Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A inveja nas redes sociais?

por jpt, em 14.02.18

reforma-protestante.jpg

 (Martin Luther afixando um postal no "site" da capela de Wittenberg, 31.10.1517, sem indicação de hora)

 

Olho o pensamento da semana no DO, colocado pelo João André. Não podia discordar mais. Este meu postal não é ad hominem  pois o que me conduz é que esta ideia, este fastio pelas "redes sociais", pelas poses atitudinais que elas potenciarão, é recorrente. Essa sensação de que são elas (nas quais se devem integrar os já vetustos blogs) um rizomático "Grande Irmão" alienante. E sobrealimentado pela perfídia invejosa, essa grande e tortuosa arma do controlo social, do aquiescimento do destino, próprio e colectivo.

 

Intelectualmente este fastio parece-me muito discutível. Nestes tempos de pós-marxismo isto é o avatar possível da velha grande teoria revolucionária. Deslustrada que está a ideia de que "a luta de classes é o motor da história" ficamos com esta simples, e simplista, sequela de que, afinal, "a inveja é o motor da história", pois é ela que nos conduz representações  e práticas. Mas este mal-estar, na sua bruma desconfiada, é eclético, no pior sentido deste termo, o de infértil. Pois advém também da degenerescência da concepção liberal, travestindo a procura do interesse individual  (como "motor da história", se me permito a usurpação) em mera inveja actuante. Esta infértil amálgama não passa assim de uma confusa noção, radicalmente conflitual, da vida social, derivada de um mero psicologismo (o primado da tal malfadada "inveja"), quantas vezes carnavalizado de um "culturalismo", este já de si tão pobre, como no tão habitual "os portugueses são ...".

 

O certo é que nem sequer representa o real. Na pequena parcela desse real a que tenho acesso os factos são outros. As páginas necrológicas passaram para as redes sociais ("morreu o meu marido", "morreu a minha mãe", "o funeral do nosso pai será amanhã"), tal como as notícias das doenças ("a minha irmã está hospitalizada e a recuperar", "obrigado ao estimável pessoal médico do hospital ...", "tenho que deixar de beber álcool") ou as efemérides dolorosas ("faz cinco anos que morreu o meu amor", "meu pai faria hoje 9... anos"), as rupturas de relações amorosas, etc. (os exemplos são todos de postais de facebook que vi nos últimos dias). Partilham-se pensamentos alheios e próprios. Imagens, orações, música, eventos da  vida colectiva, vicinal ou nacional, e individual, poemas, citações, notícias, memórias. Posições políticas, protestos desabridos, proto-ensaios, piadas, brejeiras umas outras nem tanto. Interessantes ou não, consoante o receptor. Ou seja, utilizam-se estes meios tecnológicos actuais para comunicar, para difundir "o que nos vai na alma". Tal como Luther o fez em Wittenberg. De facto, nem todos somos Luther mas todos temos uma "alma" na qual se passa algo. E muitos querem-no mostrar - indivíduos que todos são (somos) diante desse "Deus" que são os outros, com Ele (eles) contactar, "comungar" directamente, sem mediação, e nisso muito de Luther ressurge. Sendo certo que as pessoas, as tais "almas", assim estrategizam, sobre a imagem própria, quanto aos objectivos dos relacionamentos. Mas, e é isso que tanto me afasta destas visões conspiratórias adversas às "redes sociais", e tão cegas quanto ao que conduz a acção social, essas estratégias não são um defeito (uma imoralidade, uma malandrice). São uma característica, o que não macula, por si só, os actos.  

 

Há nisto uma encenação? Sim, na medida em que nos representamos. Acabo de reler, 30 anos depois, "Cântico Final" de Vergílio Ferreira, um livro de que nada gostara. Ao contrário de agora (apesar daquilo do excedente idealizador da amada, mas enfim, será feitio meu ..). Coloco-o, como faço às minhas leituras não profissionais, na minha conta da goodreads, um belo clube de livro, "rede social" onde se trocam indicações de leitura e opiniões sobre o lido. Andamos ali a armar-nos em grandes leitores, a invejar as bibliotecas alheias? Ou a "conversar" sobre livros, aprendendo? Como ando com pouco tempo não meti a capa nem a foto do escritor na minha conta da pinterest, uma "rede social" óptima para coleccionadores de cromos, como eu o fui. Andamos ali a invejar-nos, a encenar-nos cultos e sensíveis? Ou a fruir imagens que nos agradam? Já agora, e porque tenho estado muito fechado em casa, raras são as vezes que vou ao cinema mas vou vendo filmes na tv, nas noites de insónia. Coloco-os na "rede social" IMDb, que disponibiliza informação vasta sobre os filmes, vistos ou desejados, e nos deixa opinar ("votar", criticar). É encenação, eu qual cinéfilo? Promovo inveja?

