Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Uma obra de referência

por Sérgio de Almeida Correia, em 11.08.17

33570478.jpg

Já há algum tempo que gostaria de ter trazido este livro até vós. Publicado o ano passado, o seu autor é um historiador holandês que tem escrito muito, e bem, sobre a China. Em Macau chegou a vir um dia para dar a conhecer a sua obra, na Universidade de S. José, onde tive oportunidade de ouvi-lo de viva voz, mas à custa desse convite foi corrido o professor e politólogo francês que aí leccionava e que o havia convidado. De qualquer modo, pese embora esses circunstancialismos e oportunismos de conveniência tão pouco cristãos, vindos sempre de onde menos se esperaria em pleno século XXI e sobre os quais não rezará a história, o trabalho de Frank Dikötter é internacionalmente reconhecido.

Anteriormente escreveu Mao's Great Famine, que em 2011 venceu o Samuel Johnson Prize for Non-fiction, e The Tragedy of Liberation: A History of the Chinese Revolution 1945-1957. Desta vez, com The Cultural Revolution - The People's History 1962-1976, do qual desconheço se já existe tradução portuguesa, o autor debruça-se sobre um dos mais conturbados e ainda desconhecidos períodos da história recente da China.

Devo dizer que a excelência do seu trabalho reside, para lá das suas reconhecidas qualidades como investigador, no acesso que teve em primeira mão a documentos classificados do Partido Comunista Chinês, a relatórios policiais e a textos de discursos originais dos dirigentes chineses, antes das correcções. Considerado um livro magistral pelo New Statesman, mereceu páginas no The Guardian, de Julia Lovell e de Rana Mitter, mas também no New York Times, no South China Morning Post e em muitos outros jornais e revistas.

A capa que acima reproduzo é da primeira edição de 2017, da Bloomsbury, que é aquela que possuo, e recomendo vivamente este livro a todos os que se interessam por estas questões e não gostam de ficar pela rama do que lhes é impingido, em especial agora que nos aproximamos rapidamente do 19.º Congresso do Partido Comunista Chinês que, muitos nisso acreditam, irá introduzir mudanças significativas no rumo da liderança, consolidando ainda mais a posição de alguém que, como já foi escrito, tem hoje mais poder do que aquele que Mao alguma vez conseguiu.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Interferências

por Sérgio de Almeida Correia, em 04.08.17

"We have noted that the National Constituent Assembly election in Venezuela was held smoothly on the whole"

 

Não me digam que uma frase destas, proferida pelo porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, não é uma interferência da R.P.C. nos assuntos internos da Venezuela.

Traduzindo isto por miúdos, a China considera que eleições que decorreram num clima de intimidação da oposição, com manipulação da comunicação social e dos votos e com violência nas ruas contra os opositores do regime chavista, constituem um processo que decorreu com normalidade.

E se assim é, então também deve considerar como normal que uma manifestação tão descarada de apoio a Maduro e ao governo venezuelano não seja vista como uma interferência nos assuntos internos da Venezuela.

Tomo boa nota do que se disse porque se amanhã outros países se pronunciarem sobre as eleições que se venham a realizar em Hong Kong ou Macau, por exemplo, dizendo, imagine-se, que os processos em geral correram mal, que houve intimidação às candidaturas não alinhadas com Beijing, que houve censura e controlo da informação, que as autoridades locais confundiram o direito à informação, o exercício da liberdade de imprensa e o direito de expressar livremente uma opinião sobre as candidaturas com mera propaganda política, para além de ameaças várias à mistura, manifestando-se preocupação pela forma como os processos venham a decorrer, isso também não será considerado como uma interferência nos assuntos internos chineses, certo?

Autoria e outros dados (tags, etc)

A semântica da ditadura

por Pedro Correia, em 13.07.17

xiaobo_chair_photo[1].jpg

  Liu Xiaobo (1955-2017)

 

Mesmo na morte, os opositores às ditaduras comunistas são alvo de agressões. Pelo menos, de agressões semânticas. Volta hoje a acontecer: Liu Xiaobo, Prémio Nobel da Paz, o mais conhecido preso político chinês, que se encontrava detido nos calabouços de Pequim desde 2009 por delito de opinião, é alcunhado de "dissidente" nos obituários dos órgãos de informação - incluindo portugueses, que jamais usariam esta denominação para mencionarem um activista contra os defuntos regimes de um Pinochet no Chile ou um Videla na Argentina. Não lhe reconhecem sequer a nobre condição de opositor a uma tirania.

Liu, um dos protagonistas da manifestação de Tiananmen, afogada em sangue pelos tanques do exército chinês em Junho de 1989, só há dias foi transferido para um hospital estatal - já afectado por um cancro no fígado em fase terminal - numa tentativa hipócrita de evitar que o Governo fosse acusado de deixar agonizar na prisão outro dos insubmissos condenados ao degredo interior e à morte cívica pelo regime de partido único que vigora em Pequim desde Outubro de 1949.

 

carl-von-ossietzky-3[1].jpg

 Carl von Ossietzky (1889-1938)

 

Em 1935, o jornalista, escritor e pacifista alemão Carl von Ossietzky foi impedido pelo regime nazi de receber em Oslo o Prémio Nobel da Paz que lhe foi atribuído nesse ano. Estava detido num campo de concentração e morreu escassos três anos depois, vitimado por uma tuberculose. Ninguém ousou alguma vez chamar-lhe "dissidente".

Foi preciso esperar 75 anos para novamente um galardoado com o Nobel da Paz se ver impedido de receber o prémio na capital norueguesa e não poder sequer delegar essa função num membro da família, como sucedeu em 1975, quando Andrei Sakharov se fez representar pela mulher, Elena, e em 1983, quando também Lech Walesa esteve representado em Oslo pela mulher, Danuta.

Em 2010 - e à semelhança do que aconteceu com Von Ossietzky - nem a mulher do galardoado foi autorizada a viajar. Liu Xia, mulher de Liu Xiaobo, estava então sob detenção domiciliária. Presa só pelo facto de ser casada com o novo Nobel da Paz, galardoado em reconhecimento pela sua "luta, longa e pacífica, pelos direitos fundamentais na China", segundo sublinhou o Comité Nobel.

A cadeira que  ficou vazia nessa cerimónia adquiriu de imediato uma poderosa carga iconográfica. Como complemento directo daquela fabulosa fotografia de Stuart Franklin que capta um homem de braços nus a enfrentar uma fileira de tanques em Pequim, a 4 de Junho de 1989, poucas horas após a sangrenta repressão do movimento pró-democracia na Praça Tiananmen.

 

Tianasquare[1].jpg

  Tanques em Tiananmen (Junho de 1989)

 

Uma simples imagem desmente torrentes de propaganda e é capaz de sobreviver ao regime mais tirânico, que tem como argumento exclusivo a força bruta.

Combatamos esses regimes para honrar a memória dos cidadãos que nunca se vergaram aos seus ditames. E a primeira forma de combatê-los é recusar a semântica da ditadura, substituindo-a pelo vocabulário dos homens livres.

 

Leitura complementar: 

Ao lado dos carrascos

Os cúmplices e os outros

Um democrata não é um dissidente

Autoria e outros dados (tags, etc)

20 anos de incompreensão

por Sérgio de Almeida Correia, em 03.07.17

870503-4653110-Chinese_President_Xi_Jinping_inspec(Créditos: AP, Hong Kong)

 

Completaram-se 20 anos sobre a transferência de soberania de Hong Kong e dos Novos Territórios do Reino Unido (R.U.) para a República Popular da China (R.P.C.). A data foi assinalada com a visita do Presidente Xi Jinping e a tomada de posse do novo executivo liderado por Carrie Lam.

No entanto, o que fica destes dias, para além do extraordinário espectáculo de fogo de artifício que iluminou as águas de Victoria Harbour e os céus de Central, Causeway Bay e Wanchai, e da exibição de força do Exército de Libertação Popular foram os discursos, as entrevistas e as manifestações.

Se é certo que a vida continua, que Hong Kong continua a ser uma cidade trepidante, belíssima e atraente, que continua a haver liberdade de imprensa, não será menos verdade que muita coisa mudou. As duas décadas que passaram foram marcadas por muitos altos e baixos, por epidemias, também por instabilidade na economia e uma relação conturbada entre as forças locais, a sua sociedade civil e Beijing.

A somar a isto, os vários casos de corrupção ao mais alto nível que têm vindo a ser julgados pelos tribunais, a inabilidade política e impreparação de que deram mostra os sucessivos chefes do executivo, o atraso na reforma eleitoral e a forma incompetente como se lidou com os sentimentos do povo de Hong Kong, ajudaram a criar a ideia de que a integração da antiga colónia britânica na R.P.C. não está a ser o sucesso que se tem vindo a apregoar.

Isso ficou mais evidente quando nos últimos dias muitos milhares foram para as ruas pedir maior autonomia, mais democracia e a libertação do Nobel da Paz, o que teve como resposta um endurecimento do discurso oficial tanto em Beijing como em Hong Kong. Na capital chinesa, Li Kang, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros veio dizer, com a habitual falta de tacto político, que a Declaração Conjunta Sino-Britânica é um "documento histórico" que "já não tem significado prático", acrescentando que o R.U. não tem qualquer poder de supervisionamento ou de fiscalização sobre o que se passa em Hong Kong depois da transferência de soberania.

É evidente que as declarações sino-britânica, sobre Hong Kong, e sino-portuguesa, sobre Macau, que conduziram, respectivamente, às transferências de soberania e de administração, são instrumentos de direito internacional, destinados a vigorar durante um período de 50 anos e que, como tal, não podem ser ignorados e objecto de tamanho agravo.

As disparatadas declarações do porta-voz do M.N.E. chinês foram depois completadas com as afirmações de Xi Jinping e Carrie Lam sobre a existência de uma "linha vermelha", apesar de tudo compreensível, que não poderá ser ultrapassada em Hong Kong, mas em que o tom deixou no ar a pairar um sentimento de ameaça sobre o futuro.

A aproximação e integração de Hong Kong na R.P.C., mas também a de Macau, têm sido feitas a um ritmo acelerado, e nos dois lados em claro prejuízo da qualidade de vida e das liberdades dos seus residentes, multiplicando-se os sinais de um crescente autoritarismo dos poderes políticos e judiciais dessas regiões, com consequências imediatas na interpretação de textos legais, na liberdade de circulação das pessoas e no exercício de direitos de manifestação. A especulação imobiliária, a carestia de vida, a má qualidade do ar e uma absoluta falta de jeito para a resolução dos problemas locais, contribuíram para o crescimento de sentimentos anti-Beijing e o aparecimento de focos de independentismo que, muitas vezes não correspondendo a genuínos sentimentos de independência, surgem como atitudes de rebeldia e desafio à autoridade do poder central e ao servilismo dos dirigentes locais perante aquele.

As respostas que foram dadas, muitas vezes despropositadas, ajudaram a um cada vez maior radicalismo do chamado movimento democrático e à alienação de uma boa parte do apoio das novas gerações, cada vez mais desconfiadas das intenções de Beijing e temendo que a antecipação do final do período de transição signifique o fim das suas aspirações de auto-governo e de mais democracia.

A demonstração de meios militares que Beijing resolveu fazer no passado fim-de-semana no quartel de Shek Kong, com uma exibição ostensiva de meios aéreos e mísseis, terá agora continuação com a anunciada visita à Região do moderníssimo avião de combate J-20 e do porta-aviões Liaoning, que participarão nos exercícios militares das celebrações do handover.

Por outro lado, a rapidez com que o Presidente chinês passou por Hong Kong, o aparato do anel de segurança, as ruas fechadas, os visitantes impedidos de entrar em Hong Kong dias antes da sua chegada (como aconteceu com um activista referenciado de Macau que pretendia ir a uma consulta médica de rotina e foi obrigado a regressar), as prisões de 26 activistas ainda antes da chegada da comitiva presidencial, levaram alguns a dizer que a visita não serviu para nada, do ponto de vista dos interesses de Hong Kong.

Pode ser que o facto do novo governo ser liderado por uma mulher traga mais bom senso, outra sensibilidade para as questões locais e uma outra forma de lidar com os assuntos que preocupam a sociedade de Hong Kong, amaciando o tom dos avisos de Beijing. Mas por agora a esperança é pouca e a desconfiança muita.

O último governador de Hong Kong, Chris Patten, recordava há dias um episódio ocorrido pouco antes de 1 de Julho de 1997, numa visita a um centro de saúde mental, quando um dos doentes aí internado se lhe dirigiu, com uma desarmante lucidez, questionando-o como era possível que a mais antiga democracia do mundo fosse entregar a antiga colónia a um dos últimos e o maior estado socialista do mundo sem consultar a população de Hong Kong.

Os últimos 20 anos não foram de molde a inspirar um aumento de confiança dos "hongkongers" no que chega de Beijing. Também a forma como a intervenção do poder central é vista não é igual entre todos os residentes, pois convém não esquecer que muitos são residentes recentes educados num outro espírito e que chegaram do outro lado da fronteira.

O outro lado onde, como ainda há pouco mais de uma semana pude comprovar quando estive em Shenzhen – a zona económica especial que faz fronteira a norte com os Novos Territórios, e que no espaço de três décadas se transformou de uma aldeia de pescadores numa metrópole moderna de mais de 11 milhões de habitantes e com mais de uma dezena de linhas de metropolitano –, a censura continua a imperar, mesmo quando em causa está a transmissão de uma emissão de rotina da CNN no moderno hotel de uma das mais prestigiadas cadeias internacionais. No intervalo dos programas que estavam a ir para o ar, sempre que surgia o anúncio da cobertura que aquela estação televisiva iria fazer das cerimónias dos 20 anos da transferência de soberania de Hong Kong e da programação especial alusiva ao evento, a emissão era cortada e só retomava no final do anúncio. Agora os anúncios também estão em causa. Já não se trata só de censurar o programa no dia em que for para o ar.

