que a comunidade muçulmana em França se sinta alvo de discriminação selectiva. E, com isso, deu-se mais um argumento ao totalitarismo jihadista, que certamente usará este episódio para ‘demonstrar’ aos muçulmanos que a verdadeira opressão religiosa está na Europa, e não no sectarismo sanguinário do autoproclamado Estado Islâmico e demais organizações jihadistas. Perante tudo isto, François Hollande, correctamente apodado em França de Monsieur Flan, mostrou não ter a consistência política necessária para recentrar o debate público.

André Lamas Leite escreveu n'A Destreza das Dúvidas que o busto da República aguenta bem o burquíni. De acordo. Já não tenho tanta certeza que a democracia francesa aguente cidadãos de indignação fácil, disponíveis para aceitar medidas de corte autoritário.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mais um atentado.

por Luís Menezes Leitão, em 26.07.16

Hoje foi mais um atentado, agora em Rouen, em relação a um padre que rezava a missa, e que foi degolado por assaltantes pertencentes ao Estado Islâmico, em frente aos seus fiéis. Um acto de barbárie e ódio só comparável aos tempos do nazismo. Mas pelos vistos na Europa vai tudo continuar em estado de negação. Até quando os dirigentes europeus persistirão em ignorar que a Europa vive uma verdadeira guerra religiosa, declarada por fanáticos, que não hesitarão em combater até á morte contra os valores europeus? Ontem as pessoas em França tinham medo de ir a espectáculos públicos. Hoje passaram a ter medo de entrar numa igreja. Lentamente o Estado Islâmico vai destruindo a Europa, perante a complacência dos governantes europeus.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O horror em Nice.

por Luís Menezes Leitão, em 15.07.16

Há uma diferença muita clara entre os Estados Unidos e a Europa no que respeita aos atentados no seu território. Os Estados Unidos sempre entenderam que o ataque no 11 de Setembro foi um acto de guerra, a que teriam que responder pela mesma forma. E a verdade é que conseguiram controlar ataques posteriores no seu território. Já na Europa insiste-se em ver as situações como meros atentados terroristas, que por isso se vão sucessivamente repetindo.

 

Os ataques em Paris, Bruxelas e Nice são verdadeiros actos de guerra e é nesse sentido que têm de ser encarados. A escolha de Nice para ser alvo de um atentado no 14 de Julho não é inocente. Exprime o ódio dos autores do atentado à Nação Francesa e ao seu dia nacional. E escolhe para atacar não apenas uma zona turística importantíssima na Riviera Francesa, mas especialmente o território que mais recentemente pertence à França. Nice só é território francês desde 1860, sendo que antes era pertença do Reino da Sardenha. O ataque a Nice simboliza assim um ataque ao Estado francês e às suas fronteiras actuais.

 

Há muito que se sabe que esta gente quer destruir os Estados europeus, que consideram inimigos do Califado que pretendem instalar em território europeu. Mas a Europa não parece ter consciência do perigo que a ameaça. Ainda há dias Hollande falava em levantar o estado de emergência em França, que agora se viu forçado a prorrogar. Enquanto não se reagir militarmente contra estes fanáticos, terminando de vez com o Estado Islâmico, os atentados terroristas continuarão a multiplicar-se em solo europeu.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Nuit Debout

por Fernando Sousa, em 03.05.16

A França vive momentos que lembram outros mas que não terão certamente as mesmas consequências - já não há sans culottes e estamos em 2016. De todo o modo refresca saber que na Europa ainda há gente que se junte na rua para discutir o que importa a todos. A foto, do dia 29, não é muito boa mas foi a que consegui da Nuit Debout, que dura há mais de um mês na Place de la Republique, onde se discute todos os dias, e noites, a lei El Khomri e mais tudo o que a praça acha de errado num país governado por um Presidente que não se sabe muito bem o que fazer, se dialogar se partir cabeças

IMG_5901.JPG

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Je vous salue, Daesh

por Diogo Noivo, em 11.02.16

Quando uma acção de violência gera efeitos psicológicos desproporcionados face aos danos materiais que provoca adquire peculiaridades próprias daquilo que se designa por terrorismo. Este preceito, enunciado por Raymond Aron em Paix et guerre entre la nations, deve ser entendido em conjunto com outro: é objectivo declarado de todas as organizações terroristas forçar o Estado a abdicar da sua superioridade política e moral. Por outras palavras, um dos propósitos da acção terrorista é o de obrigar o Estado visado a prescindir dos valores e procedimentos nos quais se funda e, dessa forma, faze-lo descer ao nível de quem comete actos terroristas. A adopção de medidas restritivas de liberdades individuais, bem como descontinuar princípios estruturantes de um Estado de Direito Democrático, jogam directamente a favor daqueles que, através da violência terrorista, procuram alterar o nosso modo de vida.

O Governo de François Hollande tem dado provas inequívocas de não entender isto e tudo o resto. À imposição de um Estado de Emergência, cuja necessidade ainda está por demonstrar, junta-se agora uma revisão constitucional para retirar a nacionalidade a terroristas. Se o princípio é errado e favorece a propaganda jihadista, torna-se preocupante quando a redacção da norma poderá prestar-se a interpretações extensivas, dando ao governo de turno uma discricionariedade tremenda. Ou seja, Hollande cede à pressão psicológica do terror e pouco a pouco vai abrindo mão da superioridade política e moral do Estado. Tudo o que não se deve fazer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Freedom is not free.

por Luís Menezes Leitão, em 15.11.15

Hoje a França bombardeou territórios do Estado Islâmico, dando assim uma resposta militar ao que foi um verdadeiro acto de guerra contra civis inocentes. Essa resposta só faz, no entanto, sentido se for para preparar uma invasão terrestre. Por muito que evolua a tecnologia, uma guerra só se ganha colocando tropas no terreno e ocupando o território do inimigo.

