Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Convidado:CARLOS GUIMARÃES PINTO

por Pedro Correia, em 05.07.17

 

Movimento Independentista Lisboeta

 

Aproveito este convite para expor uma causa que sei ser impopular, mas apenas por nunca ter sido defendida apropriadamente: a independência de Lisboa.
 
A existência de um país exige um sentido de comunidade. Mas, vamos ser honestos, a maioria dos lisboetas não tem uma grande ligação ao resto do país. Alguns mais aventureiros lembram-se de um dia terem passado pelo Porto e terem gostado muito daquela ponte de ferro. E do Sheraton, claro. O Sheraton do Porto é maravilhoso. E ainda comeram metade daquela sanduiche com molho de tomate, cujo nome não me recordo agora. Mas a verdade é que não fora a água quentinha de Portimão (futuro território ultramarino da República Democrática de Lisboa) e o lisboeta típico nem precisaria de sair do eixo Saldanha-Loja das Meias durante toda a sua vida.
 
Mas o principal motivo para a existência deste movimento é a forma como o resto do país sobrecarrega Lisboa com responsabilidades. Quando o país decide criar um novo instituto, uma nova agência, um novo evento, empurra-se logo tudo para Lisboa. Já não chega todos os ministérios, secretarias de estado, sedes de empresas públicas e privadas existentes, ainda querem empurrar tudo o que é criado de novo para Lisboa. Com novas organizações públicas vêm mais empresas privadas, mais trânsito, rendas mais altas e esplanadas mais cheias. Enquanto o resto do país continua verde, barato e viçoso, o trânsito de Lisboa enche-nos os pulmões de dióxido de carbono e as rendas esvaziam-nos a carteira. Também sobrecarregam o nosso aeroporto que, como toda a gente sabe, está sobrelotado desde 2007. Em conluio com a TAP, andam a desviar passageiros do resto do país para Lisboa ao ponto de nos forçarem a construir um novo aeroporto ou, pior, obrigarem-nos a sentar no lugar do meio em muitos vôos.
 

LIS[1].jpg

 

Depois de sobrecarregarem Lisboa com tudo o que é sede de organização e instituto público, ainda nos vêm roubar os empregos. Todos os anos o resto do país envia milhares de jovens qualificados para roubar os nossos empregos. A ideia, claro, é abusarem dos nossos recursos durante algum tempo, roubarem os nossos empregos, desgastarem a nossa cidade para depois voltarem para as suas terras novinhas, sem poluição nem trânsito. Dói o coração de qualquer lisboeta ver os parasitas que chegam do resto do país no Alfa à segunda-feira de manhã para nos sugarem os recursos durante a semana e depois voltarem ao fim-de-semana para os seus pastos verdes mais a norte. Mas pior são os que escolhem ficar, desvirtuando culturalmente a cidade. Ainda há dias observei cinco jovens a conversar num restaurante. Todos se diziam lisboetas, mas nem um percebia que a palavra "rio" é um monossílabo. Nem um!
 
Finalmente, resta falar na forma como o resto do país deixa Lisboa em permanente instabilidade política. Nos jornais, já se fala de Medina ser o próximo líder do PS (e, consequentemente, primeiro-ministro). Seria o quarto líder dos últimos 6 a terminar o mandato mais cedo para ir liderar o país, deixando Lisboa em permanente reboliço. Chega! Arranjem os vossos próprios líderes, porra! Parem de desviar as atenções dos filhos da cidade para os vossos problemas.
 
Chegamos a uma situação limite que só se resolve com a independência de Lisboa. Chegou a altura do resto do país aprender uma lição e perceber o que é ter que organizar os seus próprios eventos, ter as suas próprias instituições públicas e eleger os seus próprios líderes. Quero ver como é que se safam sem se poderem aproveitar mais da amabilidade e disponibilidade dos lisboetas para levar o país às costas.

 

 

Carlos Guimarães Pinto

(blogue O INSURGENTE)

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

Imagem de perfil

De José António Abreu a 05.07.2017 às 11:08

A partir do Porto:

Sim, por favor!

(A sanduíche chama-se "pequena parisiense". Acho...)
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 05.07.2017 às 13:36

Concordo com tudo, excepto quando afirma "lisboeta típico nem precisaria de sair do eixo Saldanha-Loja das Meias durante toda a sua vida"

Diria antes : Eixo Saldanha - Bazar Chinês
Sem imagem de perfil

De V. a 05.07.2017 às 19:18

Na verdade, nem precisaria de sair do Saldanha porque aquilo lá para o Rossio é só etnias, carteiristas de bigode e outra macacada.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 05.07.2017 às 15:54

Obrigado pela visita, Carlos. E pelo texto tão saudavelmente provocatório.
Um abraço.
Sem imagem de perfil

De redonda a 05.07.2017 às 19:49

Este texto está o máximo!!!
Completamente a favor!

Comentar post





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D