Esta preocupação com o controlo, tão típica de regimes autoritários e estados policiais, recebeu esta manhã honras de primeira página no South China Morning Post que destacou declarações de Carrie Lam. A nova chefe do executivo de Hong Kong avisou da necessidade de se fazer mais para "se ensinar os novos sobre a China", e que isso não podia ser rotulado como "lavagem ao cérebro", declarações que vêm no seguimento, aliás, do que afirmou o Presidente Xi Jinping no sentido de ser feita uma "interpretação correcta" do princípio "um país, dois sistemas" e de que o "amor pela história e cultura da China são vitais". Sobre estes dois pontos ninguém tem dúvidas.

O problema estará só em saber até que ponto a população de Hong Kong se predisporá a aceitar uma interpretação e uma visão impostas a partir de Beijing, mais limitadoras do que aquilo que lhes foi prometido e aparentemente garantido pela Declaração Sino-Britânica e a Lei Básica de Hong Kong. A ver vamos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Teias

por Sérgio de Almeida Correia, em 23.06.17

"Segundo o The New York Times, por trás do Grupo HNA, ac[c]ionista da TAP por via do consórcio Atlantic Gateway – e da companhia brasileira Azul – estará Wang Qishan, dire[c]tor do órgão máximo de combate à corrupção na China. O mesmo, aliás, que alegadamente domina a Capital Airlines, segundo denúncia de Guo Wengui, bilionário chinês exilado nos Estados Unidos."

 

O extracto é deste editorial. O artigo do New York Times está aqui.

Convém que em Portugal não falte a luz. É que não se perde nada em ir lendo e acompanhando. Por causa das surpresas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mais um "condimento"

por Alexandre Guerra, em 12.07.16

Há uns dias escrevi aqui no Delito sobre um tema que há muito acompanho com interesse, que tem a ver com as perigosas "brincadeiras" que vão acontecendo para os lados da Península da Coreia e dos mares do Japão e da China. E disse que "qualquer acidente ou incidente que por ali aconteça (e têm acontecido alguns) pode acender o rastilho para algo de dimensões problemáticas". Hoje, o Tribunal Permanente de Abritragem, em Haia (sem poderes vinculativos), acrescentou mais um "condimento" ao dar razão às reivindicações das Filipinas contra os interesses da China. Pequim já disse que não vai acatar qualquer recomendação ou decisão.

 

Map showing the South China Sea

Autoria e outros dados (tags, etc)

"Brincadeiras" que um dia podem correr muito mal

por Alexandre Guerra, em 23.06.16

20160623001277_0.jpg

Lançamento na Quarta-feira de um dos dois mísseis de médio alcance Musudan com a presença de Kim Jong-un/Yonhap 

 

Nos últimos anos vai-se tendo cada vez mais a impressão de que, a acontecer qualquer drama militar de dimensões cataclísmicas, começará numa "brincadeira" para os lados da Ásia oriental. Se é na Península da Coreia (que, "by the way", continua formalmente em estado de guerra), no Mar do Japão ou no Mar Oriental ou Sul da China, ainda está para se ver (esperemos que não). Além dos interesses territoriais inconciliáveis entre várias nações que se jogam naquelas paragens, esta região é, no actual contexto geopolítico e geoestratégico, uma espécie de ponto de confluência de várias "placas tectónicas". Porque, além dos actores regionais directamente envolvidos nas disputas territoriais, tais como a China, o Japão, a Coreia do Norte, a Coreia do Sul, a Rússia, o Vietname, as Filipinas, entre outros, o jogo de alianças e de interesses acaba por envolver também os EUA, sobretudo pela sua ligação aos aliados nipónicos e a Taiwan.

 

Qualquer acidente ou incidente que por ali aconteça (e têm acontecido alguns) pode acender o rastilho para algo de dimensões problemáticas. Da disputa das Ilhas Curilhas, entre o Japão e a Rússia, à das Ilhas Spratly, entre Pequim e várias nações, tais como as Filipinas ou o Vietname, passando pelas "escaldantes" Ilhas Senkaku (ou Diayou para os chineses), sob administração japonesa mas reclamadas por Pequim, os factores de ignição são muitos. São recorrentes os episódios militares hostis, sobretudo por parte de Pequim, com Washington, por exemplo, à distância, a ir dizendo que não permitirá qualquer ameaça à integridade territorial do Japão. Isto já para não falar do "dossier" Taiwan. Mas é principalmente de Pyongyong que vem a maior ameaça sistémica. A Coreia do Norte não abdica da sua retórica bélica e provocadora e tem dado claros sinais de que a acompanha com uma escalada militar. Ainda ontem testou mais dois mísseis balísticos de médio alcance, conhecidos no Ocidente como Musudan, tendo o primeiro falhado, mas o segundo alcançado os objectivos. E trata-se de informação já confirmada pela Coreia do Sul e EUA.

 

Se ainda estou recordado das aulas de Problemática e Controlo de Armamentos, um míssil balístico de médio alcance (MRBM/IRBM) poderá ter um raio de acção entre os 500 quilómetros e os 5000. A partir daí estamos a falar de mísses Intercontinentais (ICBM). Este míssil norte-coreano terá voado 400 quilómetros, o que, segundo os especialistas, representa uma melhoria em relação ao teste anterior. Há poucas dúvidas de que se o regime de Pyongyang continuar a testar os seus mísseis, irá conseguir desenvolver na sua plenitude de forma eficaz estes vectores de lançamento de eventuais ogivas nucleares. E, por isso, o líder norte-coreando, Kim Jong-un já veio dizer que o seu país está em condições de atacar interesses dos Estados Unidos na ilha de Guam, no Pacífico. Se é certo que muitas das vezes a retórica proveniente dos líderes daquele regime é mera propaganda, desta vez, e a julgar por algumas reacções, as palavras de Kim Jong-un estão a ser levadas mais a sério.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O ideal era ser nas Spratly

por Sérgio de Almeida Correia, em 24.05.16

20160524_142623-1.jpg

 Harry, um grande senhor do cartoon, sobre a visita de Obama a Tran Dai Quang. Esta manhã, no South China Morning Post.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ou era só garganta?

por Rui Rocha, em 14.02.16

Em 2011, a incansável Aiveca pronuciava-se, pelo Bloco de Esquerda, nos seguintes termos a propósito da venda de parte do capital da EDP à Three Gorges: "Estamos perante uma posição incompreensível e inaceitável, ainda mais grave porque se trata de uma empresa chinesa, de um país em que o regime ditatorial é efectivamente uma realidade". Sabe-se que a inesgotável Aiveca anda perto do limite devido às 40 horas de trabalho semanal na função pública, mas espera-se que consiga dispor de cinco minutinhos do seu tempo para se pronunciar sobre isto. A menos, claro, que entretanto a China tenha deixado de ser um regime ditatorial.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Que farão eles aos Maserati?

por Sérgio de Almeida Correia, em 11.12.15

005f385e-9f24-11e5-b919-9dd19e242533_486x.jpg

 (SCMP)

Com mais um dos campeões das privatizações do anterior Governo em paradeiro incerto, e com os seus amigos portugueses que são escolhidos "por mérito" para os assessorarem em Portugal a navegarem num mar de (in)tranquilidade sobre o futuro das suas senhas de presença, eis que ficamos a saber que o camarada Bian Fei amealhou mais de 13 milhões de euros em generosas "ofertas". Que o homem tinha bom gosto não há dúvida, mas a minha preocupação neste momento é mesmo saber qual o destino dos três Maserati. Ficarão ao serviço da Comissão de Disciplina do PCC? Confiscados e enfiados num armazém é que não pode ser. De qualquer modo, se precisarem de alguém para os ir buscar é só avisar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Da regulação forte e centralizada

por José António Abreu, em 11.07.15

Blogue_MercadoChinês.jpg

Depois de cair trinta por cento (o equivalente a quinze Grécias), a bolsa chinesa recuperou cinco. Por lá, ainda que talvez apenas por enquanto, a «regulação» funciona. Pelo menos o estilo de regulação que vai até à proibição de venda de títulos e à ameaça de prisão para quem desobedecer. Vantagens de um sistema político e regulatório com capacidade para impor a sua vontade. Muitos políticos ocidentais, vítimas da «especulação» e dos «mercados», devem sentir inveja. Não podendo recorrer à polícia, resta-lhes tentar obter o mesmo efeito usando os bancos centrais.

 

(Clicando no gráfico e usando a opção «outros tamanhos», é possível aceder a versões maiores. Vale a pena ler as legendas, em especial as mais à direita.)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os «estímulos» começam a não resultar...

por José António Abreu, em 07.07.15

Bolsa chinesa cai mais de 30% em poucos dias, apesar dos esforços do Banco Central lá do sítio. Para além da injecção de paletes de dinheiro acabado de inventar, entre as medidas de revitalização contam-se: cortes da taxa de juro de referência e dos requisitos de reservas de capital que os bancos têm de assumir nos empréstimos; diminuição dos limites a que os fundos de pensões possam investir em acções; suavização das limitações à negociação de acções alavancada em dívida; e a criação de um novo fundo para estabilizar o mercado, alimentado por 21 corretoras locais, a partir de 4 de Julho. Fazendo um esforço para ignorar a falta de clareza e os erros de concordância presentes no texto (diminuição dos limites a que os fundos de pensões possam investir em acções?), são medidas para, a prazo (assumo misericordiosamente que no imediato ainda terão algum efeito), se obterem resultados espectaculares.

Autoria e outros dados (tags, etc)

De novo o Dr. Doom.

por Luís Menezes Leitão, em 07.07.15

Em 2013 quando tive ocasião de receber Roubini em Lisboa, ele fez uma previsão que achei muito mais arrepiante do que as preocupações que já então tínhamos com a crise grega, da qual na altura Portugal ainda não se dissociado claramente. A sua previsão foi a de que a China iria inevitavelmente cair, só não sabia se seria uma queda a pique ou uma aterragem suave. Pouco tempo depois em Davos repetiu essa previsão. Agora com a bolsa chinesa em queda imparável parece que os seus piores receios se confirmaram. Conforme diz a velha maldição chinesa, estamos manifestamente a viver em tempos interessantes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Uma lição

por Sérgio de Almeida Correia, em 19.06.15

220px-LEGCO_Complex_2011_Council_Block02.JPG

Em Pequim ainda devem estar a pensar se o que aconteceu ontem em Hong Kong, no Legislative Council (Legco), com a votação do pacote de medidas preparado pelo Governo de C.Y. Leung, através da Secretária Carrie Lam, tendente a uma pseudo-reforma democrática das leis eleitorais, resultou de um guião mau preparado, de dificuldades de comunicação ou da pura e simples má qualidade dos actores que a China escolheu para defender os seus interesses naquela Região Administrativa Especial.

De há muito que se sabia qual é que seria, previsivelmente, o sentido de voto dos deputados: de um lado estariam os pró-Pequim, sempre prontos a apoiarem todas as indicações que lhes chegassem da "Mãe-Pátria", do outro os hongkongers do campo democrático (Pan-democrats), que depois das manifestações de rua do ano passado, que tantos incómodos causaram, já tinham anunciado que iriam votar contra e bloquear a reforma semi-democrática que lhes era oferecida.

Para quem não acompanhou o início da discussão, convirá esclarecer que à semelhança do que acontece em Macau só uma parte dos membros do Legco é que é eleita por sufrágio directo. Dos seus membros há trinta que são eleitos por sufrágio indirecto. De acordo com a Lei Básica de Hong Kong, texto para-constitucional da Região, hoje vista como a Magna Carta dos seus cidadãos, o artigo 68.º estatui como objectivo último a eleição por sufrágio universal de todos os membros do Legco, havendo idêntico artigo para a eleição do Chefe do Executivo. O que o Governo de Hong Kong preparou, de acordo com as directivas de Pequim, foi um pacote de reformas que previa, entre outras coisas, um sufrágio universal condicionado para a escolha do próximo Chefe do Executivo, que terá lugar em 2017. Condicionado porque o princípio "one man, one vote" iria depender de um esquema de pré-aprovação, por parte de Pequim, dos candidatos que se apresentassem a sufrágio, com o seu número limitado a três. Importa também referir que o número de forças políticas representado no Legco é elevado (16), dividindo-se entre os dois campos (Pró-Pequim e Pan-democratas) e que dos Independentes há 8 pró-Pequim e 3 que não alinham com nenhum dos lados e procuram manter-se equidistantes, pelo menos em teoria.

Os democratas sempre rejeitaram reformas mitigadas, muitas vezes recordando que existia um compromisso político e legal que devia ser respeitado e que a introdução de uma democracia com regras distorcidas, que não contemplasse a eleição directa e por sufrágio universal, sem condicionamentos de qualquer ordem, do próximo Chefe do Executivo, seria uma violação das garantias constitucionais da Região e da palavra de Pequim. Alguns ainda argumentaram que apesar dos constrangimentos introduzidos sempre seria preferível uma eleição em que todos os cidadãos participassem - coisa que nunca aconteceu no tempo da administração colonial - com candidatos pré-escolhidos, do que a continuação do actual esquema que, pelos vistos, também não tem dado bons resultados, tantos e tão graves têm sido os problemas ocorridos em Hong Kong, quer numa perspectiva política, com sucessivos casos de corrupção envolvendo os mais altos dirigentes escolhidos com o aval da China, quer numa perspectiva estritamente económica.

A aprovação do pacote de medidas estava, em todo o caso, dependente de uma maioria de 2/3, que só seria atingível com votos do campo democrático. Logo, o risco à partida já era grande se os 27 deputados do campo Pan-Democrático votassem. Mas o que aconteceu foi que momentos antes da votação, 31 dos membros apoiantes do governo de Hong Kong, alegando o atraso de um dos seus (Lau Wong-fat) para a votação, ao que parece retido em razão do congestionado trânsito da cidade, abandonaram o hemiciclo confiando que a votação iria ser adiada, logo aí revelando desconhecimento do regimento do Legco. Sucedeu que a votação não era passível de adiamento e a seguir teve lugar o chumbo da proposta do governo de Hong Kong. A votação registou 28 votos contra, 27 votos do lado democrático complementados com mais um voto de um membro pró-Pequim, oito a favor e nenhuma abstenção. 

