Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Só se estragava uma casa

por Diogo Noivo, em 22.03.17

O Ministro que comparou a concertação social a uma "feira de gado" considera infeliz que o presidente do Eurogrupo tenha caracterizado os países do sul como gastadores em "mulheres e álcool". Nascemos para sofrer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A propósito do incidente “feira do gado”, protagonizado por Augusto Santos Silva (who else?), o essencial já foi dito pelo Rui Rocha. Falta apenas dizer que o pedido de desculpa foi mais gravoso do que a afirmação que lhe deu origem (a afirmação insultou a concertação social, o pedido de desculpa insultou todos aqueles que têm dois dedos de testa), mas adiante.
Há, no entanto, um argumento que vai despontando nas fileiras de apoiantes do Governo, uma tese segundo a qual se tratava de um momento informal e, por isso, a recolha de som não é legítima. Eram conversas privadas, de gente que, no fundo, é mortal e igual ao cidadão comum. Em suma, gente que tem o direito de soltar umas boçalidades no recato do seu espaço próprio e privado. Parece-me um argumento difícil de defender – era um evento público, com intervenções públicas, para o qual foram convocados jornalistas.
Mas admitamos que sim, que o som foi colhido de forma ilegítima e 'pela calada'. Certo. Significa, portanto, que quem perfilha este argumento condena a gravação da célebre conversa privada entre Vítor Gaspar e Wolfgang Schäuble? E, por maioria de razão, condenarão a divulgação pública das brutalidades cavalares ditas por Donald Trump sobre as mulheres, uma conversa tida à porta fechada, mas apanhada por um microfone aberto? Se sim, não me lembro que esta gente tivesse tantos pruridos quando estes casos fizeram manchetes. Neste Tempo Novo temos então um conceito inovador assente em dois paradoxos: o princípio sacrossanto, mas de aplicação à la carte, de privacidade em eventos públicos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A carga de porrada de Ponte de Sor já obrigou o Ministro Santos Silva a manifestar-se, conforme os dias e os órgãos de comunicação social, preocupado, disponível para ajudar a investigação, empenhado em ir até onde for possível, capaz de empreender diligências diplomáticas e, o Diabo seja cego, surdo e mudo, até de avaliar um "eventual talvez possível quem sabe sem precipitações" levantantamento da imunidade. Fico consternado por ver o Ministro tão aperreado com este melindroso assunto num momento do ano que devia ser de descanso e descontracção. Houvesse um módico de Justiça no Mundo e a Providência proporcionaria a Santos Silva um daqueles lampejos de inspiração ocorrendo-lhe que, vai-se a ver, um Código de Conduta para filhos de Diplomatas pode bem ser uma bela solução para encerrar definitivamente o assunto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

santos silva.png 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Porte doutoral, mas atira à canela

por Diogo Noivo, em 20.01.16

ASS.jpg

 

Augusto Santos Silva tem a subtileza política de um aríete medieval. Mas foi o que se arranjou para ocupar o Palácio das Necessidades. Talvez esperassem que a função fizesse o homem. Se foi esse o caso, está visto que não o conhecem.

O responsável pela política externa nacional veio a terreiro dar um ar da sua graça no melhor estilo caceteiro. Era uma questão de tempo. Porém, desta vez inovou: à habitual índole rufia juntou-lhe um laivo indisfarçável de pedantismo. Em reacção ao caso da condecoração que França atribuiu ao cantor Tony Carreira, S. Exa. o Ministro dos Negócios Estrangeiros afirmou:

 

Nunca consegui cumprir um dos meus sonhos sociológicos que foi assistir a um concerto de Tony Carreira, porque me dizem que é um dos acontecimentos que um sociólogo deve observar.”

 

Sempre com o Povo na boca, mas jamais misturado com ele.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Seis opiniões socialistas

por Pedro Correia, em 20.02.13

«Sou do tempo em que um estudante em Coimbra foi impedido de falar perante o Presidente da República [em 1969]. Não sou do tempo nem quero ser do tempo em que estudantes impedem professores ou membros do Governo de falar.»

