Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Convidada: LAURA AVELAR FERREIRA

por Pedro Correia, em 12.02.18

 

One from the heart

(ou a paixão materializada em cinema)

 

O cinema cresceu comigo, como um familiar chegado e imprescindível: deu-me a mão, ainda a minha mão era pequena e mal sabia falar.

Embalou-me adormeceres, escoltou-me em paradigmas, escolhas e decisões e ajudou-me a esboçar, com inequivoca distinção, uma exaltação ardente e longa, que nunca se cansa e nunca se arrepende.

O cinema povoou a minha vida de momentos nos quais o tempo se escoava, vagarosa e languidamente como num qualquer plano apertado de um filme europeu.

O cinema beliscou-me, arremessou-me contra o bonito, despertou-me quase tudo o que hoje sei e materializou-se em (quase) tudo, à minha volta: nas ruas ondulantes e apertadas do meu Porto e na maré vaza dos entardeceres das férias intermináveis da adolescência; nas viagens de carro com a vida lá fora, a passar veloz; nas portas dos elevadores que se fecham e deixam entrever qualquer coisa que podia ter sido e não foi; nos caminhares poéticos de algumas mulheres; na música do silêncio de alguns planos de uma viagem a Paris; nas gotas de chuva que correm, com vida própria, nos vidros e… nuns olhos resgatados, por acaso, num qualquer fim de tarde, num qualquer retrovisor.

 

Les-Uns-et-les-Autres-3[1].jpg

 Les Uns et les Autres, de Claude Lelouch (1981)

 

Nas músicas dos filmes que a minha mãe trauteava e nas músicas dos filmes que o meu pai fazia tocar, primeiro nos cartuchos e depois nos LPs: “Música no coração”, “Lawrence da Arábia”, “Les uns et les autres”, “Os sete magníficos”, “E tudo o vento levou”, “The bang wagon”, “Gilda”, “Esplendor na relva”, e tantos, tantos outros.

O cinema também me levou pelo caminho da rendição absoluta às mulheres bonitas. Ensinou-me a gostar de pontos de luz espalhados pela casa, de genéricos feitos antes de jantares, do risco preto de eye-liner nos olhos e de um baton rubro e mate, numa boca entreaberta.

Cresci, pois, com musicais, policiais, canções imortais, vestidos esvoaçantes e coreografias da Broadway. Lembro-me, em miúda, de fazer o rol de tudo aquilo que um dia gostaria de ter: o cabelo da Gilda, a voz sensual da Lauren, o decote da Sofia Loren e a beleza imaculada da Marilyn; a tez branca da Jean Harlow, o mistério gracioso da Lana Turner e a elegância indistinta da Audrey Hepburn; o corpo da Cyd Charisse, a musicalidade da Julie e a irreverência e a sensualidade precoces da Natalie Wood.

E, à minha maneira, filmava, realizava e interpretava: fumava palitos para imitar a Lauren Bacall e cantava para os espanadores do pó o “My favorite Things”.

Deitava-me na alcatifa do chão da sala e imaginava conversas com o Warren Beatty. Via-me dentro do Vertigo ou a fugir de pássaros e via-me dentro de um filme noir a esconder-me da sombra de um assassino.

Via-me agarrada à cintura do Charlton Heston numa corrida desenfreada de cavalos ou debaixo do guarda-chuva do Gene Kelly e beijava, apaixonadamente, as paredes da sala ou do quarto, à procura da boca do Cary Grant.

 

007-one-from-the-heart-theredlist[1].jpg

 One From the Heart, de Francis Ford Coppola (1982)

 

Estes resquícios moram em mim como a idade ou as rugas de expressão. Ainda hoje sei de cor frases, respirações, pausas dramáticas e cores.

Sei o quanto sinto na pele o azul do “Bonjour Tristesse” ou o quanto me toca a música do “One from the Heart”. O calor absurdo do “Body Heat” e a magnificiência do Rutger Hauer, no final do “Blade Runner”. Sinto como se fosse minha a terra, de Tara, que a Scarlett o’Hara segura numa das mãos e sei de cor o cheiro da pele do Capitão Von Trapp.

Hoje já não ponho toalhas na cabeça para fazer de conta que tenho o cabelo comprido ou fumo palitos a imaginar que são cigarros.

Mas ainda me imagino, muitas vezes, a correr na erva fresca de uma qualquer montanha da Áustria e adivinho, entre cordas e pássaros, uma câmara de filmar, colossal e veloz, a aproximar-se de mim, num plano picado, como se fosse um pássaro e sei… sei que a deixa é minha.

Sei o tom, a roupa, os braços abertos, o vento a bater-me no rosto e o som, o som da música e do (meu) amor.

Cresci, de facto, com o cinema na minha vida. E tenho, na privacidade dela, um bocadinho de todas estas coisas – flmes, mulheres, música, planos, luz, fotografia, genéricos - e todos os bocadinhos de cinema que elas me ensinaram. Para toda a vida.

 

 

Laura Avelar Ferreira

(blogue O SÍTIO DAS PEQUENAS COISAS)

Autoria e outros dados (tags, etc)


6 comentários

Imagem de perfil

De Pedro Correia a 12.02.2018 às 14:45

Belo texto, Laura. Gostei muito. Obrigado pela visita.
Sem imagem de perfil

De Andreia Morais a 12.02.2018 às 19:34

Acompanho o blogue da Laura e não poderia deixar de vir aqui ler o texto.
Absolutamente maravilhoso *.*
Sem imagem de perfil

De redonda a 12.02.2018 às 19:39

Gosto tanto de ler o que a Laura escreve e achei o máximo encontrá-la aqui.


Sem imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 12.02.2018 às 20:07

Esplêndido. Revejo-me completamente neste texto encantado, com tantas referências notáveis que também são tão minhas.
Perfil Facebook

De Laura Avelar Ferreira a 14.02.2018 às 18:26

muito obrigada a todos.
um abraço
Sem imagem de perfil

De luisa a 14.02.2018 às 22:04

Que bom ler-te aqui, Laura!

Comentar post



O nosso livro


Apoie este livro.



Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D