 

Não se trata apenas de mim, não me tomo pelo todo, são milhões de pessoas a fazer estas "maluquices". Inúteis, porventura? Se assim é, ainda bem, apartando-nos do "utilitarismo" básico, de pacotilha, que brota de tantos locutores silvestres. Estaremos a propagandear, melífluos, o nosso "sucesso" de consumidores, invejável aos outros? Afirmando um "capital cultural" mais relevante, procurando a "distinção", o estatuto social? Será isso mesmo?  Não haverá mesmo nada de prosaico na vida social? Não haverá espaço para "conversar" com outros sobre o que se vê e o que se pode ver? Neste rossio actual, neste átrio de igreja d'hoje, que as disponibilidades actuais tão mais alargam? E sem estarmos obrigados a ouvir apenas a prédica do cura local ou a dos "mestres do pensamento", "os senhores doutores" da aldeola, e nós de chapéu na mão ou de cálice na taberna, escutando-os? É assim tamanho o pecado de apenas ... irmos andando como se que por nós próprios?

 

Há alguns anos criei uma conta na "rede social" academia.edu, onde meto os textos mais "académicos" (alguns não o são, mas isso é outra conversa). Esta rede é um filão, pois congrega imensa gente, imensos textos. Dando acesso ao que não tínhamos nem conhecíamos. Divulgam-se textos próprios (provocando a tal "inveja"? procurando o tal "sucesso"?) e alheios (convocando, estrategicamente, a reciprocidade?). Certo, há quem critique este "acesso aberto", quem denuncie o "grande capital" a pilhar o trabalho intelectual. Mas isso é outra temática. O que interessa neste âmbito é perceber se o que move os milhões de participantes nesta rede de cariz profissional é a procura do "sucesso" por esta via? Se são movidos pela "inveja"? Somos assim tão  básicos? Ou se, pelo menos também, ali interagem, interagimos, comungando saberes, articulando fontes. Estrategicamente, claro. 

 

Há uma encenação nisto tudo? Em parte trata-se da forma como as pessoas recebem o que vem de outrem. Lembro sempre este ápice: durante anos bloguei em Moçambique, quando os blogs eram  mesmo uma "rede social" - a "blogosfera" dizia-se, com seminários, encontros organizados, jantares. E, mais do que tudo, "links" entre blogs e entre textos, críticas e debates, uma verdeira "esfera", cheia de amores e desamores, clubes e partidos. Enfim, "amizades", como na "rede" paradigmática de agora. Nesse meu blog meti crónicas de viagens feitas naquele país. Achava-lhes piada, até as imaginei em livro mas acabei por as juntar numa "rede social" (este "Ao Balcão da Cantina"). Mas antes disso, blogara eu uma dessas andanças e nessa noite recebi um simpaticíssimo comentário de uma leitora: "você deve ter uma vida extraordinária". Não pude deixar de me rir. Não é que me queixe da vida - "filha", dizia eu há uns anos à minha, após a morte de um querido amigo, "se me der o badagaio", "ó pai, não digas isso, cala-te", "nada, ouve, se me der o badagaio, lembra-te que a morte aos 50 já não é precoce. E que tenho levado uma bela vida, já fiz muito mais do que imaginara" ("o que não quer dizer que não queira cá ficar mais uns tempos") - mas aquele comentário apanhou-me a preparar aulas noite fora, a reler pdfs de fotocópias de Bachofen e McLennan, uns evolucionistas oitocentistas, leituras muito interessantes para quem estuda história da antropologia. Mas não exactamente "uma vida extraordinária". Ou seja, muito depende das formas como aquilo que nós, "redistas sociais", colocamos é apreendido e assim reconstruído. E não tanto a nossa volúpia egocentrada e vaidosona.

 

Diz Vergílio Ferreira, e por isto é que fui buscar o "Cântico Final", falando do tempo que nos passa ao longo da biografia: "viver era agora quase só durar". E a verdadeira encenação é negar esta clarividente verdade. Nós duramos, porque temos e/ou queremos. Para durarmos não precisaremos de fugir totalmente ao real nem de uma completa amnésia. Mas não o conseguiremos se ficarmos monopolizados pelas dores e insucessos, próprios e alheios. E nem só desses podemos recolher ensinamentos para o viver, para este durar. Temos que gostar de algo, manifestá-lo ou, pelo menos, aparentá-lo, um algo muleta da travessia. Dele falar a nós próprios. Demonstrá-lo quando em conversa com outrem. Por isso mostro os meus cães e gatos (que não tenho), a minha querida filha (raríssimas vezes), festas familiares (não sendo eu grande filho nem magnífico parente), uma ou outra comezaina se mais pitoresca (e sou frugal à mesa, menos atento à faca e garfo do que ao copo, é certo), a minha ida a Alvalade (e nem sequer tenho SportTV), etc. Duro. Resisto.

