Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Séries do ano (6) - Penny Dreadful

por Diogo Noivo, em 25.10.16

penny-dreadful-season-3-key-art.jpg

 

Ambientada na Londres dos finais do século XIX, Penny Dreadful junta sob o mesmo tecto ficcional personagens lendárias, produzidas pela literatura da época, como Dorian Grey, o Doutor Jeckill e o Mr. Hyde, Victor Frankenstein e as suas criaturas, e ainda figuras míticas saídas da pena de Bram Stoker, como Mina Harker, Dr. Seward, e Renfield. Nesta série de televisão, o Reino Unido do século XIX fornece os personagens e o ambiente cénico, mas também o título: “penny dreadful” foi o nome pejorativo dado à literatura popular publicada em pequenos fascículos e com periodicidade semanal, pequenos livrinhos vendidos por um 'penny'.
Muito embora reúna todos estes personagens temíveis num só guião, Penny Dreadful não é uma sucessão de episódios de terror puro, cheios de efeitos especiais, mas sim uma história dramática que explora os limites e as contradições de personagens que não inventou, mas aos quais soube dar novas cores sem os descaracterizar. Este ponto é aliás um dos aspectos mais fortes da série. As personagens são feitas de conflitos internos, de antagonismos íntimos, narrativamente explorados com inteligência, sem cair no lugar-comum do personagem atormentado, e respeitando a estrutura original das criaturas saídas da literatura do século XIX.

 

A criatura de Victor Frankenstein é um bom exemplo do sucesso da série no equilíbrio entre a inovação e o respeito pelo molde original dos personagens. Leitor voraz, dono de um vocabulário digno de Shakespeare, a criatura de Frankenstein é tal forma apaixonada por poesia que escolhe para si o nome John Clare, em tributo ao poeta britânico do século XIX. A violência e bestialidade que caracterizam o monstro encontram na literatura um freio, que pouco a pouco lhe devolve a humanidade perdida com a morte. É uma criatura tão bruta quanto sensível à arte, tão sanguinária como capaz de actos de uma compaixão e de um amor desarmantes. Como é bom de ver, a versão da criatura de Frankenstein que nos é apresentada na série Penny Dreadful é bastante respeitosa com aquela que Mary Shelley escreveu em 1818.
O desenrolar da história não é de todo previsível ou fácil, mérito de bons guionistas e de grandes actores. De resto, em matéria de actores, quase todos britânicos, é de salientar as excelentes interpretações de Eva Green (que se não foi já protagonista na série Belle Toujours é uma falha imperdoável), de Timothy Dalton (foi um mau James Bond, mas não é mau actor), de Billy Piper, de Simon Russell Beale, e sobretudo de Rory Kinnear. Sobra, como em todos os elencos que integrou, o actor americano Josh Hartnett.
A terceira e última temporada foi emitida este ano. A abordagem conservadora dos criadores e dos produtores à extensão da série foi um sinal de inteligência raro na indústria de televisão. As audiências permitiam a continuação da saga, mas isso distenderia a história muito para além do que era estritamente necessário. Ao ficar-se pelas três temporadas, Penny Dreadful é perfeita do ponto de vista narrativo. Conta o que tem que contar, explica o que tem que explicar, desenvolve os personagens e o guião na medida justa. Produzida por Sam Mendes (realizador de American Beauty, Jarhead, Skyfall e Spectre), Penny Dreadful é uma série sombria e arrojada. Foi uma das surpresas mais agradáveis da televisão em 2016.

Autoria e outros dados (tags, etc)



O nosso livro


Apoie este livro.



Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D