Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Convidado: FRANCISCO JOSÉ VIEGAS

por Pedro Correia, em 16.08.17

 

O tempo sem pessimistas

  

As empregadas da perfumaria, a senhora do expositor de Tupperware, a loja das canetas que tem de vender tabaco para sobreviver, a simpatia do criado do restaurante que garante não ter tempo para ver televisão, os miúdos que vão drogar-se ao fundo do parque de estacionamento, a rapariga que entrou a chorar na carruagem do metro. Há famílias desfeitas por tão pouco. Devia existir aconselhamento psicológico nestas ocasiões, enquanto não vem o regresso de férias. Devia haver acompanhamento, uns psis que contassem anedotas no intervalo das tragédias, ou que compreendessem os fenómenos da época: os eclipses, a mancha de neblina em redor da lua, os livros antigos e as selectas literárias, as mulheres que tatuam os ombros, as ementas muito calóricas, os amigos que evitam divorciar-se e procuram casas nos subúrbios. Coisas para tempos da crise futura: bússolas que indicam o caminho que sai dos dois lados da vida e não empata o trânsito à porta dos centros comerciais nem nas estradas secundárias.

 

O que os aflige é o tempo que falta. O poder ilude facilmente, é uma espécie de droga, de volúpia e luxúria amável de onde não podem ser expulsos (fizemos tanto pela pátria, por que é que não podemos ir ver futebol entre os poderosos?). Uma vitamina para a pobre existência de quem quer mudar o mundo a cada minuto, logo de manhã, a qualquer hora. O problema são os bárbaros, os outros, os que não compreendem o esforço nem a gramática (uma espécie de ginástica que saltita entre as grandes frases e as ninharias que se lhes ouve ao telefone), os que duvidam ou não estão para isso. Eles estão sempre para isso, são modernos e sabem manobrar. Há também os que legislam sobre o mundo a toda a hora (trata-se de mudar o mundo a cada minuto, por decreto se possível), apreciam quem expulsa os piolhos e as marcas de ginja no balcão de zinco e proíbe as velhinhas de fazerem croquetes sem emitir facturas. É um módico de civilização, é isso que é necessário. Fazer tudo em nome dela, da civilização – que há-de ser apressada por medidas estruturantes e estruturais, leis sobre o sexo, barrigas de aluguer, coisas sustentáveis, tudo é sustentável e cidadão — e o tamanho da maçã reineta.

 

beajoulais-day[1].jpg

 

É uma das piores raças: os enochatos. O vinho e a sua temperatura, o copo ideal, a colheita, a cortiça, ah bebi um assim em Valladollid quando ia a caminho de Bilbau (ia visitar o Guggenheim), os jantares de degustação, o Can Fabes (ah, mas eles odeiam Santi Santimaría, tão plebeu) e Ferran Adrià (ah, a tortilla com espuma de batata em vez de batata, que descoberta do caralho, uma espécie de Nestum de batata mas sem açúcar, o pior inimigo da humanidade, o veneno que alimenta todos os outros venenos), aroma de aroma de amora, taninos fortes, um vinho único com explosões de carqueja e final de boca de abacaxi, uma gota extenuante, este para a entrada, aquele para primi piatti, o outro para secondi, por aí fora, palatos que debicam sem avançar pelo corpo fora. Há um restaurante onde oferecem um «menu do bem» (juro) que termina com bulgur e bagas gogi.

 

Grandiloquentes, à esquerda e à direita, é a pior raça, detectável ao primeiro parágrafo – um mestrado. Ouvi-os durante uma vida inteira. Nos jornais, nas redacções, nas escadas, nossos amáveis senadores que falharam na pátria mas continuam a dar conselhos. Padres de um religião plebeia, Torquemadas, sábios, coleccionadores. Hoje nada os separa senão a defesa do que resta, das tropas que ocupam a república e que hão de manter relações com gente dos negócios — fazem-no com naturalidade. Sem dificuldade aparente. Sem remorso. Mas sobretudo sem humor. Os pais têm o retrato pendurado na sede de um banco ou num corredor da faculdade; os tios foram íntimos de um ministro que depois trataram de trair com ligeireza; o avô foi comandante de uma companhia de Dragões durante a República e casou com uma prima cujo dote eram terrenos que ainda hoje rendem bastante. Fazem selfies, amam o povo na sua generosidade, prometem tanto.

 

Um dos meus melhores amigos teve os seus tempos de Enver Hoxha, de Mao, de revolução cultural — e de arrependimento. Felizmente, manteve o humor. Soma, àquela nostalgia adolescente, o peso de um sinal da história; relembra as palavras essenciais: operariado, greve, mulheres, riso, humor. Encontramo-nos para falar de América Latina, das cervejas mexicanas, dos ditadores falhados, dos loucos que destroem Caracas ou dos que resistem em Lima ou em Montevideu. Apaixonamo-nos pelos lugares, temos saudades de outro calor, temos saudades dos amigos. Votamos de maneira diferente, ele não tem remorso, não tem dificuldade, mas tem vida e humor. Tem mundo para lá dos ocupantes da República. Comovo-me. Ficamos dependurados de uma livraria enquanto as pessoas passam, à entrada da noite. O mundo podia ter sido de outra maneira; podia ter sido pior, também. Em tempos jantámos altas horas – eu terminava um romance que não acabava, e aproveitava-lhe as histórias, falávamos de Casablanca. «Como será ter uma casa em Casablanca?» Enver Hoxha, Mao, operariado, greve; o mundo mudou, mas o riso permanece. Os outros também, conheci-os com a mesma determinação e usando outro hemisfério do cérebro. Hoje, os seus amigos estão muito fascinados com as barrigas de aluguer e têm um dicionário de expressões sexistas e misóginas que não usam nem diante do pelotão de fuzilamento. Chegámos ao mesmo ponto vindos de sítios diferentes. Contamos as mesmas anedotas de judeus. Chegámos a um ponto em que vemos a república devorada pelas tropas ocupantes, por funcionários de cozinha. Ambos sabemos que a Albânia nunca existiu; eu já lhe tinha dito.

 

 

Francisco José Viegas

(blogue A ORIGEM DAS ESPÉCIES)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: CARLOS FARIA

por Pedro Correia, em 14.08.17

 

Por uma comunicação social local viável e isenta: o caso açoriano

 

Quem lê a imprensa açoriana verifica que as notícias que envolvem o executivo regional possuem quase invariavelmente como fonte o “GaCS”, o acrónimo de “Gabinete de Apoio à Comunicação Social”, a agência noticiosa do Governo dos Açores.

Em princípio nada há de mal num gabinete do género, todavia, ao lermos a mesma notícia em diferentes órgãos de comunicação social logo se descobre que o GaCS não é apenas a fonte da notícia, é também o autor do texto, pois este, por norma, nem varia entre jornais. A partir daqui, o que se deveria ler como uma informação isenta mais não é que o discurso oficial do Governo sobre as matérias em questão. Escusado será dizer que, mesmo na eventualidade de ser redigido por um jornalista, não é a mesma coisa o tratamento noticioso que resulta de uma redacção de jornal face ao que sai directamente dos assessores de imprensa dos gabinetes políticos e distribuído pelo serviço do executivo que tem a função de garantir a divulgação da estratégia comunicacional do Governo. Mas é isto que é replicado ipsis verbis por grande parte dos meios de comunicação social por quase toda uma região sob a alçada desse mesmo Governo.

Num instante, um Serviço Público de apoio à comunicação social transforma-se num Departamento de Propaganda do Governo e pago com os impostos dos destinatários.

 

Pode-se dizer que, por si só, este GaCS não compromete a isenção da comunicação social, pois as notícias por ele veiculadas não são obrigatoriamente publicadas pelos jornais regionais e muito menos se impõe que o sejam na íntegra.

Em teoria é assim, mas quando se teve a experiência das dificuldades por que passam estes órgãos locais situados em ilhas com escassas dezenas de milhares de habitantes facilmente se sente como se pode coagir a liberdade de imprensa com meios legais.

Financeiramente a generalidade destes jornais são deficitários, não só pela escassez de vendas face um reduzido público-alvo, que reduz receitas de publicidade que os suportem, mas também pela impossibilidade de alargar o universo de leitores, pois a descontinuidade geográfica levanta uma barreira psicológica que impede à imprensa escrita uma identidade arquipelágica para além da ilha-sede. Não conheço nenhum jornal sem o “rótulo da ilha” onde está a sua redacção e direcção.

 

Cidade_da_Horta,_vista_parcial_do_cimo_do_Miradour

 

Esta realidade socioeconómica leva a que muitos dos jornais insulares apenas sobrevivam à sombra dos subsídios do mesmo Governo que lhes fornece grande parte das notícias mais impactantes para o seu público, o que é assegurado através de uma estratégia dita transparente de contratos-programa de apoio à comunicação social.

Apesar do atrás referido, isto leva à agudização da dependência e da subserviência dos jornais ao poder político, não assumida na prática, mas fácil de constatar. Os receios de atrasos nos apoios são uma arma que pesa, e muito, sobre veleidades de se investigar e informar de forma diferente ao do conteúdo do comunicado distribuído pelo GaCS. Lembro-me muito bem do sufoco financeiro que foi pertencer à direcção de uma cooperativa detentora de um semanário e da sensação que as justificações dos atrasos de cumprimento dos acordos de financiamento tinham como função dobrar pretensas liberdades de imprensa. Nestes casos, a psicologia do medo pesa muito na decisão.

 

Nunca vi coarctada a presença em jornais de artigos de opinião de pessoas dos mais variados quadrantes políticos e sociais, mas estes têm sempre um rótulo de enviesamento individual e por isso sem a força da notícia isenta, mas na prática muitas destas são produzidas nos gabinetes do poder e só uma certa maturidade permite apreender esta realidade.

Ultimamente tenho assistido a representantes do poder a criticar em artigos de opinião editoriais de jornais locais que tinham uma análise crítica a situações convenientemente explicadas pela informação oficial, outro sinal que soa a ameaça de quem subsidia o mensageiro.

Na internet têm surgido toda a espécie de sites que pretendem ser noticiosos, num espaço caótico sem controlo e livre de qualquer regra ética, mas será esta a alternativa que resta?

 

Está assim em causa a sobrevivência da livre comunicação social nos meios mais remotos, neste artigo o exemplo insular, mas é sempre algo que deveria preocupar e merecer atenção de quem tem a obrigação de zelar para que a liberdade de imprensa como suporte do Estado de Direito e da Democracia seja igual em todo o território nacional.

Em Trás-os-Montes e Corvo sabem-se as intervenções do poder nas ruas e bairros de Lisboa e Porto, mas aos lisboetas e portuenses pouco lhes é noticiado sobre o que se passa no resto do País que para muitos é paisagem, excepto catástrofes que lá ocorram, e para quem resiste a viver nos territórios longínquos é a imprensa local que cobre esta lacuna, mas até nesta é obrigação do Estado assegurar que sobreviva livre e isenta do poder político.

 

 

Carlos Faria

(blogue MENTE LIVRE)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: PAULO GUINOTE

por Pedro Correia, em 11.08.17

 

Fazer velho dizendo que é novo

 

As políticas educativas em Portugal são sempre um sucesso para quem as implementa e um fracasso para quem quer justificar novas reformas. A verdade é que raramente são avaliadas de uma forma independente, pois as escassas instâncias que temos para fazer esse tipo de avaliação (Universidades, Conselho Nacional de Educação) estão completamente contaminadas por muitos daqueles que, em seu tempo, estiveram associados à preparação ou implementação dessas mesmas políticas. A endogamia académica é uma evidência neste sector e são muito poucos os casos em que as “investigações” não fazem lembrar aquelas outras em que os “estudos” que aconselham determinado tipo de medicação foram patrocinados pelas empresas farmacêuticas com interesse directo na comercialização de um dado “remédio”. A teia estabelecida entre centros de investigação e o Ministério da Educação são evidentes para quem conhece um pouco dos seus meandros, embora para a opinião pública se faça passar a noção de que é tudo “independente”. O mesmo se passa com o próprio Conselho Nacional de Educação, cuja presidência raramente é entregue a alguém que não tenha sido ou venha a ser Ministro da Educação ou muito próximo de um determinado lobby político activo no sector, conforme os ciclos eleitorais. E a coisa nem melhora com o recurso a entidades internacionais, sendo que a OCDE é a preferida para o Estado português encomendar estudos ou recomendações durante os governos do Partido Socialista, tendo preferido o governo PSD/CDS recorrer ao FMI nos tempos da troika. Raramente se encontram recomendações que não encaixem nos programas pré-existentes, assim como não é nada estranho que os dados usados em tais estudos, em especial os comparativos, sejam os fornecidos pelas entidades nacionais de uma forma nem sempre muito transparente. E quando os dados não são completamente dóceis, são martelados ou desvalorizados como secundários (caso do progresso do desempenho dos alunos portugueses em todos os testes internacionais, dos PISA aos TIMMS, que é subalternizado quando um novo ciclo eleitoral “exige” mais uma vaga de “reformas” e/ou de “inovação”).

 

sala-de-aula-dcnat2[1].jpg

 

Escrevo isto a propósito de estarmos a experimentar mais uma vaga reformista no ensino não-superior que se tem organizado em torno de uma retórica que critica o ensino português por estar parado no século XX ou mesmo XIX (embora com resultados a melhorar de forma consistente no século XXI) e ser uma necessidade inadiável adaptá-lo ao século XXI e a um novo conjunto de “competências” destinadas a criar um “perfil” de aluno para os novos tempo, no que se apresenta como sendo uma “inovação” que só empedernidos conservadores não podem apoiar e aplaudir. Perante uma apatia quase generalizada, fruto do cansaço que este tipo de ímpetos reformistas produzem na classe docente, bem como da percepção que é inútil tentar um debate racional e fundamentado quando a posição de uma das partes se apresenta, à partida, como moralmente superior e só disponível para alterar vírgulas ou advérbios e nunca para reconsiderar algo de substantivo, o “debate público” das medidas é feito em circuito fechado e com pontas-de-lança na comunicação social e blogosfera, beneficiando de uma cada vez menor capacidade de cotejo e análise crítica dos factos.

 

Quase tudo o que agora se apresenta como sendo um “novo” projecto de “autonomia e flexibilidade” na gestão do currículo do Ensino Básico já foi preparado e experimentado há cerca de duas décadas e não correu bem. Quase tudo o que os governantes do sector aparecem a defender como sendo um imperativo da modernidade é a recauchutagem do que foi tentado na segunda metade dos anos 90 do século XX, mas como se escreve na obra A receptividade à mudança e à inovação pedagógica (Ana Paula Cardoso, Edições Asa, 2002, p. 21) a inovação é muitas vezes relativa, pois “pode ser considerada pelos actores como inovação, mesmo que já tenha sido conduzida, de maneira quase idêntica, noutros lugares e ao mesmo tempo ou noutros tempos”. Entre 1996 e 1998 já se fez um debate muito alargado sobre estas matérias que deu origem ao despacho 4848/97 de 30 de Julho e a uma experiência-piloto com uma dezena de escolas. Menos de um ano depois  o despacho 9590/99 de 14 de Maio regulamentaria a generalização do que ficaria conhecido como a “gestão flexível do currículo”, existindo abundante bibliografia sobre o assunto, nomeadamente a publicação das comunicações ao Fórum Escola, Diversidade e Currículo (ME, 1999), entre as quais temos o testemunho da então secretária de Estado da Educação Ana Benavente que declararia que “temos de passar de um ensino/aprendizagem centrado nos programas e nos saberes, para um ensino/aprendizagem centrado nos resultados dos alunos no que diz respeito às competências que eles constroem, ou seja (…) a competência que cada criança, cada jovem, constrói e que lhe permite continuar a aprender”. Anunciava-se “uma enorme e imensa revolução que vai obrigar a trabalhar de um modo diferente, de definir o que se pretende e depois desenhar o caminho para lá chegar” (p. 28).

 

lxi-1841-01[1].jpg

 

Tudo o que agora se anuncia com estrépito mediático e ar ufano, mais não é do que retomar algo com 20 anos e que foi abandonado em poucos anos no que tinha de mais importante, apesar de agora aparecerem a defender esta solução representantes de quase todas as forças partidárias que governaram a Educação em Portugal nos últimos 30 anos, incluindo ministros, secretários de Estado, especialistas académicos ou apenas cortesãos do poder.

Era importante perceber-se porque foi essa reforma um fracasso antes de a requentar e servir de novo, como se de coisa inédita se tratasse. Eu tenho algumas ideias sobre as causas do fracasso e, infelizmente, encontro-as de novo presentes, agravadas com tudo o que no entretanto se passou e desmobilizou as “escolas” para encarar este tipo de medidas com entusiasmo e vontade de uma colaboração activa. Deixando de parte as questões de ordem sócio-profissional, gostaria de aqui recordar que este foi o período em que para tudo começou a ser necessário ter um documento a comprovar que o que tinha sido feito tinha mesmo sido feito. Em que a burocracia soterrou a pedagogia e em que a representação dos actos pedagógicos passou a ocupar muito do tempo que deveria ser usado nos actos em si. Foi o tempo em que o palavreado cerrado que o ministro da altura crismou como “eduquês” se tornou dominante e feriu quase de morte a essência do trabalho dos professores.

 

Em 2017 está tudo de volta, como em 1997. Os erros repetidos, a retórica recuperada, a terminologia decalcada, as metodologias clonadas, a superioridade moral da fórmula mágica e que se pretende única para o “sucesso” amplamente despejada sobre quem ousa contestar a bondade ou adequação da solução única da imposição rígida da “flexibilidade” numa lógica top-down de uma pretensa “autonomia das escolas”, enterrada em paralelo através do esvaziamento das suas competências para as autarquias. Mas essa é toda uma outra conversa.

A História não se repete, a menos que seja como Farsa.

Mas sempre como Sucesso.

 

 

Paulo Guinote

(blogue O MEU QUINTAL)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: JOÃO MARCHANTE

por Pedro Correia, em 09.08.17

 

Histórias de bibliófilos

 

Ainda sou do tempo em que entrando em qualquer boa casa portuguesa logo se avistavam livros. Nalguns casos, com direito a livraria (fórmula pela qual era designada a biblioteca particular, antes do comércio se ter apropriado totalmente da palavra). Hoje em dia, pelo contrário, são escondidos nos corredores, quando existem. A mudança deu-se numa só geração.

Dizem-me agora que os livros já não têm valor e que ocupam muito espaço. Assim, viúvas e filhos quase que pagam para se verem livres dos livros deixados por quem muitas vezes levou uma vida inteira a coleccioná-los.

Nestas andanças, um coleccionador designa-se por bibliófilo — alguém que tem amizade aos livros. Movido por esta amizade, que logo passa a paixão e culmina em amor, o bibliófilo não resiste a parar e entrar em todo e qualquer sítio que tenha o objecto do seu desejo, desde a livraria comercial, com as últimas novidades nos escaparates, até — e principalmente — aos velhos alfarrabistas, que contêm as obras antigas e raras, ou apenas arredadas do mercado, pois que cada vez mais, na sua febre de lucro, as lojas reenviam para as editoras os livros não vendidos, após uma ou duas semanas, para darem rapidamente lugar a outros acabados de vir a lume; e, assim, pouco depois, como que por artes mágicas, os primeiros aparecem nos livreiros-alfarrabistas. Esta velocidade pode mesmo ser alucinante.

Certa vez, aconteceu-me receber um convite para o lançamento de um livro, ao qual não pude comparecer. No dia seguinte, à hora do almoço, passei num alfarrabista e aí estava essa monografia à venda, com dedicatória e tudo! Alguém lá foi, o comprou (ou recebeu como oferta do autor), recolheu o autógrafo do escritor, leu-o na diagonal ao serão, e de imediato o empandeirou na manhã seguinte.

eca3da6efc31edfab27e410c14be9588[1].jpg

 

Mais triste do que isto só mesmo quando me deparo com livros à venda marcados por ex-libris de pessoas com quem convivi e admirei e sei terem descendentes directos, os quais optaram portanto por nem sequer dividi-los entre si nas partilhas. Às tantas, mais valendo isto, porque possibilita um bibliófilo criterioso comprar essa biblioteca, ou núcleos dela com interesse, fazendo-a até chegar a uma instituição pública nacional, onde todos os que gostam de ler possam ter acesso às obras, do que ir a casa de alguém e ver nas prateleiras, à laia da biblots, ao sabor das cores das encadernações, livros dispersos de obras em vários volumes — uma enciclopédia, a obra completa de um escritor, etc.

Para rematar estas histórias trágico-cómicas, não resisto a contar aqui a melhor que presenciei: estando eu numa loja dum conhecido livreiro-alfarrabista, vejo entrar uma emproada criatura de meia-idade, toda aperaltada, que dispara para a jovem que lá estava a trabalhar: «Tem livros antigos de Direito?». Responde a rapariga: «Que autores procura?» Vocifera a serigaita: «O que eu quero são boas encadernações, para o escritório do meu marido». Conclui a empregada, revelando-se bibliófila: «Enganou-se no sítio, isto aqui não é uma loja de decoração».

Bibliófilo é pois alguém que tem um profundo respeito pelos livros, como entes amados, e dedica grande parte do tempo ao seu convívio — procurando-os, mirando-os, namorando-os, acariciando-os, cheirando-os, conquistando-os, aprendendo com eles, guardando-os perto de si. Note-se que o bibliófilo tem em princípio e por princípio um género preferencial ao qual dedica as suas apaixonadas energias de busca e aquisição; por exemplo: Poesia inglesa, ou História de Portugal, ou Romance francês do século XIX, ou Incunábulos, ou primeiras edições de Camilo e Eça, ou Livros de Arte, etc. e tal.

Ah!, e há ainda, por estranho que pareça, um pequeno nada que é tudo: o bibliófilo lê os seus livros.

Por fim, contrariamente a outros amores, este pode e deve ser partilhado. Surgem assim as tertúlias literárias, que têm como principal tema os livros e que servem para despertar ou consolidar amizades entre pessoas com afinidades culturais. Aí se partilham experiências, se mostram livros, se fala sobre eles, e muitas vezes surgem projectos comuns. Também estes encontros, infelizmente, se têm vindo a perder, invocando alguns membros destes grupos a famigerada «falta de tempo», que faz pendant com a «falta de espaço», a tal que leva a expulsar os livros de casa.

 

 

João Marchante

(blogue ETERNAS SAUDADES DO FUTURO)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: PAULO FERRERO

por Pedro Correia, em 07.08.17

 

Lisboa, dez anos "capital da demolição"

 

Feitas as contas do balanço autárquico do decénio 2007-2017 (mandato intercalar 2007-2009 mais os dois mandatos seguintes de quatro anos cada) em termos de reabilitação urbana, é pena que sejam apenas isso: contas. Estatística para inglês ver.

Com efeito, por detrás dos números pomposos apresentados pela Câmara Municipal de Lisboa (CML) em tudo quanto é fórum internacional, há uma cidade do faz-de-conta em que, regra geral, os prédios intervencionados se tornaram apenas fachadas (e mesmo aí adulteradas com janelas e portas medonhas em alumínio/pvc - como se a Lisboa fosse proibido resistir à intempérie com a madeira, como os atrasados “tropicais” das ilhas britânicas ou da Escandinávia o fazem, onde se teima em manter como obrigatória a madeira nos perfis das janelas, o ferro nas portas e por aí fora), esventrados que foram nos seus interiores (fazendo desaparecer estuques, frescos, materiais nobres, etc.) e impermeabilizados os seus logradouros, com os inevitáveis “apartamentos” para os popós, que o Plano Director Municipal teima em privilegiar.

E é pena redobrada se pensarmos no imenso esforço que a CML fez, e muito bem, durante esses mesmos 10 anos no pelouro respectivo (Urbanismo), ao sarar a chaga da corrupção e dos escândalos de dimensões colossais em que a CML se atolara desde meados dos anos 90 … ou, em pelouros diferentes, nas tentativas, muitas vezes ciclópicas, de dignificação do espaço público sem nexo nem gosto (a abertura de esplanadas, o aproveitamento dos miradouros, o relançamento dos mercados emblemáticos, o programa Uma Praça em Cada Bairro - este apesar de todos os defeitos de “esterilização” dos locais-alvo, por via de uma inadequada estética “Pólis”, indigna de Lisboa.

 

Alargando o espectro, a CML também se portou bem noutras áreas ciclicamente esquecidas (com ou sem propósito), ao apostar na “mobilidade suave” (mais espaços pedonais, ciclovias, etc.), ou, mais recentemente, o grande feito que foi lançar o programa Lojas com História, âncora legal e operacional fundamental para a salvaguarda, recuperação, divulgação e viabilização do comércio de carácter e tradição que ainda existe na cidade.