 

Exemplifico melhor neste assim. Estou em Bruxelas, vim ver a minha filha. Fomos ver a exposição "Magritte, Broodthaers & Contemporary Art". Pensei em fazer um postal sobre isso. E também sobre o Anima, o festival de cinema de animação de Bruxelas, no qual descubro ser o realizador José Miguel Ribeiro um dos jurados. Pensei também meter um postal no És a Nossa Fé, sobre o Sá Pinto que treina com sucesso o Standard de Liége. Talvez umas fotos, de prédios ou detalhes no meu mural de facebook, tudo isso a ecoar, como sempre, na minha conta do twitter. Enceno-me cosmopolita (ainda que, enfim, hoje em dia vir a Bruxelas não seja exactamente um "must")? Publicito um qualquer especial "capital cultural", com estes devaneios de consumo artístico? Anuncio um qualquer sucesso, existencial, familiar, económico? Tudo de molde a incentivar a inveja alheia, o mero "respeito" que seja? Entretanto, há quinze dias o colectivo DO juntou-se em jantar. Eu estava tão "tchonado" (o calão moçambicano para "teso") que me foi necessário conter-me e faltar. Mas não me passa, nem passou, pela cabeça fazer um postal sobre isso. Sendo certo que esse episódio é muito mais relevante sobre mim do que o Sá Pinto em Liége ou um detalhe do Horta bruxelense. Mas estamos, estou, cá para durar. E a comunicação, as partilhas, são sobre como duramos. Não exige a vasculha do íntimo, o intimismo auto-punitivo. Pois aprendemos, tomamos consciência, com as dores e maleitas, próprias e alheias, mas enfrentadas com filtros. Caso contrário afogar-nos-emos no caldeirão dessas dores

 

E o mais importante é que não são as dores e as maleitas que nos congregam ou alimentam. Numa rede social, real, dita (excepto pelos tolos hiper-liberais) sociedade. A qual não vive só do conflito, invejoso ainda para mais, como alguns quiseram crer, como estes "neo-commies" querem ressuscitar. Mas muito disto de nos apreciarmos. Com as nossas coisas. Apesar das nossas "coisas". Deixemo-nos pois de "coisas". E ombreemos. Estrategicamente, é certo. E com aquilo, também, da inveja. Que faz parte. E, tantas vezes, tão útil e produtiva é. Para fazer a "rede".

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Sarin a 14.02.2018 às 12:07

As redes são o que delas fazemos, o uso que lhes damos, o prazer que delas retiramos.

Mas têm as suas regras, e podem ser loucamente insanas.

Um reflexo de nós ou de partes de nós? Um quadro das micro-sociedades, certamente.


Uma outra face da moeda para avaliar, exposta numa prosa sempre boa de ler.
E uma partilha, pouco frequente segundo depreendo, de factos quotidianos que normalmente não seriam partilhados em rede mas sem a qual o postal não seria tão íntimo e tão forte. Obrigada também por isso.
Imagem de perfil

De jpt a 14.02.2018 às 16:32

A agradecer a sua simpatia.
Imagem de perfil

De João André a 18.02.2018 às 13:38

Não levo o teu post minimamente ocmo ad hominem, bem pelo contrário caro jpt. Parece-me uma interessantíssima reflexão.

Claro que aquilo que vamos lendo nos nossos "murais" (e aqui limito-me ao facebook, que não consigo acompanhar outros) também depende de quem somos, como somos, quais os amigos (todos iguais mas uns mais que outros) que temos, etc. Mas depende também muito dos algoritmos do próprio facebook. Se fizeres comentários ou reagires a posts de "necrologia" ou semelhantes, esse tipo de posts passarão para o topo da lista. Mesmo quando escolhes ler as "notícias" mais recentes, também essas são filtradas em favor dos temas que preferes.

Mas chamaste a atenção para um ponto importante que me falhou claramente no post: a forma como muita gente, na ausência de contactos humanos mais pessoais, vai "pedindo" atenção pelas redes sociais para as suas dores, vai pedindo que as ajudem a suportar tempos difíceis. Eu, confesso, vou tendo pouco tempo para tal porque não gosto de deixar duas palavras que vejo como sem qualquer significado ou peso num "mural". Se não consigo pelo menos telefonar, prefiro não fazer de "amigo faz de conta". Será quiçá errado: nem todos reagirão como eu. Mas também será por isso que me escapou este lado da reflexão.

Comentar post



O nosso livro


Apoie este livro.



Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D