Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Em louvor de Clement Attlee

por Pedro Correia, em 08.09.17

 Attlee com a mulher, Violet, logo após a vitória eleitoral dos trabalhistas em 1945

 

Clement Richard Attlee (1883-1967) era um homem destituído de carisma. Um esforçado militante de esquerda que, superando inúmeras crises nas suas hostes, alcançou em 1935 a liderança do Partido Trabalhista britânico.

Estavam então no poder os conservadores -- primeiro liderados por Stanley Baldwin, depois por Neville Chamberlain. Quando ocorreu a guerra -- a mais devastadora de todas as guerras -- outro conservador, Winston Churchill, ascendeu à chefia do Governo londrino.

Attlee podia ter-se refugiado na trincheira partidária. Mas não: assumiu uma atitude patriótica, aceitando integrar o executivo liderado por Churchill. Sempre na segunda linha, inicialmente apenas como ministro, depois como vice-primeiro-ministro -- posto até aí inexistente, criado especialmente para ele.

Foi de uma lealdade inquebrantável a Churchill durante os cinco penosos anos de guerra. O governo de unidade nacional -- que integrava ainda os liberais, além dos conservadores e dos trabalhistas -- funcionou sempre como um bloco. Sem que a liderança de Churchill fosse alguma vez discutida, sem que a lealdade de Attlee fosse alguma vez posta em causa.

 

Vencida a guerra, em Maio de 1945, a coligação dissolveu-se e realizaram-se eleições. E os mesmos britânicos que aplaudiram a gestão de Churchill durante o conflito que deixou o Reino Unido depauperado, tanto em vidas humanas como nas finanças públicas, disseram nas urnas que era tempo de confiar a outro político os destinos do país.

Ganhou Attlee, com 47,7%, contra 36% de percentagem atribuída aos conservadores: pela primeira vez o Partido Trabalhista dispunha de uma larga maioria na Câmara dos Comuns. E nos anos seguintes, sob a sua liderança, a esquerda britânica assumiu o poder. Governando com tanta eficácia a Grã-Bretanha em tempo de paz como Churchill a governara nos dias incertos da guerra.

Depois de enterrar os mortos, chegara o tempo de cuidar dos vivos -- como ensinou o nosso Marquês de Pombal. Attlee soube cuidar dos vivos: lançou as bases do Serviço Nacional de Saúde britânico, de base universal e gratuita, alargou a segurança social e delineou um ambicioso programa de habitação pública -- marcos modelares daquilo a que por estes dias chamamos "Estado Social". De tal maneira modelares que Churchill manteve-os inalterados quando regressou ao poder, em Outubro de 1951.

 

Attlee, o político sem carisma, é hoje recordado como um dos melhores primeiros-ministros britânicos de todos os tempos. Quando morreu, em Outubro de 1967, o Guardian acertou em cheio ao prever que a passagem do tempo só engrandeceria a sua figura. Assim aconteceu. Uma sondagem realizada pelo Times em 2010 considerou-o o mais qualificado de todos quantos governaram no século XX.

 

Porquê?

Porque soube agir em dois tempos, conforme as circunstâncias exigiam: baixou bandeiras partidárias quando era esse o seu dever patriótico no momento em que a soberania britânica estava em risco e foi recompensado por isso com dois mandatos sucessivos que lhe permitiram enfim aplicar o seu programa de vastas reformas sociais. Deixando o país numa situação de pleno emprego e a crescer ao ritmo de 3% ao ano.

 

Por vezes lembro-me de Attlee ao analisar o percurso de certos políticos contemporâneos. E concluo sempre que o seu exemplo ganharia em ser seguido por todos quantos, manifestamente equivocados, ambicionam o máximo para o momento seguinte. Como se não houvesse amanhã. Como se o decurso do tempo funcionasse como adversário e não como aliado. Como se a política não fosse sobretudo um exercício inteligente e laborioso de persuasão e persistência. Como se os livros de História pesassem menos do que as manchetes da manhã seguinte.