 

Neste momento, a guerra é de facto a única defesa possível, perante uma horda de bárbaros, que atacou brutalmente o coração da Europa. E não vale a pena sonhar com uma resposta política ou lamentar estarmos a perder tudo o que tínhamos garantido na Europa. Não é a política que vai paralisar os futuros ataques, a não ser que essa política seja a rendição pura e simples, caso em que, aí sim, perderíamos de facto tudo o que temos. E só temos garantido aquilo que estamos dispostos a defender, por muito que isso nos custe. 

 

Há muito que os americanos sabem isso, que exprimem numa frase que diz tudo: "Freedom is not free". É bom que os europeus também o aprendam.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Submissão - a história de um suicídio

por Teresa Ribeiro, em 03.05.15

C:\Documents and Settings\Admin\Ambiente de trabal

 

Quando Michel Houellebecq foi fustigado nas redes sociais e nos media com acusações de xenofobia e de incentivo à islamofobia por ocasião do lançamento, em França, de "Submissão", defendeu-se afirmando que o seu novo romance não era uma provocação, na medida em que nele não dizia coisas que considerasse fundamentalmente falsas só para irritar.

E o que ele dizia em "Submissão" é que em 2022, depois de um conturbado segundo mandato de François Hollande, o líder do novo partido Fraternidade Muçulmana chegaria ao poder após a segunda volta das presidenciais. Um feito só possível graças à aliança que propôs aos socialistas e à UMP, de centro-direita, para derrotar Marine Le Pen, vencedora da primeira volta. Com instinto político e sentido de oportunidade, o islamita conseguia o impensável.

A par de insultos, Houellebecq também recebeu louvores e houve mesmo quem o considerasse um visionário, colocando-o a par de George Orwell e Aldous Huxley. "Afinal" - argumentaram os seus apoiantes mais entusiastas - "numa Europa devastada pela crise económica, social e de valores, cansada dos seus políticos e já sem fé na democracia seria assim tão absurdo o islão penetrar, qual cavalo de troia, no sistema politico-partidário tradicional e conquistar o poder?"

O romancista francês mais traduzido no mundo, vencedor do prémio Goncourt, bestial e besta conforme as opiniões, em "Submissão" fala sobretudo da decadência da Europa. A ideia da reconquista do ocidente pelo islão é uma hipótese académica de que se serve para incendiar o circo (apesar de o ter negado) e também pretexto para regressar ao seu tema preferido: a irreformável natureza humana.

Se Houellebecq tivesse imaginado um assalto ao poder pela força, "Submissão" não seria tão interessante. Bem mais  insidiosa é a doce passagem de testemunho por via democrática que descreve e a sugestão de  que o islamismo pode vencer as reservas ocidentais com mais facilidade do que seria de supor desde que administrado em doses certas:

"Ben Abbes evitara sempre comprometer-se com a esquerda anticapitalista; compreendera perfeitamente que a direita liberal ganhara a "batalha das ideias", que os jovens se tornaram empreendedores e que hoje em dia o carácter incontornável da economia de mercado era unanimemente aceite. O verdadeiro traço de génio do líder muçulmano era ter percebido que as eleições não se iam decidir no campo da economia mas no campo dos valores e que, também a esse nível, a direita se preparava para ganhar a "batalha das ideias", sem sequer precisar de combater (...) No respeitante à reabilitação da família, da moral tradicional e implicitamente do patriarcado, abria-se à sua frente toda uma avenida, que a direita não podia aproveitar, e a Frente Nacional muito menos, sem ficarem com o carimbo de reaccionárias ou mesmo de fascistas (...) Só ele, Ben Abbes, estava ao abrigo de qualquer perigo. Paralisada pelo seu anti-racismo essencial, a esquerda nunca fora capaz de o combater, ou sequer de mencionar".(pág. 135) 

Habituados que estamos a considerar as teocracias islamitas a anos-luz da nossa superioridade civilizacional admitir, ainda que teoricamente, alguma vulnerabilidade do nosso sistema é reconhecer que a distância que nos separa é reversível. Como? A  natureza humana, esse traço de união entre civilizações, será sempre a chave para todos os enigmas, sugere o autor.

De que forma poderiam as elites políticas e intelectuais sucumbir ao charme do islão? Houellebecq explica, tal como explica o que levaria o povo a aceitar a mudança sem levantar grandes ondas:

"Provavelmente é impossível, para as pessoas que viveram e prosperaram num determinado sistema social, imaginarem-se na pele daqueles que, nunca tendo podido esperar nada desse mesmo sistema, encaram a sua destruição sem especial receio" (pág.53), cogita o personagem que conduz esta história, um intelectual autocentrado, que nunca se interessou por política, que a bem dizer nunca se interessou por nada e cuja relação mais próxima que mantém é com o escritor do século XIX que foi tema da sua tese de doutoramento.

Este tom desapaixonado contamina toda a narrativa passando nas entrelinhas l'air du temps, um misto de apatia, individualismo e alheamento cívico. Mas é quando cita Arnold Toynbee, através de um outro personagem, um professor universitário de meia idade rendido ao dinheiro dos sauditas e às delícias da poligamia, que Houellebecq transmite a mensagem essencial do livro: "as nações não morrem assassinadas, suicidam-se". E a estocada vai para as elites que nos governam, não para os muçulmanos.