Augusto Santos Silva, TVI 24

 

«Perguntei-me se o caminho para mudar o estado de coisas passa por impedir os Ministros - ou as oposições, tanto faz - de falarem nas Universidades, lugar por excelência da liberdade. Quem vai decidir quem pode falar? Quem tiver mais cartazes, insultar e gritar mais?»
Paulo Pedroso, Banco Corrido

 

«Uma das coisas que mais me tem preocupado na vida política portuguesa é o tom da discussão e a linguagem utilizada. Não fico nada satisfeito - pelo contrário, fico profundamente preocupado - quando vejo o primeiro-ministro a ser sistematicamente apupado. Isso é mau, é negativo.»

Francisco Assis, Rádio Renascença

 

«O boicote arruaceiro de discursos ministeriais não é aceitável nem é tolerável numa democracia. O direito de manifestação tem regras e não pode sobrepor-se à liberdade de palavra. Ninguém é obrigado a ouvir um ministro; ninguém tem o direito de o impedir de falar. Por mais malquistos que sejam, os ministros integram um órgão de soberania, legitimado pelo voto dos portugueses, não podendo estar sujeitos à "acção directa" de pequenos bandos mais ou menos anarquistas. Isto devia ser uma "linha vermelha" para todos os partidos institucionalistas, no governo ou na oposição.»

Vital Moreira, Causa Nossa

 

«O protesto é legítimo e tem um espaço na democracia. Quem governa tem de estar preparado para enfrentar todas as críticas. Considero todavia que há limites que põem em causa a democracia e a governabilidade nos regimes democráticos. E esses limites atingem-se quando se impede o outro - quem quer que seja - do uso da palavra.»

Maria de Lurdes Rodrigues, SIC Notícias

 

«Não aceito que se estabeleça o princípio de que o País está num estado anormal e que, portanto, a reacção também pode ser anormal. Fora de um quadro democrático, toda a violência é legítima. Dentro de um quadro democrático, nenhuma violência é legítima. E a violência não é só física: é também a que coage o outro quando o impede de exercer a sua palavra.»

António Costa, SIC Notícias

 

(acrescentei os depoimentos de VM, MLR e AC aos três iniciais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Socialistas que vale a pena escutar

por Pedro Correia, em 04.12.12

«As eleições em democracia são de tantos em tantos anos exactamente porque um governo não pode estar dependente da popularidade do momento, porque senão ninguém fazia política nem ninguém tomava as medidas que por vezes é necessário tomar e que são circunstancialmente impopulares - e depois podem vir a revelar-se virtuosas e as pessoas a posteriori até acharem que se fez muito bem. Veja-se o caso do governo do Bloco Central: foi odiadíssimo enquanto esteve em funções [1983-85] e agora é quase idolatrado. O infelizmente falecido Prof. Ernâni Lopes e o Dr. Mário Soares são quase idolatrados como salvadores da pátria. A opinião pública é volúvel. Não podemos pôr sobre os políticos uma espada de Dâmocles que os ameace dia-a-dia.»

Augusto Santos Silva, TVI 24 (27 de Novembro)

 

«É preciso explicar aos portugueses que os sacrifícios valem a pena. (...) Já fizemos outros ajustamentos no passado em circunstâncias também muito difíceis. Não devemos destruir a imagem que o País tem no contexto internacional. (...) Fiz parte do Governo do Bloco Central. Hoje já se pode dizer isto em Portugal sem correr grandes riscos. Houve uma altura em que ter participado nesse governo era quase criminoso. (...) Não há interesse para o País numa crise política.»

António Vitorino, TVI 24 (27 de Novembro)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Governo em sintonia com o País

por Pedro Correia, em 27.11.10

"Devemos ser muitos cuidadosos para não fazer declarações que enfraqueçam a posição nacional." Palavras do ministro da Traulitada, Augusto Santos Silva. Só em aparente resposta à entrevista de Pedro Passos Coelho hoje publicada no Expresso. No fundo, Santos Silva visava seguramente o seu colega Luís Amado, que há duas semanas declarou ao mesmo jornal: "O País precisa de uma coligação já", sob pena de Portugal "sair da zona euro". Visava também o seu colega Teixeira dos Santos, que há 12 dias confessou ao Financial Times existir um "elevado risco" de o País pedir auxílio financeiro ao FMI. E talvez visasse ainda o secretário de Estado da Justiça, João Correia, há um ano apresentado como trunfo do recauchutado governo socialista e que afinal surgiu hoje de malas feitas, por opção própria, antecipando a inevitável remodelação que aí vem. No momento da saída, entre outras frases dignas de realce, em entrevista ao i, deixa esta admirável farpa a José Sócrates: "Eu mal conheço o primeiro-ministro."

