Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O referendo na Catalunha.

por Luís Menezes Leitão, em 12.09.17

A quem lhe dizia que a Índia estava muito melhor gerida pelos britânicos, Gandhi respondeu: "Não há nenhum povo que não prefira o seu próprio mau governo ao bom governo dos outros". A Catalunha é a região mais rica da Península Ibérica e pode perfeitamente subsistir sozinha, se o quiser. Efectivamente corre o risco de não voltar a entrar na União Europeia se for independente, em virtude do provável veto de Espanha, mas esse é um risco que cabe aos catalães decidir correr. Mas também se dizia que Timor não conseguia subsistir fora da Indonésia e foi o que se viu.

 

Invocar uma Constituição espanhola de 1978 para querer impedir a Catalunha de organizar um referendo para a sua independência em 2017 é perfeitamente ridículo. A nossa Constituição de 1933 também dizia que Angola e Moçambique eram parte integrante do território nacional e não foi por isso que Portugal deixou de lhes dar independência em 1975. Há que reconhecer a realidade existente para além das ficções jurídicas. E uma Constituição que considera que uma nação como a Catalunha não passa de uma Comunidade Autónoma semelhante à Andaluzia está completamente fora da realidade.

 

A Catalunha pode ou não ser independente, consoante a vontade maioritária do seu povo decidir. Mas para isso é preciso que o seu povo seja ouvido, por muito folclórico que alguém o ache. E tal só pode ocorrer por via de referendo. Fizeram-se referendos no Quebeque e na Escócia sem problema algum e os seus habitantes aceitaram pacificamente a decisão, continuando a pertencer respectivamente ao Canadá e ao Reino Unido. Se calhar Mariano Rajoy até ganharia hoje um referendo na Catalunha. Ao optar por não o fazer, preferindo usar a força contra o povo catalão, está no fundo a repetir a velha receita do General Espartero, duque da la Victoria, que nas guerras carlistas declarou que "hay que bombardear Barcelona cada 50 años para mantenerla a raya", preceito que tem sido sistematicamente seguido por Espanha até ao bombardeamento franquista de 1939. Desta simpática receita ficaram felizmente livres os portugueses em 1640. Por isso, pela minha parte apoio integralmente que os catalães tenham a mesma sorte.

Autoria e outros dados (tags, etc)


19 comentários

Sem imagem de perfil

De SemioZeus a 12.09.2017 às 17:03

WW
Só mais um bocadinho porque informação ainda se pode encontrar para quem estiver interessado.

BG Bilderberg Group As reuniões anuais são há muito conhecidas, passando por vários locais mas, originalmente, foram realizadas no Hotel de Bilderberg, Oosterbeck, Holanda

Agora, basta fazer a pergunta:

Porquê serem convidados políticos, incluindo muitos políticos nacionais e ainda se gabarem de levar carreiras até ao topo ou acabarem com elas mas, disto, já por aqui tinha deixado links e, como de repente, se tira um Seguro e entra um Costa ou se fala num Rui Rio para substituir Passos.
Sabendo como funciona o Sistema, as ovelhas prestam mais atenção "aos pormenores" porque, como já disse noutro comentário, na política , nada acontece por acaso.

David Rockefeller era o presidente emérito do CFR e do TC e, certamente, ao morrer, o substituto continuará a sua influencia, por meio de representantes de procuração (como Lloyd Bentsen), o grupo Bilderberg. [Cf. Holly Sklar, ed., Trilateralismo: a Comissão Trilateral e Elite Planning for World Management; Boston: South End Press, 1981.]
Nunca esquecer que tudo isto é muito resumido porque entre comissões e sub-comissões, a estrutura do poder usada, é igual ao mais que velho esquema em pirâmide.
Comissões e delegações não faltam: Committee on Foreign Relations, European Council on Foreign Relations, German Council on Foreign Relations, Israel Council on Foreign Relations, Mexican Council on Foreign Relations.

Com tanta gente, não hão-de as ovelhas globais, suarem para sustentar tantos parasitas e respectiva criadagem.

EXECUTIVE BRANCH:
Este ramo contém as estruturas efetivas de políticas e de controle por trás de estruturas governamentais aparentes e democráticas:
Council on Foreign Relations (CFR), Tri-Lateral Commission, National Security Council (NCS),Joint Chiefs of Staff (JCS)'s Special Operations compartment, Special Forces Command), National Program Office (NPO), Federal Emergency Management Agency (FEMA)'s black projects compartment.

INTELLIGENCE BRANCH:
Funções de vigilância doméstica e internacional e de forças policiais secretas / responsáveis pela sua execução)
National Security Agency (NSA)
National Reconnaissance Office (NRO) que controla e recolhe informações de satélites espiões globais, controla coordenadas de disparo de armas de feixe de energia desde as órbitas dos satélites para terreno humano selecionado ou para alvos aéreos.
Central Intelligence Agency (CIA) comandos, controles freqüentes, recolhe informações secretas no exterior, reunidas por espiões (HUMINT), vigilância eletrônica (SIGINT) e outros meios; realiza operações de contra-insurgência paramilitares inconstitucionais encobertas e projetos preventivos de pacificação política em violação do direito internacional, bem como operações de contra-inteligência contra agentes estrangeiros; envolve a vigilância doméstica e a manipulação do processo político dos EUA, "no interesse nacional", em violação direta da carta do Congresso; opera empresas proprietárias de "fachada" com fins lucrativos; conduz uma grande parte do transbordo internacional de drogas ilegais, usando a cobertura e a imunidade da segurança nacional.

Aqui, ainda me falta mencionar umas 18 Agências e, é só para questionar, se ainda alguém pensa que é o Presidente dos EUA que controla isto tudo?
De passagem e em dois mandatos?

Mas, há mais:
WAR DEPARTMENT:
Com umas 30 Agências

WEAPONS INDUSTRY BRANCH
Empresas "privadas"( quais os accionistas?), serão mais de 20 que pertencem às operações de operações secretas.

FINANCIAL DEPARTMENT
Sistema igual ao FED (Privado) a quem também pertence o BCE (Banco Privado) que com as leis da UE, transformou os Bancos Centrais Europeus em suas sucursais, como o nosso Banco de Portugal.
(cartel de bancos privados supervisionados por financiadores de elite, como os Rockefeller, Mellons, DuPonts, Rothschilds, etc., que dita ao governo o fluxo de dinheiro, o valor do dinheiro e as taxas de juros do governo e o que os cidadãos devem pagar)

Coreia do Norte?
Irão?
Quem quer guerras e porquê embirrar com estes dois?
Porque não controlam os seus Bancos Centrais.

Dívidas dos países servem para poder controlar a política e Legislação e se os eurodeputados não podem propor nem vetar Leis, quem controla?

Comentar post





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D