Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O padrão

por Sérgio de Almeida Correia, em 19.08.14

Os nomes são o que menos importa, embora um deles seja de antologia. São casos que se repetem, aqui e ali, de cada vez que há lugares em disputa num partido. Ou porque moram todos na mesma casa, ou porque pura e simplesmente não existem e quem controla as estruturas de base de alguns partidos não tem idoneidade política, ética e moral para andar por lá. Mas, apesar disso, continua a gozar do apoio dos compinchas, da protecção dos que dependem e dos seus votos, e dos dirigentes que enterrando a cabeça na areia lhes vão aparando os golpes. À socapa.

É um padrão que se repete de Norte a Sul e que não é exclusivo dos partidos. Olhe-se para a banca. Veja-se o que se passa em muitas grandes empresas e até na gestão das finanças de algumas autarquias. Assumem formas moluscóides que se reproduzem com grande facilidade em determinados meios e gozam de aceitação e condescendência social. Da família da alta finança, cujos filhos estudaram na Suíça, ao laparoto da concelhia do partido que quer garantir a senha de presença e os "contactos" na assembleia da terriola, salvo raríssimas excepções de meia dúzia de postergados que preferem o anonimato e a desesperança a terem de vergar, o modelo aplaudido é sempre o mesmo. Com ou sem variantes.

Aquilo que devia dar cadeia justifica-se com o facto das eleições serem concorridas, a dimensão do negócio, a interpretação mais favorável ou o currículo do candidato que por acaso, e só mesmo por acaso, é filho de quem é. As regras que se acomodem. Nós somos assim e temos orgulho em ser assim. Estamos conversados.

Tempo houve em que a culpa era dos fascistas. Depois passou a ser do Otelo e dos comunistas. De caminho foi dos retornados, antes de passar a ser da abstenção e da União Europeia, e de dar lugar à Constituição, ao BPN, ao BES, sem esquecer a Lusófona, a Internacional, a Lusíada, e toda a série de falcatruas, cambalachos e maroscas que tomou conta do país e encheu os bolsos de quem manda. Agora estamos no ponto em que a culpa é da participação. A malta entusiasma-se, quer participar, e aqui vai disto. É o salve-se quem puder.

Podem continuar a fazer reformas como até aqui, a promover primárias, directas, prós e contras, comissões de inquérito, novos acordos ortográficos, a constituir fundações e a endeusarem desportistas ricos, que sendo muito bons no que fazem não deixam de ser quem são, e miúdas giras. Daquelas que usam telemóvel "xpto" com a boca cheia e levam a faca à boca enquanto mostram os aveludados seios fartos nos matutinos e revistas da sociedade.

Enquanto permitirem a sobrevivência do modelo, enquanto tivermos um padrão que é intrínseca e estruturalmente desonesto em quase todas as suas manifestações, tudo continuará recorrentemente como até aqui. E para o caso é irrelevante que estejamos a falar do primeiro magistrado da nação, do diplomata jubilado que assessora autarquias e promove "golden visas" para chineses ou de um trolha. A pobreza sente-se na bolsa, na vida, no quotidiano noticioso, nas declarações dos dirigentes, nos casos do dia. Da política ao desporto.

Não há, não pode haver, nunca haverá excelência, rigor, educação, cultura, decência, numa palavra apenas, civilização, entre ervas daninhas. Se não matarem o padrão; enquanto, parafraseando o Rui Rocha, não se livrarem do cabrão lusitano não entrarão no reino dos céus. Por mais que gemamos a cantar o fado ninguém terá piedade de nós.

Autoria e outros dados (tags, etc)

pedro tamen por pedro moutinho

por Patrícia Reis, em 18.03.14

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

se bastasse

por Patrícia Reis, em 17.10.13

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

ser doutor e ser fadista

por Patrícia Reis, em 14.05.13

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Tu, que tens por mapa o firmamento

por Laura Ramos, em 28.04.13

Coisas da Ana Vidal

Autoria e outros dados (tags, etc)

Nossos (15)

por Helena Sacadura Cabral, em 04.04.12

 

Aldina Duarte, fadista, compositora e letrista de quem muito gosto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Nossos (14)

por Helena Sacadura Cabral, em 04.04.12

 

 Camané, um dos meus fadistas preferidos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Nossos (12)

por Helena Sacadura Cabral, em 02.04.12

 

 Mafalda Arnauth, fadista excelente e uma linda Mulher.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Talvez o mais belo fado de sempre

por Pedro Correia, em 27.11.11

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Fado, património do mundo

por Ana Vidal, em 27.11.11

 

É oficial: o Fado foi reconhecido pela UNESCO como Património Imaterial da Humanidade. Estão de parabéns todos os portugueses, quer gostem ou não deste género musical. E estão de parabéns, particularmente, os principais impulsionadores desta candidatura, com especial destaque para Rui Vieira Nery.