Quem levou a sério e acusou a sua tese de falta de consistência política não considerou que a ambivalência desta obra, que mistura referências reais com pura ficção, e acontecimentos plausíveis com desfechos improváveis, é um objectivo. Sendo o islão, nos tempos que correm, "o outro" o escritor usa-o simplesmente para nos confrontar. Para nos falar do que está podre no reino da civilidade e da democracia, mas como é de seu timbre fá-lo sem moralismos ou quaisquer outros constrangimentos. 

A viver com escolta policial desde que o Charlie Hebdo sofreu um atentado (a capa da edição que então estava nas bancas era sobre o recém-lançado "Submissão"), Michel Houllebecq  é odiado pelos islamitas mas também, sem surpresa, pelas elites intelectuais mais engagées, tanto à direita como à esquerda. Penso que pelas contas dele não se terá saído nada mal, até porque com este seu sexto romance está a facturar como nunca...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Uma péssima decisão!

por Helena Sacadura Cabral, em 12.04.15

IFP.jpegO Instituto Franco Português, o IFP, corre o risco de fechar. É esta decisão que está em causa, apesar de ser apresentada como sendo apenas de uma mudança de instalações da Av. Luís Bívar, no centro da cidade, para a Embaixada Francesa em Santos. O processo em curso representa o desmembramento do excelente património cultural material e simbólico, vivo e actuante daquele Instituto 

Intenção semelhante foi bloqueada em Berlim graças ao vasto movimento de cidadãos que foi criado para o efeito.

A petição “Não ao fecho do Institut Français au Portugal”, lançada por personalidades de vários sectores socioculturais, ultrapassou cinco mil assinaturas prossegue e pode ser assinada em:

                

                          https://www.change.org/p/sauvonsifp

 

Ajudem a evitar que uma tal decisão vá por diante e assinem a referida petição. Eu já assinei. Trata-se de um património cultural que deve ser salvaguardado e que só um movimento de massa pode levar a que seja mantido.

Autoria e outros dados (tags, etc)

"O começo do novo governo do Primeiro-Ministro (PM) Manuel Valls continua não sendo fácil, com a demissão do Secretário do Comércio Exterior, o deputado socialista Thomas Thévenoud, após descoberta de atrasos nas suas últimas três declarações de imposto de renda pela Alta Autoridade pela Transparência da Vida Pública (HATVP).

(...)

As leis chamadas de leis de transparência da vida pública obrigam os políticos de alto escalão franceses, atualmente cerca de 8000 pessoas, a passarem por uma fiscalização detalhada dos seus bens, suas rendas e suas ligações comerciais nos últimos 5 anos, incluindo as de seus esposos(as), antes de entrar em nova função, para determinar se existirão conflitos de interesse. Thomas Thévenoud foi um grande apoiador destas medidas, e não é difícil encontrar vídeos de seus discursos na Assembleia pregando a transparência e o sacrifício patriótico no pagamento dos impostos. Em um discurso de 17 de junho de 2013 afirmou que “a República exemplar é aquela na qual os ministros tornam público o seu patrimônio”, enquanto em um outro de 22 de julho do mesmo ano disse que a transparência é “a única solução para renovar a ligação de confiança dos nossos compatriotas (com o governo)”. Aqui e também no L'OBS

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Olhares sobre o drama de Paris

por Pedro Correia, em 15.01.15

David Brooks, New York Times: «Os jornalistas do Charlie Hebdo estão a ser justamente celebrados como mártires da liberdade de expressão, mas encaremos os factos: se eles pretendessem publicar o seu jornal satírico em qualquer universidade norte-americana das últimas duas décadas o projecto não teria durado 30 segundos. As associações de estudantes tê-los-iam acusado de fomentarem o ódio. As administrações universitárias ter-lhes-iam bloqueado o financiamento e encerrado a publicação.»

 

Nick Cohen, The Observer: «Temos em vigor uma lei contra a blasfémia. Não foi aprovada por nenhum eleitor. Nenhum parlamento a votou. Nenhum juiz decide sobre a sua aplicação e nenhum júri avalia eventuais culpas dos infractores. Não há direito a recurso. E a pena é a morte. Não é cumprida por intervenção de polícias sujeitos a códigos de conduta, mas pelo temor de quem nem se atreve a pronunciar-lhe o nome. E a cobardia é tão grande que até falta a coragem para admitir que se tem medo.»

 

Javier Martínez-Torrón, El Confidencial: «Se queremos erradicar o fanatismo religioso - e é essencial que o façamos - o caminho não passa por glorificar o insulto de quem pensa de maneira diferente da nossa, mas por um jornalismo mais consciente da sua responsabilidade social e mais sensível em relação aos valores das minorias.»

 

Jonathan Turley, Washington Post: «Se os franceses querem honrar a memória dos assassinados na sede do Charlie Hebdo, podem começar por revogar as suas leis que criminalizam o insulto, a difamação, o incitamento ao ódio, à discriminação ou à violência com base em religião, raça, etnia, nacionalidade, incapacidade física ou orientação sexual. Estas leis têm sido usadas durante anos para penalizar o jornal satírico e ameaçar os seus profissionais. As opiniões em França estão a ser circunscritas ao seu uso "responsável", sugerindo-se assim que a liberdade de expressão é mais um privilégio do que um direito de quem a exerce de forma controversa.» 

