Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Convidada: GRAÇA SAMPAIO

por Pedro Correia, em 14.02.18

 

Exageros e fundamentalismos

 

O último quartel do século XX deixou a marca de que aquele foi o século da imagem. Para quem não é historiador – que é o nosso caso – o século não se vai medindo pelo tempo cronológico, ou seja, os cem anos, mas tão-somente por aquele em que nos movemos, aquele que mais nos marcou.

Há e sempre houve o ser e o parecer. Ora, pelo menos que me lembre, as pessoas de bem que antecederam o tempo da ditadura da imagem, sempre sobrepuseram o ser ao parecer. [esqueçamos agora o ter, que esse daria para escrever mais um ror de linhas..] Porém, desde que os fazedores (ou manipuladores?) de ideias descobriram a imagem e começaram a vendê-la – e não estou a falar do cinema ou da televisão – o parecer sobrepôs-se e nunca mais deixou o ser respirar livre.

Como fiquei chocada quando ouvi da boca de um professor de uma universidade de renome onde andava a fazer uma pós-graduação nos idos de 90 que «atualmente mais vale parecer que ser.»

Mas se o século passado terminou subjugado à tirania da imagem, já o atual, que está agora a entrar na maioridade, não se livra da canga dos fundamentalismos e dos enormes exageros. Culpa desta comunicação inculta, oca e falha de pensamento e de leituras, ou das redes sociais que pululam e se multiplicam em opiniões ignaras? Culpa nossa que nos deixamos arrastar e subverter pelas primeiras frases sem erros de sintaxe que se nos deparam.

Nem é preciso chegarmos ao exemplo terrível dos fundamentalismos religiosos que nos têm entrado pela casa dentro com as guerras decorrentes das ditas «primaveras árabes» com que o ocidente se deixou deslumbrar. Se quisermos pensar em exemplos de fundamentalismo religiosos nem precisamos de sair do país. De Lisboa. Basta atentarmos nos dislates que o seu inclemente cardeal tem bolçado.

Fundamentalismos políticos de uma direita fechada e ressentida contra governantes mais visionários que mostram ou mostraram preocupações sociais. Fundamentalismos de quem tem obrigações constitucionais e institucionais de defesa dos cidadãos contra os mais fracos, os menos poderosos, contra as mulheres ou simplesmente – o que é pior – contra quem não milita nos seus cânones da moral, da política, da visão do mundo, da religião (meu deus!). Fundamentalismos facciosos.

Não menos inquietantes os exageros que mostram, esses sim, como somos seguidistas e nem sempre pensamos pelas nossas cabeças. Quem já não se lembra do exagero que foi a importância dada aos livrinhos azuis e rosa da Porto que “menorizavam” – diziam – as meninas “e constituíam uma enorme ofensa à igualdade de género”? E o exagero acerca dos piropos? E o exagerado sururu em torno das posições da Catherine Deneuve e da Brigitte Bardot sobre o caso dos assédios trazidos a lume pelas atrizes hollywoodescas – em que também se tem exagerado…

Já para não falarmos do «politicamente correto»…

 

 

Graça Sampaio

(blogue PICOS DE ROSEIRA BRAVA)

Autoria e outros dados (tags, etc)


7 comentários

Sem imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 14.02.2018 às 11:37

Subscrevo. Muito bom.
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 14.02.2018 às 11:59

A minha questão, Graça, é se porventura aquilo que mais nos separa dos macacos não será tanto a facilidade com que estes trepam às árvores mas sim a nossa capacidade refinada de escondermos sobre disfarces quem não somos. Relembra-se da Lei Suntuária ( séc XIII):

Por toda a história, as sociedades usaram as leis suntuárias (visavam regular o tipo de consumo/vestimenta conforme a classe a que se pertencia) para uma variedade de propósitos. Elas também eram um modo expedito de identificar o nível social e privilégios, sendo frequentemente usadas para fins de discriminação social.

Já por essa altura se misturava parecer e ser.

Nada de novo debaixo do Sol.

O curioso é que pelos dias de hoje a roupa rasgada , o desleixo, surge mais nas classes ditas altas do que nas médias -baixas. Talvez pelo dinheiro permitir a liberdade das convenções sociais.
Sem imagem de perfil

De Sarin a 14.02.2018 às 12:01

Um texto que, sendo curto, se multiplicou para tocar tantos e tantos atropelos.


Um excelente resumo dos espumados nos dias de hoje.
Sem imagem de perfil

De sampy a 14.02.2018 às 12:53

E quem já não se lembra do exagero que foi a importância dada a uma frase citada por um tal bispo alfacinha, que quase ninguém leu, mas que tem merecido qualificativos como o de "dislates que o seu inclemente cardeal tem bolçado"?

Pareceu-me ouvir alguém falar em fundamentalistas. Pois.
Sem imagem de perfil

De luisa a 14.02.2018 às 22:02

Viva Graça! Que bom ler os Picos de Roseira Brava aqui no Delito de Opinião. :)
Exageros e fundamentalismos não serão deste século, só que neste século têm demasiados amplificadores.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 14.02.2018 às 23:26

Obrigado pela visita, Graça. Em nome de todos os "delituosos".
Perfil Facebook

De Graça Sampaio a 15.02.2018 às 21:33

Eu é que agradeço o convite e todos os simpáticos comentários!

Abraço.

Comentar post



O nosso livro


Apoie este livro.



Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D