Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Quatro rapazes de Liverpool

por Pedro Correia, em 09.09.09

Tal como o crítico teatral que na estreia de Humphrey Bogart na Broadway vaticinou que aquele actor nunca iria longe, Mike Smith, responsável pela descoberta de novos talentos musicais na editora Decca, certamente se arrependeu mil vezes da péssima opção que assumiu no 1º de Janeiro de 1962. Foi o dia da estreia de quatro rapazes de Liverpool em estúdio: gravaram 15 canções numa sessão de uma hora - entre elas a balada 'Till There Was You', do musical The Music Man - e foram despedidos com frases de circunstância. "Obrigado por terem vindo. Depois dizemos qualquer coisa", disse-lhes Smith após a sessão, que não o deixou entusiasmado. Dick Rowe, director de gravações da Decca, vaticinou que os grupos de guitarras estavam a "sair de moda" nesse início dos anos 60, a década de todas as transformações.

Smith e Rowe eram duros de ouvido. Os quatro rapazes de Liverpool - John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Peter Best - eram os Beatles, em marcha acelerada para se tornarem o grupo musical mais famoso de sempre. Em Outubro desse ano, já com Ringo Starr no lugar de Best, lançaram o primeiro disco, o single Love Me Do. O segundo, posto à venda em 11 de Janeiro de 1963, era o LP Please Please Me, com entrada directa no topo dos tops. Foi um sucesso instantâneo. With the Beatles, o segundo álbum, tinha já 250 mil pré-encomendas à partida. Nesse Natal, alcançava a cifra de um milhão de cópias.

 

Beatles - A História Secreta, de Geoffrey Giuliano e Avalon Giuliano, conta-nos estes e muitos outros episódios relacionados com a década de carreira dos Beatles, desde os tempos em que actuavam em obscuras caves de Liverpool até ao abrupto anúncio da dissolução da banda, em comunicado de McCartney difundido a 10 de Abril de 1970. Uma década vertiginosa - cheia de sexo, drogas e rock n'roll.

"As pessoas falam da separação dos Beatles como se fosse uma tragédia. Ninguém diz que é extraordinário que tenham durado tanto tempo. Para mim, é espantoso, sendo a natureza humana o que é, que eles não se tenham separado antes, sobre a pressão do superestrelato", diz George Martin, o produtor dos Beatles, citado na obra.

Estas páginas permitem-nos perceber melhor o processo criativo dos Beatles e a forma como nasceram algumas das suas mais célebres canções. When I'm Sixty Four, composta por Paul em 1961 e oferecida ao pai no Natal de 1966, quando completou 64 anos. Julia, homenagem de John à mãe, que morreu atropelada - a única canção de todo o reportório dos Beatles interpretada só por Lennon. Ob-La-Di, Ob-La-Da (que significa "a vida continua" num dialecto da Nigéria), parcialmente composta pelo percussionista nigeriano Jimmy Scott, que entraria em litígio com McCartney por direitos autorais.

Não faltam outas revelações. Be-Bob-A-Lula, de Gene Vincent, foi o primeiro disco que Paul comprou. A mãe de Lennon era admiradora incondicional de Cole Porter - e passou este gosto ao filho. Lennon "inventou no momento o memorável solo de harmónica" de Love Me Do, para dar "um ar de blues ao tema".

Quem ainda não sabia, fica a saber que houve outros Beatles, além dos quatro e do enjeitado Best: Tommy Moore, Tony Sheridan, Bill Nicol, o malogrado Stuart Sutcliffe. Mas deles (quase) não reza a história.

 

Memoráveis foram os encontros de John, Paul, George e Ringo com Bob Dylan (Nova Iorque, 28 de Agosto de 1964) e Elvis Presley (Bel Air, 27 de Agosto de 1965). Chegaram a tocar com o 'rei' de Memphis, numa improvisada sessão em casa dele que terá sido gravada. Esta gravação, a existir, será a mais valiosa da história da música moderna.

Apesar de todas as zangas, havia um elo profundo entre John e Paul - que, segundo os autores do livro, se deveu ao facto de ambos terem perdido as mães quando eram muito jovens. A última vez que se viram, em 31 de Março de 1974, foi ainda sob o signo da música. Tocaram juntos na casa de Lennon, na Califórnia, numa animada sessão que contou com as participações de Stevie Wonder e Harry Nilsson, entre outros. Uma sessão que também terá sido gravada - o registo permanece inédito.

Lucille, de Little Richard (ídolo da adolescência), foi o último tema que Lennon e McCartney tocaram juntos. Jamais voltariam a encontrar-se. Caía o pano, começava a lenda.

 

Beatles - A História Secreta. De Geoffrey Giuliano e Avalon Giuliano (Ulisseia, Lisboa, 2008)

310 páginas

Classificação: * * *

Autoria e outros dados (tags, etc)


15 comentários

Imagem de perfil

De João Carvalho a 09.09.2009 às 20:16

Dou comigo, como dei antes e acho que continuarei a dar, a ler o que diz respeito aos Beatles. Mesmo que já nada contenha de novo, lerei sempre.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 10.09.2009 às 00:03

Também eu. Amanhã escrevo sobre o 'Abbey Road', de que já falaste aqui. Se quiseres escrever sobre o álbum branco...
Sem imagem de perfil

De Ana Mestre a 09.09.2009 às 20:31

Os Beatles marcaram toda uma geração e serão sempre uma referencia;))
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 10.09.2009 às 00:04

Sem dúvida.
Sem imagem de perfil

De mike a 09.09.2009 às 21:12

Nunca fui um verdadeiro e grande fã dos 4 de Liverpool. Achei-os sempre muito certinhos. Mas queria (e vou) aproveitar para lhe agradecer a dica, Pedro: gostei bastante de ler 1939. Abraço.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 10.09.2009 às 00:04

Ainda bem que gostou da dica, Mike. Fica então mais esta.
Abraço
Sem imagem de perfil

De mdsol a 09.09.2009 às 21:17

:))
Imagem de perfil

De Daniel João Santos a 09.09.2009 às 22:58

O meu problema vai para o facto de para se adquirir esta reposição melhorada da obra, que se tenha de fazer um credito para a pagar.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 10.09.2009 às 00:06

Ora bem. Por enquanto fico com os meus velhos discos de vinil e os também já velhos CD adquiridos há 20 anos, com quase toda a discografia Beatle (falta-me o Yellow Submarine)
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 10.09.2009 às 00:09

Beatles em vinill tem mais charme :)
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 10.09.2009 às 00:28

Pois tem, Teresa. Mesmo com uns risquinhos.
Sem imagem de perfil

De Maria a 10.09.2009 às 19:09

Ler textos bem escritos sobre gente inspirada e boa música - esses quatro são um bom exemplo - é sempre um prazer.
Pedro, fez um bom trabalho e trouxe os 4 de novo à pantalha ", para mim, muito bem vindos.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 10.09.2009 às 19:22

Obrigado pela simpatia, caríssima.
Imagem de perfil

De Ana Vidal a 11.09.2009 às 13:31

Eu gosto muito dos Beatles. Não serão uma referência intelectual, como outros da mesma geração (sobretudo os franceses), mas têm canções lindas e que apelam às nossas emoções mais fundas. E há algumas que são mesmo "incontornáveis", como se diz agora.
Belo texto, Pedro.

Comentar post





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D