Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Stalking espacial

por João André, em 15.04.17

Um aspecto menos chato de viagens longas é a oportunidade de me pôr (pelo menos um pouco) em dia com os filmes mais (ou menos) recentes. Nesta última viagem vi vários, um melhores que outros (gostei bastante de Arrival e The Girl on the Train). Aquele sobre o qual escreverei é no entanto um filme com vários lá dentro e todos eles falhados: Passengers.

 

Nesta altura não incomodarei com a história do filme: numa viagem interespacial de 120 anos com destino a um novo planeta a ser colonizado surge um problema e um dos passageiros é acordado a 90 anos da chegada. Passa uns tempos sozinho, sente-se só e decide acordar uma mulher por quem se apaixona ao ver os seus vídeos. Ela obviamente apaixona-se por ee até descobrir que ele a acordou para morrer no espaço sem nunca ver o destino. Depois acontecem as tragédias e eles acabam por superar as dificuldades e as próprias diferenças. Fim.

 

Acto I - despertar

Jim é um mecânico (o pod dele diz "engenheiro mecânico" mas depois ignora isso o resto do tempo) que é um passageiro a bordo da nave Avalon que vai a caminho de uma nova colónia espacial. Teoricamente deveria dormir, tal como os 4.999 outros passageiros e os 256 (ainda andamos nos tempos do ZX Spectrum, aparentemente) membros da tripulação. Toda a gente deveria acordar da viagem de 120 anos a 4 meses do destino para poder ser preparada para as sua novas funções na colónia.

 

Depois de um impacto com um campo de asteróides (que nos filmes conseguem estar sempre miraculosamente perto uns dos outros) há um problema com o pod de hibernação e Jim acorda. Depois de descobrir que está sozinho anda pela nave (que se torna essencialmente uma nave de cruzeiro para recreação pessoal) e acaba a ter conversas com o barman-andróide Arthur. Fica nisto um ano até que o desespero se instala e contempla o suicídio. Este período é obviamente interessante, mas demasiado curto e mal explorado. Jim experimenta tudo o que a nave tem para oferecer, tenta entrar na zona de hibernação da tripulação para os acordar (claro que falha) mas falta uma verdadeira fase de instrospecção. A sequência de entretenimento vai sendo marcada pelo crescimento capilar e acaba abruptamente na vontade de acabar com tudo. E o filme está a perder gás.

 

Acto II - a bela adormecida

Entra Jennifer Lawrence, a bela adormecida chamada Aurora. Jim vê-a no seu pod e vasculha os arquivos da nave para ver os seus vídeos de apresentação e ler os seus trabalhos (ela é escritora). Jim apaixona-se (obsessiona-se seria uma palavra mais adequada, mas fiquemos pelo seu próprio termo) e debate (com ele mesmo e com o barman) se a deve acordar. Obviamente que acaba por o fazer (seria um belo chachet para Lawrence se só dormisse) mas finge que não sabe de nada.

 

Depois de uma fase de desespero, Aurora parece adaptar-se bem à nova realidade. Vai "saindo" com Jim, cria uma ligação com ele (ajuda que ele seja Chris Pratt, Adam Driver talvez tivesse mais azar) e acaba por se apaixonar pelo "último homem na Terra" (na nave, mas não vamos ser esquisitos). Tudo corre muito bem até que Arthur, sem noção dos sagrados deveres de confidencialidade dos barmen, acaba por lhe dizer que foi Jim que a acordou. Ele explica que se apaixonou, que debateu sobre se a devia acordar e decidiu-se a fazê-lo.

