Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O dia em que entrevistei o "Mandela palestiniano"

por Alexandre Guerra, em 17.04.17

3284941829.jpg

Ilustração de Marwan Barghouti da autoria de Durar Bacri/Haaretz

 

Marwan Barghouti é, desde há alguns anos, a maior figura palestiniana na liderança da resistência palestiniana. É aquela que mais carisma tem junto da população da Cisjordânia, sobretudo a que está mais identificada com a Fatah. Para muitos, é visto como o sucessor natural de Yasser Arafat, visto que o actual Presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmoud Abbas, pelo seu perfil moderado e apagado, nunca despertou grandes paixões numa região que vive diariamente inflamada pelo conflito com Israel. É, por isso, normal que, tanto palestinianos, como líderes mundiais, o vejam como o único homem capaz de conduzir a Palestina à independência. O problema é que Barghouti, que liderou as milícias Tanzim, braço armado da Fatah (uma acusação que ele sempre negou), está encarcerado nas prisões israelitas, sentenciado a passar ali o resto dos seus dias. Tendo sido em tempos secretário-geral da Fatah e alvo de inúmeras tentativas de assassinato por parte dos serviços secretos do Exército de Israel (Shin Bet), Barghouti foi um dos principais líderes da Intifada de al-Aqsa, acabando por ser preso em 2002, em Ramallah, pelas Forças de Segurança Israelitas (IDF). Desde então, a sua popularidade e notoriedade aumentaram exponencialmente, passando a ser uma voz activa atrás das grades e um símbolo da resistência palestiniana, o que lhe valeu a alcunha de "Mandela palestiniano".

 

Este Domingo, voltou a promover uma acção pacífica de contestação, ao dar início a uma greve de fome que envolve 700 reclusos palestinianos ligadas à Fatah, que se estendeu também a mais algumas centenas de prisioneiros da Jihad Islâmica e do Hamas. Esta iniciativa poderá reacender a tensão nas ruas das principais cidades da Cisjordânia e recentrar a problemática israelo-palestiniana no topo da agenda internacional, já que Barghouti tem hoje mais influência política do que tinha há 15 anos. Alguns governantes, como Ehud Barak, e responsáveis militares israelitas, estão conscientes desse facto. Aliás, o próprio Barak, aquando da detenção de Barghouti, ligou para Shaul Mofaz, na altura chefe do Estado-Maior das IDF, e disse-lhe o seguinte: “Have you lost your mind? What’s the story with Barghouti? If it’s part of your struggle against terrorism, it’s meaningless. But if it’s part of a grand plan to make him a future national leader of the Palestinians, then it’s a brilliant scheme, because what’s really missing in his résumé is direct affiliation with terrorism. He will fight for the leadership from inside prison, not having to prove a thing. The myth will grow constantly by itself.”

 

