Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Pena suspensa

por Laura Ramos, em 21.03.11

 

Olhava-o e ficava siderada. Por tudo o que via. Mas sobretudo por tudo o que não via. Arrancava-a do sério. De um lado era a aparência, a charla, o encanto; e os olhos atlânticos. Do outro, o impossível crivo de virtudes mentais, o intangível nervo da racionalidade, a eficiência instantânea, mas discreta. O longo treino no ser, a mestria no estar.

Passar ao estádio seguinte parecia obrigatório. Sentia-se avocada.
Mas seria tão curto.

Não, era melhor assim:

Ir descobrindo, lenta, as imperfeições dele. Enredar-se nalgumas, de tão harmoniosas que acabavam por ser, numa contradição melódica. E fixar-se noutras que a levassem a ver. Ver como numa TAC, reveladora e crua.
Detestava a cegueira. Era este o caminho.

Por isso mesmo, quando ainda cedia à tentação tremenda dos sentidos, voltava à tona da água daquele mar revolto e respirava fundo, aliviada, por tudo não passar de um risco imaginário. Fugia da entrega, o que é dizer, do logro. E depois, já sabia que a clareza é dúbia: pode bem ser magnífica, mas também pode ser pródiga em vulgaridade. Depende de quem e ninguém merece tanto, porque a vida inteligente, em fim de contas, não assiste os humanos em todas as matérias.

Largar, abrir os olhos e ficar vigilante. Doravante, era assim.

Apagou o programa. Fechou as ligações.

“Sim, quero sair!” – respondeu, irritada.

Cancelar tudo. Voltar atrás. Matar.

Era esse o caminho, até tudo passar.

(Sabia que o melhor só viria depois).

Autoria e outros dados (tags, etc)

O 6.º sentido é delas. E o 7.º, também?

por Laura Ramos, em 07.02.11

 

Emergiu de um bar engraçado quando já eram quase 3 da manhã, afinal era sexta-feira e no dia seguinte, por mero acaso, não teria de madrugar. Chegou a casa e perdeu tempo a revolver o carro, em busca do iphone que não encontrava (andava sempre a perder-lhe o rasto, de tão pesado que era, maldita a hora em que trocara o seu fiel blackberry).
Mas ultimamente era assim, não sabia onde deixava nada, tamanho o cansaço. Ou a distracção. Ou a preocupação.

Chegar a casa, que conforto... Insubstituível sensação. O quadro grande da entrada, uma loucura permitida na última feira de Madrid (e a próxima quase a chegar, o tempo voa). O candeeiro vintage, da Ladra, com aquela luz pastosa e envolvente, coalhada. A chaise longue, onde tanto gostava de ler (e às vezes de fechar os olhos e fingir que dormia, escapando ao apelo massacrante das rotinas diárias).
Por fim o quarto, o canto, o recanto da cama. E o outro recanto, o do pescoço dela. Seu. Habitual. Infalível.

Sabe-lhe bem...

Mas isso são coisas suas. Muito suas, em que não quer pensar, nem revelar.
Pega no livro. Sabe que vai sucumbir a um sono invencível e que duas páginas depois será derrotado em beleza, com as frases, a trama e o feitiço todos entranhados em si, já noutra dimensão. Amanhã acordará mentalmente a milhares de quilómetros de distância. E terá como único objecto transitivo da véspera o livro aberto, virado ao contrário, no ponto Y.
Começará de novo, como sempre, os gestos quotidianos a fingir a continuidade que só alberga na sua cabeça.
A vida tem de ser assim, tranquila. Porque traz consigo a paz, e, paradoxalmente, o espaço para poder viver a sua inquietação. Boa inquietação. Saudável, sobrevivente inquietação.
Amanhã...


Afunda-se, no desejo avassalador e telúrico de um sono profundo, de quem viveu cada minuto, cada hora de trabalho duro, cada cerveja casual de fim de noite, quem sabe se forçada.

- Em busca de quê, atrás de quê, porquê...?

- E isso interessa?
Afinal é um homem igual a tantos outros. Não busca nada, não tem de procurar sentido em tudo.
Elas, sim, gostam disso. Exigem! Demandam pela vida fora uma razão para o que quer que seja, obsessivamente.
Como se tudo neste mundo (e logo no mundo delas) fizesse sentido!- pensa, sardonicamente...
Mas essa não é uma guerra que o puxe, prefere abdicar do teste. Passa.
Está um pouco farto de todas essas tipas complicadas... Está muito farto, mesmo.


Com a luz apagada, o pé a tocar confortavelmente o dela, ainda se inquieta:
- E se aquela de hoje me perguntasse porquê? Eu saberia?
- E se eu tivesse ficado lá um pouco mais, ela perguntaria?
- E se não perguntasse, e me chamasse, iria?

 

Que bom, que bom é dormir e desligar de tudo.
Ficando aqui, ele sabe que não.

-Não fiquei a perder.


(Talvez só o sentido. Mas isso, por enquanto, não lhe interessa nada. Rigorosamente nada).

Autoria e outros dados (tags, etc)



Posts mais comentados


Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D