Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Há razões para festejar?

por Carlos Barbosa de Oliveira, em 28.09.09

Compreendo bem a euforia de Sócrates. Em termos políticos  e pessoais.
A vitória, sem maioria absoluta, foi folgada e acaba por ser conseguida num contexto que lhe é favorável. Não ficando refém do BE, podendo negociar à direita e à esquerda (obrigando BE e CDU a entenderem-se),  Sócrates terá conseguido uma vitória mais confortável do que pode parecer à primeira vista.  Poderá governar sozinho e só uma aliança entre esquerda e direita o poderá derrubar. Se isso vier a acontecer, não deixará  de capitalizar votos para o PS, como aconteceu com Cavaco em 87.
O reforço do CDS/PP e a derrota clamorosa do PSD também lhe são favoráveis. Um novo líder do PSD terá sempre que se confrontar com um grupo parlamentar que apoia MFL e onde pululam alguns deputados que podem causar instabilidade interna.  A paz do PSD não será conseguida apenas com um novo líder, porque MFL deixou o terreno armadilhado a quem lhe suceder. Demorará por isso, muito tempo, até que o PSD se recomponha deste desastre.
Resta saber se Sócrates é capaz de governar sem a arrogância que lhe é característica e terá capacidade negocial para estabelecer acordos pontuais, levando a legislatura até ao fim. A muito breve prazo terá uma prova de fogo: a escolha do candidato do PS às presidenciais de 2011. Se a sua opção for Jaime Gama, perderá a esquerda e uma significativa franja do eleitorado do PS.
Em termos pessoais, Sócrates tem ainda mais razões para estar satisfeito. Não me lembro de nenhum primeiro-ministro que tenha sido tão atacado na sua dignidade, vilipendiado e acusado de corrupto, ao longo do seu mandato, como Sócrates. Apesar de  ninguém  ter conseguido provar nada, as condenações da opinião pública  sucederam-se. O caso Freeport, a licenciatura e mais recentemente as escutas em Belém teriam sido suficientes para liquidar qualquer líder político. Sócrates resistiu. Mesmo quando alguma  opinião pública confundiu a vítima com o algoz, saindo a defender MMG, num processo  onde o jornalismo esteve ausente e o ajuste de contas sempre presente, o PM resistiu. Como também não se deixou abalar no caso das escutas, urdido entre intrigas palacianas, num conluio entre assessores e jornalistas. Sócrates resistiu ao confronto institucional para onde o quiseram atirar e terá assistido, com algum gozo, à reacção pateta e patética do principal partido da oposição que, ao pretender tirar dividendos da situação, acabou por sair chamuscado.
No plano pessoal os ataques a Sócrates também foram do mais baixo calibre. Começaram por insinuar que Sócrates seria homossexual, depois passaram a explorar a sua relação com uma jornalista. Chegaram à baixeza moral de levar o assunto à Assembleia da República, o que demonstra o nível rasteiro de alcoviteiras de bairro de lata de alguns deputados.  MFL  alinhou sempre com os ataques, produzindo afirmações  indignas de uma líder da oposição. Como foi este caso num encontro com os “jotinhas”.  Ou as repetidas acusações de mentiroso.
Sócrates tem, por isso, razões para estar satisfeito. Os portugueses também porque, dando a possibilidade a  Sócrates de governar sem maioria, disseram que estavam fartos da sua arrogância, mas preferiam dar-lhe uma segunda oportunidade, a entregar o poder a uma pessoa cujo único projecto para o país era o retrocesso .
Sócrates devia agora demonstrar que é  um cavalheiro e  enviar um ramo de flores a MFL. Seria uma forma  simpática de agradecer o forte contributo de MFL para a sua vitória.
Finalmente, quando tomar posse, seria bom que não esquecesse que foi o Partido Socialista que o elegeu. Caso contrário, os socialistas não lhe darão nova oportunidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Na hora do rescaldo

por Carlos Barbosa de Oliveira, em 28.09.09

Deixarei para mais tarde uma análise mais pormenorizada sobre o futuro que antevejo face ao panorama resultante das escolhas eleitorais dos portugueses. Por agora, apenas uma leitura aos resultados de cada partido.

 

PS - Foi o vencedor das eleições. Razão suficiente para cantar vitória. Na perspectiva de Sócrates, o facto de não ter ficado refém do BE para uma eventual maioria parlamentar justifica o seu rasgado sorriso, mas não vai ter vida fácil. A vitória desta noite pode significar a sua derrota a breve prazo. Precisará de gerir com pinças os acordos que vier a estabelecer à direita e à esquerda, até que uma moção de censura determine a sua queda.

 

PSD - O grande derrotado. Quando o maior partido da oposição sobe apenas 0,4%, num momento em que o governo é criticado à direita e à esquerda, demonstra a inabilidade da líder  e o falhanço rotundo da sua estratégia. Não se derrota um governo sem propostas concretas e sem credibilidade.

 

CDS - O grande vencedor. Não tanto pelo crescimento em número de votação (o BE subiu mais), mas por ter conseguido fazer o pleno dos seus objectivos. Reforço significativo da representação parlamentar e único  partido com possibilidade de fazer  um entendimento com o PS para a formação de um governo de coligação.

 

BE - O partido que mais subiu e único a duplicar a sua representação parlamentar, falhou o seu grande objectivo: obrigar o PS a entender-se com ele. Nem o significativo aumento da votação e o facto de ter eleito deputados em nove distritos evitam algum amargo de boca na hora do balanço final. Foi um dos grandes vencedores, mas a vitória de nada lhe  servirá se continuar a cometer os erros em que a esquerda europeia persiste. O PS estará à espreita de recuperar muitos dos votos que o BE agora lhe roubou, nas próximas legislativas. Corre o risco de se esvaziar se continuar a  persistir nos mesmos erros. Os eleitores não deixarão de perguntar para que servem 16 deputados se o BE não conseguir fazer passar algumas das suas propostas. 

 

CDU - Conseguiu eleger mais um deputado que em 2005 e, apesar de ter passado a ser a quinta força política, continua a ser a formiguinha laboriosa que vai levando a água ao seu moinho. Já muitos lhe decretaram a morte, mas resiste.

 

MRPP - Como é que um partido com 0,9% pode cantar vitória? Simples... Ultrapassou os 50 mil votos e passa a ter direito a uma subvenção anual de 3,33€ por voto. Basta fazer as contas para se perceber o sorriso de Garcia Pereira

Autoria e outros dados (tags, etc)

A dúvida da noite

por Carlos Barbosa de Oliveira, em 27.09.09

Afinal, a grande dúvida desta noite é saber se MFL vai ter um resultado melhor ou pior do que Santana Lopes. Bem, pode haver ainda outra... saber se MFL tem vergonha e se demite ou vai continuar  a proclamar a Verdade e anunciar que os portugueses votaram no PS por terem medo.

A que horas aparece o tric?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Projecções às 19 e 15

por Carlos Barbosa de Oliveira, em 27.09.09

Depois de ouvir os números da abstenção, ouvir Pedro Magalhães e ver Marcelo Rebelo de Sousa e António Vitorino, já não preciso de ouvir as projecções.

Dentro de momentos, vamos perceber que as sondagens falharam uma vez mais.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D