Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A boca de Marcelo fugiu para a verdade

por Rui Rocha, em 04.03.17

Pode questionar-se o contexto e a oportunidade, mas por uma vez o Presidente Marcelo teve razão. O défice de 2016 não ficou de facto a dever-se a qualquer milagre, mas saiu efectivamente do pêlo dos portugueses. Saiu do pêlo dos portugueses que viram os serviços públicos degradarem-se pelo efeito das cativações. Saiu do pêlo dos portugueses e continuará a sair na medida em que a contracção dramática do investimento afecta o potencial futuro de crescimento da economia. Saiu do pêlo dos portugueses que sofreram com o aumento da carga fiscal global por via da subida dos impostos indirectos. Saiu e continuará a sair-lhes do pêlo na medida em que sendo um resultado em parte obtido por via de medidas que não resolvem os problemas estruturais da economia e, em alguns casos os agravam, acentuando as suas distorções, acaba por traduzir-se numa subida dos juros da dívida, condicionando o presente mas sobretudo o futuro dos portugueses. Na ânsia de responder a Teodora Cardoso e de proteger Costa uma vez mais, Marcelo fez o diagnóstico cru da realidade. Ao contrário do que diz o discurso oficial do governo, não se fechou de todo a página da austeridade. O pêlo dos portugueses pagou e continuará a pagar.

Autoria e outros dados (tags, etc)


11 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 04.03.2017 às 17:12

Se me permite, assino por baixo.
António Cabral
Imagem de perfil

De Rui Rocha a 05.03.2017 às 11:47

Com certeza, António.
Sem imagem de perfil

De JS a 04.03.2017 às 17:37

Tudo bem RR. Só que, como bem sabe, não sai do pelo de todos os portugueses.
Há quem mantenha e até melhore, consistentemente, de pelo.
Sem imagem de perfil

De isa a 04.03.2017 às 20:46

Para alguns, ainda vai melhorar mais, por exemplo, no IMI, a avaliação das casas vai passar para as Câmaras Municipais e, não vi reação de nenhum Partido político (só me confirma que são todos farinha do mesmo saco).

Quem não perceber as implicações desta medida e como vão conseguindo distorcer a Constituição, já não bastavam as excepções, as alíneas "especiais", as Leis que vêm de fora que vão criando diferenciações entre portugueses, onde uns, têm direito a tudo (adquirido e garantido) e, outros a Nada que não seja pagar mas, Esta é Fenomenal, já estou a ver certas Mansões pagarem menos IMI que um Apartamento T0, dependendo da Câmaras, dos "conhecimentos" ou das cores partidárias.
Avaliação feita pelas Câmaras?
Não chegava a percentagem do imposto poder ser diferente?
Não são as mesmas regras nem premissas a nível nacional?
Como os gelados, com várias cores e paladares?
Mais uma vez, Só Podem Estar a Gozar com o Povo, especialmente, sabendo que nesta quintarola "amigos" não faltam.

Irra que, com tanta legislação a metro, nem no tempo da Ditadura e, curiosamente, com tanto simplex, tecnologia e alcatrão, o Número de Câmaras continua o mesmo que no tempo do Salazar, convém a quem?
Aos contribuintes?
Não é por nada mas, tanta Austeridade e nunca se reduziu o número de Câmaras porque, uma coisa era quando se demorava 15 horas a chegar a um sítio que hoje se faz em hora e meia. Não havia net, nem telemóveis, hoje temos em quantidade, smart phones e, algo bem pior, ainda mais espertalhões que, se acham muito importantes, por viverem toda a vida à conta dos contribuintes. Ainda têm o descaramento de dizer que "O Estado somos nós todos"... pois... e os políticos são funcionários públicos ou os donos disto tudo?
Se a Revolução de Abril foi para isto, leis e impostos que não são iguais para todos e uma autêntica máquina de criar tachos... podem remover do dicionário, Carácter, Ética, Responsabilidade e Moral.

Por aqui, já não falando nos privilégios, nem sequer as leis são iguais para todos, portanto, para não dizerem que a culpa é de quem não vota, que não vão por preguiça, blá, blá, blá e, nos Açores a 16 de Outubro de 2016 nas eleições regionais, a Abstenção foi de 59,1% e tudo continuou como se não houvesse problema nenhum, portanto, definitivamente, vou passar a ser um voto em Branco.
Se a abstenção, não os aquece nem arrefece, tenho uma certa curiosidade, sobre o que aconteceria se abstenção e nulos passassem todos a votos em Branco... provavelmente, o mesmo do costume, como em tudo o resto... NADA.
E sim, como diria um conhecido meu inglês, hoje, eu estou "with the olive oils"
Sem imagem de perfil

De JS a 22.03.2017 às 13:31

Isa tem toneladas de razão. O problema é os ditos "representates" políticos há 40 anos a representarem, o melhor possível, os seus interesses ....
Imagem de perfil

De Rui Rocha a 05.03.2017 às 11:47

É verdade, JS.
Sem imagem de perfil

De am a 04.03.2017 às 18:08

Que levais na sacola?

São revistas Cais, Senhor!

Santa Teodora vos abençoe !

