Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Confissões

por Sérgio de Almeida Correia, em 30.01.15

A minha zona de conforto fica em casa. A minha zona de conforto não é pública.

(Não há liberdade sem escolha. Não há liberdade sem afirmação política. E é-me infinitamente mais querida a liberdade, ainda que dolorosa, do que o mainstream)

O Delito de Opinião é uma afirmação de liberdade fora da minha zona de conforto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Confissões antes da meia noite

por Patrícia Reis, em 04.09.12
Entre as várias coisas sobre as quais não falamos está a angústia tremenda de ter um livro à nossa frente que é apenas um documento no computador, sendo que as personagens andam atrás de nós como se fossem uma família de melgas, um sapato que teima em ficar sem salto, um buraco no bolso do casaco. O tempo passa - muito tempo - e revemos, lemos alto e, depois, como no bacalhau, colocamos de molho. À espera que a história nos largue, que o sal desapareça. Mas não: ali está ela, num pormenor do dia, numa frase de alguém, num outro livro, numa música pirosa... A construção de um livro é, dizem, um trabalho difícil. Diria, como Paul Auster, que é insano e que as pessoas que têm uma vida e a desfrutam nunca se sujeitariam a esta espécie de loucura. Perguntarão: pode ser uma boa loucura? Não faço ideia. Escrevo por necessidade. Tem de ser. Mais nada. E depois da história estar escrita, por vezes de rajada, lá ando meses, anos, para trás e para a frente, corto, tiro, acrescento, muda da terceira pessoa para a primeira, odeio o narrador, amo o anti-herói, não resisto a uma memória. A memória é, diz Santo Agostinho, o ventre da alma e os livros são estes depositários de almas. A minha, a existir, estará num livro qualquer, impressa ou por imprimir. Com este livro já não tenho alma, tenho as vísceras e a pele na luminosidade que me agride do computador. Sou a personagem A e B e sei o final e não quero lá chegar. A minha editora acarinha a ideia. As amigas dão empurrões. Os amigos reforçam a necessidade de criar. O meu marido diz-me que escreva e não pense nisso. Tem razão, pensar não é bom.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Posts mais comentados


Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D