 

Jean Daniel, L'Obs: «O verdadeiro debate, desde que os homens são homens, é sabermos se nos é permitido matar, se devemos responder ao crime recorrendo à vingança e se devemos esquecer aquilo que a Bíblia observa: "Se o mal responde ao mal, quando haverá fim para o mal?" Estamos aí. Hoje os franceses parecem querer, simbolicamente ou não, solidamente ou não, responder a esta imposição da Bíblia. O mal terminará quando houver suficientes homens e mulheres decididos, como aconteceu no domingo, a demonstrar através da sua pungente unidade que existem caminhos para tentar pôr-lhe fim.»
 
Ignacio Camacho, ABC: «Com estes tipos [Charb, Wolinski, Cabu], até 6 de Janeiro, qualquer pessoa razoável podia ter sérias diferenças, considerá-los excessivos, grosseiros, irreverentes, gratuitamente desrespeitosos. Mas desde 7 de Janeiro são os heróis e os mártires da nossa liberdade. Da nossa, sim, da de todos. Também, mesmo que não saibam ou não queriam saber, da liberdade dos muçulmanos que a ela se acolhem. Da de todos esses que preferem habitar numa Europa cujos valores odeiam ou rejeitam do que em qualquer dos 57 países islâmicos de onde emigraram.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Falar claro

por Pedro Correia, em 13.01.15

«A França está em guerra contra o terrorismo, o jiadismo e o islamismo radical.»

Manuel Valls, hoje, na Assembleia Nacional francesa

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um dia histórico para a Europa

por Pedro Correia, em 11.01.15

1200x630_295128_paris-prepares-for-unity-rally[1].

 

Le Figaro:

Rassemblement sans précédent a Paris, plus d'un million de personnes en province

 

The Guardian:

Huge crowds for Paris anti-terror rally

 

El País:

Una multitud emocionada desborda París

 

MW-DD028_Paris__20150111111225_ZH[1].jpg

 

Daily Telegraph:

The largest demonstration in French history

 

Libération:

Marche républicaine a Paris: une ampleur sans précédent

 

El Mundo:

París se alza contra el terror y por la libertad

Autoria e outros dados (tags, etc)

Submissão e luta

por José António Abreu, em 08.01.15

charlie_hebdo_1489375.jpg

O novo livro de Michel Houellebecq, Soumission (tradução de «Islão») acabou de chegar às livrarias mas é discutido pela intelligentsia francesa há várias semanas. Nele, com o apoio de PSF e UMP, o candidato de um imaginário partido muçulmano (a Fraternidade Muçulmana) derrota Marine Le Pen na segunda volta das eleições presidenciais de 2022 e começa a implementar um regime patriarcal baseado na religião que (porque as mulheres são empurradas de volta às tarefas domésticas) até faz diminuir a taxa de desemprego. Houellebecq defende a plausibilidade do aparecimento de um partido assim com o facto da maioria dos muçulmanos (já cerca de 10% da população francesa) não se identificarem com os existentes: os valores tradicionais do Islamismo afastam-nos da esquerda enquanto a política económica e de imigração os afastam da direita.

Houellebecq é um polemista formidável, que admite desprezar o Islamismo (despreza um pouco menos o Cristianismo e o Judaísmo apenas porque atribui valor literário à bíblia) mas também é alguém que toca frequentemente em assuntos que mereciam discussão menos entrincheirada do que a permitida pela força castradora do politicamente correcto. No livro anterior, apresentava uma França – e uma Europa – dependente do turismo, museu a céu aberto completamente irrelevante na cena mundial - uma visão que se vem tornando cada vez menos irrealista. Para além de temas habituais na ficção literária (as desilusões associadas ao processo de envelhecimento, por exemplo), é possível encontrar nas suas obras, bem como em algumas das suas entrevistas, uma preocupação (à primeira vista curiosa, em alguém que parece acreditar em tão pouco) com a barbárie a que a progressiva substituição de valores partilhados e intangíveis pela apatia, pelo individualismo e pelo medo de ficar mal visto pode conduzir a sociedade europeia. De resto, é esta perda de valores que justifica outro tema recorrente do francês: o carácter cada vez mais utópico das relações amorosas duradouras, baseadas em monogamia sexual, que tradicionalmente estruturavam a sociedade. Num toque irónico, o cenário apresentado em Soumission, de progressiva conversão ao Islamismo da sociedade francesa (sendo que a conversão - ou, mais propriamente, a resignação – de ateus e agnósticos parece fácil de conseguir porque os movem valores práticos, materiais), resolve essa questão, pelo menos a um nível superficial.

