Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Este post tem bolinha vermelha

por Carlos Barbosa de Oliveira, em 31.07.09

Sou um bocado avesso a "Dias Internacionais de", mas este que hoje se celebra parece-me de grande utilidade e vou apontá-lo na minha agenda.

Autoria e outros dados (tags, etc)


18 comentários

Imagem de perfil

De João Carvalho a 31.07.2009 às 15:31

Nada tenho a opor. Curiosamente, coincide com o Dia Internacional do J.M. Coutinho Ribeiro.
Imagem de perfil

De Carlos Barbosa de Oliveira a 31.07.2009 às 23:40

Por acaso lembrei-me logo dessa coincidência, João.
Sem imagem de perfil

De Maria a 31.07.2009 às 15:36

Estava em completa ignorância ; não fazia a mínima ideia do "dia" e da existência dos restaurantes, em jeito de -
"preliminares" , nunca é tarde para aprendermos!:))
Imagem de perfil

De Carlos Barbosa de Oliveira a 31.07.2009 às 23:41

Como diz o adágio popular, Maria, "aprender até morrer e morrer sem saber"
Sem imagem de perfil

De Ana Mestre a 31.07.2009 às 15:38

Mas existem outras comemorações no dia de hoje:
Luanda - As mulheres africanas comemoram nesta sexta-feira, 31 de Julho, o seu dia, data consagrada a reflexão do papel da classe feminina de África na sociedade.


A data foi instituída a 31 de Julho de 1962, em Dar-Es-Salaam, Tanzânia, por 14 países e oito Movimentos de Libertação Nacional, na Conferência das Mulheres Africanas.


Actualmente, a data ainda é lembrada, pois, no continente africano, o panorama da mulher continua trágico, apesar de pouco a pouco as mulheres começarem a aceder a uma independência económica confortável e a cargos de decisão e de poder.


Porém, mesmo elas encontram-se, muitas vezes, em situações de dependência psicológica dos seus maridos ou companheiros, devido a estereótipos ancestrais que só serão passíveis de serem debelados com o passar de mais algumas gerações.



Nas camadas mais desfavorecidas, as mulheres são duplamente sacrificadas, porque, para além das suas profissões, tem que prover, quase sempre sós, ao cuidado da casa e dos filhos, quando não enfrentam, acrescidamente, muitas vezes em silêncio, a própria violência doméstica.


Tudo isto, não obstante, ter-se vindo a fazer um esforço significativo na formação básica, erradicação de qualquer forma de violência desde a física e a psicológica, bem como a eliminação de estereótipos de género, designadamente incentivando as jovens a orientar-se para estudos não tradicionais, o que pode evitar que as mulheres sejam objecto de práticas tradicionais violentas a sua dignidade.


Entretanto, a verdadeira resolução desta questão não passa por despejar dinheiro em cima dos problemas, mas pela vontade de todos, sem distinção de género, de se avançar para sociedades mais justas, equilibradas, harmónicas e companheiras, tendo presente que a mulher, tem de ter consciência, de que quando chamadas a darem a sua opinião e não só, devem também fazer-se ouvir, numa altura em que surgem alertas sobre a multiplicação de casos de violação dos seus direitos a nível mundial, e em Angola, em particular.


Durante séculos, o papel da mulher africana incidiu sobretudo na sua função de mãe, esposa e dona de casa. Ao homem estava destinado um trabalho remunerado no exterior do núcleo familiar.


Com a descolonização de África, na segunda metade do século XX, muitas mulheres passaram a exercer actividade laboral, embora auferindo uma remuneração inferior a do homem.


Reagindo contra essa discriminação, as mulheres encetaram diversas formas de luta.


Se, nos nossos dias, perante a lei da maioria dos países, não existe qualquer diferença entre um homem e uma mulher, a prática demonstra que ainda persistem muitos preconceitos em relação ao papel da mulher na sociedade.


Produto de uma mentalidade ancestral, ao homem ficava mal assumir os trabalhos domésticos, o que implicava para a mulher que exercia uma profissão fora do lar, a duplicação do seu trabalho.



Foi necessário esperar pelas últimas décadas do século XX para que o homem passasse, aos poucos, a colaborar nas tarefas caseiras.


Hoje as mulheres estão integradas em todos os ramos profissionais, mesmo naqueles que, ainda há bem pouco tempo, apenas eram atribuídos aos homens, nomeadamente a intervenção em operações militares de alto risco.


É preciso que o homem esqueça os preconceitos, encare a mulher de igual para igual em todas as circunstâncias, quer no interior do seu lar, quer no seu local de trabalho.


Quando todos assim procedermos, não haverá mais necessidade de um dia dedicado à mulher africana.


Em Angola, a data é comemorada com a realização de diversas palestras sobre a liderança transformativa, governação e orçamento da óptica de género, assim como sobre o resgate de valores e sobre o contributo da mulher africana na luta contra o Vih/Sida e a mulher como agente económico.

Imagem de perfil

De João Carvalho a 31.07.2009 às 15:42

Bela lição.
Creio que ainda existe quem distinga os homens das mulheres. Poderão não ser muitos, mas eu, por exemplo, nunca fiz confusão.
Sem imagem de perfil

De Ana Mestre a 31.07.2009 às 15:47

Mas a verdade é que ainda existem homens e também mulheres a pensarem assim. E as mulheres também são culpadas porque se submetem e se resignam a certas atitudes, preconceitos e mentalidades.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 31.07.2009 às 15:55

Continuo a preferir não fazer tal confusão...
Sem imagem de perfil

De Ana Mestre a 31.07.2009 às 15:59

E faz muito bem João ;)
Imagem de perfil

De Carlos Barbosa de Oliveira a 31.07.2009 às 23:42

Obrigado por esta excelente explicação, Ana!
Sem imagem de perfil

De Amêijoa Fresca a 31.07.2009 às 15:54

Uma evento sexual
para ser ementado,
essa apoteose final
do prazer desfrutado.

O momento orgástico
da nossa sexualidade,
é um facto bombástico
sentido na intimidade.
Sem imagem de perfil

De Amêijoa Fresca a 31.07.2009 às 15:57

Corrijo a primeira palavra da primeira quadra:

Um evento sexual
para ser ementado,
essa apoteose final
do prazer desfrutado.
Sem imagem de perfil

De Margarida a 31.07.2009 às 16:04

Porque é que 'tem bolinha vermelha'?
Sem imagem de perfil

De mike a 31.07.2009 às 16:53

Deve ser porque o Carlos é do Benfica, Margarida. ;)
Imagem de perfil

De Carlos Barbosa de Oliveira a 31.07.2009 às 23:46

Porto,Porto, Porto! SEMPRE, Mike
Imagem de perfil

De Carlos Barbosa de Oliveira a 31.07.2009 às 23:43

Foi só para fazer publicidade, Margarida!
Sem imagem de perfil

De mdsol a 31.07.2009 às 16:59

Não percebo só a bolinha vermelha. Perceberia se tivesse bolinhas vermelhas, rosa choque, fuscia, azul cobalto, prateadas, douradas, verdes, amarelas ....
Imagem de perfil

De Carlos Barbosa de Oliveira a 31.07.2009 às 23:44

Dava muito trabalho, Maria do Sol!

Comentar post



O nosso livro


Apoie este livro.



Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D