Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Há noites assim

por Diogo Noivo, em 18.05.17

Andei a ruminar os dias de triunfo póstumo de Salazar. Ruminava, mas não chegava a qualquer conclusão. Estava numa espécie de letargia induzida por uma dose cavalar de comprimidos Melhoral. Hoje a coisa aclarou-se graças ao artigo de Paulo Tunhas. Acertou na mouche.


Faltou-lhe, contudo, referir os efeitos nefastos da bebedeira. O problema, como sempre, está nas misturas: Fado (versão redux), futebol, Fátima, e a economia a crescer. Qualquer adulto sabe que, se é para ficar alegre, o melhor é beber sempre do mesmo. Mas não. Bebeu-se de tudo e houve bêbados para todos os gostos: alegres, depressivos, esperançosos, rezingões, quase todos chatos. A coisa é especialmente preocupante porque já andávamos a fazer as figuras tristes que nos levaram a valentes dissabores. Quando passar o efeito etílico, a dor de cabeça será de tal ordem que vão achar que têm anões hiperactivos com picaretas dentro do crânio.

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Barão Marquês a 18.05.2017 às 15:46

Não muda nada, por desgraça nem nos que com isso ganham alimentando a ilusão, como a dupla teatral que lá se vai alambazando no alguidar das diarreias gerais.
Eles temem-se tanto mutuamente, que em público para evitar melindres, se apresentam mascarados de uma colaboração de excelência, mas deixam transparecer em cada traque a concorrência feroz em que se debatem. Presidente carro vassoura arrebanhando tudo á sua passagem acabará eleito o supremo dos mendigos. Com tantas esquinas e cantos que frequenta ainda lhe sobra tempo para distribuir refeições aos colegas de infortúnio mais necessitados. O nosso primeiro escalado á margem da tabela de serviço consegue gerar em tão pouco tempo amostras de um rancho que de tão recheado até pode resultar em indigestões incontroláveis. Deve ter andado a rasgar almofadas na arrecadação, enquanto se atira à página codificada da austeridade. Convém que reparemos no histórico crescimento da economia que antecedeu o plano B da bancarrota do então muito aplaudido Zé de Matosinhos.

Comentar post



O nosso livro


Apoie este livro.



Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D