Por mim, ergo com muito gosto a bonita guitarrinha estilizada que recebi na homenagem que a Sociedade Portuguesa de Autores fez recentemente a todos os que de alguma forma estão ligados ao Fado: autores, intérpretes e instrumentistas. É uma honra fazer parte desse universo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Lundum mas se quiserem chamem fado

por Leonor Barros, em 27.11.11

 

O fado já é Património imaterial da Humanidade.

Com um beijo especial à nossa Ana Vidal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

"O Fado" (1910)...

por João Carvalho, em 26.11.11

... de José Malhoa (1855–1933), é uma bela representação das origens e ambientes mais tradicionais e tantas vezes marginais do fado.

 

 

O fado está também representado no DELITO DE OPINIÃO pela nossa Ana Vidal, autora de belos poemas musicados e cantados por vozes fadistas de primeira água.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

O génio de Fontes Rocha

por Pedro Correia, em 22.08.11

 

Há uma semana, aos 84 anos, deixou-nos para sempre José Fontes Rocha - o maior génio vivo da guitarra portuguesa. Tal como sucedia com Carlos Paredes, este instrumento musical era nele o complemento perfeito das próprias mãos, tornando-se um objecto mágico que dedilhava com insuperável perícia.

Tive a sorte e o privilégio de escutar ao vivo a arte de Fontes Rocha na fase culminante da sua carreira, quando integrava o Quarteto de Raul Nery acompanhando Amália Rodrigues pelos palcos mais prestigiados do mundo (incluindo o Lincoln Center, em Nova Iorque). Poucos anos antes essa arte ficara bem expressa -- e acessível às gerações futuras -- naquele que é não só o melhor álbum de Amália mas o mais deslumbrante disco desde sempre editado com música portuguesa: Com Que Voz. Os extraordinários dotes interpretativos e vocais da fadista casavam na perfeição com o exímio talento de Fontes Rocha, a quem os guitarristas mais jovens justamente chamavam mestre.

Num característico sinal dos tempos, não li um obituário digno do seu papel na nossa música em nenhum dos principais jornais portugueses, todos muito entretidos com as habituais irrelevâncias de Verão. Até por isso lembro, em jeito de contraste, um magnífico documentário que vi recentemente na RTP 2 intitulado As Cordas de Amália, da autoria de Cristina Margato. Um documentário que reunia Fontes Rocha (então com 82 anos), Raul Nery (88) e Joel Pina (89) lembrando em conjunto os tempos áureos em que acompanhavam Amália pelo mundo. Fala-se agora tanto na necessidade da definição de serviço público de TV: este documentário, para mim, é um exemplo de relevante serviço público. Tal como a magnífica série documental sobre a guerra de África (1961-75) rodada por Joaquim Furtado, ou a biografia televisiva em três episódios de José Afonso assinada por Joaquim Vieira, com um belíssimo título: Maior que o Pensamento. Ou um recente documentário sobre a vida e obra de Vitorino Nemésio que vi também na RTP2. Ou um debate moderado por Paula Moura Pinheiro entre Fernando Pinto do Amaral e Eugénio Lisboa a propósito de David Mourão-Ferreira, esse poeta hoje tão injustamente esquecido. Ou Filipa Melo, em Nós e os Clássicos, à conversa com Jorge Silva Melo sobre um dos melhores romances portugueses do século XX: Húmus, de Raul Brandão. Ou Filipa Leal declamando de modo insuperável o poema Portugal, de Alexandre O'Neill.

Isto é serviço público.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Dia de Portugal, 2001 (4)

por Pedro Correia, em 10.06.11

 

O amor não se desata. Um belo poema de Maria do Rosário Pedreira, na extraordinária interpretação de Aldina Duarte. Fado: sinónimo do Portugal eterno.

Autoria e outros dados (tags, etc)


O nosso livro


Apoie este livro.



Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D