É por isso que ainda custa mais assistir-se à confrangedora propaganda de algo que não existe, porque a reabilitação urbana tem-se pautado pelo total desrespeito pela Carta do Património, anexa ao Plano Director Municipal, e, portanto, esse desrespeito tem tradução prática no incumprimento das várias cláusulas de um articulado que os mais incautos considerarão como imaculado (no que se refere à estrita obrigação de preservar os interiores, os materiais, os vãos, as métricas, etc., dos edifícios que estejam listados nesse inventário, já para não falar nos que são classificados como de interesse público ou que estão nas zonas de protecção destes últimos, o que ainda é mais grave).

Pois não é nem tem sido nestes últimos 10 anos e não se prevê que venha a ser diferente tão cedo, talvez mesmo quando já nada houver a salvaguardar.

Com efeito não há palácios, palacetes, antigas moradias, prédios antigos, conventos, hospitais, quartéis ou antigas instalações industriais que estejam a salvo do camartelo. Ele há mesmo “nichos de mercado” que são verdadeiros filões.

 

SDC12669[1].JPG

 Rua Barata Salgueiro, 21 (foto de 2017)

 

Veja-se o caso dos prédios de rendimento de finais de XIX, princípios de XX, onde Lisboa era rica, à nossa escala, e onde há bairros e artérias emblemáticos que pura e simplesmente estão irreconhecíveis e reduzidos, quanto muito, a fachadas: o outrora belíssimo Bairro Barata Salgueiro, por exemplo, tem sido disso mártir (10 prédios na R. Rosa Araújo, 1 R. Castilho, 3 Rua Rodrigo da Fonseca, 1 R. Barata Salgueiro, 1 R. Duque de Palmela, 1 R. Alexandre Herculano), bem como as Avenidas Novas, os bairros das Picoas e de Camões (zona da Av. Duque de Loulé), a Estefânia, a Almirante Reis, Campo de Ourique, Lapa, enfim.

Tem sido um fartar vilanagem no que toca a essa época construtiva, graças, por um lado, e desde logo, às características originais desse edificado: prédios baixo (3-4 andares) e menos apartamentos, gigantescos para os nossos dias (uma combinação explosiva se aliada aos “mitos urbanos”, irrevogáveis, dos prédios antigos, a cair, de que ninguém já gosta, recuperá-los é caro e moroso, etc.), com logradouros com árvores e não pátios para estacionamento, etc.

 

P1011364_2[1].jpg

 Ruínas de uma moradia Arte-Nova na Rua Bernardo Lima (foto de 2013)

 

E, por outro lado, graças à estratégia consciente da CML em “reabilitar” o edificado decrépito (por anos e anos de incúria permitida aos proprietários, na sua esmagadora maioria fundos especulativos) por via da construção nova com manutenção das fachadas, ampliação dos 2-3 andares para efeitos de recolha de taxas e, claro, contando com a tradicional inoperância e permissividade dos serviços do Igespar/DGPC, os mortíferos “licenciamento zero”, projectos PIN e projectos de “interesse excepcional”, leia-se, acima da lei. Isso tudo e, como é natural, a marca de autor – nada mais seguro para uma aprovação de lesa-património do que um projecto de arquitecto de firma reconhecida.

Desenganemo-nos, é puro divertimento esta noção de reabilitação urbana que consta do site da CML «Reabilitação urbana é a forma de intervenção integrada sobre o tecido urbano existente, em que o património urbanístico e imobiliário é mantido, no todo ou em parte substancial…».

A expressão não passa de um chavão. As estatísticas, para inglês ver, ou seja, para revista republicar a incauto acreditar.

E se a coisa não resultar à primeira, porque fulano esteve atento e votou contra, sicrano pôs uma areia na “engrenagem” ou beltrano, pura e simplesmente, disse o que outros calaram, há sempre um remédio para que resulte à segunda.

Há que agilizar processos, criar comissões, quem sabe, mais protocolos. Em última instância faz-se o projecto aprovado trocar de mãos, revende-se o edifício, assegura-se a mais-valia (até se “emite moeda”, como alguém em quem confiei dizia), ou uma alteração durante a obra, à socapa (por ex., o que era para ser hotel, e por isso ficou isento de alguns pareceres e etapas administrativas, passa a prédio de habitação e escritórios.

 

Está tudo muito bem pensado, reconheça-se. Além de que contam com a indiferença do comum dos mortais, e também das élites, se é que as há. A sociedade civil é desorganizada, e quando se organiza é imediatamente catalogada disto e daquilo. Por fim, a lei é muito escrita e cheia de palavas caras, mas a verdade é que ninguém a faz cumprir (por ex., alguém sabe por que razão a CML não faz cumprir a obrigação legal de obras de conservação cada 8 anos? Ou até isso já se foi?), além de que a figura de “crime urbanístico” é comprovadamente imberbe.

O atraso é geracional e só se agrava. Daqui por 10 anos, do património de transição restarão apenas alguns exemplos pontuais, talvez só mesmo os edifícios classificados, um punhado de bravos resistentes, para memória futura. Daqui por 10 anos estarão na calha os edifícios Déco (aliás, já estão a ser esventrados, só que mais low profile. Depois, seguir-se-ão os modernistas.

Só aos dos anos 60-70-80-90 é que ninguém deita abaixo. Lá para 2117? Oxalá.

 

 

Paulo Ferrero

(blogue CIDADANIA LX)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: JOÃO TÁVORA

por Pedro Correia, em 04.08.17

 

Mais uma crónica na Estação Tola

 

Se há altura do ano em que a conversa fiada e a especulação sobre a bola é legítima e até recomendável é nesta época estival, também conhecida como tola, em que as equipas se preparam e os adeptos se enchem de expectativas para as competições que tardam em recomeçar. Na verdade por estes dias o calendário futebolístico inicia-se cada vez mais cedo, um fenómeno que também vem acontecendo com o ano lectivo que roubou o mês de Setembro aos nossos miúdos que nem sonham como era ocioso e estruturante o longo Verão dos seus pais. Este ano o Campeonato Nacional que modernamente se chama “Liga” (os portugueses são peritos em mudar os nomes às coisas convencidos que dessa forma as mudam) começa na primeira semana de Agosto, entrando pelas nossas férias adentro, quando os adeptos deviam estar, não nas bancadas dos estádios, mas à beira-mar a ler preguiçosamente novidades sobre reforços milagrosos e as tácticas inexpugnáveis que dizimarão os nossos adversários, atrasando a leitura do clássico que estava prometida para estas férias.

 

20573477_107CN[1].png

 
Mas a verdadeira e grande novidade da época futebolística que se avizinha é sem dúvida o vídeo-árbitro. Este novo actor, mais do que revolucionar o futebol que passará a ter mais uma ou outra paragem inócua, que estou convencido trará mais justiça e transparência à disputa, acima de tudo promete incendiar ainda mais a indústria do comentário futebolístico em grande expansão nos canais da televisão por cabo. A coisa promete, pela simples razão de que muitas das decisões dos árbitros, mesmo com a ajuda do vídeo, continuarão a ser subjectivas e falíveis, dependendo da perspectiva (da cor da camisola) do observador: o milímetro a mais ou a menos do fora de jogo indefinido, a bola na mão ou a mão na bola dentro da grande área - ou a milímetros do seu limite; já para não falar da apreciação à intensidade do contacto do defesa que derruba – ou não - o atacante e da (in)justiça do consequente castigo máximo. Com a agravante das decisões de agora em diante provirem de uma análise ponderada. Por isso não vão faltar teorias da conspiração e toda a sorte de condenações e pressões sobre… o vídeo-árbitro. Se é previsível que o uso das tecnologias irá beneficiar a justeza das decisões em campo e o futebol atacante em geral, o vídeo-árbitro passará ele próprio a ser mais um inevitável protagonista do espectáculo, condenado umas vezes, exaltado outras tantas, em debates insanos por essas televisões afora.
Pela parte que me toca, continuarei a privilegiar o espectáculo do futebol dentro das quatro linhas, onde ele possui uma inegável e entusiasmante beleza. O seu prolongamento será feito à maneira antiga, ao vivo e com alma, à boa conversa ao balcão do café com os vizinhos, ou com os amigos numa aprazível esplanada. Venha daí então o campeonato que desta vez é que vamos ganhar.

 

 

João Távora

(blogue CORTA-FITAS)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: FRANCISCO M. VALADA

por Pedro Correia, em 02.08.17

 

Susceptibilidades e rigor científico

 

 

Algernon: Nothing annoys people so much as not receiving invitations.

— Oscar Wilde, “The Importance of Being Earnest”

 

De vez em quando, há quem seja paladino do rigor científico, aniquilando-o em simultâneo. Isso aconteceu recentemente num texto do jornalista Daniel Oliveira, acerca das controversas declarações de Gentil Martins:

De outras refregas e escrutínios, é sabido que, por aquelas bandas, por única e exclusiva culpa da direcção do Expressoo rigor tem dias.

Por isso mesmo, não fiquei agradavelmente surpreendido ao ler "susceptíveis", pois adivinhei logo o resto do enredo, com a esperada presença no texto de insuportáveis obscenidades científicas como "correto" (uma espécie de coreto com dois erres) ou "coação" (a lembrar, por exemplo, o agora extremamente ambíguo acto de coar).

Convém deixar temas complexos como o "rigor científico" – em abstracto ou até mesmo em concreto, como nos casos do artigo enquanto subclasse fundamental do determinante  e  da electrodinâmica quântica  – a quem faz da ciência forma de vida.

A simples menção “rigor científico”, num jornal que impôs, aos seus profissionais e leitores, um código cientificamente denunciado na praça pública, é, no mínimo, engraçada.

 

FMValada Delito de Opini+úo.png

 

Lamentavelmente, esta mixórdia é o pão nosso de cada dia – não só no Expresso, mas, de forma geral, em qualquer publicação que se meta nestas aventuras ortográficas, sendo o Diário da República o meu exemplo de eleição, por razões que já expliquei. Todavia, em relação ao Diário da República, o Expresso tem, no mínimo, uma agravante: não foi intimado por ninguém a adoptar o quer que fosse. O Expresso adoptou o Acordo Ortográfico de 1990 porque quis fugir para a frente e o resultado está à vista.

A atitude do Expresso perante o fenómeno ortográfico em curso não serve de exemplo a ninguém. Aliás, a silenciosa e irresponsável resistência do jornal A Bola  também não. Mas não nos dispersemos. Concentremo-nos no mau exemplo do Expresso. Obviamente, em nome do rigor. Efectivamente.

 

Nótula: Há convites irrecusáveis, imediatamente aceites e ainda por cima com todo o gosto. Um deles é o que o Pedro Correia me fez: escrever um texto como convidado especial do DELITO DE OPINIÃO. Está escrito. Obrigado, Pedro.

 

 

Francisco Miguel Valada

(blogue AVENTAR)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: SAMUEL DE PAIVA PIRES

por Pedro Correia, em 31.07.17

 

Da incapacidade crónica para debater civilizadamente

 

Há uns dias, André Freire escreveu um artigo intitulado “Sete razões para não votar Fernando Medina nas autárquicas”. O artigo tece várias críticas à gestão camarária da capital, dando particular relevância às questões das obras públicas e da mobilidade, não se enredando em querelas ideológicas ou partidárias. Ainda assim, numa época em que as redes sociais potenciam o efeito de câmara de eco e contribuem para o entrincheiramento de partes em contenda ideológica e/ou partidária, que não se coíbem de fazer concursos de ortodoxia, passar certificados de pureza ou impureza ideológica e protagonizar purgas dos impuros que apresentem qualquer desvio ao que deva ser a linha orientadora da respectiva tribo política, não deixaram de surgir críticas ao artigo, em especial no mural do autor no Facebook, assentes em argumentos como os seguintes: “isto não é de todo uma postura de esquerda e fundamentada que nos tem feito crer como sendo a sua orientação”; “Esta gente de esquerda deviam (sic) ter cuidado no que escreve. Parece que estou a ouvir a cristas (sic)”; “O Sr. André Freire a fazer a política da direita! O povo não dorme e lhe irá dar a resposta em 1 Outubro de 2017...”

 

Dir-me-ão que, vindas de perfeitos desconhecidos, e atendendo aos níveis reduzidos de cultura democrática e pluralista e de preparação para o debate político civilizado do cidadão médio (se dúvidas houvesse a este respeito, as caixas de comentários dos blogs e jornais e as redes sociais esclareceram-nas), estas críticas não assumem especial relevo. Afinal, é pública e notória a hemiplegia moral, nas palavras de Ortega y Gasset, de que muitos sofrem, tornando-os incapazes de manter um debate civilizado com aqueles que perfilham outros pontos de vista (o mesmo Ortega y Gasset adoptava o perspectivismo, ou seja, a lógica tópica aristotélica, revitalizada no século XX pelo jurista alemão Theodor Viehweg, segundo a qual os diferentes pontos de vista sobre uma mesma realidade são complementares e as diferenças e peculiaridades, ao invés de obstaculizarem a procura da verdade, permitem captar certas porções da realidade). Contudo, às tantas surge uma conhecida historiadora, Irene Pimentel, que demole o artigo de André Freire não com argumentos, mas com esta prosa: “detesto todo o artigo, discordo dele, e nem percebo o interesse...”. Instada por André Freire a produzir argumentos, seguiu-se uma discussão em que Irene Pimentel passou o certificado de impureza, “Agora não me venha dizer que é de esquerda. Aliás fartei-me...”, ao que o autor do artigo replicou “já cá faltava essa da proprietária exclusiva e que passa certidões a dizer quem é e não é de esquerda!... passe bem minha senhora!”, e a historiadora treplicou “idiota mal criado. Sim, sou de esquerda. E deixe de me convidar para apresentar livros seus, por favor... Não se esqueça que eu tenho memória. Mas que mal educado, arrogante. Não passe bem. Vou eliminá-lo.”

 

Portanto, alicerçada na sua preferência ideológica ou partidária, Irene Pimentel sentiu-se no direito de purgar André Freire da sua tribo política, de o insultar e de revelar publicamente um convite privado que este lhe terá dirigido. Estamos a falar de alguém que, por defeito, deveria ter a capacidade de debater com elevação e não cair no insulto fácil. Infelizmente, parece-me que John Gray está certo ao considerar que a acepção oakeshottiana da política, que a entende como uma conversação, uma forma de acomodação de diferentes perspectivas, foi quase totalmente perdida. De facto, aquilo que Oakeshott classificava como política racionalista, a política do livro ou da cartilha ideológica, impera na política contemporânea, complementada por uma forte personalização da política que leva a que as tribos imponham ortodoxias, censurem heterodoxias, escondam e desculpem os defeitos dos seus membros e exaltem os dos membros das tribos opostas, sendo capazes de criticar ou defender uma mesma decisão ou atitude consoante a pertença ideológica ou partidária de quem a toma – como diria Sir Humphrey Appleby, “Where one stands depends upon where one sits”.

 

Existirá, porventura, alguma razão para que alguns partam para a discussão no debate público ou político a partir de um pedestal de superioridade moral a que se alcandoram? Creio que não. Alguns, à esquerda, ainda acreditam na possibilidade de uma ideologia científica, que julgam ser aquela que professam; outros, à direita, crêem que o alegado fim da história de Fukuyama lhes deu razão; muitos pensam estar do lado certo da história (como se esta fosse a Força do universo Star Wars); mas a esmagadora maioria considera-se moralmente superior apenas por mera convicção individual, um viés cognitivo que o neurologista Robert Burton explora em On Being Certain.

Infelizmente, na época em que vivemos, a humildade e a honestidade intelectual parecem não assistir a indivíduos que as deveriam fomentar e que, assim, acabam por se barricar em redutos assentes em racionalismos ideológicos ou meras convicções pessoais. O mesmo é dizer que em vez de utilizarem a força da razão, recorrem à razão da força. E como escrevi há uns anos, do debate num espaço público caracterizado pela cacofonia, onde a discussão é quase sempre dominada por surdos que sofrem de hemiplegia moral, (…) aos gritos uns com os outros, não pode surgir razão alguma.

 

 

Samuel de Paiva Pires

(blogue ESTADO SENTIDO)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: JOSÉ MARIA MONTENEGRO

por Pedro Correia, em 28.07.17

 

Um dó li tá

 

Sento-me no sofá, de comando na mão, ainda sem canal de destino.

Por defeito (no sentido supletivo do termo), a televisão abre o sinal com os desenhos animados.

Um dó li tá, ouvia-se de fundo.

 

Hesito entre os canais de notícias e de debate político – que tendencialmente se dirigem a mim – e os de desenhos animados – que tendencialmente se dirigem aos meus filhos (certo de que a segunda opção preenche os desejos destes, e com enormes dúvidas de que a primeira preencha os meus).

Um dó li tá (ficou a ressoar na minha cabeça).

 

Política ou desenhos animados? De repente dou por mim a pensar que não será assim tão grande a distância entre uma e outra opção. Sintomática e preocupantemente, há uma sintonia entre as diferentes sintonias. Se de um lado me oferecem a patrulha pata com a missão de defender o bem, do outro impõem-nos diferentes patrulhas com a missão de defender os seus (e, francamente, não sei se o bem).

 

Patrulha-Pata1[1].jpg

 

Preocupa-me a bolha cada vez mais nítida e distante em que habitam os políticos que nos dirigem e «representam». A cada episódio, a cada debate, a cada declaração, o fenómeno acentua-se. O modo infantil como somos tratados talvez seja o mais embaraçante. Mas a forma mais ou menos contorcida como a verdade nos é apresentada, a sensação indisfarçável de que quem nos fala de voz grossa está condicionado e é pouco livre, não augura nada de bom e devia preocupar-nos a sério.

 

Tanto nos contam (como quem conta) que tudo se deveu a um raio, como nos dizem que «se fez tudo o que era possível». Tanto nos oferecem demissões em barda de chefias menores, como nos prometem que não foi nada de especial e que o material roubado estava fora de validade. Tanto nos garantem que não houve cortes e que se batem recordes de défices mínimos, como nos enganam com termos pomposos que representam a mesma sorte (cativações, dizem). Tanto nos asseguram dignificar as vítimas com as respostas completas, como nos escondem testes prioritários de popularidade. Tanto, tanto, tanto.

Um dó li tá (não deixa de me ressoar).

 

Tratam-nos como se fôssemos criancinhas, sem capacidade para discernir, permeáveis apenas ao argumento de autoridade. Cada declaração, cada promessa ou explicação, transpiram falta de verdade, de pudor até, e de inteligência. Porque é pouco inteligente presumir-nos incapazes de perceber. E ainda é menos inteligente desprezar a degradação do ambiente entre «eles» e «nós». Sobra sempre a sensação de que não são livres. Para a transparência, para a verdade, para a seriedade dos «crescidos».

Um dó li tá (raios, que não me sai da cabeça).

 

Sinceramente, para ser tratado como criança prefiro o original.

Fico-me pelos desenhos animados e entrego-me, para gáudio dos meus filhos.

 

Um dó li tá, quem está livre, livre está (ouço agora a frase completa).

 

Parece uma declaração política. Pois. Não é assim tão grande a distância entre a política e os desenhos animados.

 

 

José Maria Montenegro

(blogue O PALACETE)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: LUÍS MOREIRA

por Pedro Correia, em 26.07.17

 

Levantados do chão

 

Em Pedrógão Grande, por iniciativa de uma mãe que perdeu um filho na tragédia dos fogos, nasceu uma Comissão para esclarecer o que não está esclarecido, não deixar esquecer e apurar responsabilidades.

Não move essa mãe coragem qualquer sentimento de vingança, mas tão só obrigar de uma vez o Estado e a sociedade civil local a arrostar com as suas responsabildades de nada terem feito para evitar a tragédia.
Não, não está tudo esclarecido como pretende o primeiro-ministro. Os vivos não se vão deixar calar com ofertas e promessas em memória dos seus. Os vivos querem esclarecer tudo e não vão deixar que os amordacem com a "central de comunicação". Com informação filtrada por uma das partes responsáveis.
Comandantes de bombeiros que operam no terreno entre a vida e a morte são agora tratados como irresponsáveis, como bocas grandes que não sabem comunicar. Fraco argumento. Se alguém que comanda não sabe comunicar é o próprio exercício de comandar que está em dúvida.
Ou é isso mesmo o que o governo quer transmitir à sociedade? Estão encontrados os responsáveis? É para aí que nos empurra o governo na covardia sem fim de quem vai de férias enquanto morrem inocentes? Salvam-se da irresponsabilidade os boys e as girls que nada sabem de fogos e que atafulham os gabinetes do Terreiro do Paço mas que são a voz do dono?
Levantados do chão, os vivos honrarão os seus mortos.

 

 

Luís Moreira

(blogue BANDA LARGA)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: A. PINHO CARDÃO

por Pedro Correia, em 24.07.17

 

O deplorável teatro da geringonça

 

A monocórdica picareta falante, transmigrada de um seu ilustre avatar para a geringonça, modernizou-se, aumentou potência e cobertura, funciona agora em vários canais estereofónicos, e passou a dar voz e grito a nova e vasta sorte de malabaristas, prestidigitadores e contorcionistas, em fantasiosos teatros de circo e rua. A geringonça tornou-se na suprema arte de perder tempo, mas não se pode ter tudo, exotismo e governação capaz.

Se fosse uma peça de teatro, a geringonça poderia ser uma comédia. Poderia, mas a trama é tão medíocre que, de farsa em comédia, se foi tornando numa palhaçada. Se na comédia são os erros de percepção mútua, mal-entendidos e enganos entre os comediantes que provocam o riso e quem se ri é o público, já na palhaçada geringôncica quem é enganado é o público e quem se fica a rir são os comediantes. Jovens boys e velhos farsantes que nunca do palco saíram, o palco foi sempre a sua vida, eternos funcionários do palco à custa alheia.

Quando, o que é frequente, a peça não corresponde ao cartaz, o encenador-mor faz entrar em cena a troupe ilusionista a distrair os espectadores, que vão aplaudindo gato por lebre, mal pensando que se tornaram os bombos e os bobos do espectáculo.

Na mais recente representação em que, num primeiro acto, os comediantes penosamente dialogavam sobre um assalto ao principal forte das munições do país, a trama foi radicalmente alterada pelo encenador, mal regressado de férias. E o episódio terminou na apoteose de um hino aos heróis que prestaram o insigne serviço de despejar o forte, poupando incómodos à tropa e despesas de abate ao país. O forte era mera concentração de lixo e obviamente não se assaltam caixotes de lixo. Tancos nunca existiu, nem sequer no mapa, fim da peça.

Também houve Pedrógão, e mais de sessenta pessoas queimadas vivas. A Delegada da geringonça chegou e chorou no palco da tragédia, porventura como forma de melhor coordenação e comando. E do palco do fogo, saindo pela esquerda baixa, logo o encenador, bem de mansinho, se afastou para férias, deixando à boca de cena os principais personagens em diálogos homicidas, atribuindo uns aos outros todas as culpas sem ninguém se dar como responsabilizado. No fim, as forças da natureza, a trovoada seca, o raio da árvore, o downburst e a própria estrada, os deuses, como na tragédia grega, contra quem até é perigoso lutar, foram a explicação do sucedido. E assim apaziguados, fora das vistas do palco, no recato dos camarins, os farsantes maiores da geringonça resolveram fazer uma sondagem à popularidade das suas representações.

Enquanto isto, no teatro escolar, os alunos podem passar sem saber qualquer das suas falas, com quatro, cinco, seis ou sete negativas, mais um êxito da geringonça a bem da teatral fantochada educativa que insiste em representar. E, magnânimo e conformado, o Director do Instituto de Avaliação Educativa diz que o sistema está feito de modo a premiar a mediania…

Em matéria económica, com o inevitável fracasso da proclamada estratégia alternativa, a geringonça faz como o cuco, cantando êxitos em ninhos alheios que usurpou e para os quais em nada contribuiu.  

De farsa a comédia, de comédia a drama, de drama a tragédia, de tragédia a palhaçada, eis a geringonça em todo o seu esplendor. E é ela que, assim desgovernada, diz que nos governa. E há quem aplauda.