 

Daqui a um mês, a 8 de Outubro, assinalam-se os 50 anos da morte de Attlee

Autoria e outros dados (tags, etc)


8 comentários

Sem imagem de perfil

De Alain Bick a 08.09.2017 às 11:26

assisti à criação do estado social em pirâmide
baseado em pressupostos errados:
3% de crescimento
império colonial
esperança de vida
......
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 08.09.2017 às 12:43

Sobre o Esquema de Ponzi assenta toda o negócio financeiro/criação de capital através do sistema de reserva fracionário....
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 08.09.2017 às 11:42

A lógica empresarial infectou a lógica política. O que interessa é o curto prazo, desprezando-se quer a sustentabilidade, quer os não nascidos, aos maduros e fora de época....o Poder e a Politica criaram uma lógica auto-referente onde o ser humano e qualidade de vida foram fagocitados
Sem imagem de perfil

De jose pires a 08.09.2017 às 16:53

Boa tarde,
Gosto bastante deste seu texto, que daria pano para muitas mangas.
Permita-me apenas dois comentários:
- Não, a política não é, nem nunca foi, um exercício inteligente e laborioso de persuasão e persistência; é, e sempre foi, o mais brutal e evidente exemplo de darwinismo, em que os machos alfa lutam permanentemente entre si para decidirem quem conduz a manada.
- Em tempo de guerra é fácil baixar bandeiras, como fez Attlee; acresce que a Inglaterra tem séculos de tradição democrático - parlamentar, e isso conta, e muito. Portugal tem 40 anos (um pouco menos se descontar-mos o PREC :-))).
Cumprimentos.
Sem imagem de perfil

De sampy a 09.09.2017 às 14:44

"assumiu uma atitude patriótica, aceitando integrar o executivo liderado por Churchill".

Depois de ter rejeitado integrar o executivo de Chamberlain, e de o ter fragilizado com uma moção de censura a ponto de o levar à demissão, arrastando ainda o "natural" sucessor.

Portanto, é consequente com o facto de terem sido os trabalhistas a por Churchill no governo, o terem aceitado integrar o seu executivo. Sendo que Attlee deixou bem claro que tal não significava que ele renunciasse às suas políticas programáticas. E foi a sua implementação (e primeiros resultados) durante o período de guerra que lhe valeram a conquista do poder em 1945.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.09.2017 às 14:45

Ah, o Chamberlain, esse herói da cerviz dobrada. Que saudades de Munique.
Imagem de perfil

De João Pedro Pimenta a 09.09.2017 às 17:39

Boa lembrança, Pedro, de um homem que não sendo de um carisma indiscutível (se fosse hoje diriam que não seria "mediático") era um verdadeiro estadista e um patriota, que sabia de que é que o Reino Unido precisava em tempo de paz (e os britânicos também, ao concederem-lhe o voto). Do tempo em que os socialistas não tinha medo de impôr a austeridade se necessário fosse para recolher os frutos mais tarde. A França teve poucos anos antes um primeiro-ministro socialista de igual valor, Léon Blum, mas que estava acossado entre o radicalismo de direita e de esquerda, problemas que Attlee felizmente não teve de enfrentar.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 09.09.2017 às 18:25

Gosto de invocar o exemplo de Attlee precisamente por isso, João Pedro. Por me parecer ao mesmo tempo tão acertado e tão fora de moda - a começar pela ausência de carisma, como acentuas.
E gosto de verificar como estes estadistas, independentemente de opiniões diversas e até de confrontos de personalidades, mantinham grandes linhas condutoras nas traves mestras do regimes. Foi assim com Attlee em relação à política externa de Churchill, por exemplo, naqueles anos quentes da Guerra Fria. Foi assim também com Churchill em relação ao Sistema Nacional de Saúde criado na legislatura anterior.

Comentar post





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D