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 04.03.2017 às 22:46

Está tudo bem?.
Só os economistas é que sabem, mas segredaram-me esta:
Numa sexta-feira ATMs e Bancos gregos fechados. "Calma que segunda estará tudo ok.". Segunda-feira "mais calma que está quase."
De repente bancos gregos (...) brem. Deixam de entregar Euros a quem os quer levantar, os seus ditos euros. Mas não se preocupem.
Entregam Dolares a um cambio de quase metade.
Quem quizer levantar 100 Euros, leva 50 Dolares !.
Mãozinha de Varoufakis?.
Não tem piada, não senhor.
Sem imagem de perfil

De isa a 05.03.2017 às 10:34

Não tem piada?
Pois tem muita piada e que aconteça qualquer coisa, em vez do Mundo andar a ser comido vivo neste pantanal há mais de 70 anos.
A Queda do Muro de Berlim, a Revolução de Abril, não serviram para nos Libertar, apenas para mudarmos de Donos, aqueles que se contam pelos dedos, representados por meia dúzia de Corporações a nível Global que, com os seus Triliões querem controlar o Mundo e, os políticos dos vários países têm servido, muito bem, os interesses desses psicopatas, especialmente os de esquerda, sempre a aumentar a Dívida e o respectivo peso das grilhetas dos escravos porque, colectivismo e concentração de Poder é precisamente o que essa gente quer.

No entanto, não pensem que são Trump's que nos salvam, por enquanto, estamos apenas a assistir, a lutas de poder entre facções, nesse Deep State mas que podem ser aproveitadas pelos povos para limpezas e termos funcionários públicos em vez de parasitas.

Os tempos podem ser de mudança mas, não estão favoráveis para mais burrices, ignorância ou crendices em salvadores porque, somos todos iguais e precisamos uns dos outros, só temos de defender a Liberdade Individual de todos, com Leis iguais para todos porque somos todos indispensáveis: médicos, juízes, polícias, agricultores, mecânicos, estofadores, pintores, funcionários públicos, jornalistas Independentes... de todos, excepto "penduras" como políticos e banqueiros.
Até há novas tecnologias que podem vir a ajudar a Humanidade, não as dos brinquedos que nos vendem e que só servem para dar lucro aos mesmos, outro tipo de tecnologias que têm sido deliberadamente escondidas para que, os verdadeiros poluidores deste Planeta não percam os seus triliões.

Nunca se esqueçam que Medo, foi e será sempre, o meio que essa gente usa e abusa para nos controlar e dividir. Desta vez, se o 1% ganhar aos 99% será para toda a Eternidade e para a própria destruição do Planeta (não pensem que são normais e que nunca fariam isso e, aqui não tenho espaço para explicar como eles pensam escapar dessa destruição do Planeta).

Um exemplo é o desastre nuclear de Fukushima, continua a deitar, desde 11 de Março de 2011, produtos radioativos para o mar, para o ar e que já entraram na cadeia alimentar, já matou, continua e continuará a matar, tudo derivado à ganância e a políticos que deixaram construir centrais nucleares, em zonas de tremores de terra e, pior que Chernobyl, à beira do mar, para não falarmos naquelas construídas em zonas de falhas tectónicas.

Basta Concentrar Poder numa pessoa ou num grupo de pessoas para servirem de íman para todo o tipo de corrupção. Onde Não há Poder Não há Corrupção, olhem para o exemplo da Suíça, querem fazer alguma coisa?
Fazem Referendos. Sai caro?
Sai mais barato do que milhares de milhões para negócios de alguns.

Depois, com a malta a "dormir" e como há muito tempo que controlam a narrativa, ouvimos as bacoradas de que o aumento das doenças cancerosas, são por causa do açúcar ou das bebidas açucaradas, onde até aproveitam para mais uns impostos mas, nunca tem nada a ver com poluição, como o derrame no Golfo do México onde deitaram um produto tóxico para que a porcaria não ficasse visível mas, no fundo do mar, onde apenas continua a matar e a infectar a vida marinha que lhe resista. E quanto a Fukushima, que ainda continua desde 2011, anos a fio a propagar doença, mortes lentas com várias modalidades de cancros que podem sempre atribuir ao que quiserem e lhes apetecer, especialmente, quando serve a elite que se pode ouvir, constantemente, repetir que há demasiada população no Planeta, pois se há que comecem por eles que só sabem usar a língua e sentar os glúteos em cadeiras almofadadas, onde os triliões já compraram tudo o que há para comprar, incluindo pessoas, e se divertem com os seus Jogos de Poder, até ao ponto de serem mortais para os 99%.

Agora, talvez comecem a perceber o que dizia George Orwell, não por acaso porque passou por um dos tentáculos que começava a programar o Futuro para este Planeta. Tem tudo sido realizado segundo um Programa, que muitos conseguiram ver antes, outros, só agora mas, por enquanto, pouco podem fazer, para além de não ficarem calados.

"In a time of universal deceit, telling the truth is a revolutionary act". -George Orwell
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 05.03.2017 às 17:49

a contracção dramática do investimento afecta o potencial futuro de crescimento da economia

(Uma vez que este post trata do défice público, o investimento a que se refere esta frase só pode ser o investimento público.)

Não é nada claro que o investimento público potencie o crescimento futuro da economia. Em muitos casos, só a sobrecarrega com juros e impostos. Quanto investimento público passado não foi supérfluo? Quantas autoestradas sem tráfego tem Portugal?

Mais vale um investimento público em contração do que um investimento público em obras supérfluas.

Comentar post



O nosso livro


Apoie este livro.



Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D