Como seria de esperar, Houellebecq tem estado debaixo de fogo da Esquerda desde que o tema do livro foi anunciado. E, contudo, numa época em que alemães protestam contra o aumento do número de muçulmanos e em que Paris limpa das ruas o sangue derramado por atentados em nome do Islão, chegou mesmo a altura de debater estas questões. Altura de assumir que estamos perante um choque de civilizações (em muitos apectos, entre a barbárie e a civilização ou entre a Idade Média e a Modernidade) e não apenas de efeitos da pobreza ou de complexos de inferioridade, como frequentemente se afadigam a explicar certas mentes oportunistas, mais preocupadas em justificar as acções daqueles que combatem os valores que afirmam defender do que em defendê-los efectivamente. Altura de procurar mitigar o risco, sem cair no tipo de medidas que configurariam capitulação. Acima de tudo, altura de afastar a apatia e de reforçar os valores que definem aquilo que a Europa aprendeu a representar nas últimas sete décadas – os mesmos valores que, adicionados a um nível de bem-estar económico ainda muito superior à média, a continuam a fazer atractiva para milhares de imigrantes: tolerância e liberdade. É imperativo descobrir a forma de, com eles, se possível através deles, combater todos os que praticam a intolerância e advogam a submissão. As manifestações de ontem foram um bom indício. Não bastam, porém. Mais importante é garantir diariamente o direito à crítica, à irreverência, ao mau-gosto. Não tergiversar e chamar a atenção de todos os que costumam fazê-lo, incluindo muitos líderes das comunidades islâmicas: um cartoon nunca justifica violência, uma opinião, por insultuosa que seja, nunca justifica ameaças e atentados. Quando Houellebecq afirmou que o Islamismo era a religião mais estúpida, foi processado por grupos de muçulmanos franceses. Seja. Os tribunais também existem para isso. E para decidir – como decidiram – que a opinião é livre.

Acima de tudo, é preciso demonstrar que a mesma liberdade individual que terá desempenhado um papel no desvanecimento dos tais valores intangíveis (ninguém é condenado à fogueira por recusar Deus, as mulheres podem ser independentes, etc., etc.)  é, em si mesma, suficientemente forte e agregadora. Deixar claro que, com ou sem atentados, fazemos questão de viver normalmente num certo estilo de sociedade. Embora – convém referi-lo – não haja insulto superior a esse.

 

Nota: Ainda não li Soumission mas apenas vários textos sobre ele.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pudor

por Pedro Correia, em 08.01.15

Há sempre um sociólogo pronto a invocar causas "sociais" como factor atenuante para os autores dos crimes mais sórdidos. Se o sociólogo estiver de folga, avança o psicólogo de plantão, evocando os traumas sofridos na infância como caução moral dos actos criminosos cometidos na idade adulta.

Na ausência episódica de ambos, logo emerge uma voz oriunda da classe política a dizer não importa o quê numa resignada complacência perante a barbárie. Ontem, nesta ronda, coube o turno à eurodeputada Ana Gomes. A responsabilidade dos homicídios que semearam o terror em Paris, garante a intrépida socialista, dilui-se nas "políticas de austeridade anti-europeias".

Ainda nauseados pelos ecos do brutal atentado perpretado no coração da pátria do racionalismo por elementos da guarda avançada do terror, testemunhamos o protagonismo de quem se aproveita dos cadáveres de mártires da liberdade de expressão para difundir a demagogia mais rasteira.

Nestes momentos em que somos confrontados com a face do mal no seu horror absoluto apetece implorar a certas vozes que se calem em nome do mais elementar, recomendável e misericordioso pudor.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mais inseguros e menos livres

por Pedro Correia, em 07.01.15

Este é o maior problema da Europa actual: a liberdade seriamente condicionada pelos seus mais encarniçados inimigos. Paris, outrora Cidade-Luz, é hoje cidade ensanguentada pelo fanatismo mais extremista.

Somos todos, a partir de agora, um pouco menos livres. E trocaremos cada vez mais parcelas de liberdade em troca de segurança. Dilema ilusório. Porque nos alicerces da nossa civilização - que o terrorismo islâmico combate sem tréguas - liberdade e segurança são conceitos indissociáveis. Um não faz sentido sem o outro.

Hoje estamos todos mais inseguros e menos livres. É um dia de júbilo para os cultores da barbárie, que não estão algures em parte incerta.

Estão aqui, no meio de nós.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Consumo

por José António Abreu, em 16.12.14

Em França, o plano de reformas do ministro da Economia está debaixo de fogo. Como seria de esperar, entre os mais críticos contam-se inúmeros socialistas. Martine Aubry, presidente da Câmara de Lille, escreveu um artigo no Le Monde atacando a ideia de permitir a abertura do comércio durante 12 domingos por ano, em vez dos actuais 5. Pergunta ela: Queremos fazer do consumo - ainda mais do que hoje - o alfa e ómega da nossa sociedade? A esquerda não tem mais a propor como organização da vida do que o passeio dominical ao centro comercial e a acumulação de bens de grande consumo? (Tradução minha.)

É sempre enternecedor ver gente defendendo a imposição de comportamentos saudáveis, protegendo as massas da irresistível pulsão para a mediocridade que, sem regras definidas por espíritos mais elevados, as tende a dominar. Aubry talvez devesse perguntar aos 10% de desempregados franceses se preferem continuar nessa condição ou obter uma hipótese extra de arranjar emprego, ainda que correndo o risco de ele abranger alguns domingos por ano, mas, para paladinos do mundo como ele devia ser, esta é uma questão que nem se coloca. Para estas pessoas, o desemprego não se combate criando empregos imperfeitos. (Que eu não conheça outro género só pode constituir uma falha na minha experiência de vida.) E se é verdade que um aumento de 7 domingos por ano não diminuiria significativamente a taxa de desemprego, suponho que permitir o trabalho em 22, 32, 42 ou - gasp - 52 seria ainda mais inaceitável.