Para lá da ignorância e falta de coordenação que as forças pró-Pequim revelaram, para o governo de Hong Kong e para Pequim o resultado, como escrevia esta manhã o South China Morning Post, foi um fiasco. Mas mais importante do que a risada geral que provocou  -  "Alliance chairman Andrew Leung Kwan-yuen said he went to Beijing's liason office yesterday afternoon with several party colleagues to tell a deputy director what happened. Meanwhile, according to Liberal Party sources, senior liaison office officials called party leader Vincent Fung Kang at about 1pm yesterday to praise its lawmakers." (SCMP) -, é saber que consequências podem daqui resultar. Para Hong Kong, para Macau e para a própria China.

O campo político da Hong Kong há muito que está extremado, não havendo sinais que permitam pensar que daqui para a frente vai ser diferente. O impasse deverá continuar, salvo se alguém tiver o bom senso de propor uma solução transitória que salve a face das duas partes e permita o recomeço do diálogo, eventualmente assente noutras bases e novos compromissos. Em todo o caso, um endurecimento das posições de Pequim e uma revisão daquela que tem sido a sua política em relação a Hong Kong não será de excluir. 

Para a China, numa perspectiva interna, as consequências serão nenhumas. A não ser em relação àquilo que já era conhecido. Isto é, a confirmação de que existe dificuldade em aceitar as regras do jogo democrático e confiar a gestão de Hong Kong ao seu povo. E se é assim em Hong Kong, é natural que os democratas de um lado e do outro lado dos Novos Territórios tenham razões para continuar apreensivos, tanto mais que Pequim já veio ridiculamente criticar os Pan-democratas por estarem, imagine-se, a obstruir o desenvolvimento democrático de Hong Kong.

Quanto a Macau, as consequências podem também ser nenhumas. O que aconteceu em Hong Kong poderá, quando muito, tornar mais medrosa, mais acomodada e mais subserviente uma governação - e refiro-me à última década - que tem dado constantes mostras de fraqueza, obediência, falta de arrojo e de visão estratégica. E, ao mesmo tempo, acalmar as hostes democráticas locais, mantendo-as na expectativa sobre o que se irá passar em Hong Kong antes de decidirem avançar com novas formas de pressão e renovadas exigências, no que só revelarão bom senso.

Há, ainda, uma outra conclusão a extrair. E esta diz respeito a todos, quer estejam em Hong Kong, em Macau, na China, em Portugal ou em qualquer outro lado: o recurso aos yes-men para garantir a permanência no poder e concretizar políticas, além de revelar a pouca inteligência de quem os escolhe, é sempre um risco muito grande. A idiotia, como a verdade, vem sempre à superfície e, normalmente, sob as formas menos esperadas e mais caricatas. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Emily Lau

por Sérgio de Almeida Correia, em 03.01.15

20140611201746358.jpgNão há nada que justifique o impedimento da entrada de Emily Lau em Macau. Os deuses devem estar a enlouquecer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Serralharia de luxo

por Sérgio de Almeida Correia, em 02.01.15

P01-01-15_17.52.jpg

P01-01-15_17.53.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

A cada um a sua lei

por Sérgio de Almeida Correia, em 10.10.14

20120704_51b0c6b5a8d395e33407t8R02hzlJ5VQ.jpgEm 2012 muita gente se interrogou sobre se Leung Chun-ying seria digno de confiança. Em causa estava na altura a realização de um conjunto de obras ilegais nas suas casas do Peak. Depois da assunção de responsabilidades e de um pedido de desculpas o assunto morreu. Mas hoje volta a ser pertinente colocar a mesma questão e a resposta mais óbvia parece ser "não, não pode confiar".

Os movimentos desencadeados em Hong Kong em torno da escolha do futuro Chefe do Executivo daquela poderosa Região Administrativa Especial da RPC, no sentido da escolha por sufrágio universal e directo já em 2017, agudizaram-se a partir do momento em que foi conhecida a decisão de 31 de Agosto do Congresso Nacional Popular que determinou que a escolha dos candidatos a sucessores de C. Y. Leung ocorresse no seio do Comité de Eleição em termos idênticos aos verificados em 2012, isto é, sendo aquele órgão escolhido e controlado por Pequim a determinar quem seriam os candidatos que poderiam depois apresentar-se à eleição.

Esta decisão foi vista por largos milhares de pessoas como um grave desvio à letra e ao espírito do artigo 45.º, n.º 2, da Lei Básica de Hong Kong. Recorde-se que este normativo estatui que o objectivo último é a escolha do Chefe do Executivo de HK através do sufrágio universal por parte de um comité escolhido de acordo com as regras democráticas.  Nada mais se dizendo, a única forma que Pequim encontrou para obviar à apresentação de candidaturas saídas dos movimentos e partidos democratas que se lhe opõem foi a de tirar com uma mão o que aparentemente dava com a outra. Ou seja, o que Pequim disse foi que para haver sufrágio universal em 2017 o número e o nome dos candidatos seria previamente aprovado pelo órgão da sua confiança, devendo os três candidatos (número máximo) que viessem a ser aprovados obter o consenso de mais de 50% dos membros do Comité de Eleição.

Se em Maio, Junho e Julho a cena política já estava quente, e não apenas pela impiedosa canícula e humidade, tendo-se os campos extremado após o anúncio do movimento "Occupy Central" e a manifestação pró-Pequim de 17 de Agosto, que trouxe para as ruas centenas de milhares de pessoas, como que a dizer que em Hong Kong não havia só oposição mas também apoio na rua às intenções de Pequim, o final de Setembro colocou as autoridades locais perante novos desafios. A ocupação e paralisação de vastas zonas do centro nevrálgico de Hong Kong por movimentos cívicos e de estudantes veio chamar ainda mais a atenção internacional para a situação da antiga colónia britânica.

Durante algumas semanas, em virtude de ter andado por outras paragens, foi-me impossível acompanhar ao vivo e em directo o que se ia passando, ficando limitado ao que surgia nos jornais e nos ecrãs das televisões por onde passava, e era divulgado via Internet, mormente através de blogues e redes sociais. Apesar disso, creio que qualquer observador externo, que não acompanhasse a realidade local, sem dificuldade perceberia o que se estava a passar e perguntaria até quando as autoridades chinesas estariam dispostas a permitir o caos numa das mais importantes praças financeiras do mundo, numa das cidades mais belas e mais visitadas da Ásia.

Aos poucos foi possível perceber que o movimento desencadeado estava dependente de frágeis lideranças e de uma estratégia que, para além de reclamar o cumprimento de promessas e do artigo 45.º da Lei Básica, fosse mais do que a simples decisão de ocupação pacífica do centro da cidade. Muitos apontaram-lhe falta de consistência política. No entanto, e depois de um período em que o cansaço se começou a tornar evidente nos manifestantes, nas autoridades e em vastos sectores da população, as revelações do passado dia 8, do Sidney Morning Herald, voltaram a colocar a população em polvorosa e podem funcionar como um novo impulso para um reagrupar de forças e um endurecimento do movimento "Occupy Central" contra Pequim e a protecção que tem sido conferida à sua gente em Hong Kong.

Em causa está o recebimento por parte do Chefe do Executivo de Hong Kong de cerca de 4 milhões de libras, cerca de 50 milhões de dólares de Hong Kong, em dois pagamentos que lhe foram efectuados pelos australianos da UGL. De acordo com o que entretanto foi conhecido, C. Y. Leung dois dias antes de se demitir da DTZ, a entidade para a qual trabalhava e de que era director antes de se tornar Chefe do Executivo de HK, assinou um contrato secreto para ser "referee and adviser" do grupo australiano e para prevenir que formasse e/ou se associasse a uma empresa ou grupo rival contra os seus antigos patrões. Sabendo-se que já em Novembro de 2011 C. Y. Leung apresentara a sua candidatura à corrida para Chefe do Executivo, duvida-se da bondade dos argumentos invocados para os pagamentos, tanto mais que estes só viriam a ocorrer em 2012 e 2013, já em pleno mandato. Fosse para pagamento de comissões, tráfico de influências ou corrupção pura e dura, como parece ser, visto que em 2012 e 2013 havia a certeza de que ele não estava a desempenhar funções para terceiros concorrentes mas a exercer um cargo político em Hong Kong, certo é que este caso segue-se ao de Rafael Hui Si-yuan, outro membro do executivo de Hong Kong caído em desgraça devido às suas relações com os dois irmãos da poderosa Sun Hung Kai Properties, cujos contornos têm tanto de rocambolesco quanto de grave.

Se em Macau a sociedade civil é praticamente inexistente, reconhecidamente fraca e tudo - com excepção dos casinos e do que estes envolvem - funciona numa escala ínfima face ao que se passa em Hong Kong, não deixa de ser preocupante para as autoridades chinesas que, num momento em que na RPC o Partido Comunista e o seu líder máximo desenvolvem um combate sem quartel contra a corrupção (na melhor tradição maoísta designado por "Linha de Massas"), que já levou ao afastamento de mais de 70.000 membros do Partido, não sendo sequer poupados os seus mais altos dirigentes e a elite empresarial, nas duas regiões do delta do Rio das Pérolas se sucedam casos de corrupção envolvendo figuras do establishment, milionários, empresários conhecidos e membros dos executivos locais, em ambos os casos desafiados por jovens muito novos e estudantes - em Hong Kong um dos dirigentes do movimento tem apenas 17 anos e esteve detido durante 46 horas.

As reacções a que até agora temos assistido, que rapidamente vão da tolerância ao uso da força - bastonadas, gás pimenta e gás lacrimogéneo já foram utilizados pelas forças de segurança de Hong Kong -, com o arrastar da contestação de rua e a consequente degradação da imagem de confiança, estabilidade e segurança de Hong Kong, não permitem a ninguém com um mínimo de seriedade prever o que se vai passar a seguir. Tudo é possível.

Um endurecimento das posições de Pequim e o uso indiscriminado da força aumentará a desconfiança da população de Hong Kong, dos observadores externos e dos investidores. Por outro lado, a aceitação nas actuais circunstâncias das exigências dos manifestantes transmitiria sempre uma imagem de fraqueza que retiraria face às autoridades chinesas e poderia constituir um desafio aos movimentos, sistematicamente silenciados e desvalorizados, que no interior da China clamam por mais liberdade e democracia. Qualquer que seja o desfecho, que estou convencido ocorrerá muito em breve, talvez não mais que algumas semanas, nada voltará a ser como dantes.

Do outro lado do estreito da Formosa, apesar dos mais recentes desenvolvimentos nas relações com Taipé, são muitos milhões os olhos que observam o que se vai passando em Hong Kong. Deste lado do delta também. Não é só a confiança em C. Y. Leung e a protecção que a RPC tem dado a alguns sectores corruptos da elite empresarial e política de Hong Kong que suscita interrogações. Torna-se por isso legítimo aos cidadãos de Hong Kong perguntar até que ponto a RPC é confiável. A resposta só poderá ser dada pelas autoridades chinesas e vai depender da forma como se processar a escolha do próximo Chefe do Executivo. O que agora está em cima da mesa também não se resume a um punhado de dólares. E dificilmente estes seriam alguma vez suficientes para comprarem o que se receia ver restringido ou perder e que continua a ser preservado - até quando? - num modestíssimo 5.º andar da Austin Avenue: o direito a escolher. A liberdade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Assim fica tudo mais claro e pode ser que eles lá percebam

por Sérgio de Almeida Correia, em 04.09.14

 

"Enquanto em Portugal nós não sabemos se vamos receber, quando vamos receber, sobretudo se estamos a falar de obras públicas, aqui as pessoas estão muito preocupadas em pagar, querem pagar. Às vezes até - entre aspas - são aborrecidas, telefonam: "então quando é que eu pago?", que é um hábito que terminou em Portugal, ninguém pergunta. Pelo contrário, nós é que temos de andar atrás deles. E isso é um aspecto muito importante, é muito estimulante, e é assim que deveria ser sempre, são as regras normais de trabalho. Para além disso, somos bastante bem tratados, as condições de trabalho são muito boas, como o Siza referiu em conferência de imprensa, o cliente quer qualidade, o que é essencial." - Carlos Castanheira, arquitecto, parceiro de Siza Vieira, em entrevista ao Ponto Final.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O mestre chegou

por Sérgio de Almeida Correia, em 02.09.14

Enquanto o grande arquitecto vai pensando na renovação do Hotel Sun Sun, vou seguir a recomendação da minha amiga MJF e agendar uma visita à exposição das fotos de Fernando Guerra sobre a obra de Siza Vieira. Será um pequeno gesto de agradecimento ao homem que contribuiu para que hoje me possa sentar num aprazível jardim, durante as minhas horas de almoço, a ler os meus jornais. Em paz e sossego.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A efemeridade do poder

por Sérgio de Almeida Correia, em 31.07.14

Desconheço se em Portugal as pessoas se têm apercebido da forma como as autoridades de Pequim, pela mão da poderosa estrutura do Partido Comunista Chinês, têm levado a cabo uma profunda operação de limpeza em relação àqueles elementos que tendo atingido posições de grande destaque na hierarquia chinesa, mais ostensivamente exibiam a sua riqueza, poder e impunidade.

