Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Dez livros para comprar na Feira

por Pedro Correia, em 07.06.17

CAPA_1933[1].jpg

  

 Livro sete: 1933 Foi um Mau Ano, de John Fante

Tradução de José Remelhe

Edição Alfaguara, 2017

109 páginas

 

1933 foi o ano da subida de Hitler ao poder na Alemanha. Foi também o ano em que os Estados Unidos mergulharam ainda mais fundo na Grande Depressão, responsável por atirar milhões de americanos para o desemprego.

Um péssimo ano, portanto.

É o ano a que John Fante (1909-1983) regressa em pensamento quase meio século depois, lembrando a penúria vivida no Colorado, numa família de imigrantes oriundos da aldeia italiana de Torricella Peligna, situada nos confins do Abruzzo. O texto póstumo agora editado em português pela Alfaguara destinava-se aparentemente a um romance de grande fôlego, para sempre interrompido por grave doença do escritor. Fante, cego desde 1978, ocupou os últimos anos a ditar textos à mulher – incluindo este, impresso dois anos após o seu falecimento.

Nunca saberemos como seria esse romance que só ficou em projecto. Mas enquanto leitores teremos ganho com a troca: esta é uma excelente novela situada numa América de chocantes assimetrias sociais, com a pobreza a resvalar em ondas convulsas para a miséria.

É uma novela profundamente autobiográfica. Sem mudar o nome da aldeia de origem da família do protagonista – Dominic Molise, alter ego do autor – nem alterar a profissão do pai, um pedreiro que a depressão condenou à inactividade e procurava sustentar a mulher, a mãe viúva e os filhos com apostas numa mesa de bilhar. Dominic, o mais velho dos quatro irmãos, está prestes a fazer 18 anos e sonha ser um astro do basebol na Califórnia, imitando um Babe Ruth ou um Lou Gehrig.

“Sonhadores, éramos uma casa de sonhadores. A Avó sonhava com a sua casa na longínqua Abruzzi. O meu pai sonhava com não ter dívidas e assentar tijolo com o filho ao seu lado. A minha mãe sonhava com a sua recomensa divina: um marido feliz que não fugisse. A minha irmã Clara sonhava em tornar-se freira e o meu irmãozinho Frederick mal podia esperar para crescer e tornar-se um cowboy. Quando fechei os olhos, consegui ouvir o zumbido de sonhos que percorriam a casa, e então adormeci.”

Uma escrita exemplar, sugestiva e comovente do princípio ao fim.

Autoria e outros dados (tags, etc)





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D