 

 

António Pinho Cardão

(blogue QUARTA REPÚBLICA)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: VÍTOR CUNHA

por Pedro Correia, em 21.07.17

 

O país das mimosas púdicas

 

O termo “politicamente correcto” entrou com força no discurso comum e, consequentemente, no discurso político. Contudo, como acontece naturalmente com todos os termos cuja utilização se banaliza, o valor semântico manteve-se, por muito tempo, obscurecido. “Politicamente correcto” implica ortodoxia, não especial sensibilidade inclusiva como normalmente se pretende. Esta dissonância entre sintaxe e semântica leva a que a expressão comece a ser percepcionada como designação para discurso anódino, uma palha floreada para engordar sintaticamente conteúdo simples — e.g. “portuguesas e portugueses” para “portugueses” —, não como cortesia enfática para que cada ouvinte ou leitor se encontre no discurso, uma espécie de ‘encontre o Wally’ da oratória. “Politicamente correcto” é uma expressão que tem origem numa piada soviética popular nos anos 30 do século XX, que sublinha que o interesse do partido deve ser encarado como uma realidade acima da própria realidade1:

— Camarada, a tua afirmação é factualmente incorrecta.
— Sim, é. Mas é politicamente correcta.

 

A Mimosa pudica é uma planta da família das ervilhas que recolhe as folhas quando tocada ou na presença de calor. Este curioso fenómeno denomina-se por sismonastia e pode ser encontrado de forma mais exuberante na (proclamada) Direita portuguesa, que se recolhe não só com o toque mas também com o mais leve suspiro emanado da Esquerda. A proclamada Direita (doravante denominada simplesmente por “Direita” por abuso de linguagem) receia o calor, bastando o mais ténue bafo da Esquerda para que siga a ortodoxia discursiva, a do superior interesse da realidade do partido, a tal realidade mais real que a própria realidade. Quem pensa que Portugal não é um país extremamente politizado por simples observação de valores da abstenção em eleições está redondamente enganado: a politização dos indivíduos não se manifesta nas urnas e sim na facilidade com que estes adquirem o discurso formatado pelas universidades marxistas através da propagação mediática de terminologia emanada do socialismo científico e materialismo dialético.

A luta de classes é um conceito de venda difícil no século XXI. O capitalismo e o seu desenvolvimento tecnológico permitiu que operários — mantendo a terminologia marxista — se rendessem ao aburguesamento que um computador portátil e um smartphone com ligação à rede permitem. Adaptando-se à nova realidade, a realidade da posse de coisas2, tornou-se necessária a mutação de colectiva luta de classes para a esfera pessoal e individual, a dos comportamentos e costumes. Não é de surpreender que trotskyistas fossem os primeiros marxistas a adaptarem-se, motivando o sucesso do Bloco de Esquerda e similares noutros países europeus. Recentemente, dominando toda a agenda com terminologia de casta — e.g. “direitos dos homossexuais” em vez de “direitos humanos”; “combate ao preconceito” em vez de “classe oprimida” —, o ideário marxista recauchutado, inspirado nas tradições religiosas, adaptou o conceito de “pecado” em fobias múltiplas — e.g. homofobia, islamofobia, xenofobia — e o conceito de “virtude” na acção purificadora levada a cabo pelos múltiplos combates a discriminações por acção directa do governo, a elite informada para uma “sociedade mais justa”, eufemismo para o Homem Novo — e.g. “combater a homofobia”; “combater a xenofobia”.

Como todas as guerras inevitáveis, mais valia que começasse mais cedo do que mais tarde. Infelizmente, graças à sismonastia da Direita nacional, já foi içada a bandeira branca de rendição de forma preventiva, antes que alguém começasse a ter ideias. A consequência será mais uma década de destruição criativa até à silenciosa extinção dos resquícios de civilização ocidental em Portugal, a extinção que, quando finalizada, aparentará a tranquila sensação de que o país foi sempre assim desde o início dos tempos.

 

____________________________________________________________


1The Rise of Political Correctness”, Angelo M. Codevilla, Claremont Review of Books, 2016.
2“Communism doesn’t work because people like to own stuff”, Frank Zappa.

 

 

Vítor Cunha

(blogue BLASFÉMIAS)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: OCTÁVIO DOS SANTOS

por Pedro Correia, em 19.07.17

 

Mulheres de(s)arma(da)s

 

Muito se tem falado, discutido, argumentado, justificada mas infelizmente, nos últimos anos – décadas! – sobre a calamidade dos incêndios em Portugal, e que atingiu um trágico, revoltante, apogeu no passado mês de Junho em Pedrógão Grande, com a morte de (pelo menos) 64 pessoas. Uma calamidade que tem muito de criminalidade – bastantes (se não a maioria) dos fogos são ateados por incendiários que apenas sofrem reduzidas, ridículas punições – e que só parece não ter fim porque todos os governos – enfim, o Estado – têm falhado na sua mais básica função, a de proteger a integridade do território, privilegiando a vigilância, a coordenação, o reforço e a aplicação de meios, humanos, financeiros e técnicos onde são mais necessários. Não é difícil, apenas requer vontade e trabalho.

 

Porém, existe outra – continuada – calamidade no nosso país, esta indubitável e exclusivamente de índole criminal, e que já causou, no mesmo período de tempo, muitas mais vítimas do que os incêndios; aliás, um estudo divulgado em Novembro de 2016 indicou que, nos 12 anos anteriores, registaram-se mais de 450 homicídios (ou «femicídios»…) concretizados… e 526 tentados! Mais especificamente de mulheres, vítimas da fúria machista, da raiva revanchista de ex-namorados e de ex-maridos. Que, quantas vezes, tiram igualmente a vida a outros, familiares e amigos, que têm o azar de estarem, no momento e no local errados, na companhia do alvo principal do seu ódio.

Falar nisto como «violência doméstica» não é suficiente. O que mais surpreende neste assunto gravíssimo, que é sem dúvida o pior dos escândalos numa nação em que eles abundam, é o (quase) silêncio… sobre algo que constitui um padrão preocupante, alarmante, com características de um massacre permanente, de assassínios em série, quase que se diria… de genocídio. Que suscita, como habitual, repetida reacção, uma impotente, inútil consternação. Onde estão as feministas, sempre prontas a reclamar contra a «sociedade patriarcal», a «masculinidade tóxica» e outros disparates do mesmo… género, mas que neste âmbito se mantêm incomodamente caladas e inactivas, quiçá rezando para que esta semana nenhuma outra mulher seja assassinada? À semelhança de Catarina Martins, que, agora que existe um governo que ela apoia, já não exige a demissão de ministros por causa dos incêndios mas que se limita a esperar que chova?

 

Esta maré de matança misógina não é, não tem de ser, um fenómeno fatal, «natural», inevitável. Há soluções, respostas, para o problema. No entanto, são um pouco «radicais»… para um país que «progressivamente» se tornou demasiado contemporizador para com a criminalidade, chegando ao cúmulo de ter como pena máxima 25 anos de prisão… independentemente do número de homicídios que se cometa – o castigo é idêntico, quer se mate um, dez, cem ou mil!

Não é, pois, de estranhar que os que matam as ex-esposas ou as ex-namoradas, e quando não se suicidam a seguir, invariavelmente se entregam na esquadra de polícia mais próxima – eles sabem, sentem, que o tempo que gastarão na prisão será mais do que compensado pela satisfação de terem «lavado» a sua honra. Repare-se que muitas, a maioria, das vítimas já haviam sido ameaçadas de morte pelos seus futuros carrascos, já tinham sido objecto de agressões, físicas e psicológicas, pelo que o perigo já era conhecido, previsível.

 

Que fazer, então? É muito simples: a essas mulheres confirmadamente em risco devem ser dadas armas de fogo, pistolas, talvez espingardas, e o treino para melhor as usarem e se (legitimamente) defenderem se e quando for preciso. Obviamente, pela polícia, em colaboração com a polícia. Porque esta, evidentemente, não pode, não consegue, mesmo que queira, estar sempre a montar guarda junto daquelas mulheres nas suas casas, nem acolhê-las nas esquadras. Estas nem sempre, ou nunca, estão situadas ao lado das casas das potenciais vítimas. Por mais rápidos, eficientes, corajosos, competentes que sejam, os agentes da autoridade raramente, se é que alguma vez, chegam a tempo de evitar os crimes «passionais». Logo, as «presas» têm de se tornar «predadoras». Em vez de desarmadas, as mulheres têm de passar a ser… de armas.

 

 

Octávio dos Santos

(blogue OCTANAS)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidada: JOANA MARQUES

por Pedro Correia, em 17.07.17

 

Lisboa a preto e branco

 

joanamarques.jpg

 

 

 

Joana Marques

(blogue QUIOSQUE DA JOANA)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: J. J. AMARANTE

por Pedro Correia, em 14.07.17

 

O esquerdista acidental

 

Na vida das sociedades existem duas tendências antagónicas, para a mudança e para preservar o que se alcançou.

Poderíamos dizer que a primeira é progressista e a segunda conservadora. Mas trata-se de classificações apressadas porque por vezes as mudanças são feitas para regressar a situações anteriores enquanto o progresso se faz encontrando soluções inovadoras.

Existe outro par de tendências antagónicas que corresponde melhor à distinção entre esquerda e direita. Enquanto a esquerda sublinha a igualdade essencial de todos os seres humanos a direita sublinha as diferenças entre seres humanos, que também são essenciais à humanidade. Somos todos iguais mas também todos diferentes.

 

A origem da classificação esquerda/direita vem da Revolução Francesa, em que os deputados do lado esquerdo da assembleia davam prioridade à igualdade enquanto os do lado direito davam prioridade às diferenças vincadas entre as classes sociais que existiam no anterior regime.

Como a distribuição da riqueza era então muito desigual em relação à contribuição de cada um, a esquerda foi conotada em toda a parte com o desejo de mudança enquanto a direita com a manutenção do statu quo.

Mas quando após muitos anos as mudanças introduzidas pela esquerda começaram a ser consideradas excessivas nalguns países, observou-se uma maior apetência pela mudança pela parte da direita enquanto a esquerda se batia pela manutenção das regras entretanto estabelecidas.

 

Talvez tenha sido a revolução industrial ocorrida na Europa que criou condições para uma partilha da riqueza muito mais equitativa do que a que existira na Idade Média. Em Portugal a revolução industrial foi muito tímida, devido à nossa situação periférica, à catástrofe pombalina da educação (de repente 20.000 alunos do “secundário” ficaram sem professores devido à expulsão dos Jesuítas), às lutas entre absolutistas e liberais no século XIX. Na primeira metade do século XX tão pouco houve grandes progressos em Portugal, tendo chegado a 1950, metade do século XX, com uma pobreza confrangedora e uma taxa de analfabetismo de 42% (fonte: António Candeias et al. (2007): Alfabetização e Escola em Portugal nos Séculos XIX e XX. Os Censos e as Estatísticas, mostrada na tabela a seguir), um valor único e inacreditável na Europa a que alegadamente pertencíamos!

 

Ano   Analfabetismo Variação

1900           73%             -----

1911           69%             -4%

1920           65%             -4%

1930           60%             -5%

1940           52%             -8%

1950           42%           -10%

1960           33%             -9%

1970           26%             -7%

1981           21%             -5%

1991           11%           -10%

2001             9%             -2%

 

Devido a esta herança de falta de formação, temos tido dificuldade em encontrar profissionais competentes quer na prestação de serviços quer na manutenção de máquinas, sendo preferida a solução de deitar fora e comprar novo, muitas vezes representando um desperdício de capital.

Mesmo agora sofremos deste handicap, quer na manutenção quer nas despesas de funcionamento corrente, como por exemplo no sistema de videovigilância dos paióis de Tancos que estava há dois anos avariado antes do roubo de há dias, no SIRESP que tem má performance nas situações de crise em que teria maior utilidade, na falta de verba para manutenção e funcionamento dos aparelhos de ar condicionado das escolas reabilitadas no programa da Parque Escolar, etc.

 

Claro que o esforço na formação deu os seus frutos. A qualidade e consistência de muitos serviços melhoraram imenso nestes últimos 40 anos, como por exemplo no serviço nacional de saúde, no ensino, no fornecimento da electricidade, da água, do gás, dos telefones do acesso à internet, no saneamento, no tratamento do lixo e em tantos outros sectores que costumam ser noticiados apenas quando ocorrem grandes problemas.

Mas partindo tão atrasado, o país continua na cauda da Europa em muitos indicadores e uma pessoa com tendências conservadoras como eu, que aprecia ver as coisas a funcionar consistentemente bem, não se pode dar por satisfeita apenas com o que se alcançou, vendo-se forçada a apoiar mudanças para uma distribuição mais equitativa da riqueza, que ainda está mais desigual do que a média da União Europeia, sendo a razão principal do nosso atraso.

Ou numa frase: para ser conservador era preciso que o país estivesse muito melhor.

 

É o que me torna num esquerdista acidental.

 

 

J. J. Amarante

(blogue IMAGENS COM TEXTO)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: JOÃO FERREIRA DIAS

por Pedro Correia, em 12.07.17

 

O género da discussão

 

O género é um dos temas inquietantes da Antropologia. Talvez por isso seja desagradável darmos com confusões entre Direitos das Mulheres/Igualdade entre Homens e Mulheres e Igualdade de Género. Esta confusão voltou a terreno, por estes dias, no Festival de Cannes, em que a propósito da igualdade entre homens e mulheres no cinema, assim como noutros sectores, foi discutida sobre a lapela da "igualdade de género". Este facto resulta de um problema histórico em que o género emergia culturalmente da distinção do que se concebia por dados biológicos: masculino e feminino como macho e fêmea.
Este pressuposto resultou numa atribuição cultural de significados de género a objectos, lugares da casa, elementos vários do quotidiano, como destacava Bourdieu em The Logic of Practice. Ora, esta ideia não traduz a complexidade cultural do corpo como produto sociológico, no qual se jogam memórias culturais, sentidos de identidade e expectativas normativas e alternativas por contestação.
A religião enquanto instituição que imprime códigos de conduta e moral nos sujeitos não está independente deste processo de construção de papéis sociais, de normatividades tendencialmente estanques, que se desejam eternas por sua intenção cultural de fixarem-se como contínuo social. Por outras palavras, a religião, partindo de um conjunto de padrões morais, pretende a sociedade como uma renovação desse conjunto de pressupostos, considerando as alternativas como contra-normativas. 
 
O que temos, portanto, é um conjunto de ideias acerca do corpo e do seu uso social e sexual, em que os jeitos de ser homem e mulher resultam da sociedade, mas é nela que se reciclam e permitem ressignificar-se. Assim, quando falamos de género precisamos reconhecer que este é um conceito complexo e dinâmico, em permanente reflexão, fruto de reformas sociais, como os movimentos feminista e LGBT. É, então, perigoso confinar o conceito à distinção entre homens e mulheres, pois que há mulheres cujo género é masculino, e vice-versa, e há, inclusive, novas formas de género e trânsitos entre géneros como formas de constituição de identidade.
Se em lugares remotos do nosso Portugal ser homem se constrói nos cafés, nos trabalhos pesados, e o ser mulher se edifica nas actividades domésticas, esse Portugal é apenas uma paisagem entre as várias, porque as fronteiras são muito mais diluídas, e um pai de família pode-se trajar de mulher para um perfil falso numa rede social qualquer, e uma mãe de família, na calada da noite, assistir a pornografia lésbica. Porque a sociedade é a movimentação permanente, ideias conservadoras tendem a reportar a intenções políticas mais do que a fatos sociais. 

 

 

João Ferreira Dias

(blogue A MORADA DOS DIAS)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: EDUARDO LOURO

por Pedro Correia, em 10.07.17

 

Paradoxos

 

A comunicação é provavelmente o maior instrumento de relação ao serviço das sociedades. Sempre foi assim, mesmo quando, por dificuldades de circulação, por falta de acessos e de veículos, e até por excessos de policiamento do tráfego, disso se não dava conta.

Hoje a comunicação circula a uma velocidade estonteante, em auto-estradas de quarta geração, sem limites de faixas nem de velocidade. Sem constrangimentos de qualquer espécie - nem polícias, nem semáforos, nem rotundas, nem filas - em veículos de alta cilindrada. Toda a gente dá por ela, toda a gente percebe a sua importância.

Paradoxalmente, quando tem condições como nunca teve para se exponenciar como instrumento de relação, e mecanismo de aprofundamento da vida em sociedade, revela-se, como nunca, uma arma estratégica de destruição massiva. Literalmente. Uma poderosa arma de guerra de que ninguém abdica, em nome de coisa nenhuma.

As estratégias de comunicação sobrepõem-se a tudo e a todas as outras. Tanto mais quanto mais insondáveis forem os objetivos que se destinem a servir. Tanto mais quanto maior for a ambição de manipular, condicionar e enganar…

É assim, em especial, na política e no futebol, mas também em muitas outas áreas da sociedade. Não importa o que se faz, importa o que se diz. Os factos já não contam, contam – e cantam-se – os factos alternativos. O virtual toma conta e sobrepõe-se ao real. A substância é oca e a verdade esvazia-se na opulência da pós-verdade. Mais que reescrever a História, reescreve-se o próprio conhecimento.

É o tempo das fake news, dos Abrantes e dos Sebastiões. Dos directores de comunicação como peças centrais nas estruturas organizacionais. O tempo de cavar trincheiras à volta de dogmas, de levantar muros à volta de crenças. De semear ódios, de acentuar clivagens e de explorar o que mais primário há em cada ser humano.

Não era isto que seria suposto a comunicação servir. Não deveria ser para isto que deveriam ser utilizadas as auto-estradas que temos à mão, cheias de gente vazia de ética e auto-desobrigada dos mínimos deontológicos. Mas os dias de hoje também não são muito mais do que isso: uma sucessão de paradoxos.

 

 

Eduardo Louro

(blogue QUINTA EMENDA)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: FRANCISCO FREIMA

por Pedro Correia, em 07.07.17

 

Recordar Eminescu

 

Deparei-me com a obra de Mihai Eminescu durante a minha estadia em Brăila, na Roménia. Um dia estava na Biblioteca Panait Istrati quando por lá apareceu um velhote que queria conhecer os novos voluntários. Pelo apelido, o Sr. Furtuna seria um falso amigo (furtuna significa tempestade em romeno), mas a verdade é que a sua erudição albergava autênticos tesouros. Na altura nem deu para falar muito, tinha começado a aprender o idioma e a única língua estrangeira que o Sr. Furtuna dominava era o russo. Desejei ser Zorba, o bom demónio de Nikos Kazantzaki, para expressar através da dança tudo aquilo que eu fora até esse momento. Felizmente, nos primeiros tempos havia a tradutora Alina.

 

Apesar da barreira linguística, o acaso levou a que trouxesse consigo uma antiga edição de Luceafărul para nós vermos. «Alguém aqui gosta de poesia?», perguntou o Sr. Furtuna. A Alina, que já me ia conhecendo, apontou para mim e disse que eu escrevia. «Serios?» Retirei o caderno da mochila e mostrei-lhe alguns rascunhos de sonetos. Claro que ele não entendeu nada, mas deu para perceber que ficara satisfeito. A Alina disse-me depois que o Sr. Furtuna estimava muito as palavras escritas à mão, e que os sonetos eram o seu género preferido.

 

Mihai_Eminescu[1].jpg

 

Aquela edição de Luceafărul tinha páginas enormes e ilustrações belíssimas, nas quais o poema adquiria a dignidade devida a uma das obras-primas do Romantismo. Escusado dizer, esse primeiro contacto produziu algum efeito em mim. Por outra feliz coincidência, morava num apartamento alugado à viúva de um professor de Romeno. As estantes da sala estavam forradas de livros, que me incentivavam a descobrir mais acerca daquela língua, parente afastada da nossa. Nomes como os de Ion Creangă, Tudor Arghezi ou Lucian Avramescu tomavam a minha imaginação, tornando-me escravo dos sons que entoava sem compreender. Mas a semente fora plantada: o primeiro a descobrir haveria de ser Eminescu.

 

Lembro-me dos passeios junto ao Danúbio, das horas perdidas no Grădina Mare a ler poemas que desde então associo ao Outono valáquio, naquele que foi o período mais feliz da minha vida. A paixão eminesciana foi tanta que traduzi alguns poemas dele para português, embora hoje veja as falhas desse insensato ardor. Importa referir que a poesia dele funde-se na perfeição com aquelas paisagens, onde a natureza exerce bastante influência sobre o espírito dos homens.

 

646x528[1].jpg

 Placa comemorativa em Timișoara: «Esta placa recorda que o poeta Mihai Eminescu veio a Timișoara, em 1867, ver o seu irmão Nicolae, e em 1868 com a companhia teatral de Mihail Pascaly.»

 

 

Na minha segunda incursão pelos Cárpatos, tive a oportunidade de pisar o palco do Teatro Mihai Eminescu, em Oraviţa. Numa placa, uma data perdida do século XIX, a celebrar o facto de o poeta ter passado por ali enquanto promotor de uma companhia de actores. Por toda a Roménia existem indicações destas, adensando o mito em torno da figura de Eminescu, que foi também um jornalista notável.

 

De tudo isto, ficam as recordações e a esperança de que no futuro a poesia de Mihai Eminescu seja mais conhecida em Portugal.

 

 

Francisco Freima

(blogue ZIBALDONE)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: ARNALDO GONÇALVES

por Pedro Correia, em 06.07.17

 

O fim do sonho democrático em Hong Kong

 

Fui um das centenas que acompanharam a visita de Xi Jinping a Hong Kong e a entronização de Carrie Lam, a secretária-chefe de C.Y. Leung, como quarta Chefe do Executivo de Hong Kong. Assisti à parada, às celebrações milimetricamente coreografadas com aquele tom de pastiche démodé que os chineses são prolixos naquilo que organizam. Depois do discurso de Xi Jinping, um enorme exercício de intimidação às forças democráticas no território no sul da China, não consegui reprimir um arrepio. Como se me sentisse a perguntar a mim próprio: outra vez? Temos aí, uma vez mais, aquele sabor amargo da ditadura que se estende como uma praga e corrói tudo por onde passa. Muito provavelmente o 1 de Julho de 2017 ficará para a história da região e do mundo com o enterro de Um País, Dois Sistemas, a promessa da convivência entre um regime capitalista de amplas liberdades civis no Sul e o regime totalitário, comunista, autoritário que estende a sua garra e aplana.

Estou fortemente pessimista e tenho a sensação de que a burguesia intelectualizada local irá assobiar para o lado quando a repressão cair sobre os jovens contestatários do regime chinês em Hong Kong pela mão de Carrie Lam. Todos os regimes autoritários tiveram os seus próprios homens de mão que fizeram aquilo que lhes mandaram fazer, fosse qual fosse o seu custo. Uma católica, oriunda de família pobre, educada numa escola religiosa, apresta-se a esse papel confrangedor e lamentável.

 

Há também algo de simbólico que tem escapado à atenção dos que acompanham Hong Kong e a situação na China. Carrie Lam é a quarta chefe do executivo e a primeira mulher a desempenhar o cargo. Quatro em chinês é “si”, o carácter 四, cuja fonia é exactamente igual à palavra “morte”, “si”, embora o carácter seja diferente .

Na tradição chinesa, quatro é um número pouco venturoso e por essa razão evitado desde as matrículas dos carros aos andares de residência. A acreditar na superstição chinesa, o mandato de Carrie Lam será tudo menos fácil e venturoso.

 

5636951c-1ea1-11e7-ba38-4217a96bb749_1280x720_2336

 Carrie Lam, nova chefe do Executivo de Hong Kong, com o Presidente chinês, Xi Jinping

 

Seria importante que a ex-potência administrante, a Grã-Bretanha, acompanhasse de perto e fizesse soar os avisos vermelhos quando a política musculada do governo de Hong Kong cair sobre os partidários da independência de Hong Kong, os quais, do ponto de vista de Xi Jinping e do Partido Comunista, são traidores à pátria chinesa e partidários da sedição. O aviso foi dado na tomada de posse de Carrie Lam.

Nas palavras do sexagenário líder da China, “qualquer tentativa de fazer perigar a soberania e a segurança da China, desafiar o poder do governo central e a autoridade da Lei Básica de Hong Kong ou usar Hong Kong para promover a infiltração e actividades de sabotagem contra a pátria, é um acto que atravessa a linha vermelha e portanto inadmissível”.

A mensagem não podia ter sido mais clara e suscita um conjunto de questões para já sem resposta. Será o uso da liberdade de expressão ou de crítica do Governo Central e dos seus líderes um acto “inadmissível”? Será o exercício do combate parlamentar quando ataque o governo da Região Administrativa Especial de Hong Kong e as suas políticas um acto inadmissível? Será o apoio político às forças democráticas que exigem do regime comunista chinês uma ampla reforma democrática um acto inadmissível? E quais são as consequências para os agentes que praticam actos inadmissível? Devem ser perseguidos juridicamente nos tribunais de Hong Kong por actos de subversão, traição e sedição contra a Republica Popular da China?