Seja como for, a presunção nem é o aspecto mais curioso de tudo isto (já se sabe: os socialistas adoram tomar decisões pelos outros). O mais curioso é haver gente (quase invariavelmente de esquerda, quase invariavelmente com capacidade de consumo muito acima da média) que contesta esta terrível sociedade consumista mas também exige o estímulo da economia através de políticas de incentivo ao consumo. Decididamente, a lógica é uma batata. Subsidiada pela PAC.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um homem normal

por Helena Sacadura Cabral, em 05.12.14

Hollande.jpg

Se for verdade é para coleccionar. Se não for verdade, tem fortes probabilidades de ser tomado como autêntico. Porque será? Acredito que seja por se tratar de um homem normal!

Autoria e outros dados (tags, etc)

O real e o ideal

por Helena Sacadura Cabral, em 07.09.14

O texto que se segue é um excerto do editorial de Matthieu Croissandeau a propósito o novo ministro da Economia francês Emmanuel Macron e publicado no ultimo Nouvel Observateur. A tradução minha é muito livre, mas é suficiente para entender que para uma certa esquerda um jovem enarca, filósofo e banqueiro tem que ser forçosamente alguém de muito suspeito. Porque:

 

"...A questão não é saber se um antigo banqueiro pode ser de esquerda. Outros antes dele já o foram e outros certamente o serão. A questão não é sequer saber se o socialismo de Hollande rompe com os seus principios fundadores ao prosseguir uma política demasiado favorável às empresas. Há já muito tempo que os socialistas franceses se converteram à economia de mercado e não correm atrás dos patrões.

Não o esqueçamos: foi a esquerda, na ocorrência a de Mitterrand que abriu as portas da economia do país à finança liberalisando os mercados de capitais. Foi ainda a esquerda, a de Jospin  que privatisou o que nem a direita privatisaria, baixou os impostos e converteu os criadores de empresas às delícias remuneratórias das sotck options.

A esquerda não necessita de totems nem de tabus para pôr à prova a força das suas convicções. Mas uma vez eleita, por um estranho e repetitivo fenómeno ela acaba sistematicamente acusada de trair o seu campo. Quando posto à prova do poder, o PS ficou sempre dividido entre a ambição eo remorso, incapaz de estabelecer a ponte entre a doutrina que defendia na oposição e a sua acção governamental e navegando entre o pragmatismo e decepções. Isto deve ser da sua natureza "de servir o ideal e de compreender o real", como resumia Jaurès. Cem anos passados a formula continua a figurar na declaração de princípios do PS, sem que ninguém e muito menos Hollande tenham conseguido resolver esta diferença dialéctica"

 

Cá temos um problema semelhante... e também temos muita dificuldade de resolver esta espécie de dicotomia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Dégueulasse

por Sérgio de Almeida Correia, em 05.09.14

O adjectivo é sempre forte, mas não vejo como qualificar toda esta novela em torno de Hollande. A forma como os envolvidos resolveram abrir a porta da lavandaria só podia dar aso ao comentário de Marine Le Pen. Nem Ségolène escapou. Homens da craveira de um Anatole France, de um Mendès-France ou de um De Gaulle, devem andar aos trambolhões na tumba ao verem a República entregue a figuras de banda desenhada. Já não chegavam Chirac e Sarkozy. Ainda faltava um Hollande. A França merecia melhor. Muito melhor.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Leitura nacional

por Rui Rocha, em 25.05.14

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os rumores da política...

por Helena Sacadura Cabral, em 04.04.14



Dès 2002, une rumeur apparaît. Anne Hidalgo attendrait un enfant de François Hollande... Face à cela, la candidate socialiste à la mairie de Paris explique qu'"en tant que femme, il faut apprendre à se blinder et aider aussi son entourage à se protéger". 


http://www.lexpress.fr/region/francois-hollande-anne-hidalgo-et-l-etrange-rumeur_1282229.html#L22TQjgbW3Iwfhof.99


Quem decide fazer da política a sua vida, sabe que está exposto às mais soezes invenções e comentários. Que atingem, muitas vezes, a sua vida íntima. E não digo privada, porque essa, neste meio, não existe sequer. 

É o que agora está a acontecer a Anne Hidalgo, maire eleita de Paris, ao retomar-se o rumor que corre desde 2002, de que ela teria sido mãe de um filho do Presidente Hollande. Já antes acontecera com Rachida Dati e Sarkozy. 

Afinal não é só em Portugal que este triste fenómeno acontece. Ele também ataca nos países culturalmente desenvolvidos como a França... 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Passos de Hollande

por Pedro Correia, em 02.04.14

«O primeiro objectivo do novo Governo será devolver a força à nossa economia. Quem cria empregos são as empresas - e não há injustiça maior do que o desemprego. Por isso propus o Pacto de Responsabilidade, com menos encargos para as empresas e mais investimento. É um gesto de confiança dirigido a todos os protagonistas económicos e todos os parceiros sociais.»

Excerto de um discurso de Passos Coelho? Não: são palavras de François Hollande, anunciando aos franceses que formaria um novo Governo, liderado por Manuel Valls. Por coincidência ou talvez não, a personalidade mais à direita do Partido Socialista Francês.
"Righting Hollande", observa o Wall Street Journal com manifesta ironia. Antiga "lufada de ar fresco" para Seguro. Antiga "janela de esperança" para Soares. La fenêtre est fermée.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A emigração francesa

por Helena Sacadura Cabral, em 06.02.14
O último LE POINT aborda de forma bastante extensa o problema da saída de cérebros franceses em busca do sucesso. É um número precioso na explicação de um fenómeno que se terá agravado com a globalização, que a crise tornou mais crucial e que está longe de ser apenas nacional ou consequência exclusiva de medidas governamentais.

