Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Divagações de praia 2

por Teresa Ribeiro, em 29.08.15

passos-na-areia-[1].jpg

 

O meu pai era um homem de hábitos. As suas rotinas eram cultivadas com cuidados de jardineiro e nem as férias lhe alteravam o seu modo de vida circular, feito de perpétuos regressos. De manhã, praia, à tarde mata, à noite a esplanada no centro da vila. Parava no mesmo café, de preferência sentado à mesma mesa, para ser atendido pelo empregado do costume e sempre, sempre na Caparica, a praia da sua vida, que conheceu eram os dois tão novos. Ele ainda com a barba mal semeada, ela também uma mocinha púbere, de beleza selvagem, com dunas a perder de vista e uma mata cerrada onde consta que os foragidos da cadeia da Trafaria se iam esconder para nunca mais serem vistos.

O seu conservadorismo extremo exasperava-me, o amor pela rotina confundia-me. Mas como tantas vezes acontece com os filhos, nem sequer tentava percebê-lo. Gostava de coleccionar tudo: moedas, selos, canetas, isqueiros, agendas, cinzeiros, búzios, caixas de fósforos, canivetes, porta-chaves, canecas, miniaturas de monumentos, postais. Sim, era um exagero. Aquele prazer em ter revelava um Tio Patinhas obcecado não por dinheiro, mas pelo acto de colectar em si mesmo. Como se tivesse medo que algo lhe fugisse, que as coisas lhe fugissem.

Infantilizou-me. Em vez de me emendar, esforçava-se para que eu perpetuasse os disparates que dizia em pequena. Fez o mesmo com os netos. Era uma forma de nos reter, de iludir a passagem do tempo para continuar a ter-nos como só se têm as crianças.

Quando eu viajava, sofria. E se o avião caísse? E se o mundo me tragasse? Não percebia a minha paixão por viagens. Dizia que para viajar bastava-lhe passar os olhos pela colecção de postais. Numa ocasião regressou mais cedo de uma viagem de serviço a Paris, que não conhecia, só porque estava de chuva e não tinha levado chapéu. Um excêntrico, o meu pai.

Tinha cinco anos quando o meteram num navio. Fez Luanda-Lisboa na companhia de uma estranha. Nesse tempo não se tentava explicar nada às crianças. Deixou para trás os pais, os irmãos e a terra onde nascera sem perceber o que se estava a passar. Havia uma razão plausível, mas não a conheceu em tempo útil.

Foi esta a sua viagem inaugural. Dos cafezais a perder de vista para um apartamento do bairro das colónias, em Lisboa. Só voltaria a ver os pais aos 18 anos e Angola muito mais tarde, já adulto. 

Nunca me falou, nunca falava disto, soube-o pela minha mãe. Há cinco anos, quando um avc lhe fez as malas e lhe deu uma guia de marcha para não mais voltar, na consulta da urgência, quando lhe perguntaram "onde mora?", respondeu: "No Uíge".

Faria este mês 87 anos.

Autoria e outros dados (tags, etc)


18 comentários

Imagem de perfil

De Pedro Correia a 29.08.2015 às 14:53

Que belo e comovente texto, Teresa. Com entrada directa na antologia DELITO DE OPINIÃO.
Gostei muito.
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 29.08.2015 às 23:36

Obrigada, Pedro.
Sem imagem de perfil

De Bic Laranja a 29.08.2015 às 14:57

Subscrevo Pedro Correia.
Uma texto notável, além do resto...
Cumpts.
Sem imagem de perfil

De susana rodrigues a 29.08.2015 às 19:10

Que maravilha de texto, Teresa. E que comovente.
Adorei ler.
Sem imagem de perfil

De Horácio a 29.08.2015 às 20:51

Tivemos pais iguais, digo eu num registo muito mais pobre.
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 29.08.2015 às 23:41

Então também deve ter-se sentido um filho muito amado :)
Imagem de perfil

De Isabel Mouzinho a 29.08.2015 às 21:43

Também gostei muito, Teresa. E apesar de todas as diferenças lembrou-me o meu pai e as sua peculiaridades.

Um beijinho
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 29.08.2015 às 23:44

Obrigada, Isabel. Tive um grande ataque de saudades... Beijinho
Sem imagem de perfil

De José Vieira a 30.08.2015 às 00:17


Essa tua descrição, mais ou menos tragico-marítima, é que separa a realidade em que todos vivemos, dos filmes que adoramos, vimos dezenas de vezes e onde gostariamos de viver.
Life sucks...
Mas é o que se pode arranjar.
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 30.08.2015 às 17:46

Pois, a vida é outro filme.
Sem imagem de perfil

De fatima mp a 30.08.2015 às 11:55

Que bonito, Teresa. Envolvendo peculiaridades diferentes em cada caso, são palavras que nos trazem à memória a relação pai/filha e uma enorme saudade de algo que vivemos e que para sempre nos tocou e formatou. Amei.
Sem imagem de perfil

De IsabelPS a 30.08.2015 às 23:33

Muito, muito bonito. E muito, muito profundo (peço desculpa pela maneira tonta de dizer isto).
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 31.08.2015 às 11:35

Obrigada,Isabel, pelas suas palavras (nada tontas)
Imagem de perfil

De Helena Sacadura Cabral a 31.08.2015 às 14:49

Por razões diferentes também sentia no meu Pai uma certa forma de excentricidade que julgava - só se "julga" quando se é criança - radicar na vida bem difícil que tivera.
Este teu texto fez-me lembrar dele. Morreu com 85 anos e só muito tarde o compreendi...
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 31.08.2015 às 22:13

Também me aconteceu o mesmo. Só muito tarde, digo mesmo demasiado tarde, consegui percebê-lo todo.

Comentar post





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D