Fantástico. Por uma vez, o Governo está em sintonia com o País: foi invadido por uma massa de ar muito fria.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Saudades de malhar

por João Carvalho, em 02.02.10

Para Augusto Santos Silva, que já teve a tutela da comunicação social no anterior Executivo, «não merece nenhum crédito» a ideia de que o primeiro-ministro e dois ministros tenham tecido críticas ao jornalista Mário Crespo: «Não sei como é que se consegue fazer informação a partir de intromissão em conversas privadas».

Fica por saber por que motivo aquilo não há-de merecer crédito, mas presume-se que as conversas só são privadas quando os envolvidos as conservam na privacidade. Fica também por saber o que leva o actual ministro da Defesa a prestar informação sobre créditos que desconhece, mas igualmente se presume que Santos Silva já andava com saudades de sair do seu retiro para malhar em qualquer coisa que visse mexer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O percurso portuense...

por João Carvalho, em 23.10.09

... do antigo jovem da Ramada Alta descobre-se aqui (via 31 da Armada). Augusto apoiante de Otelo a Presidente da República nos idos do PREC, vai agora para a Defesa. Não será fácil passar da defesa ao contra-ataque no combate político que se segue. Mas, com aquele percurso, não há-de ser nada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Outros tempos (2)

por Jorge Assunção, em 25.06.09

O PS «estranha» a «rapidez» com que a PT vendeu a Lusomundo Media à Olivedesportos. O deputado socialista Augusto Santos Silva disse ao PortugalDiário que esta «época de transição política não é a mais indicada» para avançar com um negócio desta dimensão, manifestando «estranheza» pelo «tempo escolhido».

 

É trocar vendeu por comprou e Olivedesportos por TVI e a situação é a mesma. Talvez algum jornalista queira perguntar a Augusto Santos Silva se «estranha» o negócio que agora está em cima da mesa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A má estratégia de Santos Silva

por João Carvalho, em 25.04.09

Que eu desse por isso, entre todos os que andaram a fazer apreciações aos discursos no Parlamento, o único que só se centrou na intervenção de Paulo Rangel para dizer 'cobras-e-lagartos' foi Augusto Santos Silva. Tem o mesmo direito que os outros para opiniar o que lhe convier, é evidente. Mas não parece seguro que a apreciação seja conveniente à sua função partidária interna, como também é evidente. Mostrar tanto nervosismo denota fraqueza. E denotar fraqueza é má estratégia. E má estratégia é meio caminho para perder uma batalha. E se a perder terá uns meses para dar largas ao seu nervosismo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Já repararam?

por Paulo Gorjão, em 03.04.09

O ministro da Justiça, Alberto Costa, não existe. Sobre o Caso Freeport não abre a boca.

Quem é que vem para a linha da frente abordar o Caso Freeport como se se tratasse de uma questão estritamente política? Os suspeitos do costume: Augusto Santos Silva (Assuntos Parlamentares) e Pedro Silva Pereira (Presidência).

José Sócrates não poderia ser mais claro. As opções falam por si.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ainda o caso do ministro-comentador

por João Carvalho, em 20.03.09

Ministro dos Assuntos Parlamentares, Augusto Santos Silva

Depois do que o Pedro Correia escreveu aqui sobre a participação do ministro Augusto Santos Silva num programa regular da TVI, tudo indica que o caso está a adensar-se. O ministro tinha sido muito crítico relativamente à deontologia jornalística praticada na estação televisiva, pelo que já era estranho ter aceitado ser comentador no mesmo canal. Mas agora a TVI vai mais longe: promete dar luta à Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), que também já se referiu a «várias queixas» sobre «a alegada violação de princípios éticos ou legais» da estação.

