Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O «êxito» nacional - rapidinhas

por José António Abreu, em 27.02.17

O crescimento.

Ficou abaixo do que o PS prometera. Ficou abaixo do que, segundo o PS, teria sido com um governo PSD-CDS. Ficou abaixo do que foi em 2015. Ficou acima das previsões mais pessimistas.

 

A dívida.

A resolução do Banif foi precipitada para 2015. A recapitalização da Caixa foi adiada para 2017. Ainda assim, subiu em termos absolutos e talvez em percentagem do PIB.

 

A austeridade.

Foi transferida dos salários para os equipamentos e para o material, dos funcionários públicos para a generalidade dos cidadãos, desapareceu dos noticiários e, por conseguinte, terminou.

 

Os juros.

«Para o infinito e mais além», anunciaria Buzz Lightyear.
 

O investimento.

Foi aplicado em publicidade institucional.

 

A transparência e a ética republicana.

Completamente garantidas pela inviolabilidade das mensagens sms.

 

O PCP e o Bloco.

Desta vez são cúmplices.

 

O presidente.

O indivíduo deslumbrado que tenta parecer um gajo porreiro, emite opinião sobre tudo, inventa factos e distribui facadinhas nas costas. Que melhor representante do país se poderia arranjar?

 

O défice.

Com ou sem o perdão fiscal, o congelamento do investimento, a venda dos F-16, as cativações, a reavaliação de activos, o atraso nos pagamentos a fornecedores?

 

«O défice mais baixo da democracia portuguesa.»

Onde é que já ouvi isto?

Autoria e outros dados (tags, etc)


12 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.02.2017 às 10:55

Uma leitura atenta dos relatórios do BdP e do INE ajudava-o ajudava-o a perceber alguma coisa dos números, uma passagem na farmácia onde vendem produtos para a azia ajudava-o em termos de saúde.
Sem imagem de perfil

De jo a 27.02.2017 às 11:37

Pelo menos adotou-se a moda de só se fazer um orçamento anual por ano.

Embora se possa sentir saudades, o orçamento que o anterior governo fazia em outubro costumava dar quase/quase certo no fim do ano.

E os bancos sólidos na véspera da "saída limpa" que implodiram a seguir também foram uma coisa engraçada.

Todos os governos douram a pílula, o anterior bem tentava e nem isso lhe saía bem.
Sem imagem de perfil

De Alexandre Policarpo a 27.02.2017 às 15:14

É bom fazer apenas um orçamento por ano, desde que se cumpra, pelo menos aproximadamente o que lá se previa. Mas este governo não acertou uma, ficou aquèm do que previa em todos os indicadores.
Começou a cortar às cegas de tal maneira que quando deu por ela, já tinha ido além do que lhe era exigido, tudo em nome da propaganda.
Fazer orçamentos rectificativos no final do exercício, é apenas uma questão de transparência.
Sem imagem de perfil

De Einstürzende Neubauten a 27.02.2017 às 14:45

Só relativamente ao ponto - Presidente- pois tudo o resto é uma questão de gosto. E gostos não se discutem....

https://www.youtube.com/watch?v=rjTXI9fN3A8

Caso das Escutas a Belém. Declaração do Presidente da República Prof. Aníbal Cavaco Silva

"O país vai pagar mais de 5 mil milhões de euros pelo buraco das fraudes cometidas durante anos no Banco Português de Negócios. Nesta campanha, Cavaco Silva não condenou os administradores que afundaram o banco. São os mesmos que deram a ganhar à sua família 357 mil euros no esquema de ações para os amigos da SLN, cinco anos antes do banco ser nacionalizado."

https://www.youtube.com/watch?v=PU7Aajs3sTQ
Sem imagem de perfil

De Jorg a 27.02.2017 às 15:45

Estes dados que menciona já foram objecto de devido controlo estatístico por parte da Autoridade Tributária e Aduaneira e autorizada publicação?

É que "ajuntando" os 10 mil Milhões "off shore" que aquele governo do "antes do fim da austeridade e "crechimento" não controlou, pelo menos ou o PIB cresce adicionalmente mais de 5%, ou a dívida abate uns 4%....
E olhe que isso representa, "p'ás pessoas" coisas importante: acaba o excesso de zelo no despejo de famílias com dívidas ao Fisco e deixa-se de tanto autuar quem não pagava portagens na auto-Estrada...
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 27.02.2017 às 15:48

Pelos vistos já não há mais vida para além do défice?

Se a "direita" tivesse dito isto "O défice mais baixo da democracia portuguesa." teriam sido acusados nas páginas dos jornais pelos mais variados crimes que o défice mais baixo da democracia portuguesa teria causado.

Teríamos jornalistas a listarem todas as mortes prematuras nos hospitais, os suicídios, acidentes de trabalho, problemas das crianças em dormirem, quantos comprimidos tomados, stress , seria um desastre.

