Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Oposição a sério, precisa-se.

por Luís Menezes Leitão, em 23.12.15

Aquando do verdadeiro golpe que constituiu a criação deste governo, Passos Coelho garantiu que o líder do PS não poderia esperar o apoio do PSD e CDS no futuro. E assegurou que António Costa deveria demitir-se se alguma vez precisasse dos votos do PSD. Palavra dada tem que ser palavra honrada. É por isso que, se o PCP, que apoiou a formação deste governo, não viabiliza o orçamento rectificativo, muito menos o PSD ou o CDS o podem viabilizar. Se, como tudo indica, o PSD viabilizar o orçamento rectificativo, acho que deve ser Passos Coelho a demitir-se da liderança. O país precisa de uma oposição a sério a este governo e não de partidos amorfos, que vêem o seu próprio governo ser derrubado e vêm logo a seguir oferecer a outra face, apoiando quem os derrubou. E não me venham com a treta do interesse nacional. O interesse nacional é precisamente que não sejam gastos os 3.000 milhões que se quer meter no BANIF, agravando o défice e a dívida. O voto do PSD a favor deste orçamento só demonstrará uma coisa: que António Costa tem todas as condições para ser primeiro-ministro. Pedro Passos Coelho é que não tem manifestamente condições para continuar a liderar a oposição.

Autoria e outros dados (tags, etc)


10 comentários

Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 23.12.2015 às 09:12

que não sejam gastos os 3.000 milhões que se quer meter no BANIF, agravando o défice e a dívida

Eles terão que ser gastos de qualquer forma, dado que, se não se meter dinheiro no BANIF, este terá que encerrar e terão que ser ressarcidos todos os depositantes até 100000 euros. Como o Fundo de Garantia de Depósitos não tem esse dinheiro, nem o terá tão cedo, terá que ser o Estado a chegar-se à frente, precisamente com cerca de 3000 milhões de euros, para ressarcir todos esses depositantes.
Sem imagem de perfil

De Luis Eme a 23.12.2015 às 10:32

Concordo.

E como não é um problema de consciência (políticos não usam isso...), só poderá ser uma tentativa de silenciar a possível investigação...
Imagem de perfil

De Manuel a 23.12.2015 às 11:25

Ou seja, a direita vota contra o orçamento rectificativo e toma o poder com a necessidade desse mesmo orçamento rectificativo. Ora hoje, na oposição, chumbava aquilo que, sendo governo, necessitará de aprovar.
Sem imagem de perfil

De JSP a 23.12.2015 às 11:30

Certeiro.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 23.12.2015 às 12:26

De acordo, Luís.
Sem imagem de perfil

De Fernando Torres a 23.12.2015 às 16:04

Abriu-se hoje a primeira brecha na coligação de esquerda?
Sem imagem de perfil

De Lina Ferreira a 24.12.2015 às 12:19

Qual brecha? A esquerda não prometeu dizer ámen a tudo! Era o que faltava!!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 23.12.2015 às 16:55

Tem toda a razão, o país precisa é de ter oposição a sério porque esta oposição, já mostrou por A+B que não presta. Infelizmente este OEr teve de ser feito, devido à inoperância do anterior governo que enquanto esteve à frente da
liderança do país, não fez nada, a não ser Banif e outros que tal.
Sem imagem de perfil

De William Wallace a 23.12.2015 às 18:59

Só defende esta escandaleira quem vive dela.

O arco da CORRUPÇÃO mais uma vez venceu e Portugal perdeu.

O PS acabou de se pasokizar o que é óptimo , primeiro temos de correr com a xuxalada , depois vamos aos PAFISTAS e como hoje existe net e tá tudo gravado (para nossa protecção dizem eles) não poderão dar o dito pelo não dito.

Quem diz que são todos iguais tem razão e está na altura de correr com os traidores que a laia da "democracia" arruínam Portugal desde 1974 com o apoio de interesses estrangeiros como uma vez mais se viu neste caso em que a comissão europeia deu o álibi para ir empaleando a questão e o Santander com o apoio da TVI da qual é accionista (através da Prisa ) ficou com o doce a preço de saldo.

Tenham Vergonha

Sem imagem de perfil

De mkrupenski a 24.12.2015 às 07:17

Caro Luís, esta é uma das poucas vezes em que tendo a não concordar com a sua análise. Se vejo bem a coisa, penso que está a misturar um pouco dois planos: um plano é o de como deve Passos atuar se o governo apresentar uma medida boa (ou menos má - que Passos parece acreditar que esta é); outro plano é o da bondade desta medida em concreto - e aí concordo consigo: é bastante má. É verdade que Passos disse que Costa se deveria demitir quando precisasse do PSD, mas não pode forçá-lo a demitir-se (exceto talvez votando contra uma medida que considera boa - ou menos má). E Passos também nunca afirmou, ao que sei, que não votaria medidas boas se Costa se não demitisse (apenas disse que contava que Costa o fizesse). A "treta do interesse nacional" está no primeiro plano, não no segundo, como o seu post parece sugerir. E nesse sentido a sua crítica deveria, na minha opinião, naturalmente, dirigir-se à avaliação que Passos faz da medida e não as consequência que Passos deve assumir (demissão) no caso de, como fez, deixar passar a medida. Ou dito de um modo muito mais simples, se "quer demitir" Passos aqui tem que o demitir por discordar da medida, não pelo facto de ele apoiar o governo em coerência com o facto de aparentemente concordar com ela (e independentemente de Costa se recusar a perceber que num mês perdeu o seu governo estável e duradouro - e por isso não se demitir). Cordiais cumprimentos

Comentar post



O nosso livro


Apoie este livro.



Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D