Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Uma (en)cruz(ilh)ada eterna

por João André, em 08.08.13

Na última semana tem-se falado intensamente das revelações sobre o programa estatal de doping na Alemanha Ocidental. Depois de se saber que tais programas existiam na Alemanha Oriental (e noutros países, especialmente do bloco de leste), estas revelações (que vão continuando) têm abalado o desporto alemão.

 

Isto não me surpreende de todo. Há uns meses vi uma exposição sobre a história da Alemanha no pós-guerra. Um dos aspectos aflorados era o desporto, o qual era visto não só como uma forma de aproximação das duas Alemanhas mas também como uma espécie de "proxy war", onde os próprios países iam para a guerra mas o faziam de forma amigável, sob a égide dos Jogos Olímpicos. Não é por isso estranho que vários países tivessem programas estatais de dopagem e muitas suspeitas nesse sentido existem.

 

Nos dias de hoje, quando o orgulho das medalhas nacionais é mais fugaz, os programas estatais poderão desaparecer lentamente, mas as pressões para a dopagem mantêm-se. Dwain Chambers, sprinter inglês, explicou que se dopava porque precisava disso para se manter entre os 5 melhores do mundo e que isso lhe trazia muito mais dinheiro. O escândalo da Balco, de Armstrong e outros são conhecidos. A questão é quais não o são.

 

A verdade é que, hoje, com a quantidade de suplementos que um atleta recebe sem levantar questões, é fácil para um treinador/massagista/nutricionista dopar um atleta promissor, muitas vezes desde tenra idade. É por isso que as sanções não resultam. Os responsáveis técnicos, se deixados livres, apenas escolhem nova vítima. Se quisermos um mundo sem doping, o caminho terá de passar por retirar retroactivamente todos os títulos e prémios (inclusive monetários) de quem se dopou, além de atribuir suspensões ao atleta e aos técnicos (bastante superior no caso destes últimos). A par disso, será necessário começar a testar sem piedade e a publicar todos os resultados de todos os testes (inclusive negativos).

 

Há demasiado dinheiro a correr no desporto para que o doping não seja um caminho apetecível (interessante artigo da Economist aqui). Se a opção for por um desporto limpo, então há que gastar dinheiro em mantê-lo como está. De outra forma mais vale permitir o doping. Pelo menos os milagres das nações que recebem os Jogos Olímpicos poderão ser mais facilmente explicados...

Autoria e outros dados (tags, etc)




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D