Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Na morte de B.B.

por Inês Pedrosa, em 11.05.17

BB.gif

Baptista-Bastos foi um escritor bem bom. Escrita sensorial, a dele - com cheiro, cor, corpo, ritmo. Fulminante na ironia, felino na narração das contradições do tempo e das pessoas, dono um vocabulário preciso, imaginativo e riquíssimo. Quem quiser saber como era o Portugal urbano e pseudo-intelectual amansado pela ditadura tem de passar pelos seus romances. Pareceu-me sempre muito subestimado enquanto romancista, creio que por ser jornalista. Havia (e há ainda, mas não posso dizê-lo porque lá virão umas doutas almas dizer que sou parte interessada) na intelligentzia local um entendimento geral segundo o qual médicos ou professores dão bons romancistas: jornalistas, nunca: sapateiros a quererem ir além da chinela. Esse entendimento era (e é) acirrado pelos próprios camaradas jornalistas, que odeiam os camaradas que escrevem livros, pelo menos enquanto eles próprios não os escreverem também. Reli há meses O Secreto Adeus e Elegia para Um Caixão Vazio e confirmei: resistem ao tempo, à releitura. Lêem-se de um trago, fazem-nos sorrir, pensar. E amar melhor Lisboa, apesar de todas as suas mazelas, ou precisamente por causa delas. B.B. pintava a cidade com engenho e arte.   

"O adjectivo é a prosa a tomar partido", disse-me o BB, era eu uma miúda recém-chegada aos jornais. BB era gentil com a miudagem, e sem paternalismos. A união destas duas características, na época, era rara nos jornais. O Fernando Assis Pacheco e o Fernando Dacosta faziam questão de ser assim: poucos mais. À distância percebe-se como o ser e o escrever afinal se entrelaçam: os atentos, os sensíveis, os disponíveis, os ternos, os cáusticos, os autênticos, eram também os de melhor texto. "Não tenhas medo do adjectivo: o adjectivo é a prosa a tomar partido", repetia, então, o B.B. Respirei fundo, cheia de alegria: passava a vida a ouvir discursos contra os adjectivos proferidos por poderosos jornalistas que tinham chegado aos cabeçalhos da imprensa com um mini-vocabulário de Cartilha Maternal de João de Deus, em versão pornográfica.

B.B. tomava partido: essa era uma das coisas que eu apreciava nele, concordasse ou não (muitas vezes não) com os partidos que ele tomava. Nunca sofreu da famosa má-língua nacional, indústria caseira produzida em barracas clandestinas, mais rápida a estragar fígados do que a produção vinícola. Não praticava aquela cortesia tão portuguesa de esperar que uma pessoa vire costas para começar a falar mal dela. Pegava-se de caras. Amava e odiava sem hipocrisias. Sabia que nada estraga tanto a escrita como a hipocrisia e a videirice. 

B.B. continuará vivo enquanto for lido. Da minha vida não desaparecerá. 

Autoria e outros dados (tags, etc)


7 comentários

Sem imagem de perfil

De Einstürzende Neubauten a 11.05.2017 às 12:04

Colossal

https://www.youtube.com/watch?v=r652wkX_eWA
Sem imagem de perfil

De Einstürzende Neubauten a 11.05.2017 às 12:06


Era este, e não o outro, o Colossal:

https://www.youtube.com/watch?v=BE6oHRtcxN0
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.05.2017 às 12:10

Pelo que aqui se diz, deve concluir-se que BB era um homem de confiança.
E há tão poucos!
Esforço-me por ser assim.
Não acredito na vida eterna.
Mas acredito na memória.
No meu epitáfio, trocaria tudo por uma simples inscrição:
- Aqui jaz um Homem de confiança.
Oxalá o merecesse.
João de Brito
Sem imagem de perfil

De Einstürzende Neubauten a 11.05.2017 às 15:04

Quanto a epitáfio prefiro aqueloutro:

"Desculpe que não me levante!"
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.05.2017 às 13:12

Valoriza mais as boas maneiras.
Está no seu direito.
Além disso tem mais piada.
Por mim, esteja à vontade.
João de Brito
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 11.05.2017 às 17:58

Revejo-me muito nas tuas palavras sobre o B-B, Inês. Por impossibilidade total, ontem e hoje não consegui, mas tenciono escrever amanhã também sobre o homem e a obra que nos deixou.
Tenho uma dívida de gratidão com ele semelhante à tua.
Sem imagem de perfil

De JF a 11.05.2017 às 22:50

Foi colaborador do jornal da Mocidade Portuguesa, orgão de propaganda para a juventude de cariz fascista, da ditadura clerical do Estado Novo; viveu sempre na agonia de nunca ter sido preso ou perseguido pela escumalha da polícia política do regime.

Para mais informações sobre Armando Baptista Bastos (ou Armando Baptista-Bastos) recomenda-se a obra, "Revolucionários que eu conheci", de Vera Lagoa.

Comentar post



O nosso livro


Apoie este livro.



Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D