Mas isso enfrenta um vazio legal. O artigo 23.º da Lei Básica de Hong Kong estipula isto: “A Região Administrativa Especial de Hong Kong determina que o Governo da RAEHK aprovará leis próprias para proibir qualquer acto de traição, secessão, sedição e subversão contra o Governo Central ou furto de segredos de Estado, proibindo organizações estrangeiras ou outras entidades de desenvolverem actividades políticas na região e proibirem organizações políticas ou entidades da região de estabelecerem laços com organizações políticas ou outros entes estrangeiros.” Este artigo nunca foi regulamentado por oposição firme das forças democráticas de Hong Kong, que na rua bloquearam as iniciativas impulsionadas pelo governo de C.Y. Leung. A posição da ordem dos advogados local tem sido unívoca: na maioria das áreas as leis em vigor em Hong são suficientes para proibir os actos referidos no artigo 23.º. Torna-se assim despicienda tal regulamentação.

Não terá passado em claro que a posição de Xi Jinping é absolutamente oposta e não passará muito tempo em que uma instrução directa do Governo Central surja, incentivando Carrie Lam a avançar com o processo.

 

Para os optimistas crónicos, nos quais se incluem alguns jornalistas da imprensa ocidental em Hong Kong e Macau, esta tomada de posição do Presidente da China é tida por meramente retórica e sem consequências práticas. Nestes dias a seguir ao discurso, vamos assistindo a um cortejo de desvalorizações que têm como objectivo lançar uma coluna de fumo sobre as movimentações que se preparam, tendentes a retirar autonomia de manobra ao governo da região administrativa, subordinando-o à garra de aço do governo central.

Não me admiraria que os 50 anos de transição para o regime socialista em Hong Kong - que deverão terminar em 2047 - sejam abreviados e Hong Kong se torne antes disso em mais uma província no sistema socialista chinês. Os sinais irão multiplicar-se nos próximos cinco anos.

 

 

Arnaldo Gonçalves

(blogue EXÍLIO DE ANDARILHO)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado:CARLOS GUIMARÃES PINTO

por Pedro Correia, em 05.07.17

 

Movimento Independentista Lisboeta

 

Aproveito este convite para expor uma causa que sei ser impopular, mas apenas por nunca ter sido defendida apropriadamente: a independência de Lisboa.
 
A existência de um país exige um sentido de comunidade. Mas, vamos ser honestos, a maioria dos lisboetas não tem uma grande ligação ao resto do país. Alguns mais aventureiros lembram-se de um dia terem passado pelo Porto e terem gostado muito daquela ponte de ferro. E do Sheraton, claro. O Sheraton do Porto é maravilhoso. E ainda comeram metade daquela sanduiche com molho de tomate, cujo nome não me recordo agora. Mas a verdade é que não fora a água quentinha de Portimão (futuro território ultramarino da República Democrática de Lisboa) e o lisboeta típico nem precisaria de sair do eixo Saldanha-Loja das Meias durante toda a sua vida.
 
Mas o principal motivo para a existência deste movimento é a forma como o resto do país sobrecarrega Lisboa com responsabilidades. Quando o país decide criar um novo instituto, uma nova agência, um novo evento, empurra-se logo tudo para Lisboa. Já não chega todos os ministérios, secretarias de estado, sedes de empresas públicas e privadas existentes, ainda querem empurrar tudo o que é criado de novo para Lisboa. Com novas organizações públicas vêm mais empresas privadas, mais trânsito, rendas mais altas e esplanadas mais cheias. Enquanto o resto do país continua verde, barato e viçoso, o trânsito de Lisboa enche-nos os pulmões de dióxido de carbono e as rendas esvaziam-nos a carteira. Também sobrecarregam o nosso aeroporto que, como toda a gente sabe, está sobrelotado desde 2007. Em conluio com a TAP, andam a desviar passageiros do resto do país para Lisboa ao ponto de nos forçarem a construir um novo aeroporto ou, pior, obrigarem-nos a sentar no lugar do meio em muitos vôos.
 

LIS[1].jpg

 

Depois de sobrecarregarem Lisboa com tudo o que é sede de organização e instituto público, ainda nos vêm roubar os empregos. Todos os anos o resto do país envia milhares de jovens qualificados para roubar os nossos empregos. A ideia, claro, é abusarem dos nossos recursos durante algum tempo, roubarem os nossos empregos, desgastarem a nossa cidade para depois voltarem para as suas terras novinhas, sem poluição nem trânsito. Dói o coração de qualquer lisboeta ver os parasitas que chegam do resto do país no Alfa à segunda-feira de manhã para nos sugarem os recursos durante a semana e depois voltarem ao fim-de-semana para os seus pastos verdes mais a norte. Mas pior são os que escolhem ficar, desvirtuando culturalmente a cidade. Ainda há dias observei cinco jovens a conversar num restaurante. Todos se diziam lisboetas, mas nem um percebia que a palavra "rio" é um monossílabo. Nem um!
 
Finalmente, resta falar na forma como o resto do país deixa Lisboa em permanente instabilidade política. Nos jornais, já se fala de Medina ser o próximo líder do PS (e, consequentemente, primeiro-ministro). Seria o quarto líder dos últimos 6 a terminar o mandato mais cedo para ir liderar o país, deixando Lisboa em permanente reboliço. Chega! Arranjem os vossos próprios líderes, porra! Parem de desviar as atenções dos filhos da cidade para os vossos problemas.
 
Chegamos a uma situação limite que só se resolve com a independência de Lisboa. Chegou a altura do resto do país aprender uma lição e perceber o que é ter que organizar os seus próprios eventos, ter as suas próprias instituições públicas e eleger os seus próprios líderes. Quero ver como é que se safam sem se poderem aproveitar mais da amabilidade e disponibilidade dos lisboetas para levar o país às costas.

 

 

Carlos Guimarães Pinto

(blogue O INSURGENTE)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: JOSÉ CARLOS PEREIRA

por Pedro Correia, em 03.07.17

 

Porto turbulento

 

Rui Moreira apresentou no sábado a sua recandidatura à Câmara Municipal do Porto. É um mero formalismo, pois o autarca portuense há muito que assumira esse propósito.

Rui Moreira foi eleito em 2013 por um movimento que teve a sua base na burguesia liberal da cidade, nos homens de negócios endinheirados da Foz e de Nevogilde, o meio de onde é oriundo o próprio autarca. A isso juntou o apoio mais ou menos discreto de Rui Rio, seu antecessor, tendo beneficiado, ainda, do facto de grande parte da cidade se ter mobilizado para travar a candidatura populista de Luís Filipe Menezes (PSD), que tinha deixado em Gaia um rasto de despesismo, endividamento e alguma leviandade.

A vitória de Rui Moreira, contudo, não foi suficiente para governar em maioria, pelo que o novel presidente teve de procurar quem lhe desse a mão. Manuel Pizarro (PS), que ficara em segundo lugar nas eleições, decidiu viabilizar essa aliança, contra muitas vozes no interior do seu partido, que já então se interrogavam sobre a situação em que ficaria o PS nas eleições de 2017. A aliança entre o PS e o movimento de Rui Moreira encontrou pontos de vista comuns e os socialistas acabaram a assumir dois pelouros determinantes para a cidade, habitação social e urbanismo, nas mãos de Manuel Pizarro e do prestigiado Arq. Correia Fernandes.

 

Tudo parecia um mar de rosas na relação entre Pizarro e Moreira, de tal modo que o PS, talvez inebriado pelo exercício do poder, precipitou-se no apoio à recandidatura de Rui Moreira, sem qualquer negociação prévia de políticas e de lugares na vereação. Estava visto que as coisas só poderiam acabar mal, como por várias vezes antecipei.

Rui Moreira, aliás, está longe de ser inquestionável e unânime – o processo Selminho, que envolve uma empresa imobiliária do presidente e da sua família, aí está a fazer o seu caminho, os tiques persecutórios em relação à imprensa fazem lembrar os piores tempos de Rui Rio, a obra pública teima em ver a luz do dia, a proliferação de jobs for the boys é evidente na Câmara e nas empresas municipais (com lugares de destaque entregues a pessoas que vão do número dois e putativo sucessor de Valentim Loureiro em Gondomar até quadros com elevadas responsabilidades na gestão de Menezes em Gaia…) – pelo que nunca compreendi o cheque em branco que o PS passava a Rui Moreira. Só para garantir alguns lugares à mesa da vereação?

 

HVE6BOKO.jpg

 

Depois de declarado o apoio, de cada vez que o PS se referia à recandidatura de Moreira ou algum responsável do partido reivindicava uma participação forte nas listas, como seria natural face aos resultados de 2013, logo surgia uma personagem secundária do movimento presidencialista a dizer “alto e pára o baile”. Como escrevi em determinada altura, o PS parecia "estar prisioneiro do caminho que seguiu e completamente nas mãos de Rui Moreira e dos seus primeiros apoiantes, que olham de soslaio para tudo o que seja socialista".

Na verdade, Rui Moreira e o seu movimento inorgânico deitaram mão de argumentos serôdios para romper a aliança com o PS. No fundo, creio eu, foi o que sempre pretenderam, depois de manietarem Manuel Pizarro e de diminuírem as possibilidades de êxito do PS.

O vereador socialista e presidente da Federação Distrital do PS deslumbrou-se e foi ingénuo na forma como deixou que o PS fosse capturado pelos interesses de Rui Moreira. A sua posição como candidato é agora demasiado frágil para poder almejar a vitória. Resta saber como reagirá, no futuro, no caso de Rui Moreira voltar a ganhar sem maioria, como prevejo.

 

E o PSD? Perante a dificuldade de encontrar um candidato forte para disputar umas eleições consideradas perdidas à partida, avança com Álvaro Almeida, um universitário desconhecido do grande público e antigo responsável pela Entidade Reguladora da Saúde, que se limitará a procurar reunir os votos do eleitorado mais fiel ao partido. O apoio público que Rui Rio lhe concedeu vale pouco se traduzido em votos.

Nos sectores mais à esquerda, a CDU apresenta a experiente Ilda Figueiredo, que não terá dificuldade em renovar um lugar no executivo municipal, e o Bloco de Esquerda viu-se obrigado, por razões de saúde, a trocar o ex-líder João Semedo pelo repetente João Teixeira Lopes. Com este triste desenlace, o Bloco viu-se privado de um candidato que estaria em condições privilegiadas para alcançar o primeiro mandato do Bloco na Câmara Municipal e os portuenses perderam a possibilidade de contar com um excelente vereador.

 

 

José Carlos Pereira

(blogue INCURSÕES)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: RODRIGO MOITA DE DEUS

por Pedro Correia, em 30.06.17

 

Os independentes

 

Vamos ter uma “comissão técnica independente” para perceber o que correu mal nos incêndios. A ideia é boa. A iniciativa, por si, diz muito mais do que parece. Demonstra que os deputados perderam a fé em comissões parlamentares de inquérito. E demonstra que os deputados não confiam nos deputados para fiscalizar o governo e garantir o bom funcionamento do Estado. Mas vamos ter técnicos. O que é bom. Seis nomeados pela Assembleia da República. Seis nomeados pelo Conselho de Reitores. Ainda não conheço os nomes. Mas o perfil e a forma de nomeação explicam que serão doze funcionários públicos. Portanto… Estado a fiscalizar o Estado. Gente certamente dotada e respeitável. Mas a receber do Orçamento do Estado. Com chefes a receberem do Estado e propostos para fiscalizar o Estado. Mas desta vez com aquela nuance… como são professores em universidades do Estado são “independentes”.

 

 

Rodrigo Moita de Deus

(blogue 31 DA ARMADA)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: F. SEIXAS DA COSTA

por Pedro Correia, em 29.06.17

 

O amuleto

 

Os fins de tarde, naquele bar, são por regra uma hora bem sossegada. Tirando encontros furtivos de casais episódicos ou alguma conversa de negócios ou da política, só alguns espontâneos em busca de uma última bebida, antes do jantar, ocasionalmente por ali surgem, quase sempre ficando-se pelo balcão, em conversa com o empregado.
Naquele dia dos anos 90, só por lá havia dois amigos, na "mesa dois", fazendo horas. Ouviu-se a campainha, o Juvenal foi abrir a porta e um novo cliente dirigiu-se ao balcão. Os da mesa olharam-no e ele saudou-os.
"Aquela cara não me é estranha ", disse um para o outro. O nome surgiu logo, e era vagamente conhecido de ambos. "Pois é, é ele mesmo!" 
"O homem está ali sozinho. E se lhe disséssemos para vir sentar-se aqui?" Assim fizeram e o novo cliente, já com o copo na mão, trazido do balcão, sentou-se na "dois".
 
Por alguns minutos, a conversa animou-se, alargou-se a vários temas e pessoas. Foi então que o nome de uma certa personalidade feminina veio à baila. A imprensa de escândalos trouxera, por esses dias, relatos de um envolvimento amoroso dessa pessoa, num registo por alguma razão polémico.
"Nunca percebi o encanto dessa mulher! Para mim, é uma das mulheres mais feias do mundo, um verdadeiro amuleto contra a luxúria", brincou um dos ocupantes originais da mesa, com uma sonora gargalhada.
O amigo que o acompanhava não só concordou como juntou mesmo uma acha mais para a fogueira: "E, se vocês estiverem com atenção, verão que ela até cheira mal..." 
 
(Por esta altura, imagino que alguns leitores possam estar intimamente a reagir ao inaceitável tom machista da conversa. Aceito que podem ter razão, mas a realidade dos factos, que são verdadeiros, foi aquela e não outra, qualquer que seja os juízos que ela nos motive.)
 
O tom da conversa, como se observa, ia já muito longe, mas, aparentemente, não o suficiente para convocar a concordância do terceiro parceiro de mesa, que se mantinha silencioso, com um sorriso enigmático. "Você não acha?", perguntou um dos outros, testando a sua adesão ao juízo devastador que acabava de ser feito sobre a senhora.
Foi então que este, com serenidade e sem nunca perder o sorriso, reagiu: "Não estou de acordo! Pelo contrário, é uma mulher muito interessante. Tem mesmo um sorriso muito bonito. Essa foi também uma das razões que me levaram a casar com ela..."
 
O peso do silêncio que deflagrou sobre a mesa, com o olhar encavacado dos dois ocupantes originais a cruzar-se, em busca de uma impossível tábua de salvação, pareceu calar a música retro, que fazia de som ambiente. O recente parceiro de mesa, veio depois a saber-se, havia sido casado, já há uns bons anos, com a referida senhora e, por indeclinável dever, decidira "ir a jogo" para ajudar salvar a sua honra. 
A conversa, claro!, terminou ali, não havendo saída "honorable" para a gaffe, quando tudo fora já longe demais. "Ó Juvenal, traga uma nova rodada!", foi a reação possível. 
E esta ficou a ser uma das histórias mais famosas da "mesa dois" do Procópio. E é obra, porque ele há tantas...

 

 

Francisco Seixas da Costa

(blogue DUAS OU TRÊS COISAS)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: MARCELO C. RIBEIRO

por Pedro Correia, em 27.06.17

 

O rescaldo

 

Enterraram-se os mortos e, agora, há que cuidar dos vivos como mandava o temível mas eficaz marquês de Pombal. E cuidar dos vivos não significa, mais outra vez, umas vagas ajudas, duas palmadinhas nas costas, boas palavras e uma selfie com o Senhor Presidente (mesmo se os seus encorajamentos tenham sido oportunos, pelo menos desta vez).

Cuidar dos vivos significa apurar as necessidades, prevenir o futuro e tratar de saber a quem cabe a responsabilidade.

Comecemos por esta última tarefa que, não sendo a mais preocupante, convém não esquecer.

À primeira vista, todos somos responsáveis, por acção, por omissão, pelo silêncio, pelos votos naqueles que não fizeram o trabalho de casa. Todavia, de nada nos valerá – como já li algures – vir disparar sobre o defunto dr. Salazar por ter sido ele quem, primeiro, mandou reflorestar o país. Mandou e mandou bem mesmo se, com os meios da altura (e aí se inclui a incapacidade de os povos se rebelarem), bem se poderia ter pensado em que espécies arbóreas se devia apostar. Apostou-se no pinheiro bravo (e depois no eucalipto) por duas razões: crescem em toda a parte, produzem lucros ao fim de poucos anos e quase não exigem cuidados.

Porém, aumentam a vulnerabilidade da floresta mediterrânica por serem facilmente presa do fogo.

 

Incendio-Pedrogão[1].jpg

 

Voltando aos responsáveis, toda a gente está de acordo que o abandono das terras agricultáveis, o despovoamento daí resultante, o crescimento descontrolado de “mato”, conjugam-se para tornar extensas zonas em alvo fácil das chamas. Junte-se-lhe o abandono de caminhos rurais e teremos uma situação mais complicada.

No entanto, o abandono do interior foi potenciado por múltiplos factores dos quais o menor não é seguramente o facto de em grande parte do interior a parca agricultura que existia ser de mera subsistência, permitindo que a miséria rondasse cada lar e, desde há séculos(!), empurrasse multidões de camponeses para a emigração. Assim se fez o Brasil, alguma (pouca) África colonial e quase toda a industrialização do país. As cidades, sobretudo as do litoral, cresceram e crescem com transmontanos, beirões e alentejanos. E mesmo as cidades do interior concentraram, também elas, muita gente das aldeias em redor.

Isso terá tido como consequência a perda ou a não actualização do cadastro florestal. Heranças que se foram dividindo e subdividindo, terras abandonadas, perda dos marcos etc., tornaram a selva do interior mais misteriosa do que a Amazónia.

Também não é menos verdade que, hoje em dia, ninguém vai “roçar” mato para arranjar lenha para as lareiras, cama para os gados ou material para produzir adubo. O mesmo e já falado despovoamento fez desaparecer os rebanhos, mormente de cabras que limpavam eficientemente o terreno mais maninho. (Também é verdade, mas ninguém se lembra – ou se quer lembrar...- que muitos fogos ocorriam devido à incúria de pastores que tentavam queimar mato para obter pasto para o gado).

 

eucalipto-ms-inventári-florestal[1].jpg

 

Um velho, querido e saudoso amigo que já lá vai dizia que a terra é um bem finito e que, por isso, todos a queriam e ninguém vendia. É verdade e essa ideia antiquíssima que funda na propriedade da terra a ideia da dignidade do camponês foi durante séculos, e hoje ainda é, uma ideia força que venceu todos os ideólogos da “reforma agrária” ou da nacionalização forçada da terra. Mesmo nas situações mais violentas (desde a Rússia bolchevique à China) a apropriação estadual da terra foi progressivamente forçada a conviver com os talhões individuais, com a propensão à propriedade privada e, finalmente, com o derrube do chamado “socialismo real” de que ainda cá subsistem uns vagos defensores. (E lembremos que, no centro e no norte do país, nunca os estatizantes defenderam sem mais o esbulho dos proprietários aliás quase sempre pequenos e pequeníssimos.)

Isto, por muito que não seja politicamente correcto, significa que os fogos também se devem a muitos dos lesados, mesmo se seja verdade que na maioria das vezes se trata de gente idosa, analfabeta, empobrecida que não pode custear a desmatação, a limpeza dos seus parcos terrenos.

Sabe-se, igualmente, que, em toda a Europa a que pertencemos, a média de floresta pertença do Estado ronda os 40% da superfície total. Em Portugal, a floresta pública atinge com dificuldade os 2%!...

 

Tudo isto, e é muito, é gigantesco, não pode, porém, fazer esquecer, perdoar, ignorar que há uma coisa chamada “responsabilidade política”. Quem é ministro deveria saber ao que se arrisca quando aceita o cargo (tanto mais que ninguém é obrigado). Há dúzia e meia de anos, caiu uma ponte em Entre-os-Rios. Era ministro do Equipamento Social um cavalheiro que perante a evidência de meia centena de mortes declarou (honra lhe seja) que a culpa não podia morrer solteira. E demitiu-se irrevogavelmente.

Actualmente, vagueia por aí, uma senhora, seguramente muito meritória, cheia de estudos, que neste momento faz de ministra. Antes disso, e isso é importante sublinhar, fora adjunta duas ou três vezes de ministros da Administração Interna. Ou seja, sabe, ou devia saber, como é que as coisas se passam. Vimo-la, com ar melancólico, na zona dos incêndios, ouvimo-la, depois, dizer umas vacuidades simpáticas sobre a tragédia (felizmente, honradamente, não pôs no seu cenário um cadáver como com certa jornalista da TVI...).

Que um responsável político vá uma vez ao local da tragédia mesmo se nada pode fazer não me causa repugnância. Que ele assente arraiais no sítio sem ter competências específicas que o tornem útil no combate às chamas é que já me parece demais.

A senhora ministra deveria saber (ou pelo menos pensar) que não era ali que poderia ser mais útil. Era lá em Lisboa, a reunir com gente que a pudesse aconselhar. Com esses desafortunados especialistas que andam desde há anos (que digo?, desde há décadas...) a fazer o diagnóstico das sucessivas situações e a propor os meios de as evitar.

 

constanca[1].jpg

 

À Sr.ª Ministra pedem-se políticas mesmo se caia bem o seu natural ar compungido e merencório. A quem está no terreno pedem-se coisas tremendamente práticas. Apagar o fogo, salvar vidas e bens (árvores, casas, animais, ia a dizer memórias e afectos mas espero que isso esteja implícito).

Sª Excelência não é bombeira, não é médica, não é psicóloga, não é enfermeira, não parece ser escuteira ou pertencer a uma ONG, à Misericórdia ou ao Banco Alimentar. Também não é sacerdote, sacristã, coveira ou irmã da caridade.

É ministra, raios! Ministra! Tem de governar. Não precisa andar com um colete de bombeiro, sapatilhas e ar (sempre melancólico) grave e solidário. Que os ministros, os deputados, os autarcas e o resto das paisanos em me que incluo estão solidários é um mínimo, um sinal de civilização, de cidadania de honradez pessoal. Não é preciso repeti-lo a todo o momento.

Para beijos, abraços e afectos já basta o Senhor Presidente que, cada vez mais, para o melhor e para o pior, se assume como o 4º Pastorinho de Fátima. Mas o Senhor Presidente não governa, não tem de estar a todo o tempo a estudar o essencial que é tornar certo e evidente, hoje, o NUNCA MAIS. Nunca mais isto, esta infâmia, esta vergonha, este desespero, este modo tão português de impotência e irresponsabilidade.

É por isso, Ex.ª Senhora Ministra, que, com alguma tristeza mas com toda a convicção, me permito dizer-Lhe, mesmo já fora de tempo, que ficaria bem pôr o Seu lugar à disposição. Nem me atrevo a sugerir-Lhe uma demissão irrevogável (das irrevogáveis como a de Jorge Coelho e não das irrevogáveis passageiras que imortalizaram um político agora felizmente na reserva (e, vá lá, em relativo silêncio).

 

 

Marcelo Correia Ribeiro

(blogue INCURSÕES)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidada: LUÍSA CORREIA

por Pedro Correia, em 26.06.17

 

A culpa foi do gato

 

Eu sei que deveria ter falado em francês com os meus filhos quando eram pequenos. Se o francês quase foi para mim uma segunda língua materna, que aprendi muito cedo, no desempenho da minha função de filha de emigrantes no tempo das malas de cartão, eu deveria, chegada ao papel de mãe de família, ter tirado proveito desta condição e ter ensinado os meus filhos a falar francês tornando-os bilingues. Mas não fui capaz. Uma estranha força impeliu-me a só falar com eles em português, como se não fosse natural o uso simultâneo do francês.

Era uma força que me acompanhava desde criança, muito antes do apelo irresistível da terra ter trazido a minha família de volta a Portugal. Bons emigrantes que éramos, não falhávamos as férias grandes, em julho ou agosto e, depois de dois mil quilómetros de estrada, com o banco de trás do Simca 1500 cor de vinho do meu pai todo para mim, chegávamos com as malas cheias de presentes para as tias e para as primas, peças de pano compradas nas Galerias Lafayette para se costurarem os vestidos da moda, lenços de pescoço estampados com a torre Eiffel e o Sacré Coeur, e muitas saudades para matar ao calor do nosso verão algarvio.