Têm sido vários os casos, mas aquele que mais está a dar que falar é o do até há pouco tempo intocável Zhou Yongkang. Filho de uma família pobre de Jiangsu, depois de ter começado a carreira na área do petróleo e da indústria do gás, Zhou Yongkang foi vice-ministro da Indústria do Petróleo (1985-1988), subindo na estrutura até atingir o topo da China National Petroleum Corporation. A partir daí foi ministro da Terra e dos Recursos Naturais, chefe do PCC em Sichuan, tendo desempenhado vários outros cargos até se tornar no homem que dominava todo o aparelho de segurança da RPC. Zhou Yongkang foi o ministro da Segurança Pública entre 2002 e 2007, assumindo logo depois o cargo de secretário da Central Politics and Law Comission. Membro do Comité Permanente do Politburo do PCC, Zhou retirar-se-ia em 2012, após o 18.º Congresso do PCC.

Actualmente são cinco os membros da sua família que são alvo de investigações, na linha das que levaram à queda em desgraça, no curto espaço de um ano e meio, de Li Dongsheng (vice-ministro da Segurança Pública), Li Chongxi (Presidente da Divisão Provincial de Sichuan da CPC do PCC), Tang Hong (membro da unidade paramilitar de polícia do Ministério da Segurança Pública), Yu Gang (adjunto da Politics and Law Comission), Guo Yongxiang (Presidente do Círculo das Artes e Literatura de Sichuan), Ji Wenlin (vice-governador da Província de Hainão), Jiang Jiemin (Presidente da SASAC) e de Li Chuncheng (vice-secretário do PCC em Sichuan), sem esquecer Bo Xilai, antigo dirigente máximo do PCC em Chongqing, entretanto condenado a uma pena de prisão perpétua por corrupção e abuso de poder.

Mas o que há de mais extraordinário no caso de Zhou Yongkang é que se tratava de um verdadeiro czar. É até hoje o mais alto dirigente do PCC a ser visado num processo desta natureza. Não se trata, pois, de peixe miúdo. O filho, Zhou Bin, tendo-se licenciado em 1994 na Universidade do Texas, em Dallas, construiu um império à sombra das influências do pai. Zhou Bin, sem que se lhe reconheçam especiais capacidades, tornou-se detentor de vastas participações em empresas da área do petróleo, do imobliário e até da indústria cinematográfica, sendo que uma das suas empresas - Zhongxu Sunshine Energy Technology - vende equipamento à China National Petroleum Corporation.

Esta manhã, Gillian Wong escreveu um artigo no Macau Daily Times que pode ajudar a perceber melhor o que se está a passar. Para o South China Morning Post, também de hoje, que citava fontes do inner circle do PCC, Xi Jinping está à procura do seu lugar na História, ao lado dos grandes do PCC. Só que para isso acontecer terá de consolidar o seu poder e enfraquecer a resistência interna às suas reformas. Em vez de se deixar ficar quieto e sem levantar grandes ondas, como fez o seu antecessor, o actual n.º 1 decidiu marcar o caminho.

No próximo mês terá lugar o encontro de Beidaihe e Xi Jingping continua a cumprir a agenda que prometeu. Quando em 2012 assumiu o poder declarou uma guerra sem quartel à corrupção que minava o PCC e toda a sua estrutura de poder. Ao apertar o cerco a Zhou Yongkang, Xi Jingping não podia ser mais claro. Ninguém está acima da lei, não há intocáveis. E os reformados ricos não serão poupados. A mensagem vai chegar a todo o lado. Espera-se que a Portugal também.

(Nora Tam, SCMP)

Autoria e outros dados (tags, etc)

4 de Junho de 2014

por Sérgio de Almeida Correia, em 04.06.14

Depois de Goran Bregovic se despedir de Macau num dia como o de hoje cantando uma canção de resistência e liberdade, uma imagem como esta de Eric Sautedé, tirada esta noite na vigília do velho Largo do Leal Senado, em memória das vítimas de Tiananmen, depois de desfiles que durante a última semana levaram à rua dezenas de milhares de pessoas, não pode deixar de nos confortar a alma. E de dar esperança perante o sobressalto cívico que assola a RAEM.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ainda há heróis

por Pedro Correia, em 04.06.14

 

Chai Ling, com 23 anos, falando aos outros estudantes concentrados em Tiananmen (Primavera de 1989)

 

No coração da remota China muçulmana, a população turcófona continua a ser remetida para guetos nos subúrbios: os melhores empregos e as melhores habitações cabem à etnia han, dominante no conjunto do país. Só existe igualdade na lei, não existe na prática: os uígures são tratados como cidadãos de segunda na sua própria terra. Que crime cometeram? Procurarem manter a identidade cultural, falando a sua língua e professando a sua religião no Estado mais populoso do mundo, onde a norma é esmagar toda a diferença.

Acontece hoje no Xinjiang, acontece há meio século no Tibete, aconteceu em 1989 na própria sede suprema do Império do Meio.

 

Sei bem do que falo. Há um quarto de século, vivi em Macau um dos períodos mais tristes de que me lembro, quando vi esmagar a Primavera com que milhões de chineses haviam sonhado – a Primavera política, após quatro décadas de regime ditatorial, afogada em sangue naquela trágica madrugada em Tiananmen, a Praça da Paz Celestial, que nunca fez tão pouco jus ao seu nome poético. Após mês e meio de protestos pacíficos, iniciados em Abril, com a morte súbita do ex-secretário-geral do Partido Comunista Chinês, o reformista Hu Yaobang, destituído dessas funções em 1987.

Recordo as expressões festivas nos rostos de muitos chineses semanas antes, dias antes, quando toda a esperança parecia possível.

Recordo as figuras dos principais dirigentes estudantis, imagens que galvanizaram toda uma geração – jovens como Wang Dan, Chai Ling e Wuer Kaixi, que viriam a ser perseguidos e forçados ao exílio.

Recordo a euforia popular que rodeou a chegada à capital chinesa em meados de Maio, para uma visita oficial, de Mikhail Gorbatchov, o homem que se preparava para derrubar a cortina de ferro e servia de inspiração ao ansiado derrube da cortina de bambu.

Recordo também a mobilização de uma vasta força repressiva, composta por 300 mil soldados mandatados para estancar a revolta. Recordo a proclamação da lei marcial por Deng Xiaoping (que só viria a ser levantada em Janeiro de 1990) e o afastamento do líder do partido, Zhao Ziyang, acusado de ser excessivamente brando pelos falcões da ditadura e condenado a partir daí à morte civil e à reclusão doméstica com carácter vitalício.

Recordo o silêncio de chumbo nos dias subsequentes ao massacre.

 

 

Recordo sobretudo o impressionante instantâneo daquele homem sem rosto nem nome, de braços nus, enfrentando uma sinistra fileira de tanques, imortalizado pelo clique da máquina fotográfica de Stuart Franklin. Símbolo máximo da dignidade humana perante a força bruta - há 25 anos em Pequim, hoje no Xinjiang que teima em ser diferente.

Quando ouço dizer à minha volta que já não existem heróis, lembro-me sempre daquele homem sem medo. Que outro nome haveremos de dar-lhe senão esse – o de herói?

 

Leitura complementar: Stuart Franklin: how I photographed Tiananmen Square and 'tank man'

Autoria e outros dados (tags, etc)

25 anos depois

por Sérgio de Almeida Correia, em 04.06.14

O exemplo só pode ser recordado ser for conhecido. 25 anos depois volta a ser 4 de Junho. Aqui no Delito também. E como para se conhecer e recordar é preciso antes preservar, em Hong Kong foi recentemente inaugurado um museu dedicado aos acontecimentos da Praça da Paz Celestial. Porque enquanto se espera pela verdade não convém ficar de braços cruzados. O silêncio pode ser sepulcral, mas a memória vive e reproduz-se através de actos concretos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ma Man Kei

por Sérgio de Almeida Correia, em 29.05.14

Nasceu em Nanhai, nas proximidades de Foshan, provincía de Guangdong, em 1919. Nessa altura viviam-se tempos conturbados na China. Dois anos antes tinha Sun Yat-Sen instalado o governo militar de Cantão. Seu pai fora mercador, um dos muitos que se revoltara contra o governo corrupto dos Qing. Após a morte do pai, em 1934, ficou a tomar conta dos seus negócios, mas quando em 1938 as tropas imperiais japonesas tomaram Cantão, fugiu para Hong Kong. Três anos depois instalou-se em Macau, aproveitando o estatuto de neutralidade deste antigo território português. A partir de então desenvolveu múltiplas actividades empresariais e políticas, tendo enriquecido e granjeado prestígio e influência. Em Macau, mas também na China, da qual, após a revolução, se tornaria no representante local dos seus interesses. Esteve  envolvido durante mais de meio século em todos os acontecimentos importantes de Macau, tornando-se, juntamente com Ho Yin, num dos líderes da comunidade chinesa. Em 1950 foi escolhido para presidente da Associação Comercial de Macau, em cuja sede, ainda antes do 25 de Abril de 1974, se vendiam abertamente e sem que a PIDE pudesse fazer alguma coisa os exemplares do Livro Vermelho do Presidente Mao. Na crise de 1952 integrou a delegação enviada pelo governador Almirante Marques Esparteiro para negociar com os representantes do Exército Popular de Libertação o restabelecimento do fornecimento de víveres à então colónia portuguesa. Teve  papel crucial na crise do "Um, Dois, Três" e após 1974 viria a tornar-se deputado da Assembleia Legislativa de Macau, órgão para o qual foi eleito em sucessivas legislaturas por sufrágio indirecto, em representação dos interesses económicos. Abandonou a Assembleia Legislativa na última legislatura. Nesse percurso foi ainda vice-presidente da Comissão de Redacção da Lei Básica da RAEM, vice-presidente da 8ª, 9ª, 10ª e 11ª Conferência Política Consultiva do Povo Chinês, da qual fez parte até agora, e foi nessa qualidade que integrou o Presidium do Congresso Nacional Popular do Partido Comunista Chinês. Amigo de Portugal e dos portugueses, reconhecido pela China como um "capitalista patriota", já depois de doente e internado no Hospital Militar de Pequim viu a sua influência uma vez mais confirmada com a visita que recebeu, em 2007, de Hu Jintao. Faleceu na madrugada de segunda-feira, com 95 anos, e as suas exéquias terão lugar no próximo domingo em Macau. Deixou sete filhos, um dos quais é o actual presidente da Associação Comercial de Macau, duas filhas e um império comercial. Um dos seus netos é actualmente deputado na Assembleia Legislativa de Macau.

 

(notas coligidas com o auxílio do Hoje Macau, do Ponto Final e do Macau Daily Times)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mais um momento zen

por Sérgio de Almeida Correia, em 18.05.14

 

Esta tarde, em conferência de imprensa no Consulado Geral de Portugal em Macau, depois de há vários dias andar a elogiar a forma como tem sido cumprida a Declaração Conjunta que Portugal e a China assinaram sobre a Questão de Macau, e de ter ontem condecorado o Chefe do Executivo da RAEM, o Presidente da República protagonizou mais um daqueles momentos que revelam a forma como não tem, ou não quer ter, acesso à informação fundamental para o exercício do seu cargo.

Com efeito, um dos problemas mais candentes que os portugueses que querem fixar-se em Macau enfrentam de há uns anos a esta parte, prende-se com a recusa sistemática, ou inusitada dificuldade, com que muitos compatriotas se deparam na obtenção de vistos e de bilhetes de identidade de residente para que na Região Administrativa Especial de Macau possam viver e trabalhar. Dificuldades que outros, de outras nacionalidades e de países com muito menos ligações a Macau, não enfrentam.

Dos dados conhecidos, posso dizer-vos que há 26 portugueses que desde 2012 aguardam por um título que lhes dê direito a aqui residir, e que dos cerca de 300 que foram pedidos o ano passado mais de metade foi recusada. Acrescento que, em muitos casos, há gente que tem familiares a residir em Macau com condições para acolhê-los, muitos possuem ofertas de trabalho firmes e sérias, incluindo nas operadoras de jogo e em empresas de dimensão considerável, e que não dormem na rua. Pois há gente que depois de estar largos meses à espera de uma resposta, mesmo quando tem já um contrato de trabalho cuja execução depende da emissão do documento, e que lhe permitiria viver sem dificuldades, isto é, com um salário mensal para um jovem com menos de trinta anos, por exemplo, equivalente a € 3.000,00 (três mil euros), livres de impostos, vêem os pedidos chumbados com argumentos que alegam insuficiência de meios para viverem decentemente em Macau. A este propósito é público e notório que não existe um salário mínimo legal, que ainda há semanas a Assembleia Legislativa recusou uma proposta nesse sentido, e que são dezenas de milhares os que aqui vivem, designadamente chineses vindos do outro lado, filipinos, tailandeses e indonésios, com salários equivalentes a um sexto do valor que acima deixei.

Pois bem, apesar dos múltiplos alertas e queixas que têm sido endereçados às autoridades competentes, incluindo portuguesas, directamente, através dos membros do Governo que por aqui passam, e de numerosas notícias e artigos de jornal que há anos chamam a atenção para esse problema, o Presidente da República mostrou-se estupefacto por ter conhecimento desta situação no decorrer da conferência de imprensa que teve lugar no Consulado, quando para tal foi questionado por um jornalista. E a única coisa que foi capaz de dizer foi que essa atitude é contraditória com as declarações que têm sido feitas pelas autoridades chinesas.

É inacreditável, e a todos os títulos inaceitável, o desconhecimento que o Presidente da República revelou sobre uma matéria desta importância e para a qual o Governo não tem conseguido, através dos canais diplomáticos próprios, encontrar uma solução. E é pena que sendo esta uma questão fundamental para a vida de muita gente tenha acontecido um momento destes. O que me leva de novo a questionar sobre aquilo de que o Presidente tem conhecimento e sobre a natureza da informação que lhe é veiculada por quem tem a obrigação de chamar a sua atenção para estes problemas, afinal aqueles a que importava  dar um "empurrão", no sentido da resolução, aproveitando a visita do Chefe de Estado e a extensa comitiva que trouxe, na qual se inclui o ministro dos Negócios Estrangeiros.