José Eduardo Moniz diz-se disposto a «um combate sem quartel» se os membros da ERC «alguma vez aceitassem ser cúmplices do amordaçamento da comunicação social ou servos do poder», numa alusão às críticas de que tem sido alvo por parte do poder político, o que inclui o próprio ministro e novo colaborador-residente do canal.

Independentemente do episódio que se seguir, há-de valer a pena ver a cara com que Santos Silva irá apresentar-se no próximo frente-a-frente da TVI em que participa com Morais Sarmento. A vida não está fácil para quem é membro do governo, comentador televisivo e crítico de televisão...

Autoria e outros dados (tags, etc)

A 'deontologia' do ministro

por Pedro Correia, em 19.03.09

Nem queria acreditar quando vi, uma noite destas, Augusto Santos Silva protagonizar um frente-a-frente com Nuno Morais Sarmento no novo canal de notícias da TVI. Dizem-me que este programa tem carácter regular, o que torna o ministro dos Assuntos Parlamentares colaborador permanente da estação de José Eduardo Moniz. E não queria acreditar porquê? Porque este é o mesmo Santos Silva que ainda há dias, em entrevista ao DN e à TSF, dizia o pior possível desta estação. "A TVI, designadamente no seu Jornal Nacional da sexta-feira, viola sistematicamente os princípios da profissão de jornalista e o Código Deontológico dos Jornalistas", bradou o ministro. É verdadeiramente inexplicável que Santos Silva aceite colaborar com uma estação televisiva que "viola sistematicamente" os princípios do jornalismo. Já que ele tanto gosta de falar em deontologia, apetece-me perguntar-lhe se não há uma grave falha deontológica em tudo isto. Da parte dele, não da parte da TVI.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cane Come Noi

por Pedro Correia, em 17.03.09

Nas últimas semanas, Augusto Santos Silva tem-se desdobrado em entrevistas e declarações: raras vezes me lembro de um ministro com uma presença tão assídua nas televisões, rádios e jornais. Mas os resultados não são brilhantes - longe disso. Aqui, obsequioso, dizia que Manuel Alegre era bem vindo ao congresso socialista. Aqui, castigador, sugeria que Alegre devia sair das listas dos deputados. Aqui, de novo obsequioso, voltava a afirmar que o PS tinha todo o gosto em incluir o poeta nos seus candidatos ao Parlamento. Há quem diga que Santos Silva é um dos ideólogos do Executivo socialista. Se o 'ideólogo' anda nesta maré de contradições, imagine-se como não andarão todos os outros. Tudo por causa de Manuela Ferreira Leite? Nem por sombras. Tudo por causa de Alegre, o verdadeiro líder da oposição, como aqui escrevi em Junho de 2008. Agora é António Costa, o número 2 do PS, a sugerir que a solução para uma próxima maioria governativa passa por uma espécie de 'coligação' entre o partido e Alegre. Admitindo implicitamente que este é já uma entidade exterior ao PS.

Confusos? Isto ainda não é nada: esperem pela próxima entrevista de Santos Silva. Entretanto Alegre tem mais em que pensar: o seu excelente livro Cão Como Nós acaba de ser lançado em Itália numa sessão com sala cheia que registou a presença do autor.

Autoria e outros dados (tags, etc)

De ziguezague em ziguezague

por Pedro Correia, em 14.03.09

José Lello, um modelo de coerência, critica o "comportamento ziguezagueante" de Manuel Alegre. Elegantíssima palavra para definir o percurso do histórico socialista.  Acho curioso que Lello não a tenha usado a pensar (por exemplo) no seu camarada Augusto Santos Silva, que iniciou o percurso político na extrema-esquerda, como militante de uma tal União Operária Revolucionária e depois se "aproximou" do Movimento de Esquerda Socialista. Convém recordar que, nas eleições presidenciais, Santos Silva votou sucessivamente Otelo, Eanes, Pintasilgo e Soares. Convém recordar ainda que apoiou Alegre contra Sócrates em 2004, nas primárias para a eleição do líder socialista, alegando que, dos três candidatos de então, o poeta era o que melhor garantia o debate de ideias.