O retrato robot do francês expatriado, traçado com base no "Inquérito sobre a expatriação dos franceses", não deixa de ser curioso. Assim:


1. É, sobretudo, homem e jovem (54%), com idades compreendidas entre os 26 e os 40 anos.

2. É muito mais "diplomado" do que o francês comum e o seu nível salarial líquido declarado, quando trabalha, é em 52% dos casos, superior a 30.000 euros.

3. 33% são quadros de empresas, 15% quadros da função pública, 6% chefes de empresa com mais de 10 assalariados, 3% técnicos e 1% artesãos.

4. 49% vive na Europa,13% na América do Norte, 9% no Próximo e Médio Oriente, 8% na Ásia, 7% na África francófona e 6% na África do Norte.

5. Os franceses são a primeira comunidade na Bélgica, a segunda no Luxemburgo, a terceira na Suíça, a quarta em Israel, a sexta no Reino Unido.


Creio que, retirando algumas especificidades, o nosso robot poderá, na essência, não ser muito diverso deste. A grande diferença é que a maioria destes expatriados poderia arranjar trabalho em França. Se saem é porque têm ambições, desejam voar mais alto e mais depressa ou não estão disponíveis para pagar o alto nível de impostos no seu país. Trata-se, portanto, de uma opção pessoal. Não de uma imposição.

"...Partir não é em si uma infâmia, uma renúncia ou um descréditoPode-se amar um país e deixa-lo...desde que seja para se retornar melhor." 

O drama é quando nem sequer se volta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Todas têm direito

por Helena Sacadura Cabral, em 03.02.14

 Não há nada mais corrosivo do que o humor. Sobretudo quando é bem aplicado!

Autoria e outros dados (tags, etc)

O declínio francês

por José António Abreu, em 23.01.14
Aviso prévio: No texto que se segue não será abordada a vida amorosa de qualquer presidente francês, por muito normal que seja este e anormal que seja aquela. Em contrapartida, o texto inclui muitas percentagens.

Durante séculos, o Portugal que se imaginava culto ambicionava ser francês. França era o exemplo e a inspiração. Hoje somos bastante mais influenciados pelo universo anglo-saxónico mas a velha ligação ainda tem consequências. Já mencionei isto no blogue um par de vezes mas repito-o: num debate das últimas eleições presidenciais francesas, Hollande referia a cada cinco minutos como a França perdera terreno para a Alemanha; a certa altura, Sarkozy atirou-lhe: «Mas a Alemanha fez há dez anos aquilo que o senhor ainda recusa que se faça em França.» Bingo. Nem por isso Sarkozy venceu as eleições. E, como seria de esperar, desde a eleição de Hollande a França continuou basicamente a fazer o oposto do que a Alemanha fez há mais de uma dúzia de anos (e do que os países nórdicos fizeram há cerca de uma vintena). Os resultados? Comecemos por um número curioso. Se olharmos apenas para o PIB, pouco mudou. Em 2001, o PIB francês representava 73,6% do PIB alemão. Em 2012 (último ano do qual existem estatísticas razoavelmente definitivas), mantinha-se nos 73,1% (com uma ligeira vantagem de oito décimas para o lado da Alemanha, ambos cresceram cerca de 12% nesses onze anos). Por trás do crescimento quase igual, há no entanto diferenças enormes na evolução da competitividade das duas economias. Tome-se o sector automóvel como exemplo. Em 2001, a Renault tinha acabado de comprar uma posição maioritária na Nissan e o grupo PSA começava a multiplicar gamas. Actualmente, a Renault compensa prejuízos com os lucros da Nissan (e da Dacia) e a PSA procura desesperadamente convencer o grupo chinês Dongfeng de que seria um cônjuge útil e leal. Em 2001, na Alemanha que ainda suportava os custos da reunificação e começava  a reformar as leis laborais e o sistema de segurança social, BMW e Daimler iam-se apercebendo de que teriam de deixar cair a ideia de tornar lucrativas Rover e Chrysler, respectivamente. Hoje, as marcas alemãs dominam a Europa e o objectivo do grupo VAG de atingir o número um mundial em 2018 parece não apenas realista como inevitável. Mas talvez seja preferível que nos concentremos nas estatísticas. Em 2001, a partir de uma população representando 72,0% da população alemã, as exportações francesas de bens e serviços representavam 61,1% das exportações alemãs. Em 2012, tendo a população – que aumentou em França e diminuiu ligeiramente na Alemanha – passado para os 77,4% da população alemã, limitavam-se a 46,8% (se excluirmos os serviços, a evolução é ainda mais reveladora: de 56,6% para 40,4%). No que a volume de exportações diz respeito, Hollande poderá até reclamar um prémio (e, se quiser ser justo, partilhá-lo com o antecessor) pela anedota fonética de ter visto a França ser ultrapassada pela Holanda, um país com 26,4% da população francesa. (Por habitante, a Holanda consegue a proeza de exportar mais do dobro da Alemanha: 47,1 versus 20,4 mil dólares, quedando-se a França pelos 12,3 – e Portugal pelos 7,8.) Sem surpresas, a taxa de desemprego acompanhou estes números. Em 2001, era de 8,2% em França e de 7,9% na Alemanha; em 2012, subira para 10,3% em França e descera para 5,5% na Alemanha. Tudo isto – será conveniente relembrar – quando, em percentagem, o PIB francês subiu sensivelmente o mesmo que o alemão (ou que o holandês) nos onze anos desde o fim do euro. Ou seja, a economia francesa, antes ligeiramente menos competitiva do que a alemã, fechou-se sobre si mesma, derivou para sectores não exportadores e em grande medida apoiou-se no Estado (percentualmente, a despesa pública francesa é a mais elevada da zona Euro; entre 2001 e 2012, subiu de 51,7 para 56,7% do PIB enquanto a alemã desceu de 47,6 para 44,7%). No fundo, salvaguardando a diferença de escala, que a torna too big to fail (escrever isto em inglês é provocação suplementar), a França tem exactamente o mesmo tipo de problemas e a mesma mentalidade vigente que Portugal. Permanecer agarrado à ideia da defesa do Estado Social, em vez de o defender efectiva e realisticamente, dá nisto. E as velhas influências demoram a morrer.