Assim que eu punha o pé em Portugal, a minha boca só se abria para falar em português. A passagem da fronteira desligava em mim a língua do país de acolhimento e a única excepção a essa aparente avaria apenas se dava se a conversa fosse com a minha prima mais nova já nascida em terras gaulesas e que, durante muitos anos, embora tudo entendendo, se recusou a pronunciar uma palavra que fosse em português.

Certo dia, a minha prima francesa que não falava em português, brincava no pátio de uma das nossas muitas tias e, sentindo fome, pediu um pedaço de bolo. Du gâteau, pedia ela. E a tia que bem se esforçava por entendê-la, ouvindo várias vezes gâteau, gâteau, lá conseguiu agarrar no gato que andava por ali para o entregar à pequena, certa de que esta queria fazer umas festinhas ao bichano.

A história ainda hoje me faz sorrir e chego a pensar que a tal força que sempre me impeliu a falar por cá exclusivamente em português, o que, reconheço, prejudicou boa parte da minha condição de educadora, deve ter alguma relação com o caso do lanche falhado da minha prima e do tal gato que, claro está, não se chamava bolo.

 

 

Luísa Correia

(blogue À ESQUINA DA TECLA)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: HENRIQUE P. SANTOS

por Pedro Correia, em 22.06.17

 

"Mas isso dos eucaliptos vais ter de me explicar melhor"

 

Quando me disseram, a rir, que eu parecia um novo consenso nacional, a propósito das reacções que fui tendo ao que escrevi sobre fogos, confesso que pensei na reacção dos que me conhecem há mais tempo e sabem da minha maneira abrasiva e excessiva de discutir.

Quando Pedro Correia me pediu para escrever um texto para aqui, sobre o que quisesse, resolvi que era a altura de repor as coisas no seu devido lugar e aproveitar para responder à frase final de um elogio que fizeram a uma das minhas intervenções e que serve de título ao post.

Há pessoas que até me dizem que compreendem essa coisa da propensão do país para o fogo, dadas as suas características geográficas, percebem isso das cabras, entendem que realmente talvez seja mais importante discutir porque não para um fogo que saber como começa, mas lá eu dizer que para gerir os fogos é irrelevante plantar eucalipto ou não, isso é que já não pode ser.

 

Em primeiro lugar gostaria de dizer que nem sempre pensei como penso hoje: como qualquer conservacionista clássico, como é o meu caso, o eucalipto estava para lá da ideia que um muçulmano tem do toucinho.

Depois comecei a olhar para o assunto com mais atenção, e a questão pode sistematizar-se nos seguintes pontos:

  1. O relevante para a evolução do fogo não é a lenha grossa mas os combustíveis finos, aquilo que, ardendo rapidamente, faz progredir o fogo. No fundo, pelas mesmas razões que ninguém acende uma lareira com tronco grossos, mas com gravetos, pinhas, carumas e coisas que tal. Esta é a base teórica;
  2. Quem estudou empiricamente o assunto (Paulo Fernandes, sobretudo, mas também José Miguel Cardoso Pereira), verifica que não há qualquer preferência relevante do fogo pelas áreas de eucalipto, pelo contrário, por ordem de preferência do fogo, temos os matos, os carvalhais, os pinhais e só depois os eucaliptais. Deve ter-se cuidado com a interpretação dos resultados no que diz respeito aos carvalhais já que a amostra é pequena e, muito provavelmente (aí a especulação é minha), boa parte dos carvalhais são carvalhais jovens que se comportam como matos altos, e não carvalhais maduros cujo ensombramento permite o controlo dos matos;
  3. Dentro dos eucaliptais há uma grande gama de situações, desde eucaliptais intensamente geridos até eucaliptais sem gestão, e o seu comportamento face ao fogo é muito mais uma função da estrutura dos matos e folhada do sub-bosque, que propriamente das árvores;
  4. Estritamente do ponto de vista económico, a fileira do eucalipto é das mais prejudicadas pelos fogos, embora largamente ultrapassada pela fileira do pinho, não havendo qualquer racionalidade económica, nem para o produtor, nem para o comprador, em queimar (isto é, fazer a mercadoria perder valor) para a vender (ou comprar, no caso do madeireiro): o preço da madeira ardida é mais baixo porque a mercadoria vale menos;
  5. A alternativa real, não a idealizada, ao eucalipto, em muitas regiões, é o abandono, não é nada de substancialmente útil para a gestão do fogo (pelo contrário, são os matos que mais ardem).

 

Dito isto, dizem-me que eu deveria defender os carvalhos com unhas e dentes, porque a sua sombra permite o controlo de matos e tudo seria mais simples. O problema com esta ideia é que raramente me explicam como se pretende passar de matos para carvalhais sem que pelo meio haja fogos que atrasem o processo.

Portanto, e pedindo desculpa aos que fiquem abalados nas suas convicções, infelizmente não é o eucalipto a desculpa mais convincente para os fogos.

Se fosse, para além da consciência tranquila, seria fácil acabar com os fogos eliminando os eucaliptos. Mas infelizmente a vida não é assim tão simples.

 

 

Henrique Pereira dos Santos

(blogue CORTA-FITAS)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidada: CRISTINA TORRÃO

por Pedro Correia, em 21.06.17

 

Lendas e mitos

 

Lendas, mitos e milagres fazem parte da cultura e da identidade de um povo. Durante muito tempo, quando o estudo da História não possuía ainda carácter científico, acreditava-se na sua veracidade. Os próprios cronistas medievais difundiram este tipo de narrativas e crenças, pois normalmente escreviam ao serviço do rei ou de algum membro da alta nobreza e havia que exaltar as qualidades do seu patrono, assim como de toda a sua dinastia. Também génios literários como Shakespeare e Camões contribuíram para que muitas inverdades se instalassem no imaginário colectivo. O caso mais relevante será mesmo da responsabilidade do dramaturgo mais famoso do mundo, pelo mito criado à volta do rei inglês Ricardo III, uma das mais maléficas personagens da Literatura e cujo carácter tem vindo a ser reabilitado pelos historiadores, nas últimas décadas. Embora surgissem, no século XIX, historiadores que deram uma nova dinâmica à investigação histórica (caso de Alexandre Herculano, em Portugal), só a partir do século XX o estudo da História se começou a basear em métodos científicos, tanto no que respeita à datação laboratorial dos achados arqueológicos, como na interpretação crítica de crónicas e outros escritos, baseada na interdisciplinaridade e na verificação exaustiva de factos.

No nosso país, porém, esta evolução foi estrangulada por uma ditadura que perdurou até 1974. O alimentar e o exaltar de certos mitos serviam os propósitos do Estado Novo, nomeadamente, o conferir de uma aura divina, a intervenção da “Mão de Deus”, a certos acontecimentos marcantes do nosso percurso. Esta mentalidade criou raízes profundas no nosso imaginário colectivo e, mesmo depois da Revolução dos Cravos, custou ao Professor José Mattoso impor-se como historiador, ao contrariar, por exemplo, a predestinação divina da formação do reino de Portugal, mostrando que o processo que a ela levou era anterior ao próprio D. Afonso Henriques e se enquadrava perfeitamente na evolução da Reconquista Ibérica.

Infelizmente, ainda hoje os manuais escolares carecem de actualização em muitos aspectos, apesar dos esforços de certos historiadores e investigadores como o Professor Moisés de Lemos Martins da Universidade do Minho, o trio de historiadoras Ana Maria Rodrigues, Manuela Santos Silva e Ana Leal de Faria e a investigadora e docente Marta Araújo da Universidade de Coimbra.

Vem tudo isto a propósito de um poema inserido num livro de leitura obrigatória para o sexto ano de escolaridade (embora na capa do livro esteja a indicação de “leitura obrigatória”, nos sites da Wook e da Bertrand vem com a indicação suplementar: “livro recomendado para o 6º ano de escolaridade, destinado a leitura orientada”, o que causa bastante confusão):

 

De um lado o chão e a raiz

do outro o mar e o seu cântico.

Era uma vez um país

entre a Espanha e o Atlântico.

Tinha por rei D. Dinis

que gostava de cantar.

Mas o reino era tão pouco

que se pôs a perguntar:

- E se o mar fosse um caminho

deste lado para o outro?

E da flor de verde pinho

das trovas do seu trovar

mandou plantar um pinhal.

Depois a flor foi navio.

E lá se foi Portugal

caravela a navegar.

 

Manuel Alegre, em ‘As Naus de Verde Pinho’.

 

thumbnail_As%20Naus%20de%20Verde%20Pinho[1].jpg

 

Não contesto a sua beleza, nem a sua qualidade literária, e respeito muito o seu autor, recente vencedor do Prémio Camões, mas não posso deixar de referir que este poema contém duas falsidades.

Em primeiro lugar, D. Dinis não mandou plantar o pinhal de Leiria, quando muito, mandou substituir o pinheiro manso pelo bravo, que cresce mais depressa, tentando assim colmatar a falta de madeira, consumida em quantidades exorbitantes na época medieval, muito antes da febre das caravelas. A madeira usava-se na construção de travejamentos, tectos, soalhos, móveis, utensílios domésticos, estábulos, adegas, espigueiros, moinhos e aprestos agrícolas (desde forquilhas, ao carro e ao arado) e era ainda o principal combustível, já que, sem lenha, não havia pão, alimentos cozinhados, nem um mínimo de conforto no Inverno.

Como se sabe, os pinhais travam igualmente o avanço da areia das praias, permitindo, naquela época, ganhar-se mais terrenos para a agricultura, por isso se pensa que D. Dinis terá ordenado a substituição dos pinheiros em várias partes do reino. O pinhal de Leiria ficaria como símbolo desta política talvez pela intervenção dos monges cistercienses de Alcobaça no Paul de Ulmar, uma vasta extensão de terrenos pantanosos que se estendia ao longo do rio Lis até à foz. Travadas as areias, os cistercienses transformaram esses terrenos em campos de cultivo, pois eram verdadeiros peritos em abrir, valar e enxugar pântanos.

Em segundo lugar, D. Dinis podia ser muita coisa (e era: um excelente poeta, político, diplomata e legislador), mas não era adivinho. E, embora os pinheiros bravos tivessem dado muito jeito na construção das caravelas, ele, que morreu cerca de cem anos antes da conquista de Ceuta, não previu os Descobrimentos!

O historiador J. A. Sotto Mayor Pizarro, autor da biografia de D. Dinis (Temas e Debates 2008), insurge-se contra esta “fama”, da qual o Rei Lavrador não se livra, muito alimentada pelo Estado Novo, a fim de conferir predestinação divina aos Descobrimentos portugueses. Cito da página 263 da referida obra:

 

“Ainda dos autores quinhentistas uma breve referência a Pedro de Mariz (…), porque me parece o responsável pelo tão decantado mito do Pinhal de Leiria. Com efeito, creio que foi o primeiro autor que valorizou a sua importância e, o que é mais, dando à acção dionisina contornos premonitórios:

«Mandou plantar o grande Pinhal de Leiria, sem o qual era impossível poder-se conservar a navegação da Índia (…). Pelo que não me parece sem mistério, inspirar Deus no coração deste Rei, que tão de antemão desse princípio a tamanha coisa.»”

 

Sotto Mayor Pizarro volta à carga na página 333:

 

“Mas se concordo inteiramente com aquele cognome [Rei Poeta], não posso deixar de manifestar o meu mais veemente desacordo - quase diria indignação - pelo de rei Lavrador. Aliás, creio que nenhum outro monarca português foi tão injustiçado por um cognome como D. Dinis, amarrado, é o termo, durante gerações ao malfadado pinhal de Leiria.”

 

Sei que, no caso de ‘As Naus de Verde Pinho’ (o próprio título dá continuação ao mito), se trata de uma obra literária, com lugar para a imaginação. Porém, tratando-se de um livro aconselhado para o sexto ano de escolaridade, num altura em que se empreendem esforços para se corrigirem erros do passado, apetece-me dizer que, assim, não passamos da cepa torta!

 

 

Cristina Torrão

(blogue ANDANÇAS MEDIEVAIS)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidada: MARIA DULCE FERNANDES

por Pedro Correia, em 19.06.17

 

Pauperes commilitones Christi Templique Solomonici

 

Em Dezembro passado a família, por sugestão da historiadora de serviço, juntou-se em passeio que teve como tema a conhecida Rota dos Templários.


Tomar, Almourol, Ourém,  Constância, não necessariamente por esta ordem, mas nas pegadas de uma das maiores e  mais famosas ordens religiosas da história. E como a história conta, esta ordem religiosa e militar teve papel preponderante na reconquista cristã na Península Ibérica e foi extinta em 1312 por exigência de Filipe o Belo a Clemente V. Os Templários, considerados possuidores de tesouros incalculáveis, foram, na sua maioria, perseguidos, detidos e executados.
Também é sabido que encontraram santuário em Portugal,  em terras que possuíam, recebidas de D. Afonso Henriques  como agradecimento pela conquista de Santarém onde construiram o Castelo de Tomar,  onde também mais tarde D. Dinis deu luz verde à ordem de Cristo, que é finalmente reconhecida pela Santa Sé como Milícia de Nosso Senhor Jesus Cristo, mantendo a mesma filosofia que guiava a Ordem anteriormente extinta.
 
Isto tudo é História de Portugal. 

Em Dezembro passado, lamentei até por escrito o estado degradado e descuidado em que se encontrava o Convento de Cristo. Património da humanidade, é exemplo indubitável de que a humanidade em geral, os portugueses em particular, não são grandes defensores ou sequer guardiões do seu património histórico.

Falamos para aí dos Budas de Bayman, da cidade de Palmira e da barbárie…
 

  20161208_153635_resized.jpg 20161208_154809_resized.jpg

 
Que dizer então d' O  Homem que matou D. Quixote, de Terry Gilliam (um realizador que considero pessoa esclarecida, com alguns filmes de que gostei bastante, como por exemplo, Fisher King e Monty Python and the Holly Grail), filmado no Convento de Cristo, alugado para o efeito pela produtora e que foi literalmente vandalizado na sua essência para meia dúzia de cenas de um filme supostamente “de culto”?
Rodam-se filmes pelo mundo fora e tenho a certeza que o aluguer das locações é sujeito a rigorosas obrigações contratuais. O que os curadores destas propriedades patrimoniais estarão a pensar quando lhes acenam com cifrões transcende a minha imaginação. 


Nem sei como me espanto e me insurjo quando um qualquer guia de um qualquer país da Europa de Leste me afirma peremptoriamente que lamenta a vida dos portugueses em Lisboa, que vivem em casas de madeira sem saneamento básico, se quem tem autoridade para projectar Portugal no mundo trata do aluguer de um monumento nacional património mundial para a rodagem de um qualquer filme com a mesma displicência como se se tratasse de África Adeus.

 

 

Maria Dulce Fernandes

(blogue A CONTAR VINDO DO CÉU)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: FERNANDO LOPES

por Pedro Correia, em 16.06.17

 

Eternamente jovem

 

O aumento da esperança de vida, o prolongamento da vida académica, a forma como envelhecemos mais tarde e de um modo mais suave, arrastam consigo um prolongamento da infância para idades bem para lá dos 30, num processo que me causa estranheza. Entre mestrados e doutoramentos, muito por consequência do desemprego, mas também porque um mestrado passou a ser «habilitação mínima» num universo de licenciaturas curtas, a constituição tardia de família passou a ser norma.

Hoje todos achamos que alguém que faleceu para lá dos 70 anos ainda era novo. Há trinta anos, sete décadas era uma idade vetusta. Somos pais pela primeira vez aos 40, jovens quadros promissores aos 45, aos 55 é-nos pedida a jovialidade de alguém 20 anos mais novo.

Bem na meia-idade, não sinto que seja velho, mas em muitas coisas o meu tempo já não é deste tempo. Esperam de mim um entusiasmo quase inocente, quando há muito o perdi, e uma visão distante, muitas vezes cínica, é o que me caracteriza. Noutros tempos, a capacidade de comunicar só era valorizada se existisse substância; hoje a forma exerce primado sobre o conteúdo. Importa mais parecê-lo que sê-lo.

Nós, cinquentões, estamos encalhados em terra de ninguém. Esperam que tenhamos a energia, a mundivisão da gente nova, enquanto nos consideram demasiado velhos para algum tipo de progressão, profissional ou outra; esperam que dancemos as coreografias em vigor mesmo que para elas não tenhamos paciência ou vocação; que tenhamos o aspecto dos 30, a maturidade dos 40 e a energia dos 20.

Sempre dancei conforme a minha música, não pela que me queriam impor.

Hoje em dia ser assim, assumir a idade, não brincar aos eternamente jovens, é aceitar um estatuto de pária. Assim seja.

 

 

Fernando Lopes

(blogue DIÁRIO DO PURGATÓRIO)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidada: GABRIELA

por Pedro Correia, em 14.06.17

 

Muito depende da música que se ouve

 

Como escrever um texto para o Delito de Opinião se não costumo expressar qualquer opinião ou o faço apenas com um gosto (o “like” no FB poderia ter sido inventado para mim)

Descobri a blogosfera há anos e criei um blogue por ter pensado que era necessário para comentar em outro blogue (quando bastaria ter criado o perfil).

Tento normalmente seguir o lema da mãe do Tambor do Bambi - para a eventualidade, pouco provável de alguém o desconhecer, será algo como: se só tiver coisas desagradáveis a dizer, o melhor é ficar calado – procedi depois a um upgrade e fico também bastante calada quando é para dizer algo agradável e quase não passo do gosto ou gosto muito.

Continuo por aqui porque gosto de interagir na blogosfera e sou pela inclusão (o que alguém especial para mim traduzia como “quantos mais macacos melhor a festa”, sem pretender, sublinhe-se desde já, chamar macaco a ninguém) e para partilhar pequenos textos.

 

Isto assente e para humildemente justificar a ocupação deste outro espaço blogosférico, depois de durante o fim-de-semana me ter interrogado sobre o que escrever, ocorreu-me que poderia, ao invés de expressar uma opinião, inclinar-me para o delito.

Não pretendendo ocupar mais que alguns parágrafos, elegi os delitos estradais e durante o trajecto entre cidade onde moro e cidade local de trabalho, consegui desenvolver duas teorias absolutamente científicas que poderão levar à diminuição significativa não só dos delitos, como de acidentes.

Primeiro, ponderei que uma vez que o limite de velocidade se fica pelos 120 km/hora é incompreensível existirem veículos que o podem exceder. Assim sendo, bastaria ampliar a responsabilidade contra-ordenacional e também criminal (nos homicídios e ofensas negligentes) aos concessionários que vendessem viaturas capazes de exceder a velocidade máxima permitida.

Aqui iríamos também conseguir criar novos postos de trabalho. Como? Pelo aparecimento de empresas nacionais que instalariam nos automóveis importados os mecanismos que os impediriam de ultrapassar os 120 km/hora.

Os interessados poderiam continuar a adquirir Audi, BMW, Ferrari, etc., mas antes de poderem circular no nosso território teriam de instalar o tal mecanismo e depois poderiam andar por aí com segurança, não excedendo nunca os 120 km/hora.

Segundo, parti para experiências no campo, actuando simultaneamente como cobaia e observadora, e pude constatar que a minha condução enquanto escutava:

 

 

era completamente distinta do que quando ouvia:

 

transformando-me numa condutora muito mais fofinha.

 

Assim, também para diminuir a conflituosidade na condução, bastaria obrigar todos os condutores a escutarem isto. Ou os condutores que tivessem cometido uma infracção teriam por exemplo de escutar este mesmo CD ininterruptamente de dois meses a dois anos, conforme a gravidade da violação.

E pronto, como não me lembro para já de mais nenhuma outra teoria, vou aproveitar para sair agora com cuidado para não tropeçar no tapete vermelho…

 

 

Gabriela

(blogue DONA-REDONDA)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidada: PSICOGATA

por Pedro Correia, em 12.06.17

 

Terrorismo psicológico, a pior das guerras

 

Durante anos vivemos apenas com uma imagem da guerra, sabíamos a história, havíamo-la estudado nos livros e visto nos filmes, a Segunda Grande Guerra tem papel de destaque, em Portugal ouvimos, algumas vezes na primeira pessoa, relatos da Guerra de Ultramar, chegaram-nos relatos da Guerra do Golfo, a ameaça da bomba atómica, mas o medo depressa dissipou, a guerra sempre foi algo distante e longínquo, anos e anos de paz psicológica.

Até ao dia em que o mundo parou enquanto assistia atónito ao embate de dois aviões nas torres gémeas: 11 de Setembro de 2001, o dia em que a paz psicológica foi afetada. Seguiram-se os atentados de Madrid a 11 de Março de 2004 e de Londres a 7 de Julho de 2005. Entre estes três acontecimentos, ocorrem diversos, demasiados, atentados revindicados pela organização terrorista al-Qaeda, mas quase todos a uma distância confortável, a uma distância que nos fazia sentir seguros.

 

Com a morte de Osama bin Laden, alegado líder da organização, a nuvem da al-Qaeda dissipou-se, mas para dar lugar a uma série de eventos ainda mais aterrorizadores.

O Velho Continente, tantas vezes palco central da guerra, encontra-se novamente sob a mira do terrorismo, do Daesh, dos Jiahistas, do EI, o nome não é relevante, mas sim o propósito, acabar com a nossa paz.

A Guerra, a Fome, a Miséria que durante anos e anos conhecíamos à distância está agora à nossa porta, de mãos-dadas. Caminham juntas, culpam os migrantes pela guerra, eles não trazem a guerra, a guerra persegue-os.

Será que acordamos tarde de mais do sonho? Efetivamente nunca existiu paz.

Será que estamos a pagar pelo extenso tempo de olhos fechados? Desviamos sempre o olhar para a realidade mais conveniente.

 

large_THE9cCuo-CnYbO14P49Gdm3UHP7SFRyu_gGAwgZIt_4[

 

Hoje, é impossível ignorar, a guerra está na Europa, não é um conflito armado com bombas, mísseis e tanques, é uma guerra tácita, uma guerra psicológica imposta pelo terrorismo.

Ataques concertados e cirúrgicos que mais do que matar pessoas em escala, visam matar ideologias e liberdades, o objetivo é assustar-nos, é fazer-nos sentir medo na nossa própria casa.

O terrorismo psicológico é a maior arma do EI e a mais perigosa, é a que tem efeitos maiores a longo prazo, a Europa precipita-se a uma mudança de estratégia, de ideologia, que nos encaminha perigosamente para uma guerra diferente, para uma guerra de extremos, onde não há razão, apenas conflito.

Não deixaremos nós europeus de viver a nossa vida normalmente, é a mensagem que transmitimos.

Mas quem não pensa duas vezes em selecionar um destino de férias hipoteticamente mais seguro?

Quem não olha por cima do ombro enquanto caminha numa grande cidade?

Quem não equaciona deixar de ir a um evento com muitas pessoas?

Mais importante, quem não equaciona estar presente na guerra, fazê-los pagar pelo mal que causam, pagar-lhes na mesma moeda?

 

Demorará quanto tempo a estalar uma guerra interna?

O tempo que os nossos valores persistirem, o tempo que demorarem a ser estilhaçados em pedaços e a serem substituídos por outros nascidos da raiva e do ódio.

Não faltarão oportunistas para apanhar os pedaços e edificar os seus castelos de vãs ilusões grandiosas, de soluções tão irreais como as dos seus inimigos. Tentarão manipular-nos como soldados, peões numa guerra que lutaremos como nossa, mas que é só deles.

O terrorismo pior é o que nos afeta psicologicamente, o que nos faz mudar rotinas por mais pequenas e insignificantes que possam parecer, o que nos transforma lentamente o pensamento, o que nos substitui ideias e valores, o que nos quebra o espírito.

Na guerra o instinto de sobrevivência fala mais alto, mas a guerra só é digna de luta se defendermos o que acreditamos e não o que nos querem fazer acreditar.

 

É nas dificuldades que se mede a resistência do carácter e do espírito, é na resiliência em fazer prevalecer os valores da Europa que demonstramos a nossa força, a nossa certeza e que, em última instância, provamos que somos diferentes porque acreditamos que a diferença nos enriquece e nos torna mais fortes.

A liberdade é a causa mais nobre da humanidade, a única que justifica uma guerra. Continuemos assim todos diferentes, com direitos iguais e, sobretudo, continuemos livres.

 

 

Psicogata

(blogue LÍNGUA AFIADA)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: EDUARDO SARAIVA

por Pedro Correia, em 09.06.17

 

O Fundão está em festa

 

Hoje, o Fundão comemora 270 anos da criação do Concelho. Por isso, o Fundão está em festa.