 

Aqui temos um segundo filme depois d'O Último Homem na Terra: A Assediada. Aurora deveria ter medo de alguém que obviamente não bate bem, mas aparentemente só tem fúria. Se num primeiro momento isso é normal, depois o medo deveria instalar-se, especialmente quando ele continua a persegui-la através de câmaras e da instalação sonora da nave. Ela não lhe pode fugir mas parece que também o aceita. Tenta evitá-lo mas não se livra dele (mesmo quando tem essa oportunidade). Infelizmente esta fase é muito mal escrita. Lawrence dá tudo o que tem, e é muito, mas não tem nada de especial com que trabalhar. O filme está feito para termos pena do pobre Jim e tudo conspira para isso.

 

Acto III - tudo corre mal

Este é o problema de muitos filmes de ficção científica hoje em dia. Mesmo quando o filme é acerca de outros temas, há sempre imensas coisas que podem correr mal. Neste caso tudo. Primeiro vemos que há funções que começam a não funcionar. Mais tarde vemos um membro da tripulação (Laurence Fishburne) a acordar devido a outro defeito no pod (que jeito que dá que seja da tripulação quando há tantos passageiros que poderiam acordar).

 

Ele acorda, consegue entrar nas partes do navio onde eles não podiam, diagnostica os problemas e descobre que irão todos morrer se não resolverem o problema original e de imediato morre por complicações de ter dormido demasiado tempo e o pod não ter tido as preocupações necessárias ao acordá-lo (deveria ter lavado os dentes). Ou então era porque era preto e isso não pode ser.

 

Jim e Aurora aproveitam ter ficado com a bracelete de Fishburne (não me lembro se tinha nome) e começam a ir aos sítios a que não tinham acesso e acabam por, depois de uma longa sequência de-tudo-corre-mal, salvar a nave. Jim sacrifica-se para o fazer quando se lembra que existem ainda mais 4.998 passageiros e 255 membros da tripulação e Aurora fica acometida de síndrome de Estocolmo e salva-o.

 

Epílogo

Depois do salvamento, Jim descobre que pode colocar Aurora a hibernar mas ela decide que prefere passar o resto da vida com ele numa nave de luxo (afinal de contas, é Chris Pratt) e aceita a proposta de casamento de Jim (que pena não vermos o barman-Arthur a oficiar a cerimónia com os robtos de limpeza a levar a aliança). O final é com os restantes passageiros a acordar e descobrir que a nave foi transformada numa quinta, incluindo galinhas, e ouvimos a voz-off de Aurora a dizer... qualquer coisa de profundo e de enorme significado que encontraremos em 348 memes nos próximos 3 meses. Também vemos Andy Garcia durante 15 segundos (deve ter ido visitar um amigo ao set e acabou como extra).

 

Conclusão

Temos então o filme "Último Homem na Terra", o filme "Stalker" e o filme "Horror no Espaço" tudo com uma camada delicodoce de romance. Nenhum convence. É pena, porque os dois primeiros teriam sido extremamente interessantes (o último era dispensável). Mas entretém e tem Jennifer Lawrence e Chris Pratt. E assim acontece.

 

A Ciência

Bom, a ciência do filme. Não falo. Há demasiadas coisas simples mal feitas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:


2 comentários

Imagem de perfil

De João Campos a 15.04.2017 às 12:36

Acho que não escreveria melhor sobre o "Passengers" - um filme que, acima de tudo, me pareceu uma boa oportunidade perdida por ninguém parecer saber muito bem que filme queria fazer.

Gostava de ler algo teu sobre "Arrival" um dia destes. E se gostaste do filme, deixo-te a sugestão para o conto original, "Story of Your Life", de Ted Chiang.
Imagem de perfil

De João André a 18.04.2017 às 12:18

Obrigado João. Concordo (como se vê no post) contigo: uma oportunidade perdida com tantas boas ideias para explorar. Com muito menos o Wall-E foi extremamente melhor.

O Arrival fez parte dos que vi nesta viagem (escrevi o post em trànsito entre voos na sexta feira passada) e ainda gostaria de escrever sobre ele, mas exige mais reflexão. Não sai tão fácil. Obrigado pela sugestão do conto. Vou ver se o encontro.

Comentar post





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D