Espero que, por isso mesmo, no intervalo dos brindes e das condecorações, duas delas para antigos sindicalistas, um dos quais actualmente deputado na RAEM, e uma outra para a primeira responsável pela Casa de Portugal em Macau, pessoa que aqui recebe e vive o drama de todos os portugueses que a procuram em busca de ajuda, o Presidente tenha tempo, e em especial a humildade que normalmente lhe falta e que os portugueses conhecem, para ouvir o que aqueles lhe terão a transmitir, já que, infelizmente, quem tinha a obrigação de fazê-lo, nomeadamente os seus assessores e o Governo, está mais preocupada com os arranjos florais da romaria, as eleições e a distribuição de convites para o habitual foguetório do que em tratar e resolver os problemas das pessoas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sinais de esperança, diz o Presidente da República

por Sérgio de Almeida Correia, em 14.05.14

"Quarta-feira, num encontro informal em Berlim com jornalistas, Wolfgang Schäuble, ministro das Finanças alemão, afirmou que os programas de ajustamento da troika são demasiado rígidos e com pouca flexibilidade, criticando Durão Barroso por não ter nomeado um comissário europeu para a Grécia. Já Angela Merkel, que também participou na reunião, defendeu que o pacote de 6 mil milhões de euros para promover o emprego jovem na UE deveria antes ser utilizado para pagar reformas, de forma a serem criadas vagas nos empregos já existentes.

As afirmações dos dois dirigentes alemães surgiram no mesmo dia em que foi tornado público que o produto interno bruto (PIB) da zona euro contraiu 0,2% nos primeiros três meses de 2013, o que representa a sexta queda trimestral consecutiva, naquela que é a maior e mais longa recessão desde a criação do euro. Nove destas 17 economias recuaram enquanto o PIB no conjunto dos 27 estados-membros contraiu 0,1%."

 

Entretanto, na China, o Presidente da República esclareceu que houve uma leitura truncada das suas declarações no Facebook. Portugal vai ganhar mais seis condecorados, dois dos quais, ontem, ainda não tinham sequer sido contactados e de nada sabiam, enquanto outro pediu para receber a condecoração numa cerimónia separada. Esta parte não estava truncada.

De caminho, o "Consulado Geral de Portugal informa que, tendo sido atingida a lotação máxima nos dois espaços, não há mais convites e bilhetes disponíveis, respetivamente, para a recepção que Sua Excelência o Presidente da República oferece no próximo domingo, 18 de maio, à Comunidade Portuguesa de Macau e Hong Kong e para o concerto com Kátia Guerreiro que se lhe segue ..." - tudo, como se vê, conforme o novo Acordo Ortográfico. Por clarificar ficou a dúvida, idiota, de se saber quantos dos que levantaram os convites lá iriam sem a oferta do espectáculo gratuito de Kátia Guerreiro. Mas lá que são "sinais de esperança", lá isso são. Quanto a esse aspecto não há dúvidas, estamos todos de parabéns.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Antes do deve e do haver

por Sérgio de Almeida Correia, em 13.05.14

(foto do Primeiro de Janeiro)

 

Para quem tiver interesse nisso, uma dúzia de linhas sobre a visita do Presidente da República à China e a Macau. Com outras perspectivas no Ponto Final, no Hoje Macau, na Tribuna de Macau, no Macau Daily Times e no Macau Business Daily. Pelas primeiras declarações de ontem à noite, em Xangai, esperemos que a poluição não faça o discurso do PR descarrilar, enquanto não chegam os seus estados de alma via Facebook.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A quarta revolução (5)

por Sérgio de Almeida Correia, em 25.04.14

Estas breves notas de viagem ficariam demasiado incompletas sem uma referência ao novo museu da cidade de Cantão. Fazendo jus ao desenvolvimento de uma arquitectura renovada, a sua imagem impressiona pela cor vermelha que rompe o cinzento tão típico da região nesta altura do ano. Uma vez mais aberto todos os dias, com entradas gratuitas incluindo para estrangeiros, é um repositório do passado histórico, cultural e etnográfico da cidade. Com inúmeras indicações em chinês e inglês, ali é possível encontrar trajes regionais, costumes, a reprodução de casas e vilas tradicionais, réplicas de antigas embarcações usadas no comércio e de barcos-dragão, até gravuras do período colonial e do período da Guerra do Ópio, com imagens da antiga feitoria de Shamian, porcelanas de diversas dinastias, quadros a óleo e a fauna e flora da região. Uma vez mais com recurso a elementos multimédia da última geração, famílias inteiras, muitas vindas do interior da província, passeavam-se sem nos atropelarem nem incomodarem, registando também neste aspecto a diferença relativamente ao que acontecia há duas décadas.

Não sei se por causa das epidemias relacionadas com o terrível H5N1, ou se em resultado da evolução verificada no país a todos os níveis, as instalações sanitárias, outrora verdadeiros depósitos escatológicos onde a maioria se recusava a entrar, são agora, incluindo as que surgem em muitos outros locais públicos, dotadas de papel, desinfectantes, água e sabonete líquido em profusão. As toalhas de papel podem ter-se esgotado mas haverá pelo menos um secador de mãos japonês ou alemão a funcionar. Já o mesmo não direi das imundas casas de banho nacionais, a começar pelas das nossas estações de comboios, de algumas áreas de serviço das auto-estradas ou do Aeroporto da Portela, onde ainda recentemente tive oportunidade de registar uma reclamação no balcão da ANA devido à imundície que encontrei logo pela manhã após ter feito o check-in na área das partidas internacionais.

 

Como a evolução e o desenvolvimento de uma cidade não poderá ser visto apenas nas zonas mais modernas, resolvi percorrer parte da cidade antiga que eu já conhecia de anteriores deslocações, quer ao longo do rio, a partir de Shamian pela  Yanjiang West Road, quer por algumas artérias pedonais, como a Beijing Lu, que continua a ser um paraíso para os amantes de artigos contrafeitos, dos Rolex e IWC às malas tipo Hermès a preços de saldo. A apreensão das mudanças é imediata. Agora, ao longo do rio há uma via para bicicletas, que deixaram de ser um instrumento de trabalho para se transformarem em objecto de lazer, sendo possível ver muitos velocípedes de última geração, das melhores marcas, daqueles que fazem sonhar os habitués do percurso Cascais-Guincho. As coisas mudaram tanto que agora até os vendedores de fruta, legumes e cana de açúcar, se fazem transportar em triciclos dotados de motores do tipo das antigas Solex. Os autocarros são muito mais novos e menos poluentes, as paragens têm placas e indicações várias, nos cruzamentos já ninguém se atropela porque há semáforos e em muitos locais câmaras de vigilância. A limpeza melhorou, dos papéis às beatas, e pese embora uma noite, ao regressarmos a pé ao hotel, nos tenhamos confrontado com dois ratos em fuga. Nada que não tivesse visto já em Lisboa, Londres ou Nova Iorque, ou até na garagem do meu escritório. Antes era normal ver o lixo amontoado pelas esquinas, os caixotes e sacos depositados na via à espera que alguém os recolhesse. Actualmente há contentores de lixo como os nossos. Creio que talvez ainda não tenham consciência da necessidade deles serem regularmente lavados, mas o avanço é indiscutível num espaço de tempo relativamente curto, ainda que medido pelos nossos padrões.

 

As noites são hoje muito mais iluminadas, mas por volta das 23h as luzes mais intensas vão-se apagando. O que não invalida que alguns edifícios emblemáticos, como o velho edifício da Alfândega ou o soberbo Banco da Agricultura, continuem com os focos ligados até mais tarde. O espectáculo das iluminações começa a rivalizar com o de algumas outras grandes cidades ocidentais e é motivo de orgulho dos locais. Um passeio interessante poderá ser feito ao longo das margens do rio, ao cair da noite, numa das muitas embarcações que a partir de diversos pontos da cidade oferecem esse serviço, como se estivéssemos em Paris ou Amesterdão.

 

Do outro lado do rio a majestosa Canton Tower está entre as mais altas do mundo. Tem 600 metros de altura e um observatório a 433, sendo possível dar um passeio no exterior, quando o tempo o permite, numa espécie de carrossel. A Torre Eiffel em Paris tem 324 metros e por aqui já se pode ter uma ideia do que é a vista de lá de cima, em dias claros. À noite também está iluminada, possuindo no seu interior restaurantes e algumas lojas, e o metro vai até lá.

 

Enfim, em jeito de conclusão alguns diriam que são tudo maravilhas. Não caio nesse erro e tenho a sensação de que não será o facto de um destes dias começar a funcionar o elevador mais rápido do mundo (72km/hora) num edifício de escritórios, de uma companhia aérea local ter encomendado à Boeing mais seis dezenas de aviões de passageiros da última geração, que irá iludir outras realidades como os linchamentos populares que de um momento para outro podem ocorrer em qualquer local, a dificuldade em acomodar os direitos humanos, o passado próximo, a liberdade e processos transparentes e democráticos à imensidão do país. Por ora são realidades que não conseguem conviver. Só que de quem evoluiu tanto e tão depressa em pouco mais de duas décadas, levando educação e conhecimento a tantos milhões depois de ter passado num século por uma guerra civil, ter sofrido a humilhação da Manchúria, vivido a Guerra Fria com constantes revoluções e convulsões internas, purgas cíclicas e a ostracização dos seus melhores quadros, recuperou depois Hong Kong e Macau nas condições de segurança e paz em que o fez, estando a cumprir aquilo a que se comprometeu e que ainda recentemente deu mais um passo no aprofundamento das relações com Taiwan, é de admitir que as próximas duas décadas caminhem ao mesmo ritmo.

Esta é a China que o Presidente da República irá encontrar em Maio, quando aqui se deslocar em visita oficial. A política de pequenos grandes passos começa a dar frutos. Muitos. Para os homens livres, e que têm como aspiração e horizonte de vida sentirem-se cada vez mais livres, o tempo de viajar na China enquadrado e escoltado terminou. Essa experiência é agora parte da minha memória. Estou satisfeito por isso. Por mim e pelos chineses. E por conhecer a nova realidade. Hoje passo a fronteira sozinho, com o meu passaporte e um visto para entradas múltiplas válido para dois anos, emitido sem necessidade de explicações ou de responder a inquéritos imbecis, como alguns a que para entrar nos Estados Unidos já me pediram. Do outro lado, compro o meu bilhete para um comboio de alta velocidade, marco o meu hotel pela internet, levanto dinheiro nas ATM, desloco-me livremente, e mesmo sendo um ocidental posso circular discretamente. Não tenho de dar satisfações a ninguém. Se nos anos 80, ou ainda nos 90, do século passado, me dissessem que isso seria possível na China em 2014, eu não acreditaria. Ainda há milagres. E bem menos dolorosos do que muitos supunham.

E, também, dos que aqueles a que os portugueses, lamentavelmente resignados perante a catástrofe dos partidos que têm e as respectivas classes dirigentes, se habituaram nos últimos anos; fazendo com que a celebração de 40 anos de liberdade se tenha transformado num miserável jogo de comadres que se dilui em discursos de circunstância, questões protocolares próprias de parolos e idiotices institucionais de estalo. Enquanto os outros, partindo de patamares muito mais baixos, evoluem e os ultrapassam.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A quarta revolução (4)

por Sérgio de Almeida Correia, em 24.04.14

Um dos grandes problemas com que há algumas décadas os europeus se confrontavam ao viajarem pela China era a dificuldade em encontrar uma alimentação que satisfizesse padrões mínimos de higiene na sua preparação e confecção, e que fosse aceitável para os respectivos padrões culturais. A província de Guangdong foi desde há muito considerada uma das pérolas gastronómicas da China, não sendo por acaso que o tradicional Dim Sum, ou Yum Cha entre os falantes de cantonense, teve aqui as suas origens. Apesar disso, durante muitos anos só era possível fazer refeições decentes nos hotéis e muitas vezes, mesmo aí, não raro em condições deficientes. De todos os países asiáticos que conheci, talvez aquele onde se comesse pior fosse na China, situação que durante muitos anos me "impediu" de fazer deslocações mais longas e estadias mais prolongadas pelo interior. Tirando uma ou outra cidade costeira, Pequim e Xangai eram os únicos destinos onde eu sabia que melhor ou pior me "safaria".

A situação é na actualidade incomparavelmente melhor. Os hotéis continuaram, obviamente, a servir boas refeições, o que se tornou mais evidente pelo aparecimento de dezenas e dezenas de novos estabelecimentos de cadeias internacionais de cinco estrelas. Aí há sempre a garantia de se comer bem, embora se saiba de antemão que a conta será proporcional ao número de estrelas. E quanto a estes deixo desde já aqui duas notas. Uma para o italiano Il Prego, que me foi também recomendado, mas onde cheguei tarde para o almoço, no quadragésimo andar do West Inn Guagnzhou, cuja fotografia aqui deixo. A outra é para o super referenciado "G", no Grand Hyatt.

 

Mas para lá dessas alternativas mais caras, Cantão tem hoje um conjunto de restaurantes, de rua e em centros comerciais, que podem deixar descansado o mais intraquilo gastrónomo ocidental. Sem contar com os restaurantes chineses, dos mais económicos aos dos roteiros internacionais do tipo Michelin servindo a melhor e mais requintada cozinha chinesa, há uma profusão de pequenos restaurantes belgas, franceses, turcos, tailandeses e japoneses, onde é possível comer uns bons mexilhões, um peixe muito razoável, sushi, sashimi, tempura e tepaniaki de grande qualidade com a melhor carne das vacas de Kobe.

Convém, igualmente, não esquecer as numerosas steak houses, americanas, australianas e neo-zelandesas, o já famoso 1920, alemão, que abriu agora uma terceira casa na zona nova de Tianhe, bem como os bares irlandeses, onde também se podem fazer excelentes refeições. Na Xingsheng Road, nas imediações do Hotel W Guangzhou (Starwood Hotels & Resorts), é mesmo possível encontrar um restaurante cuja ementa anuncia a confecção dos seus pratos com azeite português e que, entre outras "especialidades", apresenta no cardápio um bacalhau assado com batatas a murro.