Não sendo possível, com precisão, indicar em que época o Fundão teve a sua existência de povoação, com vida própria, o mais antigo texto que refere a aldeia do Fundão é “a inquirição de D. Diniz, de cerca de 1314.

Também o Catálogo de todas as igrejas, comendas e mosteiros que havia nos reinos de Portugal e Algarve, no respeitante à diocese da Guarda, refere que em 1321, a igreja de S. Martinho do Fundão era taxada em 50 libras.

O Catálogo que testava as rendas eclesiásticas, um dos mais seguros indicadores da importância das povoações, refere que entre as localidades do termo da Covilhã, o lugar do Fundão, só se lhe avantajando Aldeia de Joanne, lugar tão próximo que é quasi o prolongamento daquele, e Castelo Novo, vila com foral e porventura alguma igreja das Ordem de Cristo taxadas em conjunto”.

Podemos afirmar que o Fundão já existia, em condições de desenvolvimento, no reinado de D. Dinis.

O Alvará de 15 de Janeiro de 1569, que destaca a pretensão dos fundanenses, regista a importância que a terra continuava a ter no século XVI.

Ali se refere que os oficiais do lugar do Fundão apresentavam, como fundamento, o que ao Rei pediam, ser o mesmo lugar “mui grande de mais de 500 vizinhos” e de muito grande trato e a mais honrada aldeia que no reino há”.

Pelas transcrições, constatamos que os fundanenses não deixavam os seus créditos por mãos alheias, ao procurarem a emancipação da sua vizinha Covilhã, como vieram a conseguir em Carta Régia, de 23 de Dezembro de 1746, da Chancelaria de D. João V, que refere sou servido mandar se crie de novo em vila ao lugar de Fundão”.

Não admira que os fundanenses, como sempre o mostraram, se orgulhem da sua linda terra. Por isso, não surpreende que o Vilão, no Auto da Festa de Gil Vicente, ao apresentar-se ante a Verdade, a auscultá-la sobre a sua apelação se apressasse a declarar-lhe:

Eu sou de cima da Beira

lá de junto do Fundão

 

Em 10 de Maio de 1747, é publicada Nova Carta Régia, a Carta de erecção e criação do dito lugar em Vila.

Em sequência da Nova Carta Régia, no dia 9 de Junho, desse ano, realiza-se a primeira reunião dos Vereadores da Câmara.

Neste aniversário, é de inteira justiça recordarmos e homenagearmos os homens que deram corpo à primeira Vereação – o Presidente, Dr. Henrique Rozalles Barreiros e os Vereadores Diogo de Brito Homem; João Filipe Pereira da Câmara e Oliveira e Manuel Alvares Palhou, assim como todos os cidadãos que integraram as vereações seguintes, até aos dias de hoje.

 Camara 1.jpg

PF9.JPG

 Edifício da Câmara Municipal do Fundão em épocas diferentes

 

O Fundão está em festa. É importante comemorarmos e recordarmos esta efeméride, numa altura em que as comunidades assumem um papel decisivo na nossa Sociedade. Uma sociedade, cada vez mais globalizada onde, o tempo presente, temos que reconhecer, é um tempo de mudança, onde tudo se altera a um ritmo vertiginoso que, não raras vezes deixa perturbado os indivíduos, os grupos e as instituições.

Neste tempo de mudança, há que reconhecer que essa mutação tem uma dimensão civilizacional profunda, com origem na revolução que a ciência, a técnica e a tecnologia vêm, sucessivamente, assumindo.

E, porventura, a principal referência desta mudança civilizacional é a exaltação do conhecimento, convertido em base única do progresso individual, comunitário e regional.

Por tudo isto, ao comemorarmos os 270 anos do Concelho do Fundão, envolvo todos os homens e mulheres da nossa terra num abraço fraterno e formulo votos para que todos os cidadãos, que desempenham funções nos mais diversos órgãos da Comunidade, continuem a pugnar pelo desenvolvimento da nossa região.

Temos que saber agir. Quem não agir a tempo, atrasa-se, irremediavelmente, na caminhada para o futuro. Não podemos perder o futuro e o Fundão tem que saber estar no futuro.

É uma exigência dos nossos antepassados e dos nossos filhos.

 

 

António Eduardo Correia Saraiva

(blogue O ANDARILHO)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidada: EUGÉNIA VASCONCELLOS

por Pedro Correia, em 07.06.17

 

A cegonha, o rinoceronte, a bicicleta, o cão e eu

 

Tenho uma bicicleta de que gosto muito. Uma Beach Cruiser que veio substituir a Peugeot preta que adorava e me roubaram.

 

No tempo inicial da Peugeot, ainda vivia no Paraíso mas trabalhava que me fartava, à hora de almoço ia treinar, ao fim do dia idem aspas, chegava a casa morta, e aquele passeio de bicicleta, a volta completa que fazia com o Cão pelo Éden, então um cachorrinho, e o mundo em silêncio de pessoas, só voz de pássaros e de árvores e ervas, a voz grave do mar ao fundo e a do sal perto, logo de manhã muito cedo, deixava-me de bem com o que viesse. No Outono, punha-se a vida em cores de Turner e os pneus rodavam sobre o chão de folhas como quem pisa um dos céus que ele pintou. Na verdade, um dia, num desses dias de Turner, o passeio de bicicleta deixou-me de mal com tudo.

Íamos os dois, o Cão e eu, os grandes companheiros. Foi quando vimos uma enorme cegonha com a asa direita partida, pendida, no meio da estrada, a andar -mal se tinha de pé. Estacámos todos. A bicicleta. O Cão. A cegonha. Eu. Toda a gente sabe, sou uma mariquinhas do pior. Fiquei logo doente, aflita e cheia de e agora o que é que eu faço... Mas alguém consegue ver um bicho assim belo, aquele porte alto de orgulho e não ser mariquinhas também? Queria ir ajudar a cegonha. Não queria assustar a cegonha. A vida imóvel à espera do primeiro gesto. Mexi-me em câmara lenta. Desci. Bicicleta no descanso. Cão no cesto - shhh... ouviu, Cão? Mal ponho o pé na estrada ao lado da ciclovia, a cegonha faz um arranque baixo, em esforço, pousa lá à frente, e eu que não digo um palavrão ainda que escreva todos, penso merda, merda! não consigo fazer nada pela cegonha, ainda ficou pior do que estava. Ponho-me a ligar para todo o lado a ver se alguém me salvava a cegonha. E de repente, o primeiro carro na estrada e ela desaparece.

 

Não tenho, nunca tive, e se o passado é um bom preditor do futuro, nunca terei força para fazer face a estas coisas, as que me fazem chorar, acho que dos nervos de não fazer nada – a impotência mata-me, seja ao perto ou ao longe. Não aguento, é físico. Lembro-me de estar no ginásio, na televisão em frente da passadeira passava um documentário de vida selvagem. Estava desatenta, sabia lá que os selvagens ali éramos nós... Só percebi quando os vi a arrancar o corno a um rinoceronte e o deixaram vivo, a morrer lento, a esvair-se em dor e sangue. Na altura treinava muito. Chegava a ficar nauseada do cansaço. Nunca se comparou à náusea que senti naquele momento. Porque não matá-lo? Era mais barato assim e como não o matavam, se apanhados, a pena seria menor.

 

Isto, que nunca passa, passou. Foi mais ou menos por esta altura, a 23 Maio, a espreitadela da redenção. Em 2009. Desse dia de Primavera já a cheirar a Verão por todos os lados, fez-se um Inverno como poucos. O céu começou a baixar o seu chumbo sobre o azul e era já um tecto baixo de chuva incansável e grossa. Relâmpagos majestosos. Um choque de beleza bruta - qual Turner qual o quê… Lixem-se, não trocava aquele momento nem pelo meu Musée d' Orsay. Do lava-loiça por baixo da janela onde estava, obviamente a lavar a loiça, via, em frente, o jardim com a buganvília roxa a escorrer água pétalas fora; em frente, os telhados turquesa de uma velha construção nunca tinham sido tão claros e limpos como contra aquele chumbo todo e a minha cabeça teórico-imaginativa pôs-se logo a magicar na descrição da cidade edificada por Akhenaten ao início do seu reinado, a que terá tido telhas daquele turquesa quando, de repente, a beleza prática me lixa o lirismo teórico. Trovões como poucas vezes na vida. Relâmpagos. Rios de chuva. As cores saturadas de vida contra o mundo neutro de cinza a saltarem aos olhos. A natureza a dar show e eu espectadora feliz. Volto a olhar para a direita. Encostada à primeira trave da pérgola da buganvília, altíssima, forte, encharcada de não poder voar naquele rio cortado de relâmpagos, uma cegonha. A cegonha?

 

Já não moro no paraíso. O meu querido Cão morreu - se hoje chovesse o céu todo como naquela tarde, mesmo sem cegonha, sem buganvília e sem tectos azuis havia de voltar a pô-lo no parapeito da janela, perto os dois um do outro, dois narizes no vidro. 

Porém chegaram hoje o selim, o cesto e os manípulos novos que encomendei na Amazon para a minha bicicleta. Talvez esta noite sonhe com um rinoceronte possante a passear nos meus sonhos. 

 

 

Eugénia de Vasconcellos

(blogue CABEÇA DE CÃO)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: JOÃO ESPINHO

por Pedro Correia, em 05.06.17

 

Beja merece +

 

Ora cá estou a aceitar o repto do Pedro Correia para pisar a passadeira vermelha do DELITO.

É com agrado que aqui regresso.

Espero que os habituais leitores do D.O. não saiam defraudados.

Quem há muito frequenta a blogosfera já deve ter passado pela minha Praça, a da República, em Beja.

Sim, quem diria que a província, nesse Alentejo profundo, para além de bom vinho, pão de categoria superior e um dos melhores azeites do planeta, para além de um sol ardente, poetas e cantores – e muito principalmente cantadores, de gentes afáveis com aparência por vezes rude e ar entristecido, quem diria que esta terra que tem quase tudo, também em tempos pariu um blog que persiste em sobreviver e em viver lá no seu cantinho resguardado numa terra que há quem queira mandar para o abandono.

Disse-vos atrás que nós, aqui os de Beja, temos quase tudo. O que nos falta então?

Talvez gente aguerrida, destemida, sem receios de lutar pela sua terra.

 

beja%20merece%20foto%20joão%20espinho[1].jpg

 

Isto vem a propósito do quê?

Bem, quem queira vir a Beja tem várias alternativas. Por terra, onde as estradas estão velhas e onde as auto-estradas são uma miragem que tem dificuldade em concretizar-se. Iniciadas as obras, a troika e quem manda neste país logo decidiram suspender as mesmas. São viadutos e quilómetros de terra esventrada, à espera de anos eleitorais para que as obras possam avançar mais um ou dois quilómetros.

Por via aérea também seria uma possibilidade, mas o aeroporto – sim, temos um aeroporto – teima em não descolar. Ora por isto, ora por aquilo, o facto é que o Aeroporto Internacional de Beja (como eu gosto deste pomposo nome) não recebe passageiros. Estavam previstos milhares, muitos milhares, de pessoas a aterrar e a descolar na planície, mas… plof! Nesta terra quase tudo não passa de um grande plof.

 

Mas a via mais aconselhável é a ferroviária. É uma aventura, um passeio turístico inigualável. Se sair de Lisboa, pode contar com uma paragem obrigatória em Casa Branca. A nossa, a alentejana, onde deverá mudar de comboio. Isto é, abandona o Intercidades (linha electrificada) e entra para uma composição dos anos 50 – a CP tem uma atracção pelo vintage – pois a linha até Beja não comporta comboios e carruagens de geração recente e em bom estado. Antes de vos contar como são as diesel onde embarcamos para a capital de Distrito, convém realçar que o transbordo do IC para a carroça pode demorar algum tempo, muito tempo, pois a carroça está, normalmente, avariada, e temos que esperar que venha outra automotora que, também ela, pode avariar. A espera faz-se numa estação sem condições, onde os passageiros ficam à mercê de ventos, chuvas e frios (no Inverno) ou de temperaturas escaldantes, como só o Alentejo conhece no Verão.

Embarcados na automotora, tudo pode acontecer. É uma aventura digna de um filme de Lynch. Carruagens climatizadas? É mentira! Um serviço de mini-bar para tentar matar a fome ou a sede, é uma miragem. Os vidros, por estarem todos grafitados, não permitem que se aprecie a paisagem. As luzes estão em constante intermitência. Há ruídos que ninguém sabe identificar. A qualquer momento espera-se o pior. Sugiro que vejam os 20 segundos deste vídeo. Estou quase a terminar, até porque a viagem está a chegar ao fim. Invariavelmente com atraso significativo, o que acontece quase diariamente. E nos dois sentidos.

 

Perguntam os leitores: e por que razão não apresentam queixa? Pois é, julgo que largas centenas de reclamações foram já feitas à CP, REFER, DECO, etc…

Respostas? Nada, zero!

Termino com o lema que nos une num movimento: #bejamerece +

Oxalá alguém nos dê atenção. Beja merece!

 

 

João Espinho

(blogue PRAÇA DA REPÚBLICA)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidada: ZÉLIA PARREIRA

por Pedro Correia, em 02.06.17

 

As contas da cultura

 

Com o poder público rendido a Salvador Sobral, o cantor foi à Assembleia da República reivindicar mais investimento para a cultura. É quase certo que o Salvador se referia ao apoio às artes, ao investimento no aparecimento de novos talentos, à aposta na diversidade cultural essencial a uma sociedade que defenda a liberdade de expressão e pensamento.

Mas eu vou aproveitar descaradamente a intervenção do Salvador para falar de outros investimentos na cultura: o sector cultural do Estado.

 

Bem sei que somos bombardeados com a ideia de investimentos avultadíssimos nas jóias da coroa: o Museu dos Coches, o Museu Nacional de Arte Antiga, o CCB ou a Fundação de Serralves. Os orçamentos são ambiciosos mas têm resultados positivos. A Cultura, esse sector eternamente encarado como de segunda prioridade, um bem de luxo que nunca chegou a beneficiar de 1% do orçamento, é afinal um dos sectores mais lucrativos na esfera de administração directa do Estado, especialmente se considerarmos o impacto que tem no Turismo. E estamos a falar apenas em termos económicos, já que o bem maior resultante da actividade cultural nem sequer é contabilizado: a formação de cidadãos conscientes, informados, capazes de gerir o conhecimento que lhes é disponibilizado e de o utilizar em benefício próprio e em benefício da sociedade.

Mas, por trás do brilho oficial, os organismos culturais nacionais limitam-se a sobreviver, em sofrimento constante. Sempre dependentes da novidade que cada ciclo político insiste em introduzir mal toma posse, nunca sabem por quanto tempo a estrutura com que trabalham se vai manter. Falar em delinear estratégias neste quadro é mera utopia.

 

4339170_1[1].jpg

 

O panorama dos recursos humanos é dramático. Os constrangimentos que impedem a entrada de gente na função pública estrangulam estruturas patrimoniais, museus, bibliotecas e arquivos. Supostamente há gente disponível em mobilidade, mas não detêm a formação necessária para ocupar os lugares existentes. A escolha está entre esgotar os recursos disponíveis, sujeitando-os a horários de trabalho suplementares (sem qualquer compensação monetária) ou aceitar trabalhadores que nunca quiseram trabalhar nesta área e que não têm qualquer motivação ou sensibilidade para lidar com o público, aos quais ainda é necessário dar formação em contexto de trabalho (e portanto, não credenciada). Para que isso aconteça, é preciso que haja gente disponível, e não há. Não há.

No entanto, o problema mais grave originado pela não admissão de recursos humanos é outro e já começa a fazer-se sentir: não há transmissão de conhecimento. Não há integração na missão de serviço público, não há passagem de testemunho, não há renovação. Os recursos vão inevitavelmente esgotar-se e depois vamos assistir a uma entrada súbita de pessoal não qualificado – a exigência de qualificações é mal vista e encarada como corporativismo – sem qualquer espírito de missão ou cultura de serviço público e todo o conhecimento acumulado de gerações estará irremediavelmente perdido.

De orçamentos nem vale a pena falar. De 2000 em diante, foi sempre a descer. A cultura e os funcionários públicos sempre foram os primeiros alvos a abater em tempos de austeridade e estes serviços conseguem agregar os dois. Não há escapatória possível: corte-se!

 

E de quem é a culpa de tudo isto? De ninguém. Na verdade, é de todos. É de todos os que, tendo voz activa, nunca souberam defender a relevância e a especificidade da cultura. É de todos os que delinearam medidas a regra e esquadro, no ar condicionado dos gabinetes, sem o mínimo cuidado em verificar os seus efeitos no terreno. É de quem opta por regras inflexíveis que estrangulam o funcionamento dos serviços por não ter a coragem de assumir a tomada de decisões. É dos que insistem em deixar a sua marca pessoal e movem serviços como se fossem peças de xadrez, sem a preocupação de conhecer previamente o que estão a destruir. É dos que furam as regras e gritam escândalos nos jornais para serem beneficiados sob o olhar protector da indignação pública. É dos que encolhem os ombros, confundindo lealdade institucional com falta de verticalidade. É dos que, vítimas da sua própria falta de cultura, recusam compreender o que a falta de investimento na cultura fará à nossa sociedade amanhã.

Sei que temos vivido tempos difíceis nos últimos dez anos, pelo menos. Durante esse tempo, todos nós (ou pelo menos a maioria) aguentou o barco, manteve-o à tona. Contámos para isso com a colaboração e apoio inestimável de todos os trabalhadores da área que compreenderam que, em tempos de crise, só os mais fortes e perseverantes sobrevivem. Nós quisemos ser fortes e perseverantes, e conseguimos. Mas não aguentamos mais, os serviços estão esgotados. É necessário repensar as estruturas, rentabilizar os recursos e sim, há que dizê-lo sem medo, ter a coragem de investir na Cultura.

 

 

Zélia Parreira

(blogue AÇÚCAR AMARELO)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: FILIPE NUNES VICENTE

por Pedro Correia, em 31.05.17

 

Agincourt no estádio

 

Muito elogiada é a equipa que ataca pelos flancos, explorando as faixas laterais, ao invés daquela que afunila o seu jogo ofensivo. Ora, militarmente falando, flanco significa lado; a vantagem de que os agressores gozam, num ataque assim, reside no facto de os defensores adversários se terem de dividir. Com efeito, se se flanqueia ao mesmo tempo que se continua a ocupar a zona central, a concentração e disciplina dos defensores são afectadas. Isto pode ser observado em qualquer jogo de futebol: o lateral/extremo galopa até à linha de fundo e os centrais adversários tentam adivinhar a intenção precisa do malandro ao mesmo tempo que tentam controlar as rapaces que vão aparecendo na grande-área; por exemplo, os Jonas, os Ronaldos, os Nenés.

Agincourt, na temporada de 1415/16, foi um bom exemplo das virtudes do ataque pelos flancos ainda que noutro tipo de palco: Henrique V derrotou os franceses não obstante a inferioridade de efectivos (cinco para um a favor de Carlos VI). Este tipo de ofensiva introduz um elemento de desordem, no caso do futebol, na marcação esforçada e honesta; é insidioso e releva da ilusão. Pode ser utilizada  em superioridade ou igualdade numérica e constitui uma manobra ao dispor tanto da poderosa squadra como do Arrasquinha FC; habita, enfim, um universo popular e democrático.

O sucesso dos ingleses em Agincourt resultou do alargamento da chamada zona de morte, como explica John Keegan, que é definida pela extensão da arma prevalecente. Do ponto de vista da infantaria, trata-se, claro, da zona onde se travam os principais combates homem a homem. Em Agincourt a zona de morte foi alargada desde a frente da defesa francesa até aos seus flancos, permitindo às tropas de Henrique V um ataque envolvente. O resultado foi devastador no exército de Carlos VI (que era doido, ou talvez não, por isso não esteve na batalha).  

 

sp-messi-getty[1].jpg

 

A História está alagada de casos similares, desde Aníbal, inexorável com as tribos da Occitânia e do Ródano, ao longo da sua marcha sobre Roma, até ao flanquear da Linha Maginot pela tropa nazi. Curioso é observar, no caso do futebol, como o temperamento dos povos imagina formas diversas deste tipo de ofensiva. Bem sei que os tempos mudaram, as diferenças esbateram-se, mas podemos ainda imaginar diferenças de berço. Os britânicos e os nórdicos, quais soldados disciplinados, procuram os centros rectilíneos para a grande-área, que terminam em cabeceamentos certeiros; os sul-americanos e os latinos optam a maior parte das vezes por descobrir diferentes centímetros quadrados de relva, parando a meio, quando esperávamos que acelerassem, acelerando quando já nem os julgávamos lá. Como, por exemplo, Messi.

 

 

Filipe Nunes Vicente

(blogue DEPRESSÃO COLECTIVA)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: MAURÍCIO BARRA

por Pedro Correia, em 29.05.17

 

Delitos de opinião

 

 

Primeiro Delito

Após a Comissão Europeia recomendar que Portugal deve sair do Procedimento por Défice Excessivo, encerrou-se simbolicamente o período que Portugal levou a recuperar (vá lá, ainda está no recobro) da gestão danosa, incompetente, irresponsável e (alegadamente) criminosa de Sócrates, que, enquanto foi primeiro-ministro, nos levou à beira do abismo da bancarrota.

O mérito desta saída, diz-se, foi do governo de Passos Coelho, que trouxe o défice de 12% para os 3%, e do governo de António Costa "que prosseguiu com sucesso esta caminhada histórica" (sic SIC)

Ora bem, este mérito não é uma estatística.

Este mérito foi uma obrigação.

Que durou oito anos.

E quem a pagou fomos todos nós, os portugueses.

Com o PSD, por um lado, e o PS, por outro lado, a imporem-nos as suas receitas que deveríamos cumprir para as pagarmos.

Mas, ao que parece, vamos ser obrigados a continuar a pagar.

Porque nenhum deles, nas funções de Estado para que foram eleitos, procedeu ao ajustamento estrutural do défice da República.

 

 

Segundo Delito

O ajustamento estrutural do défice, as famosas reformas estruturais, não se fizeram, nem se fazem, porque não interessam ao “centrão de interesses políticos e económicos” que se revezam e ocupam alternadamente a “mesa do Estado”.

Vivemos num sistema político endogâmico, que já vai na terceira geração, com uma lógica de ocupação do poder por parte de grupos de afinidades com um único objectivo: controlar o orçamento de Estado, compartilhar os interesses económicos, estar por “dentro “ das decisões financeiras (um caso exemplar foi a saída do Ministro Álvaro Santos Pereira do governo de Passos Coelho: enquanto estávamos todos distraídos com o rigor económico de Vítor Gaspar, o grande inimigo a abater era o verdadeiro reformista desse governo que queria uma economia de mercado a funcionar normalmente, com regulação, escrutínio, investimento em novos sectores estratégicos, sem protecção aos monopólios rendeiros da economia portuguesa. Foi corrido. Paulo Portas fez o seu “número” e o tempo, que entretanto passou, demonstrou os resultados que se pretendia com a sua ridícula irrevogabilidade).

Somos um país pequeno, com uma economia de mercado limitada, onde poucas grandes empresas controlam os vectores essenciais da economia (energia, combustíveis e comunicações), onde as PME’s (sobretudo P’s) ora investem, criam emprego, exportam e alimentam o mercado interno, ora estão muitas vezes descapitalizadas dependendo de apoios “distribuídos” pelo Estado, com uma miríade de micro empresas familiares que são as veias capilares desta economiazinha, com um sistema financeiro em grande parte arguido e em trânsito para ser julgado, que tenta, qual fénix, ressurgir do pântano imoral e antiético em que se afundou, com um quadro legislativo que em parte resulta das relações espúrias de grupos parlamentares permissíveis a interesses particulares, com uma pequena economia paralela que garante a parca sobrevivência e os últimos resquícios de dignidade de trabalho a quem pouco ou quase nada tem, um país onde três milhões setecentos e oitenta e dois mil portugueses se levantam todos os dias para ir trabalhar para sustentarem as suas famílias e as receitas do Estado, e seiscentos e sessenta e três mil funcionários do Estado têm emprego garantido com benefícios por motivos eleitorais (com a excepção merecida dos que trabalham na saúde, emergência, protecção civil e segurança interna e externa)*

*Dados Pordata para 2016

 

thumbnail_Gustave%20Caillebotte[1].jpg

 

 

Terceiro Delito

E assim vamos continuar?

Talvez não por muito mais tempo. Mais do que alguns desejam, menos do que alguns quereriam.