Notas

1. Encontra-se implícito mas, de modo a que não restem dúvidas, acrescente-se que dificilmente se poderá culpar o euro pela totalidade dos problemas franceses. As situações de partida não eram assim tão diferentes.

2. Nas exportações, o problema de Portugal nem foi de ter registado uma queda – no período 2001-2012 desceram de 5,0% para 4,9% das alemãs – mas de serem demasiado baixas logo à partida e não ter conseguido fazê-las subir pelo menos ao ritmo da Holanda.

3. Dos quatro países constantes dos gráficos, França e Portugal foram os únicos que nunca apresentaram receitas superiores às despesas durante os vinte e dois anos considerados e foram também os que mais fizeram crescer a diferença entre umas e outras na sequência da crise de 2008 (ver gráfico abaixo).

4. Certas más-línguas poderiam apontar como factor-chave na diferença de capacidade de reforma entre França e Alemanha o facto de, em 2001 como hoje, a fatia da população dependente do Estado (ver despesa pública em relação ao PIB) ser maior em França. Acrescentariam (as tais más-línguas) que os privados protestam menos, têm sindicatos mais disponíveis para estabelecer compromissos e dificilmente conseguem paralisar o país em que vivem.

5. Hollande promete agora aumentar a competitividade da economia francesa através de um alívio da carga fiscal recaindo sobre as empresas, a ser compensado por cortes de cinquenta mil milhões de euros na despesa pública. Veremos se a medida avança. Prova da falta de juízo que grassa em França (e da importância excessiva das aparências que grassa um pouco por todo o lado) é a intenção de criar uma comissão pública para avaliar se as empresas não estão a abusar da benesse.

6. Como os dados das exportações de vários países revelam e ainda que se desconte o efeito da valorização do euro, o tremendo pessimismo que muitos europeus mostram perante os resultados da globalização é exagerado. Sendo difícil, pode continuar-se competitivo pagando salários altos (mesmo em sectores onde tal pareceria improvável; exemplo: mais de 20% das exportações dinamarquesas de bens vêm do sector agro-pecuário). Já o peso do Estado (e, por conseguinte, das prestações sociais pagas por este) não pode continuar a subir ao ritmo a que subiu nas últimas décadas, até por pressões demográficas que apenas uma gigantesca dose de imaginação permitirá atribuir aos chineses ou ao sistema financeiro.

Fontes: Organização Mundial do Comércio para os dados relativos às exportações, Fundo Monetário Internacional (World Economic Outlook Database, Outubro de 2013) para os restantes.

 

(Clicar nas imagens - e depois uma segunda vez - para aceder a versões maiores. O ano de 1991 foi escolhido para permitir obter um retrato da situação na época imediatamente após a reunificação alemã. A Base do FMI não inclui os dados da despesa e da dívida da Holanda para os anos anteriores a 1995.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

La grandeur

por Rui Rocha, em 10.01.14

Os portugueses sofrem de sebastianismo? Pois os franceses têm la grandeur. Que, no fundo, é a nostalgia de Luís XIV. Devemos provavelmente ao General Schwarzkopf  a definição mais lapidar da França e de la grandeur:  ir para uma guerra sem os franceses é como ir caçar sem acordeão.  Quando Churchill afirmou que nunca tantos deveram tanto a tão poucos, a maior parte dos devedores eram franceses. E nenhum deles tinha verdadeira intenção de pagar. Sim, porque la grandeur é também o patriotismo e a resistência de Sartre numa tainada com os amigalhaços enquanto os aliados invadiam a Normandia. La grandeur é a eloquência nas proclamações, a frugalidade nos actos e a míngua dos resultados. O francês médio é um homem destinado a grandes feitos não fosse dar-se o caso de ter as mãos nos bolsos. Liberté, égalité, fraternité é o mote nacional de França. Mas o certo é que os franceses que o gritam chegam à última palavra já bastante cansados. La grandeur é a mediocridade feita parangona, é a visão ampla de pequenos espaços. La grandeur é Hollande e é por isso que Tó Zé Seguro gosta tanto dele. Seguro nasceu na Beira Interior devido a uma lamentável imperfeição da natureza. Se o local de nascimento devesse ser coerente com a índole, Seguro teria nascido na margem esquerda do Sena. E passaria a vida por lá a prometer cenas de esquerda a torto e a direito. La grandeur é uma dimensão escondida que a generalidade dos franceses acredita que tem embora, em geral, não saibamos exactamente onde. No caso de Hollande, todavia, a situação é ligeiramente diferente. À falta de outras evidências que o distingam de um pascácio encartado, e perante a recorrência de certos episódios, devemos  ser humildes: sabemos exactamente onde a única grandeza de Hollande está localizada.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D