Quanto aos irlandeses, sempre bem dispostos e generosos, deixo aqui a sugestão de visitarem o McCawley´s, numa rua interior, com entrada a partir do 16 da Huacheng Avenue (shop 101, estação de metro de Zhujiang New Town, TianHe District), onde também se pode encontrar um simpático restaurante francês e um, creio, australiano. O Mc Cawley´s foi o bar do ano em 2012 e 2013 e aí é possível encontrar gente de todas as origens, beber um óptimo café, saborear as melhores cervejas e os maltes mais puros, servidos por chineses jovens expressando-se num inglês de primeira água, e ver os golos de Cristiano Ronaldo ou Fernando Torres.

Por falar em café, este tornou-se numa moda e foi uma agradável surpresa. Casas como o famoso Costa, a Pacific Cofee Company ou o popular Starbucks, que se especializou na preparação de mistelas derivadas do genuíno, são como cogumelos nalgumas zonas da cidade e estavam presentes em quase todos os centros comerciais onde entrei. Há máquinas excelentes, as marcas italianas entraram em força e é possível beber café bem tirado e de boa qualidade, coisa que até na Europa é difícil conseguir em muitas cidades. Em Cantão já ninguém desespera por um café.

De todos os locais onde estive deixo aqui uma nota especial para Le Jardin d`Olive (101-48, Ti Yu Xi Lu, junto à saída H do metro de Ti Yu Xi, Tian He District), cujas decorações natalícias devem ficar de um ano para o outro, também num beco que dá acesso a um páteo interior. Tirando esses pormenores, recomendo as vieiras St. Jacques e os mexilhões no forno. Para quem gosta, que não é o meu caso, cuja única ave que reconheço não é comestível, pertence à família das de rapina e chama-se Vitória, aconselha-se uma das quatro opções do pato (com molho de laranja e mel, de vinho, de pimenta preta ou de paté). Quem o comeu deliciou-se. Os preços são 1/3 ou 1/4 dos praticados nos bons hotéis e há vinho para várias bolsas. O schnauzer da dona não ladra, só aparece no final da refeição e é suficientemente esperto e civilizado para não sair da zona da caixa e não incomodar os clientes. Tem uma esplanada simpática, embora sem vista, suficientemente ampla para se fumar um charuto no final da refeição. Para estes, os apreciadores de puros e boa música, as alternativas também são várias. O bar do Grand Hyatt, no vigésimo segundo andar, onde fica a recepção do hotel, acolhia na altura o pianista e saxofonista John Cole. É pequeno mas suficientemente acolhedor para merecer uma visita e uma charutada, graças à sua excelente extracção. E,  com sorte, encontram-se lá alguns portugueses, como os que aproveitaram a Páscoa para irem promover os seus produtos à Feira Internacional.

À semelhança do que acontece em Hong Kong, em Seul e nalgumas cidades do Japão, é normal aparecerem restaurantes nos pisos mais baixos dos edifícios de escritórios, os quais estão, em regra, devidamente assinalados e possuem simpáticas hospedeiras que convidam os transeuntes a subir. Num deles, visitei o Landmark Bistro. Publicitado como sendo o restaurante do "Chef Alan", que possuía um passado em restaurantes estrelados, pois trabalhara no Jean Georges (New York City) e no Citronelle (Washington DC), revelou-se um fiasco. Não pela comida, de boa qualidade e confecção, nem pelo preço, bastante aceitável para o local e para os créditos do cozinheiro, mas pela comprovação de que um mau serviço é um verdadeiro desastre que arruína em dois tempos a reputação do melhor restaurante. Da colher de sopa retirada do prato da minestrone e pousada directamente sobre a toalha imaculadamente branca (a ideia era utilizá-la para servirmos o prato seguinte), aos talheres do risotto de trufas negras e chocos salteados com os quais pretendiam que comêssemos o lombo de pimenta, sem esquecer a deficiente iluminação do espaço e o aviso, às 21h, de que a cozinha encerrava às 22 e o restaurante às 22.30, aconteceu de tudo um pouco. Valeu o bom humor da minha companhia, fazendo-me notar os excelentes grissinos e o pão de azeitona. Ah, e também a sobremesa. Uma magnífica tarte maçã para dois que vai ao forno numa frigideira e é assim que chega à mesa, feita numa massa finíssima, a lembrar a dos melhores pastéis de Tentúgal, polvilhada com açúcar em pó e acompanhada, ainda morna, de gelado de baunilha. Convenhamos que soube a pouco. O "Chef Alan" trabalhou em excelentes restaurantes, tem uma casa optimamente localizada e bem decorada, mas passou tanto tempo em volta dos tachos e fornos que se esqueceu de dar umas luzes à mulher - chefe de sala - e à rapaziada sobre a importância de um serviço decente. Com mais uns anos e o aumento da concorrência é natural que venha a melhorar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A quarta revolução (3)

por Sérgio de Almeida Correia, em 23.04.14

Se há figura consensual na história contemporânea da China, essa figura é representada por Sun Yat-Sen. Venerado na província de Guangdong e em Macau, presente em milhares de livros e documentários, com bustos e estátuas espalhados um pouco por todo o lado, identificando pontes, estradas e edifícios, sem esquecer as múltiplas casas que lhe foram atribuídas e são religiosamente preservadas, quanto mais não seja porque lá pernoitou uma vez, a sua herança tem servido a todos, de um e do outro lado do estreito da Formosa. Como exemplo e fonte inspiradora das mais arrojadas realizações todos reclamam a sua herança. Recordo-me de que quando, há quase três décadas, desembarquei pela primeira vez nestas paragens, ter procurado conhecer essa figura mítica que tanto nacionalistas como comunistas reclamavam como sendo sua. Mas o que mais me marcou em toda a sua obra foi uma pequena frase que durante anos fez parte da primeira página do Taipei Times e que dizia qualquer coisa como, e cito de memória, " um povo esclarecido é um povo iluminado". Na altura, Taipé era famosa pelas edições contrafeitas das melhores obras, que chegavam a reproduzir sem adendas os erros das primeiras edições originais, fosse de enciclopédias, livros técnicos de medicina, direito ou engenharia, ou de clássicos da história e da literatura. A sua herança cultural, e o esforço que fez pela educação do seu povo, é uma imagem reconhecida e que perdura.

Vem isto a propósito de mais um contraste que me foi dado verificar durante esta minha rápida passagem por Cantão e que aqui recordo. Em meados de 1988, estando envolvido com mais alguns colegas num projecto jurídico, ao tempo assessorado por um reputado especialista em direitos asiáticos do Instituto Max Plänck, tive o privilégio de fazer uma visita à Universidade de Sun Yat-Sen, nesta mesma cidade de Cantão. Ali fomos recebido por um professor de idade avançada, antigo combatente do Exército Popular de Libertação e velho resistente apanhado no turbilhão da Revolução Cultural, que depois de uma dura reabilitação fora finalmente integrado naquele estabelecimento de ensino. Queixava-se ao tempo o nosso anfitrião da falta de livros e da contradição que era perante essa realidade dirigir o departamento de Direito daquela universidade à qual o "Pai da Nação" dava o nome. É que para além do seu legado político, Sun Yat-Sen constituíra a força inspiradora para a fundação, dois anos depois da sua morte, em 1927, da primeira biblioteca pública moderna de Cantão e era a isto que ele se referia.

Pois bem, em 1 de Abril de 2013 foi encerrado o velho edifício, para dar lugar a uma construção moderníssima, que cumprirá dentro de um mês o primeiro aniversário, onde são actualmente disponibilizados mais de 3,2 milhões de livros, ou seja, cerca de pouco mais de metade do total de volumes da actual biblioteca.

Com dez pisos, luz natural em abundância, uma área de cem mil metros quadrados, lugares para quatro mil leitores, mais de 425 000 e-books, mais de 1,8 milhões de dissertações e de 3,5 milhões de "conference papers", uma imensidão de revistas e jornais, com uma área especial para invisuais, salas reservadas para preparação de teses, mais de cinco centenas de computadores públicos e a mais moderna tecnologia, a que não faltam máquinas de desinfecção para os livros que podem ser emprestados para leitura domiciliária, trata-se de mais uma das novas obras de excepção da cidade.

O que ali mais chama a atenção é a constante afluência de público,  a imensa quantidade de gente que entra e sai sem se atropelar e sem fazer barulho, seja para devolver exemplares emprestados, rigorosamente depositados nos locais próprios com o auxílio de um cartão digital, ou para se reabastecer de novos, sem esquecer as centenas e centenas de crianças agarradas aos mais variados livros, da banda desenhada ao Petit Prince, cujos pais só a muito custo conseguem arrancar das salas de leitura. Depois é vê-los carregados de sacos com livros pela rua e jardins fora. Curiosamente, ou talvez não, a biblioteca está aberta diariamente, das 9 às 21h, incluindo domingos. E, não obstante encerrar às quartas-feiras, está aberta, imagine-se, todos os dias feriados, dias em que as famílias têm mais disponibilidade para a leitura.

Lá dentro, sem ruído, sem telemóveis a vibrarem ou a tocarem, nem portáteis a fazerem-se anunciar, toda aquela gente trabalha, estuda, entretém-se, diverte-se, exercita os neurónios e aprende. Tudo isto num edifício que é mais uma jóia arquitectónica.

Dir-me-ão que num país em que ainda está bem presente a memória de Tiananmen, como em Hong Kong se comprova pela recente iniciativa de alguns cidadãos de promoverem a construção de um monumento às suas vítimas, tudo isto será relativo. Admito que sim, sem qualquer dificuldade. Nasci e cresci entre gente que se habituou a cultivar, preservar e transmitir os valores da cidadania, da cultura e da liberdade de pensamento, e que foi capaz de fazê-lo nas condições mais adversas. Mas também sei que um censor é por natureza estúpido e que não há censura que resista ao chamamento da liberdade. A geração mais jovem, mesmo a que não saiu das famílias que constituem hoje as elites do PCC, já cresceu a aprender inglês, vendo a CNN e a BBC, estudando em Honolulu, Vancouver, São Francisco ou Boston, e são cada vez mais os que se habituaram a viajar e fazer férias no estrangeiro.

Não sei como será Cantão daqui a mais vinte anos, nem se por essa altura a imagem tutelar de Mao continuará a aparecer nas caixas lacadas de charutos que rivalizam, em qualidade e beleza, com as produzidas pela Zino ou pela Cohiba. Sei que Great Wall já não é só nome de aguardente ou de uma construção, feita à força de braços, visível a partir da Lua. É também marca de charutos chineses, produzidos com tabaco indonésio, e que tenta conquistar o mercado internacional e os exclusivos clubes de aficionados dos puros. Tudo isto significará muito pouco, pois sim. Só que num país que caminha, apesar dos recentes problemas demográficos, para os mil e quinhentos milhões de almas, quase 20% da população mundial, que tem crescido a dois dígitos e que desde o último congresso do PCC viu fixado esse limite para uns módicos 7,5%, nenhum destes sinais deverá ser desprezado.      

Autoria e outros dados (tags, etc)

A quarta revolução (2)

por Sérgio de Almeida Correia, em 22.04.14

Quando por mero acaso, na antevéspera da minha partida, me cruzei no elevador do edifício onde agora resido com um amigo que me recordou a necessidade de não deixar escapar uma visita à Ópera de Cantão, não me passava pela cabeça rever a cidade e não passar por esse novo ex libris, para mim uma completa novidade. Creio que a arquitectura, conjuntamente com a música, com o cinema e com a literatura, é uma das marcas civilizacionais mais intensas e duradouras, simbolizando o espírito de mudança, a revolução e profundidade do pensamento, o traço indelével dos costumes de uma época, das suas prioridades e preocupações.

Tenho tido a sorte, felizmente, de ao longo da minha vida, pese embora algumas circunstâncias adversas que muito a marcaram, de poder ver, com total liberdade, sem o favor do Estado ou subsídios de empresas públicas ou privadas, apreciar e sentir algumas das mais emblemáticas e maravilhosas obras da arquitectura mundial de todos os tempos. E gostando de grandes espectáculos, de grandes realizações e desempenhos de excepção, em especial de ópera e de música clássica, pensava que depois de ter visitado, por altura do bicentenário da Austrália, a Ópera de Sidney, que já nada me impressionaria. Nada de mais errado, começando mesmo por Portugal e por algumas realizações das últimas duas décadas que todos devemos à arquitectura nacional.

Fruto de um concurso internacional, cuja short list incluiu os nomes de Rem Koolhaas, da cooperativa austríaca HImmelb(l)au e a aclamada arquitecta iraquiana Zaha Hadid, foi a esta última que coube a tarefa de a partir de 2002 e até 2010, ano da sua inauguração, em Maio, dar corpo ao projecto que, 200 milhões de US dólares depois, se transformaria na maior e mais expressiva casa de espectáculos do Sul da China e que hoje discute a primazia das grandes produções e eventos na cena chinesa com o Teatro Nacional de Xangai (ou Shanghai, se preferirem) e com o Centro Nacional das Artes Performativas de Beijing. Infelizmente, não tive possibilidade assistir a nenhum espectáculo, mas em agenda está um concerto de aniversário com a Sinfónica de Boston e Charles Dutoit (6 de Maio), a que se seguirá uma grande produção da Carmen (27 a 29/06/2014).


Um desenho estupendamente arrojado, uma estrutura impressionante de granito, vidro e cimento, com uma localização soberba, rodeada de espaços verdes e com o novo centro financeiro colado, tendo do outro lado do jardim a nova Biblioteca Municipal de Cantão e o Museu da Cidade, e a sul o rio e a novíssima Torre de Cantão, fazem do edifício uma obra de envergadura e classe mundial. Como me dizia o meu amigo PCT, trata-se de uma obra que merece uma visita de dia ou de noite, a qualquer hora, ao que eu acrescentaria, em quaisquer condições atmosféricas.