A sociedade civil que se interessa sobre a sua vida e a vida dos outros, a grande franja de moderados que não se sentem representados, os democratas que não querem que o país caia em projectos radicais que ponham em causa o seu conforto económico, social e de segurança, os que abominam e se envergonham da corrupção endémica que hoje está perfeitamente investigada e identificada, são os novos agentes de mudança e já começaram a participar nos diferentes níveis da actividade cívica. Vão querer decidir o seu próprio destino.

Ou o PSD e o PS compreendem e se adaptam ao tempo que passa, ou os eleitores desvinculam-se progressivamente. Porque eles, por si só, já mudaram.

É o Novo Centro, democrata e humanista, que despreza o “centrão”.

Nas eleições autárquicas, verificou-se isso claramente.

Nas eleições presidenciais, brutalmente.

Porque começam a estar fartos.

Estão fartos das limitações desta democracia que é uma rotunda da qual não saímos e voltamos sempre ao mesmo sítio, fartos dos complexos de esquerda e direita que estão sempre ao lado dos problemas contra as soluções, fartos das mesmas receitas ideológicas de sempre que futebolizaram e infantilizaram o combate político.

São portugueses europeus.

Não querem continuar a ser um "Portugal dos Pequeninos".

 

 

Quarto Delito

Já repararam que, se vivêssemos num regime presidencialista, o actual sistema partidário estava todo esfrangalhado?

 

 

 

Maurício Barra

(blogue GRANDE HOTEL)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: JOÃO LISBOA

por Pedro Correia, em 26.05.17

 

Utopias

 

Ia jurar ter lido algures que, acerca de Marx – Karl, não Groucho – , alguém terá dito que fez todas as perguntas certas e deu todas as respostas erradas. Procurei o autor mas não fui capaz de descobri-lo. Caso o consigam, agradeço. Se não, podem sempre atribuir-me a citação. Até porque, com autor devidamente identificado (Voltaire), há outra pelo menos tão eloquente: “Devemos julgar um homem pelas perguntas que faz mais do que pelas respostas que dá”.

Em Janeiro deste ano, “Le Monde”, numa das suas publicações “hors-série”, actualizava “L’Atlas des Utopies”, lançado pela primeira vez em 2012. Quase 200 páginas, outros tantos mapas e 25 séculos de História repletos de perguntas e respostas. Mas, naturalmente, num inventário que vai da propriamente dita “Utopia” – acerca de cujo autor os académicos hesitam: se muitos pensam ter sido Thomas More, outros, adeptos das “teses de Boliqueime” de um doutor honoris causa em Letras pelas universidades de Goa e Heriot-Watt, de Edimburgo, juram tratar-se de Thomas Mann – à “República”, de Platão, ao esperanto (designação anterior daquilo a que, hoje, chamamos “inglês”), às comunas owenianas, fourieristas, comunistas, socialistas e anarquistas (para cima de uma centena de covis de bisavós hippies), ou às profecias de Marx – Karl, não Groucho –, a utopia primordial é, sem dúvida, o Paraíso bíblico (ou Jardim do Éden), sobre o qual, mais do que exigir respostas, há imensas perguntas a fazer.

Umberto Eco, por exemplo, em “Serendipities: Language and Lunacy”, interrogava-se a propósito de um perturbante mistério: se, em Génesis 2:20, Adão teve por missão dar nome “a todos os animais: os rebanhos domésticos, as aves do céu e a todas as feras”, quem (sim, quem?) nomeou os peixes? Aliás, logo a seguir, surge outra dilacerante dúvida: se, em Génesis 1:27, lemos “E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou”, por que divino raio, em inexplicável raccord com o episódio da bicharada, somos testemunhas de um Jeová que, verificando que  "Não é bom que o homem esteja só; farei para ele alguém que o auxilie e lhe corresponda”, não apenas pratica o primeiro acto cirúrgico precedido de anestesia – “Então o Senhor Deus fez o homem cair em profundo sono e, enquanto este dormia, tirou-lhe uma das costelas, fechando o lugar com carne” – como realiza uma pioneiríssima clonagem transgénero: “com a costela que havia tirado do homem, o Senhor Deus fez uma mulher e a trouxe a ele” (Génesis 2:21, 22)!... Onde pára, então, a miúda que nos tinha sido apresentada em Génesis 1:27?

 

00IEw5-32679084.jpg

 

Poderá não ser a melhor resposta mas, algures entre os séculos VIII e XI, alguém arriscou dá-la, no “Alfabeto de Ben Sirach”. Afinal, no original, deveria ler-se assim: “Depois de ter criado Adão, Deus disse: não é bom que o homem esteja só. Criou, então, da terra, uma mulher para Adão, tal como o havia criado a ele e chamou-lhe Lilith. Adão e Lilith começaram imediatamente a desentender-se. Ela disse, ‘Não me deitarei por baixo de ti’, e ele disse ‘Não me deitarei por baixo de ti, apenas por cima. Foste feita para ficar por baixo e eu por cima’. Lilith respondeu ‘Somos iguais porque fomos ambos criados da terra’. Mas não chegaram a acordo e, quando Lilith se apercebeu disso, pronunciou o nome inefável e voou pelos ares”. Ou seja, tudo terá tido origem numa inconciliável diferença de preferências sobre posições coitais: enquanto Adão era adepto da que – por boas razões – viria a ser conhecida como “do missionário”, Lilith era, decididamente, uma “cowgirl”.

Os sarilhos de Adão com mulheres continuariam com a segunda concubina, Eva. Por um motivo, aliás, teologicamente peculiar: em Génesis 2:16, Jeová, para autorizar o casal a viver no Eden Condominium, obrigara-o contratualmente a uma condição “De toda a árvore do jardim comerás livremente, Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás”. Traduzindo: uma vez que “o conhecimento do bem e do mal” é aquilo a que chamamos moral, se pretendiam permanecer eternamente felizes, não deveriam preocupar-se sequer com tais ninharias. E, a fazer fé (pois é disso que se trata) na maravilhosa representação do fellatio interruptus no qual Miguel Ângelo os apanha no tecto da Capela Sistina, cumpriam à risca o acordo. Momento dramático esse, porém: é justamente nesse instante que, enroscada na árvore, a serpente oferece o fruto proibido (como vimos antes, a moral) à compreensivelmente distraída Eva. E nova perplexidade surge: de cabeça perdida, Jeová vira-se para o surpreendido réptil e amaldiçoa-o: “Rastejarás sobre o teu próprio ventre!” (Génesis 3:14). Seguramente, mais tarde ou mais cedo, a paleontologia criacionista haverá de descobrir provas da existência de serpentes bípedes ou quadrúpedes contemporâneas de Adão e Eva. Mas, numa história que começou tão problemática e só pode ter prosseguido com um reprovável festival de incesto, é capaz de ser optimismo demasiado pensar em utopias.

 

 

João Lisboa

(blogue PROVAS DE CONTACTO)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidada: ANA

por Pedro Correia, em 24.05.17

 

As crianças de hoje

 

Dei catequese durante anos numa paróquia muito dividida em termos de classes sociais. Crianças muito, muito pobres, e, no outro extremo crianças com muitas posses. O comum entre a maioria delas? A Hiperatividade diagnosticada e comprovada cientificamente.
Lidar com crianças hiperativas pode ser esgotante, desgastante, frustrante. Sabemos que não podemos ir a qualquer local público, pois não sabemos que comportamento elas poderão vir a demonstrar. Pode chegar mesmo a ser humilhante para os adultos que as acompanham, sendo pais ou não.
No início do ano de catequese, e com um grupo novo, coloquei-me à prova, tentei desvendar o que poderia estar por trás deste comportamento. Eu não acredito que as crianças nasçam hiperativas só porque sim, sempre acreditei que existem diversos motivos para que este comportamento se desencadeie. E não me enganei. Vou apenas enumerar alguns exemplos, infelizmente reais:
 
 
- Crianças que viveram na rua até aos 3 anos de idade – Não se recordam da maior parte das coisas, mas há três memórias fundamentais e que as irão acompanhar para a vida: a sensação de insegurança, a fome e o frio;
- Crianças que assistiram à morte de um dos familiares perpetrada por outros, ou seja, pessoas em quem confiavam;
- Crianças que apareciam com a marca do cinto no rosto, nos braços, e sempre que me arriscava a levantar um pouco a camisola a algum, as lágrimas tendiam a cair tal a crueldade, a violência a que tinham sido sujeitas;
- Crianças que destruíam os vidros ao murro por se sentirem presas, por não sentirem a liberdade tão desejada;
- Crianças que não tinham o mínimo acompanhamento em casa, uma palavra de carinho, força e confiança. A sua companhia eram os gadgets eletrónicos, os telemóveis topo de gama, as consolas de inúmeras formas e feitios;
- Crianças “depositadas” na catequese, como se de um ATL se tratasse;
- Crianças sem estrutura familiar;
- Crianças que à pergunta “O que queres ser quando fores grande?”, respondiam “Quero ser pai, quero ter muitas mulheres, que vou matando à medida que tenho filhos.”
  

Bambini-01[1].jpg

 

Todos estes exemplos indicados como hiperativos ou mesmo psicopatas (num dos casos). O acompanhamento que tinham a nível psicológico? Nenhum! Como é que a sociedade quer integrar estas crianças? Qual o papel da escola, das assistentes sociais no seu desenvolvimento?
Classificar as crianças como hiperativas é fácil, o difícil é mudar mentalidades, o difícil é fazer com que ultrapassem certas vivências, o difícil é fazer esquecer… No fundo, o difícil é agir e ajudar!
 
A catequese era assim uma hora semanal em que se falava da Igreja, de princípios e valores que lhes custava a interiorizar, mas acima de tudo era um espaço em que eles desabafavam, um espaço em que se sentiam seguros, um espaço onde podiam abraçar e beijar sem medo, um espaço onde podiam ser crianças e interagir com os outros, brincar sem maldade associada. Um espaço que ia deixando a teoria da Igreja cada vez mais para trás, um espaço que se tornou o espaço deles, o espaço em que deixei um pedacinho do meu coração a cada semana.
 
Quando conhecerem uma criança identificada / diagnosticada com alguns destes sintomas, tentem perceber a sua história de vida e não a classifiquem logo como irritante, provocadora, briguenta, intolerável. Pode ter suportado em poucos anos de vida aquilo que nenhum adulto suportaria. E estas crianças merecem ser ajudadas!
Numa semana em que se comemorou o Dia do Abraço, lembrem-se: este simples gesto pode curar meses de sofrimento.

 

 

Ana

(blogue CHIC' ANA)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: DIOGO OURIQUE

por Pedro Correia, em 22.05.17

 

Ases Indomáveis

 

– Mamã, que aviões grandes são aqueles?

– São aviões militares americanos, filho.

– Americanos? Mas os americanos não estavam a sair da nossa base?

– Pois, parecia que sim. Mas têm agora um presidente novo que, pelos vistos, os quer manter por cá.

– Aquele senhor cor-de-laranja?

– Sim, filho, aquele senhor cor-de-laranja.

– É por isso que têm passado muitos aviões pelo nosso aeroporto nestes dias?

– Sim.

– E isso é bom ou mau, mamã?

– Não sei, filho… Sinceramente, não sei.

– Mas não devia ser bom? A nossa professora de inglês diz que os americanos contribuíram muito para o desenvolvimento das nossas ilhas.

– E quantos anos tem a tua professora?

– Sessenta e tal, não sei bem.

– Pois, é normal, filho. A tua professora já está numa idade em que é bastante comum ter-se uma memória selectiva.

– O que é isso, mamã?

– Memória selectiva? É quando, por exemplo, tu nunca te esqueces de levar o equipamento para as aulas de Educação Física, mas esqueces-te sempre dos TPC que tens para fazer.

– Mas não foram os americanos que nos trouxeram músicas e filmes novos, e que deram muito dinheiro às nossas ilhas?

– Sim, filho, mas… Explico-te da seguinte forma: gostas muito da tia Teresa, não gostas?

– Sim, claro! E do Tomás, e da Marta, e…

– Pois. Agora imagina que a tia Teresa, o Tomás e a Marta vinham viver para nossa casa durante muitos e muitos anos. E, com eles, vinha o resto da família toda. Até pagavam renda e compravam umas coisinhas para a casa; só que deixavam tudo sujo, nunca saíam da casa-de-banho, usavam os teus brinquedos e escondiam bombinhas de mau cheiro debaixo dos tapetes. Bombinhas que, ao longo dos anos, deixavam a terra e as nossas plantinhas doentes.

– Credo, mamã! Porque é que iam fazer isso tudo?

– Porque sim, filho. Porque estavam a pagar, e achavam que o dinheiro justificava tudo. É mais ou menos assim que os americanos funcionam.

– Então e porque é que não alugamos a casa a outras pessoas, se eles são assim tão maus?

– Porque eles não deixam. Porque já não vivem cá a tempo inteiro, mas, pelos vistos, continuam a pagar. Só vêm nas férias, ou então quando há guerra.

– E estes aviões todos? Vêm de férias, agora que está a ficar calor? Ou vêm para a guerra?

– Não faço ideia, filho. Mas, normalmente, os aviões militares não transportam pessoas que vêm de férias.

 

 

Diogo Ourique

(blogue QUERIA? JÁ NÃO QUER?)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidados: NELSON REPREZAS

por Pedro Correia, em 19.05.17

 

Bruscamente, debaixo do chuveiro

 

Tenho andado entra e sai, em casa, por motivos vários. Ao mesmo tempo, a minha filha pediu-me para lhe ficar com as duas gatinhas enquanto ela se ausentou por um par de dias.

Anteontem entro em casa, ligo mecanicamente o televisor para quebrar a paz e o silêncio, as gatas ronronavam num maple e fui para o duche. Eis senão quando, oiço miadelas estridentes, correrias, barulho de um par de coisas a cair e a estilhaçarem-se… mais correrias, choques com portas e é aí que, debaixo do chuveiro, me pergunto se estarei a ser assaltado. Molhado e nu não é propriamente a melhor maneira de resistir a assaltantes, salvo especialíssimas circunstâncias… mas enchi-me de coragem, enrolei-me na toalha e segui para o hall. Olhei para a sala, não vi nada, vou à cozinha e vejo as gatinhas assustadas, muito encolhidas e enroscadas, junto ao fogão. Que coisa, pensei eu… serão mesmo assaltantes?

gata assustada.jpg

thumbnail_manuerl%20serrao[1].jpg

E é neste ponto que oiço uma gritaria que, por motivos claros, não provinha das gatas, Vou à sala, procuro identificar o ruído, mais ou menos semelhante a um grupo de carpideiras bem pagas, talvez, ainda, uma vaca que um dia vi o meu irmão veterinário ajudar a parir e deparo com a imagem do Manuel Serrão, na TV, no “Prolongamento”, a imitar (!!!!????!!!!) o Salvador. Pensei sobre que diabo se estaria a passar. Curioso, aproximei-me e na ininteligibilidade dos lances canoros da criatura, percebo que havia uma tentativa de uma letra. O homem imitava o Salvador, o que percebi pelos gestos, naturalmente não pela música. Mas a letra, meu Deus… só percebi Poooooorto… peeeeeenta e qualquer coisa que rimava com penta. Não era pimenta, mas algo por lá perto e que não consegui definir. Insisti E quando julgava que a letra continuava, o homem insistia… peeeeeenta….. pimeeeeeeeeeeeeenta…. (acho) e fiquei-me por aqui. 

Volto à cozinha e olhei, enternecido e solidário com as gatinhas. Pequei no “remote” e calei o Serrão. As gatas olharam para mim, embevecidas e agradecidas. Peguei nelas, fiz-lhe um mimo e elas deitaram-se de novo no maple. Voltei ao chuveiro e  prolonguei aquele jacto quente e gostoso até me desaparecer aquela rima estranha de …peeeeeenta…..pimenta…
Mesmo assim, quando me deitei, e cada vez que fechava os olhos… é… aquela sensação que todos nós certamente temos e que faz com que não consigamos deixar de trautear mentalmente uma canção… lá estava ela. Só que desta vez era mais grave. Além do peeeeenta, pimeeeeeenta mesmo de olhos fechados eu tinha a visão festivaleira do Manuel Serrão e de gatas assustadas, tal como se nota na foto.
Tomei um Dormonoct. 

 

 

Nelson Reprezas

(blogue ESPUMADAMENTE)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: JOSÉ DA XÃ

por Pedro Correia, em 17.05.17

 

Palavra de médico

 

Desculpem este à-vontade ao entrar assim, de supetão, numa casa que, não sendo minha, visito amiúde, para dizer somente que um homem não é de ferro. Nem de madeira ou silicone (se bem quem haja por aí quem use, mas enfim…).

O que trago aqui é aquele imbecil sentimento de impotência perante a classe médica. É mais ou menos consensual que os médicos são um tanto corporativistas, lavando quantas vezes as mãos com as velhas desculpas já de todos sobejamente conhecidas.

Partindo deste pressuposto, reconheço que não tenho qualquer hipótese de ser convenientemente tratado, porque cada profissional que consulto anuncia, para os mesmos sintomas denunciados, diferentes palpites de doenças, consoante a sua especialidade.

 

Passemos assim aos factos.

Um destes dias surgiu-me uma dor intensa no pé direito. A dor apesentava-se com tamanha intensidade que quando me deslocava mais parecia um ancião de provecta idade.

Consultei então um médico muito simpático que avançou com o primeiro palpite: gota! E disse-o de forma peremptória. Palavra de médico.

Uma série de questões formuladas levou-o a concluir que o problema tivera origem na pinga do fim de semana. Prescrição de análises, sangue tirado para a cabidela e o resultado veio finalmente, dizendo: não tem nada que justifique essa dor!

No entanto insiste numa medicação específica e numa dieta pormenorizada. Pílulas azuis, verdes, amarelas, tudo para combater o tal… nada.

Não convencido, procuro outro especialista. Mais exames, pílulas de outras cores, mas sem evidentes melhoras. Diz o médico actual que deverão ser artroses. Artolas sou eu em lhes dar crédito.

Todavia com este último médico há uma evidente melhoria… acabou-se a dieta! O que há duas semanas era veneno agora deixou de o ser.

Palavra de médico.

 

Não gosto de servir de bola de ténis… passa para cá, devolve para lá… Mas deve ser do meu mau feitio, assumo.

Neste dérbi médico verificou-se uma espécie de empate. Definitivamente como não aprecio indecisões, eis-me na busca de outro especialista. Conclusão rápida e quiçá assertiva: isso é coluna! Palavra de médico.

Desta vez com pior prognóstico: tinha de ser operado.

Havia agora uma derrota e por goleada, o que, digamos, não é nada agradável. E muito menos desejável.

 

Vai daqui procurei um velho amigo, que não sendo médico vai endireitando alguns ossos. Após análise do meu problema, pergunta-me:

- Tu não bateste em lado nenhum com o pé?

Fui ao meu disco interno e procurei na memória eventuais episódios. Finalmente respondo:

- Há uns tempos dei uma pantufada numa pedra, lá na aldeia. Porém na altura pouco me doeu…

- Pois… já deves ter percebido que não és de ferro. Desconfio que partiste o pé.

Incrédulo com a revelação, ainda pergunto:

- E nos exames não dava para ver?

Após um breve silêncio, o meu amigo respondeu:

- Provavelmente até dava, mas não era a especialidade deles.

Pronto… batido aos pontos. Palavra de não-médico!

 

 

José da Xã

(blogue LADO A/B)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: LUÍS NOVAES TITO

por Pedro Correia, em 15.05.17

 

Arte urbana

 

Ao irrecusável convite de Pedro Correia, que reabre a porta do DELITO DE OPINIÃO aos seus camaradas dos blogs seis anos depois, respondo presente embora os anos tenham feito rarear a vontade de escrever na Barbearia onde já desunhei imaginação, a torto e a direito, para suavizar olheiras e escanhoar bochechas imberbes deitando, não poucas vezes, cal na água sempre que pretenderam deixar as paredes da loja no esquife.

 

Volto ao DELITO com uma reflexão sobre a última obra-graça de Bansksy.

Um homem de macaco, provavelmente um imigrado em Inglaterra - porque só esses andam de macaco e pendurados em escadas na terra de sua majestade - a desconstruir a estrela dos ilhéus deixando no seu lugar o vazio que se pressente ser o futuro do Continente cada vez mais deserto de autóctones.

201705BanksyBrexit58001.jpg

 

Não foi difícil chegar aqui. Na grande ilha nunca se guiou pela direita, nunca se trocou a libra esterlina pelo marco travestido de moeda única, nunca se contrariou a dinâmica americana em favor da solidariedade da União e, tirando a amizade pelas calientes águas mediterrâneas e atlânticas vizinhas do Al-Maghrib e pelo Oporto, nunca se levaram a sério as línguas românicas que, no dizer do Flying Dutchman dos tempos calvino-penitenciais em voga, só servem para gáudio dos prazeres da carne e da gula dos éteres.

Também não foi difícil lá chegar porque os continentais estrelados foram perdendo o gás e, em menos tempo do que qualquer outra constelação, murcharam em sabedoria e ideais e fizeram-se joguetes invertebrados dominados pelo medo, que dizem não ter, a burocratas e banqueiros que lhes extorquem o que resta da sua dignidade e condição histórica.

 

Volto ao homem de fato-macaco, alegadamente um migrante, neste espaço europeu que as gentes do norte do Douro poderiam designar por “morcão” e as do Sul do Seine por “Marcon” e onde os social-democratas abandonaram o social à sua sorte e os democratas-cristãos evoluíram para o ateísmo, para analisar mais fino a arte de Bansksy.

O operário, embora de balde à cintura, não usa o queirosiano pano encharcado em benzina (transportando Eça para o actual contexto europeu repleto de Abranhos), nem tão pouco repinta a estrela murcha com o azul do fundo. Prefere representar o proletário de marreta e escopro na mão a sacar nacos de tinta sem ferir o estuque de uma bandeira que tem por hino a nona de Ludwig, An die Freude, adaptada por Herbert para que todos os povos do Norte e do Sul o cantem afinados, dirigidos no ritmo pela batuta alemã.

 

E é isto, Pedro. Um barbeiro a fazer de crítico de arte, um analista a fazer de escritor.

Paz e saúde.

 

 

Luís Novaes Tito

(blogue A BARBEARIA DO SENHOR LUÍS)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidada: ALICE ALFAZEMA

por Pedro Correia, em 12.05.17

 

Balancé

 

Faz este ano precisamente dezassete anos que a minha mãe morreu, era Maio, o Dia da Mãe calhou num domingo dia sete e ela foi na terça dia nove. Foi levada pelo sono da tarde, nem uma expressão de dor, apenas ficou o frio extremo que eu jamais pensei existir.

Os meus avós eram pescadores, o meu pai também, pessoas habituadas ao risco e conhecedoras da morte. A minha mãe tinha uma doença incapacitante que a podia devorar a qualquer momento, no entanto ela era uma animadora de espíritos, isso fascinava-me. Como podemos viver em consciência lado a lado com a Vida e a Morte? Afinal não é isso o que fazemos todos os dias sem o notarmos? Sabemos apenas que existimos.

A consciência da sua finitude e uma fé imensa davam-lhe uma energia e um amor incondicional àquilo a que vulgarmente se chama de Amor pela Vida. A sua vontade férrea naquilo que queria conhecer, as coisas que não ficaram por dizer. Os abraços que demos e as vezes que chorámos como forma de alívio. Não deixámos nada para amanhã, foi tudo feito num hoje único. Vivemos coisas simples, apreciámos coisas simples, coisas banais, como o barulho da chuva, a cor de uma joaninha, a surpresa de ver a erva a crescer. Rimos muito, rimos quando havia motivo para rir e rimos também quando nos apetecia chorar, quando nos apetecia desistir.

A morte faz balancé na vida. Para cima, para baixo, para cima, para baixo, mais rápido, mais devagar, parado, a começar, a acabar. O que fizemos juntas nesse balancé ficou em mim, às vezes vem de mansinho, em sonhos, em cheiros, em paladares. Não são coisas palpáveis, são coisas minhas.

 

 

Alice Alfazema

(blogue ALICE ALFAZEMA)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: TIAGO CABRAL

por Pedro Correia, em 10.05.17

 

Ficar para último

 

Ao longe a luz do sol, quieta continuas a observar essa luz que te acorda. Já estás velha, rugosa, encarquilhada, as costas sofrem com dores que nunca irão acabar. Tomas comprimidos sem saber para que servem, pegas na primeira caixa que vês, só queres que acabe aquela dor nas costas, no corpo todo. Sentas-te à beira da tua casa, sozinha. Não esperas por ninguém, todos os que poderiam chegar já morreram, o teu homem, irmãos, cunhados, genros e até um filho. Sobras tu. Velha.