Ziguezagueante até mais não. Só Lello não vê.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O ministro e o seu homónimo

por Pedro Correia, em 22.02.09

 

O ministro Augusto Santos Silva malhou na RTP por ter utilizado as palavras do dirigente socialista Augusto Santos Silva na promoção de uma entrevista ao ministro Augusto Santos Silva, que "tem a tutela da Comunicação Social", como se lê no bem informado sítio da RTP, e detesta ser confundido com o dirigente socialista Augusto Santos Silva. Nada a ver uma coisa com outra, até porque aquilo que diz o dirigente socialista Augusto Santos Silva e outros assuntos relacionados com a vida interna do PS são "minudências", de acordo com o ministro Augusto Santos Silva.

A RTP, reverente e obrigada, pediu desculpa a ambos. O ministro Augusto Santos Silva ficou satisfeito. Consta que o dirigente socialista Augusto Santos Silva também.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A explicação

por João Carvalho, em 19.02.09

Augusto Santos Silva, entrevistado pela Judite de Sousa, explicou por que razão o PS chumbou no Parlamento propostas alheias sobre os casamentos entre pessoas do mesmo sexo e agora o próprio PS promete levar em frente igual proposta na próxima legislatura. Explicou e bem: o PS não tinha anunciado essa iniciativa em 2005.

É verdade, não tinha mesmo. Em 2005, o que tinha era anunciado que não subiria os impostos, que iria criar 150 mil empregos, que aproximaria Portugal dos níveis de crescimento da Europa, etc., etc., etc., como se sabe. Gostei imenso de ouvir a explicação de Santos Silva. A gente gosta é de tudo assim muito bem explicadinho, não é?

Autoria e outros dados (tags, etc)

A ponta do icebergue

por Paulo Gorjão, em 07.02.09

"[Augusto Santos Silva] encarna e simboliza um método e um regime que não se limitam a sufocar o PS, sufocam Portugal. O medo e o desinteresse, infelizmente, alastraram."

Subscrevo estas palavras de Vasco Pulido Valente (Público, 7.2.2009: 40), como já se percebeu.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Dignidade precisa-se

por José Gomes André, em 06.02.09

O António e o Pedro já denunciaram as declarações ridículas de Augusto Santos Silva em textos anteriores, mas gostava de acrescentar uma ideia. O que realmente me incomoda neste e noutros comportamentos semelhantes é a total falta de sentido de Estado da maioria dos nossos políticos. Tanto me dá que o caso concreto remeta para uma reunião partidária ou para uma festa de angariação de fundos. Tratava-se de um evento público e Santos Silva, mais do que um membro do Partido Socialista, é neste momento um ministro do Governo, ocupando um cargo relevante no Estado.

Para que Portugal não se transforme numa república das bananas, é necessário que aqueles que o representam ao mais alto nível tenham respeito pelo povo, pelas instituições políticas e pelos cargos que desempenham. Os nossos políticos – e os nossos ministros – têm de se convencer, de uma vez por todas, que não são líderes de uma claque de futebol nem presidem a associações de estudantes do liceu.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O caceteiro que "gosta de malhar"

por Pedro Correia, em 05.02.09

O ministro que em 2007 mostrou sentir imenso nojo pelo jornalismo de sarjeta revelou o nível da sua argumentação política numa reunião com camaradas do partido, ontem à noite, no Rato. "Eu cá gosto é de malhar na direita e gosto de malhar com especial prazer nesses sujeitos e sujeitas que se situam de facto à direita do PS e são das forças mais conservadoras e reaccionárias que eu conheço e que gostam de se dizer de esquerda plebeia ou chique", afirmou Augusto Santos Silva, o grande ideólogo do Governo socialista.

Apetecia-me adjectivar esta confrangedora pobreza dialéctica do ministro com o mesmo qualificativo que ele dedicou ao tal jornalismo. Há certos discursos que só têm o condão de afastar ainda mais as pessoas da política. É uma questão de higiene mental: não há nada a debater com quem argumenta assim.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Figuras tristes

por António Manuel Venda, em 05.02.09

A verdade é que cada vez mais me falta a paciência para o que vamos vendo por cá na política, mas hoje não quero deixar de assinalar que o ministro Augusto Santos Silva fez  mais uma das suas já habituais figuras tristes.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D