Vista do outro lado do rio, ao seu nível, ou a 430 metros, do alto da Torre, a sua integração na paisagem é perfeita e revela um oásis numa metrópole que, para os leitores que não conhecem ficarem com uma ideia, tem a área da cidade de Londres e cerca de treze milhões de habitantes, de acordo com os últimos dados que me foram transmitidos.

Ali, paredes meias com o Consulado dos Estados Unidos, senti-me perfeitamente esmagado pela expressividade do traço, pela beleza do conjunto, pelo modo harmonioso da conjugação dos materiais, e por me aperceber da forma como o passado e o presente, a modernidade e a tradição, conseguem conviver num diálogo permanente e sem sobressaltos. Entre o chilrear dos pássaros e o sorriso simpático e acolhedor dos vendedores de água de coco e de ananazes, descascados na hora, vendidos inteiros ou em quartos, e que de Macau desapareceram.

Quando recordo algumas construções horripilantes das nossas cidades, com projectos de um mau gosto atroz e ofensivo da sensibilidade do mais ignorante dos trolhas, com projectos que foram assinados por engenheiros e aprovados pelas autarquias, foi-me particularmente gratificante ver que o novo-riquismo dos primeiros anos da era Deng, e depois do curto período de desenvolvimento conduzido pelo "liberal" Hu Yaobang, afastado em consequência dos acontecimentos do 4 de Junho de 1989 e que foi este mês recordado pelo seu pragmatismo, arrojo e visão, embora sem referências a Tiananmen, foi-me particularmente gratificante apreciar a nova arquitectura de Cantão e o quanto ela pode representar para a construção de um espírito de modernidade, de reconhecimento do passado e das suas tradições, e de uma visão de futuro sensata, ao mesmo tempo que vai moldando o gosto (bom) das futuras gerações, até mesmo nas coisas mais elementares. Talvez por isso é que nos prédios mais recentes já não se vejam as feias grades de outrora, os aparelhos de ar condicionado de todas as formas e feitios no exterior das fachadas dos prédios, nem a profusão de estendais e de marquises de vidros espelhados, castanhos, amarelos e, por vezes, azuis fumados, que foram voga há vinte anos e ainda hoje poluem a paisagem visual de muitas cidades portuguesas, destruindo o encanto destas e as obras de muitos arquitectos anónimos e preocupados. Faro, última cidade portuguesa onde vivi, e uma bela cidade que tem sido paulatinamente destruída pelos patos-bravos com a conivência dos partidos políticos, é disso mesmo um bom (mau) exemplo, como aliás tive oportunidade de chamar a atenção, sem sucesso, é certo, ao longo de anos, a pelo menos três presidentes de Câmara.

    

Autoria e outros dados (tags, etc)

A quarta revolução (1)

por Sérgio de Almeida Correia, em 21.04.14

Já não me recordo se a última vez que estive em Guangzhou, entre nós, portugueses e ocidentais, mais conhecida por Cantão, foi há mais de 20 ou se há 25 anos. Sei, no entanto, que foi há bem mais de duas décadas. E de todas as vezes anteriores em que lá estive, ou que por lá passei a caminho de outros destinos, fiz o percurso entre Macau e essa cidade de barco, subindo o delta do rio, de carro, por estradas e caminhos miseráveis, e algumas vezes pelo ar, a partir de Zhuai, em helicópteros velhos da Sikorsky, que pingavam líquidos vários a partir de diversos pontos na cabine quando este meio de transporte se tornou numa alternativa para nos fazer poupar tempo.

Volvidos todos estes anos regressei para ver se me apercebia da evolução verificada e das mudanças entretanto concretizadas. A conclusão a que chego é que a quarta revolução está em marcha. Pouco mais de um século passou desde que Sun Yat-Sen, a partir do berço de Wuchang, desencadeou a primeira revolução (Outubro de 1911), pondo termo ao domínio Qing e proclamando a República da China. Agora, cem anos depois da revolução nacionalista, passada a revolução de 1949 (Mao) e a era de Deng, dando corpo ao "Chinese dream", reafirmado por Xi Jinping no momento em que este assumiu a liderança do PCC, aí está a terceira cidade chinesa a comprovar a velocidade da mudança e a rapidez com que se sai da pobreza para a liderança da nova era tecnológica.

(Zhujiang New Town, vista norte do Grand Hyatt)

As oito horas de barco, as quase seis horas de carro que levava de Macau a Cantão na década de 80 do século passado, foram agora substituídas pelos pouco mais de 50 minutos que ligam a cidade fronteiriça de Zhuai-Gongbei à Guangzhou South Station, percurso que actualmente se realiza num comboio climatizado de alta velocidade, com duas classes e circulando à tabela. O barco semanal foi substituído por comboios-bala que saem de 30 em 30 minutos. Ainda me lembro de em 1 de Maio de 1986 ter visto milhares de homens trabalhando, sem a ajuda de máquinas, na construção da auto-estrada Zhuai/Cantão. Nunca mais me esqueci da data exactamente por ser o Dia do Trabalhador e dos estaleiros ao longo da velha estrada estarem todos decorados com bandeiras coloridas do tipo das que ainda hoje se vêem na Festa do Avante. Duas décadas depois a China tem a maior e mais densa rede de comboios de alta velocidade do mundo. Cantão, onde a circulação era difícil e lenta, cheia de pó e sempre em obras, tem hoje uma rede de metropolitano com 9 linhas que cobrem mais de 260km de extensão. Aquele que era o meu hotel preferido, em Shamian, o White Swan, está fechado para obras de remodelação. A nova cidade deslocou-se para Tianhe e as decrépitas lojas da Beijing Lu deram lugar a moderníssimos centros comerciais onde a Prada discute espaços com a Rolex ou a Porsche. Os velhos hóteis foram substituídos por dezenas de novos hotéis, do Ritz-Carlton ao Grand Hyatt, do Sofitel ao Hilton. A cerveja Tsintao morna que nos era oferecida pode agora ser servida gelada ou facilmente trocada por uma Heineken, uma Stella Artois ou uma Kronenbourg. A cidade viu crescerem os parques e as monumentais torres de escritórios da última geração. As bicicletas foram substituídas; primeiro por motociclos, depois por utilitários japoneses e carros da gama alta alemã. A quantidade de gente que hoje fala inglês não tem comparação possível com o que acontecia há vinte anos, quando era raríssimo, mesmo dentro dos poucos bons hotéis que havia, encontrar alguém que falasse um inglês aceitável. A cidade foi sede dos Asian Games em 2010 e o esforço que então foi necessário fazer reflecte-se na nova arquitectura da cidade, nos edifícios inteligentes, nos novos e amplos espaços verdes, na criação de uma nova mentalidade com preocupações ecológicas e ambientais. Cantão é hoje a imagem de uma China muitíssimo mais moderna, jovem e insatisfeita, que continua a procurar avidamente o progresso.

(Huacheng Road a partir do flyover que liga o Guangzhou International Finance Center ao GTLand Plaza)

Autoria e outros dados (tags, etc)

O final esperado

por Sérgio de Almeida Correia, em 27.03.14

"China's Three Gorges Corp, which built the world's biggest hydropower scheme, has replaced its chairman and general manager, the company said, in the latest major reshuffle of a state-owned firm as the government steps up a fight on graft.

Some officials of Three Gorges, set up in 1993 to run the hydropower scheme, were guilty of nepotism, shady property deals and dodgy bidding procedures, the ruling Communist Party's anti-graft watchdog found in February.

The scandal has reignited public anger over the $59-billion dam, which was funded by a special levy paid by all citizens.

Chairman Cao Guangjing has been removed from his position and would be assigned another job, the company said in a statement on Tuesday. It named Cao's replacement as Lu Chun, but gave no further details." - NBCnews

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ventos da Ucrânia

por Sérgio de Almeida Correia, em 25.02.14

"The Ukrainians are free, how long will we Chinese have to wait?"

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ainda há coisas que o dinheiro não compra

por Sérgio de Almeida Correia, em 19.02.14

Não sei se em Portugal, a começar pelo gabinete do primeiro-ministro, se terá a exacta percepção do que está a acontecer na China aos "camaradas" do dr. Catroga na EDP, mas quando a imprensa de Hong Kong dá conta de que o órgão disciplinador do Partido Comunista Chinês enviou um aviso para os gestores da China Three Gorges, entre outras razões, devido à evidência de práticas nepotistas, favorecimento de familiares, gastos excessivos em veículos, falta de transparência na tomada de decisões e extravagâncias várias (estarão aqui incluídas ofertas distribuídas em Lisboa?), é sinal de que a gestão não será a mais ortodoxa. Avisos destes na RPC, vindos de onde vêm, com a chancela do PCC e do seu comité de disciplina e inspecção, que por regra não brinca em serviço, normalmente querem dizer muita coisa.

Depois da forma como se processaram, na sequência da privatização, as nomeações dos amigos do dr. Passos Coelho para a EDP, designadamente para o órgão consultivo, em óbvia distribuição de favores políticos, o que se está a passar com o presidente executivo da empresa que detém mais de 20% da EDP faz-me temer pela forma como também esta empresa estará a ser gerida.

Se perto de Pequim foi como foi..., pelo sim pelo não, o melhor será estarmos todos alerta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sugestão: um livro por dia

por Pedro Correia, em 16.02.14

 

 

Toda a China (vol. 1), de António Graça de Abreu

Viagens

(edição Guerra & Paz, 2013)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quem alisca um plognóstico?

por Rui Rocha, em 14.02.14

No Open do Kuwait em ténis de mesa, na modalidade de pales femininos, a poltuguesa Fu Yu e a sueca Fen Li deflontam nos oitavos de final as chinesas Meng Chen e Yuling Zhu. Espelemos que ganhem as meloles.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Para os lados de Massamá os panchões são de estalo

por Sérgio de Almeida Correia, em 30.01.14

"Tal como na China, o Novo Ano Lunar é celebrado em Portugal, ilustrando claramente os importantes laços que nos unem e a riqueza da nossa diversidade" - Passos Coelho, mensagem alusiva ao Novo Ano Lunar do Cavalo enviada ao Consulado-Geral de Portugal em Macau

 

E onde é que estão os "lai see" (利市/利是) para os portugueses? Ou estes são só para o dr. Catroga e os seus amigos da EDP e da REN? E a tolerância de ponto do dia 30? E o feriado do último dia do Ano Lunar da Cobra? E os feriados do segundo e terceiro dia do Novo Ano Lunar do Cavalo? E as férias judiciais do último dia do Ano Lunar até ao sexto do Novo Ano Lunar? A EDP já dá esses dias aos seus trabalhadores? Em Portugal as escolas também encerram? É o líder da JSD quem anda a aconselhá-lo? O dr. Portas sabe que o senhor anda a escrever estas pérolas? É em Massamá que os portugueses costumam celebrar? O senhor estará a pensar tirar um mestrado em Pequim? O senhor sabe o que é a seriedade na política?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Chinesices

por Sérgio de Almeida Correia, em 23.01.14

(Ilustração: Tim Meko)

 

Desconheço em que parte dos Analectos, do Livrinho Vermelho ou dos ensinamentos de Deng Xiaoping se poderá encontrar justificação, mas um tipo depois de tudo o que aqui lê fica a pensar no que diriam os homens que andaram descalços na Longa Marcha. Talvez os camaradas do MRPP ou do PCP-ml tenham uma explicação para este deboche em que se tornou a república "popular". 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Francisco Gonçalves Pereira

por Sérgio de Almeida Correia, em 15.12.13

(06/12/1946 - 15/12/2003)

 

Em 1986, o Hong Kong Law Journal publicou um artigo que tinha por título "The Political Status and Government Institutions of Macao". Com o tempo tornou-se num texto de referência para quem queria compreender a situação jurídico-política desse antigo território sob administração portuguesa. Foram autores Rui Afonso e Francisco Gonçalves Pereira. Sendo ambos advogados, cada um à sua maneira, graças a uma intervenção política e cívica regular, deu o seu contributo à construção das instituições que hoje conhecemos na Região Administrativa Especial de Macau.

Francisco Gonçalves Pereira acabaria por se embrenhar no estudo de Macau, do seu estatuto jurídico-político, da sua elite e das relações entre Portugal e a China. Daí que, em resultado desse trabalho de investigação, reflexão e análise, em 1995 tenha sido publicado um conjunto de textos reunido num volume a que foi dado o título de "Portugal, a China e a Questão de Macau", onde pela primeira vez se abordava de uma forma consistente e sustentada a presença tutelar da RPC e a formação da elite política de Macau. Na altura ficou famosa a sua metáfora do jogo de sombras chinesas para ilustrar o peso e influência de algumas instituições informais chinesas no tecido político, administrativo e social desse território.

Posteriormente, Francisco Gonçalves Pereira tomaria a opção de prosseguir a sua carreira académica e de investigação no âmbito do doutoramento que encetou na London School of Economics and Political Science. Não quis o destino que a tese em que investiu o melhor do seu gosto e talento conhecesse o resultado que se espera de qualquer trabalho científico dessa natureza, isto é, que pudesse ser discutida e publicamente defendida pelo seu autor no tempo e local próprios. De qualquer modo, nas palavras do seu orientador, o prof. Michael Yahuda, Francisco Gonçalves Pereira deixou-nos o "primeiro estudo da história completa das negociações sino-portuguesas sobre Macau desde o final da Segunda Guerra Mundial em 1945 até à transição de 1999" (Ponto Final, 13/12/2013).