 

Depressa morro, depressa isto acaba. As recordações são confusas, de ontem nada, almocei? Não importa. Lembras-te há 60 anos, casa cheia, trabalho muito para lá do sol a sol, moira carregada, analfabeta, nunca consegui tirar as cartas, tivesse eu as cartas e ia sozinha cortar o cabelo, a casa cheia, filhos, da barriga e os emprestados a quem nunca deixaste chamar mãe. A aldeia cheia de gente morta, mas com uma igreja bem-posta, limpa, cheia de adornos dourados, com boa escadaria para os mendigos da bendita caridade. Há missa e não vais, nunca foste, havia sacas para carregar às costas, essas que agora te fazem sofrer, agarras à noite o terço e murmuras a ladainha, avé Maria cheia de graça, a televisão já não funciona, já não é só ligar no botão, não sabes como funciona, não interessa, ligo o rádio e fico a ouvir sem perceber nada, mas é a minha companhia.

 

b02d78defd2da01ab5608d12f1b51635[1].jpg

 

Ficas sentada à tua porta, na pedra torta onde já se sentou o teu marido que morreu a arder, com os pés enfiados na lareira sem sentir nada, e ainda se levantou, tenho frio, muito frio. Quem te resta mora longe, a avó velha cheira mal, eu não quero ir à avó velha. Eu sei que cheiro mal, o banho é ao domingo, sei lá que dia é hoje, se já passou domingo. Já não cozinho, essas putas que agora aqui vêm e sem pudor falam de mim comigo presente, coitadinha dela, ande venha a comer, olhe aqui o que lhe trouxemos, ande prove este peixinho, ao jantar é massa com carne, aos vossos pais matei eu muita fome. Tanta boca que alimentei nesta desgraçada pobreza, nesta aldeia cheia de fome, gente explorada que nunca se levantou, sempre rente ao chão, espezinhada, já sabes ou tiras o chapéu e dobras a espinha, nem que seja ao mais novinho de quem manda quando passar por ti, ou aqui não trabalhas e morres de fome.

 

Está a acabar, sabes tão bem e bem melhor que todos os outros, depressa morro, depressa isto acaba. A aldeia deserta, o vazio inteiro de dias e dias que são apenas um ininterrupto esperar, aguardar por nada, por ninguém. Eu queria ir ao chão, as minhas pitas que as mataram, já não tenho a minha tapada, as saudades de trabalhar a terra, os carreiros da água, fecha em cima com o sacho, desvia a água para o outro carreiro, apanhar a azeitona, já nem azeite tenho, as furdas com os porcos sempre a aguardar a vianda que levava no caldeiro, esperar por Dezembro para a matança, casa cheia, hoje vazia, tenho que a limpar, os quartos vazios, mas limpos, vou mudar os sofás de lugar, já não posso, não consigo. Vou para a porta esperar, sentada por detrás das fitas, escondida dos olhares de ninguém olha para a aldeia deserta, nada mais há para olhar que o silêncio, o largo empedrado já sem o cheiro a terra molhada, os sons do campo que tanto cativam os de fora não lhe dizem nada, sempre os ouviu. Mais um dia que vai passar, lento, como a solidão de ser sozinha é.

 

Levantar, vestir e esperar. Passa alguém, bons dias, bons dias, quem é esta que me fala? Já não conheço ninguém. Depressa morro.

 

 

Tiago Cabral

(blogue ÉS A NOSSA FÉ)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidada: VÂNIA CUSTÓDIO

por Pedro Correia, em 08.05.17

 

Todas as promessas perdidas

 

Naquele momento em que tudo se apaga, naquele último sopro de vida que se esvai no peito, o sonho sobrepõe-se à angústia e ao medo que leva ao desespero de desistir? O que leva um adolescente, com tanto para viver, a baixar os braços? Durante muito tempo, não se falava de suicídio na imprensa. Havia um código de ética e deontologia que se arrepiava e acreditava no efeito perverso do comportamento de imitação que podia advir deste tipo de notícias. Hoje o suicídio dos jovens é o tema mais quente do momento, seja pela jogo Baleia Azul ou pela série Por 13 razões, a passar na Netflix.

De repente, somos obrigados a encarar a realidade que foi escondida durante tanto tempo. Alguns não aguentam. E não aguentam o quê? Todos sabemos o quê. Todos passámos por lá. A transição da infância para a idade adulta é um caminho complicado, difícil e angustiante. Não é por acaso que se ouvem notícias de mil estudantes "expulsos" de Espanha das férias de Páscoa. E não, não estamos a misturar temas. A aceitação do grupo é o busílis de tudo. Numa altura em que ainda não sabemos quem somos, sem personalidade verdadeiramente definida, o medo tolda as decisões e pode de facto ser mau conselheiro. Se para sentirmos que há mais quem seja como nós, temos de nos anular em comportamentos de grupo, por que não deixarmo-nos ir? É tão mais fácil quando a nossa própria convicção ainda não encontrou uma linha de pensamento e acção que a mantém segura. Mais ainda quando toda esta angústia se afoga num estado depressivo de quem ainda há tão pouco tempo só conhecia dias felizes.

É tão difícil crescer. O que sente um adolescente que desiste? Quem de nós, por uns minutos que fosse, não chegou a desistir? E o que acontece quando não conseguimos encontrar o tal grupo que consegue levar-nos ao colo, mesmo que à boleia de muitas parvoíces, gargalhadas e algumas experiências limite? O chamado ciclo do animal-noivo, o processo de passagem à vida adulta existe e não pode continuar a ser ignorado. Pais, médicos, familiares e amigos, todos temos um papel importante a desempenhar. E o mais importante de todos talvez seja mesmo o de reconhecer que este é um caminho que tem de ser percorrido. A sós, mas não necessariamente sozinhos.

Quantas vidas e sonhos de libertação desse peso e angústia que a adolescência carrega não teriam sido salvos com apenas uma palavra amiga? Alguém que explicasse o processo e fizesse ver a luz ao fundo do túnel. Estaremos assim tão alheados que já não nos lembramos de como foi?

 

 

Vânia Custódio

(blogue CAIXA DOS SEGREDOS)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidada: JOANA LOPES

por Pedro Correia, em 04.05.17

 

Por terras da Abissínia

 

Ser turista é limitativo, eu sei. Preferia ser «viajante», sem prazos nem restrições físicas e financeiras, mas não é possível. Turista portanto me assumo e, como tal, tenho tentado conhecer um pouco dos cinco continentes deste pequeno mundo.

Perguntam-me, frequentemente, qual foi a minha viagem preferida, ou o «top 5» das que já fiz, mas deixei de ser capaz de responder. Escolho uma, sem lhe atribuir nenhum privilégio, mas porque me marcou de um modo especial. Talvez por ter nascido em África, talvez porque é o continente que menos conheço.

 

Há quatro anos passei duas semanas na Etiópia, pouco mais do que nada para ficar com ideias vagas sobre o segundo maior país africano em extensão. Parecia então ser um oásis naquele Corno de África, entre vizinhos em permanente conflito, e centro de onde irradiavam esperanças de conciliação e de progresso. Tristíssimo que tenha chegado a sua vez de contrariar expectativas, esperemos que não por muito tempo.

Percorri algumas centenas de quilómetros onde quase tudo é totalmente verde e fértil, com montes e vales bem cultivados (o celeiro etíope) e milhares de cabeças de gado que tornam o país praticamente autossuficiente em termos de alimentação. Mas falta tudo o resto e a pobreza é por isso extrema, as estradas e muitas outras infraestruturas são quase inexistentes ou muito rudimentares. Como mais do que rudimentares são os instrumentos usados na agricultura, numa terra onde «quem trabalha são as mulheres e os burros» – burros que são mesmo um ícone, tão grande é a sua quantidade, tão importantes as funções que exercem como meio de transporte de pessoas e de mercadorias.

 

thumbnail_DSC00285[2].jpg

 

O país depende cada vez mais de investimentos chineses e turcos, exporta algodão e têxteis, carne de várias espécies animais e, evidentemente, café. Aliás, reza a lenda ou a História (nem sempre é fácil perceber-se em que plano se está exactamente) que foi aqui que o café foi descoberto. Como? Uma cabra ter-se-á mostrado tão excitada depois de comer repetidamente a respectiva planta que os donos decidiram seguir-lhe o exemplo, descobrindo assim as suas potencialidades. A Etiópia é governada há quase trinta anos praticamente em regime de partido único, com as inevitáveis consequências em termos de corrupção, e a moeda nacional é tão fraca que tudo o que tem de vir do exterior tem um peso difícil de suportar. Em todo o caso, aparentemente vai-se (ou ia-se?) progredindo, por exemplo através de um interessante e muito louvável sistema de cooperativas. E, ao contrário dos vizinhos da Eritreia e da Somália, tem sido raro que multidões de etíopes fujam por essa África abaixo para se afogarem às portas da Europa.

Há também um povo altivo, orgulhoso da sua etnia («a Norte temos os árabes, a Sul os negros, nós estamos no meio»); orgulhoso também pelo facto de nunca ter sido verdadeiramente colonizado e de ter uma História rica, sem fronteiras muito nítidas que a separem de um extenso conjunto de lendas – uma realidade estranha, mas fascinante, para as nossas cabeças cartesianamente formatadas.

 

Axum, no Norte, é um paraíso para os arqueólogos, tantos são os rastos de civilizações antiquíssimas já descobertos e os muitos que há ainda por explorar. Conta a lenda que um filho de Noé, pai de todos os povos de pele castanha, era avô de Etiopos que foi enterrado em Axum e deu o nome a todos os habitantes do país. Seja como for, sabe-se hoje que as origens da civilização etíope remontam ao século X a.c. Os etíopes reivindicam ter em Axum a «verdadeira» Arca da Aliança e «veneram» a rainha de Saba que, segundo as crónicas, teria regressado de uma viagem a Jerusalém grávida de um filho do rei Salomão, criança que viria a ser o célebre rei Menelik, fundador da dinastia Salomónica que perduraria na Etiópia até ao século XX e a ter, como último representante, o imperador Haile Selassie (tio avô de um dos elementos da troika que por aqui andou…).

 

Há também a Cidade Imperial de Gondar, um conjunto de seis castelos construídos seguindo técnicas introduzidas pelos portugueses no século XVI, implantados numa grande cerca que chegou a ter doze portas. E, acima de tudo, as igrejas de Lalibela, a «Nova Jerusalém» da Etiópia, cravada numa região árida e agreste. Não há palavras que possam dar uma ideia, mesmo que aproximada, do que são esses doze templos, escavados na rocha e em muitos casos ligadas por túneis, distribuídos por dois conjuntos separados por um rio, estando fisicamente afastado o décimo primeiro: último a ser construído e o mais espectacular, com a sua forma em cruz, enterrado, e com quinze metros de altura. As escavações começaram em pleno século XII e todo o conjunto foi construído em apenas vinte e quatro anos, o que é quase inacreditável! Terão estado implicados nas obras, usando instrumentos mais do que rudimentares, 40.000 homens e conta a lenda que trabalhavam enquanto havia Sol e que os anjos faziam o turno da noite… As igrejas de Lalibela, Património da Humanidade segundo a UNESCO, são um dos grandes motivos de orgulho dos etíopes – e com toda a razão.

 

thumbnail_DSC00501[1].jpg

 

Não falei de Addis Abeba? Nada de especial a assinalar, a não ser dois museus e um gigantesco e caótico mercado que tem nada menos do que 103 hectares e onde se vende tudo o que imaginar se possa.

Gostava de voltar à Etiópia? Talvez, mas é pouco provável. Até porque repetir viagens não é a minha praia: temo que não haja amor como o primeiro.

 

 

Joana Lopes

(blogue ENTRE AS BRUMAS DA MEMÓRIA)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: JOSÉ AUGUSTO LEITE

por Pedro Correia, em 02.05.17

 

A importância de ter memória

 

Após baixar, entre 2006 e 2008, umas centenas de fotos antigas da cidade de Lisboa a partir do site do Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa, e da Biblioteca de Arte da Fundação Calouste Gulbenkian, na plataforma FLICKR, comecei a questionar-me se existiria alguma forma de as utilizar, além do simples deleite pessoal e simples arquivamento.

Não tendo ainda sequer um blog - e pouca ideia fazia do que era na altura - reparei que não existia praticamente nada na internet que recordasse a história de Portugal desde o século XVIII até 1974, referente à Indústria, Comércio, Hotelaria, Cinema e Teatro, Transportes, Equipamentos, etc, etc. Apenas começavam a ser disponibilizadas fotos pelos já mencionados Biblioteca de Arte da Fundação Calouste Gulbenkian e pelo Arquivo Fotográfico da CML, além de jornais e revistas antigas que começavam a ser digitalizados pela Hemeroteca Digital de Lisboa.

Questionei-me porquê. Fácil! Ainda existia um certo preconceito, receio, ou vergonha de muitos em falar, escrever e recordar o que de bom Portugal construíu e criou antes de 1974. Para outros tudo tinha sido mau … Daí pensei que os grandes e pequenos arquitectos, industriais, comerciantes, médicos, engenheiros, artistas, etc. que foram construindo o nosso país ao longo dos últimos séculos não mereciam continuar no esquecimento.

E lá me decidi em 2009, a criar um blog para esse fim, abrangendo o maior número de regiões de Portugal, e o maior número de temas diversificados, que as fontes mo permitissem, apesar de escassas tanto a nível fotográfico como textual. Devagar, devagarinho, como bom português, lá fui andando…

 

 

Não pretendo com o que vou escrever aproveitar este espaço para publicitar o meu trabalho, sobejamente conhecido, mas apenas demonstrar e chamar a atenção que, por vezes, vale a pena empreendermos numa tarefa cultural e socialmente útil, mesmo que não obtenhamos qualquer dividendo da mesma. O que muita gente já apelidou de outro tipo de “serviço público”.

O sucesso desta "empreitada" ao longo dos últimos sete anos foi para mim gratificante tendo conseguido ser mais uma nova fonte de consulta para muitos estudantes, investigadores, organismos oficiais, etc. O meu modesto contributo baseado apenas em pesquisa na internet, alguns livros e revistas antigas foi consumindo "apenas" sete horas por dia em seis dias por semana.

Sabendo todos os visitantes, seguidores e leitores, que os temas eram exclusivamente de antes 25 de Abril de 1974, e abrangendo maioritáriamente o período entre 1900 e 1974, com enfoque principal no período do Estado Novo, nunca uma voz crítica se levantou, antes pelo contrário. Fiquei surpreendido mas o número de visitantes (2.300.000) e páginas vistadas (6.770.000) alcançado veio-me demonstrar e confirmar a "sede" e vontade de saber acerca desse período, que durante algumas décadas foi evitado sequer falar.

Mas muito pouco ainda damos importância à nossa história, até quando a mesma poderia ser um atributo de grande valia publicitário. Um exemplo: de entre algumas curiosidades que me impressionaram pela negativa foi o facto de, por exemplo, alguns hotéis históricos de Lisboa não referirem sequer o seu ano de fundação nos seus sites, que deveria ser motivo de orgulho (penso eu). Um deles, depois de visitar um artigo que escrevi, acerca do mesmo no meu blog, lá viria a colocar o ano de fundação (1875) mas acompanhado de um erro histórico clamoroso, apelidando-se de “Primeiro Hotel em Lisboa”, em vez de mencionar “Hotel mais antigo de Lisboa ainda em funcionamento”, enfim…

 

Hotel-Duas-Naes.131[1].jpg

 

Ao terminar, apraz-me registar, com satisfação, que vão aparecendo cada vez mais fontes de consulta online, e as que já existem vão-se aprimorando e desenvolvendo o seu meritório trabalho em prol da comunidade, ávida de saber e de cultura independentemente da época. A par, vão aparecendo grupos de Facebook direccionados para Lisboa antiga, Porto antigo, Arte e Monumentos etc., assim como alguns blogs históricos de qualidade, que só vêm enriquecer o nosso panorama cultural, tornando-se em mais fontes de consulta e pesquisa.

Repito: os grandes e pequenos arquitectos, industriais, comerciantes, médicos, engenheiros, artistas, etc. que foram construindo o nosso país ao longo dos últimos séculos não merecem ser esquecidos.

Os “fantasmas”, preconceitos e outras coisas mais vão-se diluindo com o tempo e desaparecerão por completo. Como tudo na vida é preciso que uns comecem… e que outros continuem.

 

 

José Augusto Leite

(blogue RESTOS DE COLECÇÃO)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: LUÍS MILHEIRO

por Pedro Correia, em 28.04.17

 

Viver na estrada ou morrer no estádio...

 

Às vezes pensa que mais valia ter morrido no estádio.

Nunca mais seria esquecido, nem duvidavam dele quando afirmava que era fulano tal, esse mesmo que jogara no meio campo do “Belém”. E que só por não ter tido muito juízo, é que andava agora com uma camioneta a distribuir pão, aqui e ali.

Raramente é reconhecido. E quando isso acontece chega a ser deprimente, pois só alguns “doentes da bola”, dos que fazem todas as colecções de cromos, o enchem de palmadas nas costas. É por isso que lhes mente quase sempre, diz que é engano, que não é esse cromo do Belenenses, que lhe faltou numa colecção qualquer.

Pode parecer contraditório, mas as coisas da fama são mesmo assim, é como o amor, só gostas de quem te vira as costas, de quem não fica à tua espera na esquina.

Um dia, num completo desespero, dias depois de se divorciar da segunda mulher, queimou tudo o que tinha em casa dessa outra vida, fotografias, camisolas, calções, etc.

Os troféus teve o cuidado de os levar para a casa dos pais, dias antes. Foi por isso que escaparam a mais aquela crise de identidade, assim como os álbuns de fotografia dos tempos de solteiro e os recortes que o pai foi coleccionando ao longo da carreira.

Mas a “destruição” não mudou nada, parece que os álbuns de retratos continuam lá todos por casa, com as louras platinadas bem entrancadas e o inesquecível Lamborguini azul marinho, que lhe venderam como se fosse a sua cara. Não devia pensar nisso, até porque as louras hoje devem estar todas encarquilhadas e o desportivo está na sucata há muitos anos…

Estava ali a almoçar, com aqueles homens cansados de trabalhar como escravos, com vontade de fazer uma revolução, pelo menos de palavras. Ele nem isso. Continuava às voltas com o passado, tão mal resolvido…

Ali ninguém o reconhecia e ainda bem. Ainda lhe chamavam parvo, por ter deitado tanta coisa fora… por ser agora também “escravo” nesta sua última vida. Foi então que, à boa maneira portuguesa, se tentou confortar, “lambendo as feridas” e dizendo para os seus botões que ganhava uma miséria e não gostava nem um pouco do que fazia, mas pelo menos tinha trabalho.

Olhou o relógio, pagou a despesa e despediu-se da malta, pois tinha de se fazer à estrada, na velha Transit, cada vez menos voadora…

 

 

Luís Milheiro

(blogue LARGO DA MEMÓRIA)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Convidado: RUI ÂNGELO ARAÚJO

por Pedro Correia, em 26.04.17

 

Criar o futuro

 

Há talvez vinte anos, um fornecedor de produtos informáticos tentava convencer-nos de que a ausência de cedilhas e acentos no processador de texto do software que nos vendia não representava nenhuma limitação, já que no futuro, um futuro luminoso ali ao virar da esquina, esses detalhes da língua desapareceriam. Com o uso generalizado da informática, uma novilíngua agramatical impor-se-ia com naturalidade e júbilo, contra os info-excluídos velhos do restelo. Contudo, a empresa fabricante, apesar de estrangeira, não tinha as mesmas ideias visionárias do seu representante na província lusa: não tardou a haver actualizações do software que incluíam dicionário em português, com a vetusta cedilha e tudo.

 

O Público de há uns dias trazia um artigo de mais um destes seres tecnológicos ávidos de futuro, agora um espécime que, com espantosa presciência e originalidade, declara a morte do livro.

Não vale a pena perder muito tempo com o texto em si, a estultícia intrínseca da argumentação é suficiente para fazer dele um nado-morto. Interessa-me, porém, na medida em que um cadáver interessa a um médico-legista ou a um epidemiologista — ou talvez na medida em que interessa a um taxidermista —, interessa-me perder um minuto a identificar o gérmen de que se contamina a prosa e a determinar o instinto primitivo que leva alguém a cometer textos assim.

 

O preclaro articulista é designer e isso não diz nada sobre ele, porque nenhuma formação académica ou profissão determinam o brilhantismo ou a burrice do utilizador. Mas a malícia trouxe-me à memória aquelas revistas artísticas e literárias de gosto gráfico vanguardista que no dealbar do século XXI faziam sair do prelo páginas por vezes curiosas mas ilegíveis, como se na redacção se digladiassem o editor literário e um designer gráfico revanchista e este levasse a melhor. Não falo de experiências comemorativas do centenário modernista, com ideias futuristas de tipografia ou de mancha de texto, mas sim de ornamentação barroca, sobreposição e mescla de imagem, texto e formas geométricas, colorações infelizes e sem contraste, escalas inadequadas e caprichos afins que nas melhores das hipóteses pediam lupa e excelente iluminação e nas piores não deixavam de todo o ler o texto, caso ele fosse para ler.

 

livres-bouquins-bibliothèque-1560x1170[1].jpg

 

Quando o designer é em simultâneo amante de literatura sabe que nos livros e revistas, independentemente do suporte, o seu espaço de trabalho fica nas margens do texto, mas já nem sequer como nos fólios medievais, que a página precisa de respirar. Tirando tipografia, capas, folhas de rosto, índices, marcas de capítulos, etc., não há muito a fazer, quem lê não quer perturbações no seu campo visual, e quem escreve — a não ser que esteja em fase Apollinaire ou Mallarmé, ou pretenda ter o seu momento de fusão disciplinar, de importação gráfica de meios comunicacionais contemporâneos — também não quer dar ao seu leitor mais trabalho do que o de mergulhar no texto.

 

Mas atrevo-me a dizer que para o articulista do Público o livro não está a morrer por incompatibilidade com as novas realidades e interesses do design digital ou tecnológico. O livro morre porque os opressores devem morrer. É a emancipação da mediania (ou da mediocridade), por perversão democrática, que exige a condenação do livro. O autor, ao contrário do que diz e possivelmente acredita, não prevê o fim de uma época, mas exprime o desejo de um mundo à sua medida. Adivinha-se pelo artigo que a sua relação com o livro é a de vítima, não de cúmplice ou amante. Vítima por ter sido em algum momento do seu desenvolvimento traumático obrigado a pegar num contra a vontade. Vítima por o torturar a mera ideia de permanecer em silêncio algumas horas com um livro na mão. Vítima por ter intuído a sua condição de plebeu perante uma certa aura aristocracia dos literatos (uma classe na verdade hoje decadente ou pouco influente, mas que ainda provoca ódios e rancores, nem que seja pela memória do seu antigo ascendente social — o ressentimento, já se sabe, exige retroactivos e transmite-se por via genética).

 

Como o meu vendedor de software de há vinte anos, o cidadão médio, de que o nosso designer parece distinto exemplar, sonha com um mundo à sua imagem, sem cedilhas ou outras extravagâncias intelectuais que atrapalhem a irrequietude púbere e impaciente do frenético admirável mundo novo. Sonha com um mundo em que todos têm um só olho e ninguém é rei. É decerto fã do Got Talent.

 

Num outro texto, de 2014 (sim, dei-me ao trabalho de procurar outros cometimentos do articulista), o designer, ignorando o dicionário, enuncia translucidamente a sua condição, mas não da forma que imagina:

 

«Gosto de acreditar que, nós designers, somos “futurologistas”. Ou seja, somos peritos a criar o futuro, ou pelo menos a prever ou a antever os tempos ...» [Sublinhado meu.]

 

A chave está de facto em criar o futuro, não em prevê-lo. Designers ou sapateiros (a profissão é irrelevante), o wishful thinking que estes indivíduos tomam por pensamento filosófico e visionário transforma-se em gesto criador quando decidem não ler livros. E o gesto criador ascende a verdadeiro Genesis quando toda uma multidão decide eleger os seus iguais, confundindo democracia com mediocracia.

 

 

Rui Ângelo Araújo

(blogue OS CANHÕES DE NAVARONE)

Autoria e outros dados (tags, etc)




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D