Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Rectificação à entrevista.

por Luís Menezes Leitão, em 06.01.18

Recordo-me de há muitos anos, quando Mário Soares era líder da oposição ao governo Balsemão, ter querido posicionar o PS mais ao centro, pelo que deu uma entrevista a acusar a União Soviética de ter um plano secreto para desestabilizar a Península Ibérica. A Embaixada Soviética apareceu então com um comunicado a dizer que Mário Soares estava "mentalmente doente e necessitava de um prolongado tratamento". A indignação foi tanta, até porque foi interpretada como uma referência ao "tratamento" dado aos opositores na União Soviética, que a Embaixada sentiu necessidade de corrigir a resposta e explicou ter havido erros de tradução. Onde se lia "mentalmente doente" deveria ler-se "com uma imaginação doentia" e o "prolongado tratamento" referia-se antes às declarações e não à pessoa de Mário Soares.

 

Foi deste episódio que me recordei quando vi este comunicado da candidatura de Santana Lopes a desmentir as afirmações deste sobre Rui Rio na entrevista que deu ao Expresso. Afinal para Santana Lopes Rui Rio não é "limitado e paroquial". Tem apenas "uma visão limitada" e uma "visão muito paroquial". Felizmente que a candidatura estava atenta e corrigiu as falsidades do Expresso.

Autoria e outros dados (tags, etc)


12 comentários

Perfil Facebook

De Rão Arques a 06.01.2018 às 08:20

Visões da incubadora
Sem imagem de perfil

De Beatriz Santos a 06.01.2018 às 09:56

São apenas dois não prestas do PSD. Digam o que digam.
Sem imagem de perfil

De sampy a 06.01.2018 às 10:54

Não é o mesmo, acusar alguém de mentir, ou de ser mentiroso.

Falsidades do Expresso ou Expresso falso?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.01.2018 às 12:27

"41% dos portugueses querem o voto obrigatório"
Para quê? Para obrigarem os emigrantes a gastarem pelo menos 200€ em viagens de avião só para votarem em branco/nulo?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.01.2018 às 13:51

Também se pode votar nos consulados.
Por outro lado, como se viu nas anteriores eleições, não faltam ofertas de financiamento do transporte (em troca do voto, claro).
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 06.01.2018 às 15:07

Os portugueses estão cada vez mais totalitários. Não aceitam que alguém não queira fazer parte.

Era de esperar com a urbanização.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.01.2018 às 17:59

Cada vez mais totalitários? Olhe que eu lembro-me de um tempo em que nem sequer era permitido usar mini-saia... Não exagere.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 07.01.2018 às 13:30

Ainda não é proibido outra vez? ;-)

Eu sou do tempo em que alguém quis proibir estender roupa à janela.
Hoje quer se proibir comer salgadinhos ou chocolate, alugar a casa a outros, etc...

É o tipo de totalitarismo de várias das cidades americanas e europeias cheias de regras e regrinhas, importamos o pior.

Parece que quando as pessoas estão em permanente contacto com outras , como numa cidade, querem todos iguais. Opressão.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 07.01.2018 às 20:43

Pode sempre optar pelo totalitarismo da Coreia do Norte ou de alguns países do Médio Oriente.
Perfil Facebook

De Carlos Alberto Ilharco a 06.01.2018 às 19:03

Há aqui duas coisas que me intrigam
Uma, qual será a razão porque os jornais apoiam a candidatura de Rui Rio contra Santana?
Outra se 84% dos portugueses dizem votar porque é que abstenção anda entre 50 a 65%?
Sem imagem de perfil

De JS a 06.01.2018 às 23:16

"Fake news" versão portuguêsa. Não é de crer que -à excepção de um determinado comentador- os portugueses alguma vez queiram ou voto obrigatório.
Ou mesmo voto, como se tem visto na cescente, saudável, abstenção.
Saudável porque demostra que os portugueses não apreciam um jogo idiota: Votar sem que haja uma mínima consequência do seu voto não é saudável. Apenas se justifica por um interesse imediato se, em consequência, se ganhar algo, de um dos lados..

Quanto à escaramuça Santana vs Rio: transformou-se óbviamente num Lisboa vs Porto, Sul vs Norte.
Contabilizados que foram os números dos autorizados a votar nas duas geografias já se sabe que o Norte venceu.

Agora é só assistir ao triste espetáculo fraticida, ou não .....
Nos bastidores de cena o CDS sorri.
Não contra-regra que organize esta classe política aos molhos,
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 07.01.2018 às 19:07

Voto obrigatório nunca! Obrigatoriedade sim mas a de comparecer nas mesas de voto, uma vez lá tem-se várias opções. Comunicar à mesa que quer abster-se, rejeitando os boletins, e aqui sim, ficar-se-ia a saber a verdadeira abstenção eleitoral, ou aceitar os boletins, votando como lhe der na real gana, ou anular os boletins ou ainda votar em branco. Voto obrigatório, nunca!

Comentar post



O nosso livro


Apoie este livro.



Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D