Graças ao empenho dos seus familiares e amigos, e ao apoio do Centro Cultural e Científico de Macau, em 2 de Dezembro pp. foi apresentado em Lisboa o livro com o trabalho do Francisco ("Accommodating Diversity: The People's Republic of China and the ´Question of Macao´"). Ao mesmo tempo sairá uma nova edição do seu livro de 1995 e a tradução chinesa do mesmo, para que possa ser lido por um público mais vasto

Menos conhecida, mas nem por isso menos importante, foi a sua faceta empresarial, no que contou com o incontornável apoio do também colega e amigo Frederico Rato, ao dar um impulso decisivo para a defesa da liberdade de imprensa e a formação de uma consciência cívica adulta e responsável em Macau, refundando aquele que seria indiscutivelmente um dos mais importantes, senão mesmo o mais importante e influente jornal de opinião durante toda a década de 90, o semanário Ponto Final, que ainda hoje subsiste como diário e que, tendo sido dirigido por Pedro Correia, Luís Ortet, Ricardo Pinto, Henrique Nolasco, entre outros, constituiu e constitui um dos portos de abrigo da liberdade de imprensa no sul da China.

No momento em que passa o décimo aniversário da partida de Francisco Gonçalves Pereira, o IPOR (Instituto Português do Oriente) e a Associação dos Advogados de Macau,  instituição de que aquele foi um dos principais mentores enquanto garante da autonomia, liberdade e independência da profissão, em boa hora tomaram a iniciativa de se associar à homenagem que a família e os amigos lhe queriam prestar na terra em que deu o seu melhor enquanto homem, advogado e pensador.

Graças à disponibilidade do Cônsul-Geral de Portugal em Macau, a residência consular, sita no antigo Hotel Bela Vista, vai abrir as suas portas para que possa ser prestada uma mais do que merecida homenagem a um dos homens que pela sua discrição a maioria dos portugueses mal conhece, mas que honrou na Ásia, como poucos, de forma indelével, o legado cívico, cultural, científico e jurídico da nação que o viu nascer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Jorge Álvares

por Sérgio de Almeida Correia, em 14.12.13

Em 1513 terá chegado à China. Foi o primeiro europeu que lá aportou por via marítima, o primeiro em Hong Kong. Era português. Os 500 anos assinalam-se este ano e antes que terminem sem uma justa lembrança por parte de quem tinha a obrigação de fazê-lo e se queixa de estarmos numa situação de "protectorado", hoje, em Macau, um grupo de residentes marcará o momento com a deposição de uma coroa de flores junto à estátua do navegador e uma pequena palestra evocativa.

Porque é dever de todos honrar a memória dos que nos precederam. Porque não temos de ter vergonha de quem abriu caminho às relações de amizade entre Portugal e a China e ao conhecimento mútuo. Porque o gesto é claro e sem outro propósito que não seja o da celebração da tolerância e da amizade entre os povos, e, finalmente, porque o nome de Jorge Álvares não pode ficar eternamente associado a uma fundação de triste memória que a todos os portugueses envergonhou pela forma como foi instituída, entendi ser meu dever aqui assinalar o evento. Para memória futura.

A História não pode ser mudada. Muito menos abusivamente apropriada por uns quantos para ser depois romanceada ao sabor das circunstâncias e de oportunismos vários.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Das ironias tristes

por José António Abreu, em 08.12.13

Dalai Lama não vai ao funeral de Mandela por recear nova (seria a terceira) recusa de visto por parte do governo sul-africano (sob pressão do governo chinês).

Autoria e outros dados (tags, etc)

Grandes romances (9)

por Pedro Correia, em 22.09.13

 

UM HOMEM É A SOMA DOS SEUS ACTOS

A Condição Humana, de André Malraux

 

«Todos os homens se assemelham à sua dor.» (p. 39)

 

Há livros que nos marcam de tal maneira que muitos anos depois ainda recordamos certas cenas neles contidas. Pelo seu carácter pungente. Pela força que nos transmitem. Pela sedução do estilo do autor. Pelo seu incomparável registo documental. Ou por tudo isto um pouco. Basta lembrar a morte do avô, em As Vinhas da Ira, de Steinbeck. A distribuição da magra ração de subsistência aos detidos no gulague, um Um Dia na Vida de Ivan Denisovich, de Soljenitsine. A lebre avistada a cem metros, do outro lado da cerca, pelos esfomeados  prisioneiros no campo de concentração nazi que se imaginam a comê-la, em A Centelha da Vida, de Remarque.

A Condição Humana -- romance publicado em 1933 que valeu ao seu autor, André Malraux, o prestigiado Prémio Goncourt e a consolidação da fama aos 32 anos -- tem pelo menos três cenas inesquecíveis. Recordo-as propositadamente fora da sequência cronológica por um motivo que já explicarei.

Que cenas são?

A dos detidos após a abortada tentativa de insurreição que se sabem condenados à mais cruel das mortes, disputando insuficientes cápsulas de cianeto para evitarem ser queimados vivos por aqueles que ainda na véspera eram seus aliados nos dédalos da China revolucionária.

A do antiquário francês convertido em traficante de armas que, num assomo de cobardia, deixa os minutos escoarem-se numa febril sala de roleta, crente de que "o jogo é um suicídio sem morte", e vê esses minutos transformarem-se em horas enquanto dissipa uma fortuna e condena antecipadamente à morte um amigo que só poderia ser salvo com uma palavra de advertência sua.

E, acima de todas, a cena em que Tchen, um convicto militante comunista chinês, comete pela primeira vez um homicídio. Deixei este episódio para o fim, apesar de ser o primeiro na ordem cronológica, porque nenhum outro assinala de forma tão decisiva uma fronteira moral na condição humana, justificando desde logo o título do romance.

 

 

É noite cerrada num quarto de hotel de Xangai. Tchen prepara-se para matar um inimigo político adormecido: o superior interesse da revolução assim o exige. Sabe que não falhará. E sabe que não voltará a ser o mesmo. Há uma linha muito ténue que separa a civilização da barbárie e o homem das espécies animais, que matam apenas por instinto de sobrevivência ou imperiosa necessidade de defesa.

Pouco antes de cometer o crime, em nome de fins que procuram justificar todos os meios, Tchen fere-se propositadamente com a mesma faca que lhe servirá para matar. Como se o seu sangue de algum modo redimisse o irreversível apagamento daquela vítima adormecida. E a suprema razão do partido -- tal como a chamada "razão de Estado" -- se sobrepusesse naturalmente à voz da consciência que nos induz em sentido oposto, mandando separar o homem da fera assassina. Mesmo perante o mais desprezível de todos os seres.

 

 

Nenhum intelectual como Malraux aliou tanto o pensamento à acção, na vida como na obra, enquanto testemunha directa de alguns dos mais trágicos acontecimentos do século XX -- a dolorosa eclosão do comunismo na China, a guerra civil espanhola, a resistência ao invasor na França ocupada pelas divisões blindadas de Hitler. Como a personagem central deste seu romance, acreditava firmemente que "as ideias não eram para ser pensadas, mas vividas". Porque "um homem é a soma dos seus actos, daquilo que fez e do que pode fazer". Tal como Kyo, filho de pai francês e mãe japonesa, "escolheu a acção de forma grave e premeditada como outros escolhem as armas ou o mar".

Protagonista de enredos reais que logo transportou para o imaginário colectivo, nado e criado numa família de suicidas, aquele que muitos consideram o melhor escritor francês do último século, e sem dúvida um dos mais populares, foi também um singular cronista do fracasso inscrito no destino humano. Neste seu romance, como em vários outros, todos os planos saem gorados e todos os esforços se revelam aparentemente inúteis. Mas nem a consciência antecipada do malogro faz alterar o rumo dos acontecimentos. Como se tudo estivesse condenado a um final infeliz.

No entanto, A Condição Humana -- classificado em quinto lugar na lista dos cem melhores livros do século pelo jornal Le Monde -- não é apenas o relato magistral de uma revolução falhada (a de Xangai, em 1927, afogada em sangue pelos nacionalistas do Kuomintang). Porque prenuncia à distância de quase duas décadas o domínio comunista no mais populoso país do globo e o irreversível declínio do poder europeu no Oriente (e aqui surgem também referências a Portugal, que tinha na altura uma forte comunidade em Xangai, a maior e mais cosmopolita cidade da China). Chega ao ponto de antecipar a cisão entre Moscovo e Pequim na figura de Borodin, enviado de Estaline para apaziguar os camaradas chineses.

 

Num magnífico prefácio à edição portuguesa do romance (lançada pelos Livros do Brasil em 1958), Jorge de Sena, categorizado tradutor de Malraux, sublinha com evidente acerto que esta obra é "um longo comentário moralista sobre a solidão e a morte, sobre a acção e o destino humano", servido por uma "intensa e asfixiante acção romanesca".

E também com uma galeria de personagens inapagáveis.

Tchen, o revolucionário que se torna terrorista, apostado em "dar um sentido imediato ao indivíduo sem esperança e multiplicar os atentados, não por uma organização, mas por uma ideia: fazer renascer os mártires".

Katow, o austero militante que escapara in extremis à morte na guerra civil russa, fadado para uma heroicidade que não previa.

Kyo, o jovem que troca o conforto burguês pelo trabalho como operário, cheio de certezas na política e de dúvidas na vida amorosa.

O seu pai, o velho professor Gisors, um intelectual há muito desapossado de todos os ideais, trocados pelo ópio, que "só ensina uma coisa: fora do sofrimento físico não há realidade".

O barão de Clappique, mitómano e aventureiro inconsequente.

Hemmelrich, o hesitante activista belga só impulsionado para a luta ao ser tocado por um drama pessoal.

Ferral, o poderoso homem de negócios francês, incapaz de ver na China mais do que uma fonte de lucro fácil, símbolo supremo da decadência europeia.

 

Neste romance, como sustentou Vargas Llosa, "o leitor assiste a uma tragédia clássica incrustada na vida moderna". Servido pela virtude máxima de Malraux como escritor: a sua magnífica prosa, modelar no estilo, exemplar no conteúdo, muito eficaz na criação de atmosferas envolventes e sugestivas. Virtude bem expressa em frases como esta: "A noite desolada da China dos arrozais e dos pântanos invadira a avenida quase abandonada."

Poucos romances são tão capazes de condensar e definir o turvo século XX. Tempo em que deflagraram todas as esperanças e em que ruíram todas as ilusões. Tempo em que o homem se tornou lobo do homem, traindo o mais fundo e o mais belo e o mais inapelável da condição humana.

 

...........................................................................................

Outros textos desta série:

O Velho e o Mar - Um homem destruído mas não vencido

O Poder e a Glória - Ler para crer

Mrs. Dalloway - Esplendor na relva

Santuário - Sombras profundas num Sul sem sol

Pais e Filhos - Voz do sangue, voz da terra

As Vinhas da Ira - Fazer das fraquezas força

A Peste - Ratos e homens

O Delfim - Vícios privados, públicas virtudes

Autoria e outros dados (tags, etc)

Restaurantes em Xangai vendiam rato por cordeiro, revelou a polícia local. Num regime comunista, em nome da igualdade, distribuiriam rato através de senhas de racionamento sem qualquer necessidade de o apresentarem como cordeiro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Billions in Hidden Riches for family of chinese leader.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Lua e os pequenos animais

por João Carvalho, em 31.07.12

«A China quer voltar à Lua em 2013». Como é possível voltar onde nunca se esteve? «A China vai tentar no próximo ano aterrar pela primeira vez uma sonda exploratória na Lua». Curiosamente, «a terceira tentativa lunar da China será lançada no segundo semestre de 2013, informou a agência Xinhua, que indica que o objectivo da expedição é a recolha de dados sobre a superfície da Lua.» Como se os dados sobre a superfície da Lua não fossem já conhecidos há mais de quatro décadas. Se não fosse a actual liquidez financeira de Pequim, acho que os EUA já teriam manifestado estranheza.

Três pontos da notícia prenderam a minha atenção de modo especial, o primeiro dos quais é que, em 2001, a China mandou para o espaço a nave Shenzhou-2 «com pequenos animais a bordo». Alguém se lembra se foram baratas, grilos, formigas ou outros ainda mais pequenos?

O segundo ponto é que o recente lançamento da Shenzhou-9 «ganhou destaque por incluir a primeira mulher astronauta». O eixo da Terra oscilou quando os chineses tremeram ao saber do caso. Como se sabe, os chineses dão um enorme valor ao papel das mulheres.

Finalmente, Pequim considera que o projecto para 2013 «evidenciará a importância crescente do país como potência, a sua capacidade tecnológica e o sucesso do Partido Comunista na transformação de uma nação pobre num país próspero». Ora aqui está o que pode ser muito pedagógico para os partidos comunistas. E não só: Portugal também poderá passar com facilidade da pobreza à prosperidade: basta mandar uma nave para o espaço. Se for com pequenos animais a bordo, falem comigo que eu tenho algumas ideias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ano do Dragão: Kong Hei

por João Carvalho, em 23.01.12

 

Kong Hei Fat Choi

Autoria e outros dados (tags, etc)

A EDP entra na era do Caomunismo

por Rui Rocha, em 10.01.12

 

A EDP tornou-se uma empresa Caomunista. Como se sabe, o Caomunismo é o sistema em que uma empresa estatal de um país comunista, representada pelo Senhor Cao, faz de conta que segue as regras da economia de mercado e em que um governo que diz respeitar as regras da economia de mercado promove nomeações próprias de um regime comunista.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Já na China, a justiça é super-expedita

por José António Abreu, em 26.12.11

Lá por terem comprado 21% da EDP não vamos deixar de criticar coisas como esta: Chen Xi, opositor do regime chinês, preso no dia 29 de Novembro, foi hoje condenado a dez anos de prisão. Há três dias, outro crítico do regime, Chen Wei, havia sido condenado a nove.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Nuances linguísticas

por José Maria Gui Pimentel, em 15.12.11

"I'm so sorry to tell you that she got a short holiday from today, so maybe she'll not be here"

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:


O nosso livro


Apoie este livro.



Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D