Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Eurobonds

por José António Abreu, em 09.05.12

Ou como esvaziar os mealheiros que ainda têm algumas moedas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

As contradições de Durão Barroso.

por Luís Menezes Leitão, em 06.12.11

 

Uma das razões evidentes para estarmos a assistir ao descalabro da União Europeia reside no total apagamento da Comissão Europeia e do seu Presidente Durão Barroso. A Comissão deveria ser a guardiã dos Tratados, mas assiste passivamente à transferência do poder para um (formalmente dois) dos Estados-membros, que se permite até exigir um novo Tratado. Como aqui escrevi, um tratado imposto por um (vá lá, dois) dos Estados-Membros aos outros constitui na prática um Diktat, fazendo lembrar os acordos de Munique que resultaram no desmembramento do Estado checoslovaco. A União Europeia está assim a perder o seu cariz de União de Estados, passando a ser a imposição de sucessivos protectorados.

 

Ora, Durão Barroso deveria estar na primeira linha de combate contra esta situação. Infelizmente, no entanto, entra em sucessivas contradições, cedendo facilmente à mínima pressão alemã. Se não vejamos. Há uns tempos Durão Barroso anunciou que iria apresentar para breve propostas sobre eurobonds, tendo insistido nelas, e até se falou que haveria um braço-de-ferro entre ele e Angela Merkel. Se havia um braço-de-ferro ele perdeu-o, pois hoje já aparece alinhado com o discurso da chancelerina a dizer que "os eurobonds não são a resposta correcta para a crise" e que "só poderão existir a muito longo prazo". Só que, como diria Keynes, a longo prazo estaremos todos mortos.

 

Mas há que reconhecer que ainda antes de ter tido lugar, a cimeira europeia foi um êxito estrondoso. Já se conseguiu que os países europeus e as instituições da União Europeia falem todos a uma só voz: é a voz de Berlim.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A lógica dos eurobonds aplicada ao consumidor médio

por José António Abreu, em 19.09.11

Adquiri um montão de coisas no Continente e na Worten, recorrendo a créditos que fui pagando com novos créditos. Durante uns tempos correu tudo bem mas agora ninguém – bancos, empresas de crédito rápido, familiares, amigos – aceita emprestar-me mais dinheiro. Cheguei a preocupar-me mas já descobri a solução: enviei uma mensagem de correio electrónico para a Sonae propondo que solicitemos crédito em conjunto. Ainda não responderam mas não podem recusar – afinal, quem é que lucrou com as minhas compras?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os eurobonds

por Luís Menezes Leitão, em 16.09.11

 

A discussão em torno dos eurobonds constitui um claríssimo exemplo do desnorte que continua a existir na Europa e que infelizmente também parece ocorrer a nível interno. É evidente que os eurobonds são do interesse dos países endividados pois constituem uma forma de fazer os outros países responsabilizar-se pelas dívidas que aqueles assumiram. Nesse âmbito, também são do interesse dos mercados pois diminuem claramente o risco dos credores desses países. E são finalmente do interesse dos órgãos comunitários, uma vez que ao responsabilizar todos os Estados-membros pela dívida, estabelecem uma maior união europeia, transmitindo ao mundo a ideia de que na Europa estão todos no mesmo barco.

 

Os eurobonds não são, no entanto, naturalmente do interesse dos países do Norte, que não estão disposto a pagar pelas dívidas do que chamam "os bárbaros do Sul". Por isso a sua introdução só poderia resultar de um jogo de cedências em que esses países compreendessem que têm mais a ganhar ao assumir esse custo  financeiro do que os custos que resultariam para eles do descalabro do euro. Mas estamos a falar de democracias e as opiniões públicas desses países estão fortemente contra o negócio, o que leva os seus governantes a perceber que não o podem executar. Já não existem hoje governantes da estatura de um Helmut Kohl que impôs a reunificação alemã nas condições pedidas pelos alemães do leste, mesmo contra a opinião maioritária dos que o elegeram.

 

É por isso compreensível que Durão Barroso proponha os eurobonds e que Angela Merkel os rejeite liminarmente. O que é de estranhar é que Angela Merkel tenha conseguido paralisar a discussão até este momento. O resultado da sua tomada de posição é que o debate já surge tarde demais uma vez que começa a ser evidente que os eurobonds já não terão triple A, pelo que neste momento a sua introdução já não trará todos os benefícios que poderia trazer.

 

O que é absolutamente incompreensível é posição de Passos Coelho que, sendo Primeiro-Ministro de um país com óbvio interesse nos eurobonds, aparece em Berlim a defender a posição alemã contrária aos mesmos. E a seguir até critica a posição do Presidente da Comissão Europeia, o nosso conterrâneo Durão Barroso, dizendo que "compreende" a sua proposta, mas que não pensa "que seja essa a solução para o problema de hoje". Quando Passos Coelho diz que a Europa tem de falar a uma só voz, estar-se-á a referir à voz de Berlim?

 

Há um princípio que qualquer governante português deveria seguir: é a de que não interessa nada cair nas boas graças de governantes estrangeiros defendendo posições evidentemente contrárias aos nossos interesses. Já há 150 anos Lord Palmerston dizia: "England has no eternal friends, England has no perpetual enemies, England has only eternal and perpetual interests". E Mao Tsé-Tung referiu um princípio de combate simples: "Devemos apoiar tudo que o inimigo combate, e combater tudo o que o inimigo apoia". Pelos vistos Durão Barroso, que tem essa formação política, não se esqueceu desta regra simples.

Autoria e outros dados (tags, etc)


O nosso livro


Apoie este livro.



Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D