Conheci Barghouti um ano antes, quando ele era secretário-geral da Fatah. Fui entrevistá-lo. No seu escritório em Ramallah, lá estava ele, uma figura de pequena estatura, com ar amistoso e com o seu famoso bigode (hoje anda de barba). Cordial e acessível, embora não exibisse uma simpatia excessiva, o militante da Fatah demonstrou desde logo uma convicção política firme. A entrevista foi partilhada com um jornalista da agência de notícias alemã, e apesar das insistências, Barghouti nunca admitiu que era o líder das milícias Tanzim, responsáveis por vários atentados terroristas contra Israel. Recordo que ele se serpenteava como um verdadeiro político na forma como respondia às perguntas mais sensíveis que lhe eram colocadas, chegando mesmo a dizer que acreditava que a Palestina ia ser independente “dentro de cinco anos” (foi este o título da entrevista depois publicada no jornal Público. No entanto, a História viria demonstrar que Barghouti estava errado). Relembro que dias antes, Barghouti tinha escapado a um atentado selectivo das IDF contra o carro onde viajava. Um ano mais tarde, os soldados israelitas acabariam por deter Barghouti, sendo condenado posteriormente a cinco penas perpétuas. Quando,10 anos depois, foi tornado público um importante acordo de troca de prisioneiros que estava a ser forjado entre o Governo israelita e o Hamas, uma centelha de esperança reacendeu-se para milhares de palestinianos, que viram ali uma oportunidade para fazer regressar a casa o carismático Barghouti. Mas, rapidamente essa esperança se esvaneceu. Sabendo do prestígio e da notoriedade do ex-líder das Tanzim, as autoridades israelitas tiveram o cuidado de deixar bem claro desde o início desse processo de troca de prisioneiros, que Barghouti não estava incluído nas listas dos palestinianos a serem libertados. Mas, a questão é que Ehud Barak foi certeiro quando ligou a Mofaz, porque quanto mais tempo Barghouti estiver preso, mais o seu carisma e a sua capacidade de mobilização popular vão aumentando. É muito provável que, para Israel, Barghouti se torne cada vez mais um problema atrás das grades do que em liberdade. Para já, o "Mandela palestiniano", com apenas 57 anos, vai fazendo a sua resistência pacífica, que lhe poderá vir a ser muito mais eficaz do que os anos de violência que perpetrou na tal luta pela independência que sempre almejou.

Autoria e outros dados (tags, etc)


7 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 17.04.2017 às 17:09

Enquanto nas escolas palestinas ensinarem o ódio e o martírio, a via da jhiad ( em vez da matemática e biologia ) às crianças, como caminho para a vitoria total sobre Israel, não há mandela que resista.
Sem imagem de perfil

De tric.Lebanon a 17.04.2017 às 21:53

realmente, isto das escolas palestinianas copiarem as escolas israelitas...
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 17.04.2017 às 17:56

É preciso não ter vergonha na cara para escrever isto. Mas não é de admirar o jornalismo português sempre apoiou o terrorismo palestiniano, - ou deverei dizer Marxista - pois não há terrorismo em boa parte do Mandato para a Palestina- oops esqueci-me diz-se Reino da Jordânia.

Desde as mentiras de Sabra e Chatila à censura sobre o massacre de Damour causador do outro, passando pelos Israelitas que morrem(voz passiva) aos Palestinianos que são mortos(voz activa) a lista da manipulação e censura do jornalismo tuga é interminável.
Agora temos uma campanha organizada.

Por exemplo isto pelos vistos já não são provas vindas do mesmo jornal de esquerda e cada vez extrema esquerda que o jornalismo tuga gosta tanto de citar: http://www.haaretz.com/israel-news/barghouti-gave-orders-to-terror-groups-with-arafat-s-silent-approval-israeli-documents-reveal-1.425439
Sem imagem de perfil

De tric.Lebanon a 17.04.2017 às 21:56

os Israelitas estão apoiar o extreminio da Cristandade no grande Libano e no entanto...tem a cobertura das elites lisboetas
Imagem de perfil

De Fernando Caeiro a 17.04.2017 às 23:39

A ver se entendi...
Ele foi "alvo de inúmeras tentativas de assassinato por parte dos serviços secretos do Exército de Israel", mas acabou por ser detido?
Os Israelitas queriam tanto matá-lo à socapa que quando o apanharam até o... levaram a tribunal e julgaram-no perante a comunicação social de todo o mundo?
Foi isso?
Posso não ter percebido bem, mas foi a ideia com que fiquei.
Sem imagem de perfil

De amadeu escórcio a 18.04.2017 às 10:33

Sobre as "mentiras" de Sabra e Chatilla..lembram-se que também tem havido fulanos que falam das "mentiras" do Holocausto?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 18.04.2017 às 13:29

Barghouti was sentenced in 2004 to five consecutive life sentences for masterminding a series of terrorist attacks on Israeli police and civilians, including a Greek Orthodox priest. Barghouti was also found responsible for a failed suicide bombing that ended up killing the terrorists instead. Um verdadeiro Mandela sem dúvida.

Comentar post



O nosso livro


Apoie este livro.



Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D