Mas como é a Esquerda já não há vida para além do défice, os jornais ficam silenciosos...
Sem imagem de perfil

De Einstürzende Neubauten a 27.02.2017 às 17:04

Entretanto aumentaram o salário mínimo, e desceram o IRS para os salários mais baixos. Mexeram também nas contribuições dos recibos verdes (descontos para SS) entre muitas outras coisas....coisas que pobre gosta
Sem imagem de perfil

De Jorg a 27.02.2017 às 20:36

Os salarios mais baixos nem pagam IRS (que representam cerca de 50% dos contribuintes....

Em sede de IRS, reduz-se/elimina-se (?) a CES que se aplica, não a salarios baixos, mas a salarios acima de 1350 Euros (3,5% para adicionais acima desse limiar) e que aumentava para salarios altos, repito salarios altos até 40%(??) sobre adicionais acima de 5000 Euros/mês. Na prática, os beneficiados são, na sua maioria os funcionários públicos, aposentados (a maioria da Caixa Geral de Aposentações) e afins.

As mexidas em recibos verdes (?) são inexistentes - tostões para chocalhar...
O salario minimo, enfim, são bolos para enganar tolos.... na prática, serve para nivelar por baixo, como alias o dito academico Centeno, antes de se converter em geringonço Cemtino , confirmou nas suas digresses por Harvard e outros Coliseus...
Sem imagem de perfil

De Einstürzende Neubauten a 28.02.2017 às 15:59

"Os salarios mais baixos nem pagam IRS (que representam cerca de 50% dos contribuintes...."

Bom, falo nos acima dos mais em baixo.

"Na prática, os beneficiados são, na sua maioria os funcionários públicos, aposentados (a maioria da Caixa Geral de Aposentações) e afins"

A sério?!

"As mexidas em recibos verdes (?) são inexistentes - tostões para chocalhar..."

Mau! Em que ficamos? Inexistentes, ou tostões para chocalhar? Não se preocupe que a maioria dos precários recebe não em €, mas em tostões.


"salario minimo, enfim, são bolos para enganar tolos.... na prática, serve para nivelar por baixo"

E eu a pensar o contrário! Subindo-o nivelava-se, o resto, por cima dele

Por falar em bolos, aqui segue uma:

https://www.youtube.com/watch?v=Pj4qVPGpDq0






Sem imagem de perfil

De lucklucky a 28.02.2017 às 05:45

Não percebes nada Einstürzende Neubauten........ :)

- O salário mínimo é sempre zero, o que se aumentou foi a quantidade de pessoas com salário mínimo zero.

-Aumentaram a discriminação e a violação da Constituição? não me parece, o IRS sempre foi zero para os salários mais baixos, a violação da Constituição continua, não me parece que foi acentuada aqui.

-
Sem imagem de perfil

De Einstürzende Neubauten a 28.02.2017 às 15:53

https://www.youtube.com/watch?v=Fotaiky1W8c

(recomendam-se auscultadores e supervisão parental )

Sem imagem de perfil

De Ventos a 27.02.2017 às 22:37

O meu caro JAA sempre foi um leitor dos mercados, mas pouca importância deu ao que escrevi. É difícil compreender os seres divinos, eu sei.

Mas vamos lá: olhe, JAA, esqueça tudo isso que leu. Os mercados andam nervosos enquanto não souberem que o que eles perderam na banca será recuperado ou não por uma renegociação da dívida(já andam a pensar nas perdas futuras). Mas também andam nervosos enquanto o petróleo, gás e outras commodities, como o ferro, não disparam em termos de consumo e preço. São as chamadas vias alternativas que os deixa nervosos.

Pois, o investimento é uma chatice. Com tanta austeridade anteriormente levada a efeito, sacando a massa do consumidor, o meu caro JAA se calhar pensava que o investimento que resultava era em culturas de amendoins. Mas o pessoal gosta de comer bem e forte. Agora só com investimento público.

Trump já compreendeu isto. Só com investimento público. Putin também o compreendeu e fez sair a Rússia da situação em que se encontrava; e outros mais.
Só o PSD/CDS-PP pensam que devem ficar à espera que o Maná lhes caia do céu. Acontece que até o povo judeu compreendeu que se na travessia do deserto, liderada por Moisés, Deus não lhes desse carne, as codornizes, eles não chegariam a lado nenhum. E Deus fez-lhes a vontade: deu-lhes as codornizes, mas só depois de ter enviado parte do Espírito que tinha partilhado com Moisés aos 72 anciãos, que logo profetizaram.
Pois, JAA, estas coisas são mesmo para ser resolvidas com a acção do Espírito em pessoas maduras. Isto não é coisa para mercaditos e mercadorzitos.

Comentar post



O nosso livro


Apoie este livro.



Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D