Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ainda há heróis

por Pedro Correia, em 08.07.09

  

 

No coração da remota China muçulmana, pelo menos 156 pessoas foram abatidas por balas governamentais em nome da sacrossanta 'unidade' do Estado e da estabilidade 'socialista'. Que crime cometeram? Procurarem manter a identidade cultural, falando a sua língua e professando a sua religião no país mais populoso do mundo, onde a norma é esmagar toda a diferença. Acontece hoje no Xinjiang, acontece há meio século no Tibete, aconteceu em 1989 na própria sede suprema do Império do Meio. Sei bem do que falo. Há vinte anos, vivi em Macau um dos períodos mais tristes de que me lembro, quando vi esmagar a Primavera com que milhões de chineses haviam sonhado – a Primavera política, após quatro décadas de ditadura, afogada em sangue naquela trágica madrugada em Tiananmen. Recordo as expressões festivas nos rostos de muitos chineses semanas antes, dias antes, horas antes, quando toda a esperança parecia possível. Recordo as figuras dos principais dirigentes estudantis, imagens que galvanizaram toda uma geração – jovens como Wang Dan e Chai Ling. Recordo o impressionante instantâneo daquele homem anónimo, de braços nus, enfrentando uma fileira de tanques, imortalizado pelo clique da máquina fotográfica de Stuart Franklin. Símbolo máximo da dignidade humana perante a força bruta - há duas décadas em Pequim, hoje no Xinjiang que teima em ser diferente.

Quando ouço dizer à minha volta que já não existem heróis, lembro-me sempre daquele homem sem medo. Que outro nome haveremos de dar-lhe senão esse – o de herói?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:


24 comentários

Imagem de perfil

De Jorge Assunção a 08.07.2009 às 09:05

Excelente texto, Pedro. Um herói, sem dúvida. Por muito que o regime chinês tente adulterar o significado de herói, relegando-o ao papel daquele que se sacrifica em "nome da sacrossanta 'unidade' do Estado chinês". Tentativa essa que está bem presente no filme "Herói" de Zhang Yimou.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.07.2009 às 10:17

Tens razão, Jorge. Gostei que tivesses lembrado aqui o Zhang Yimou, um dos meus realizadores favoritos - e um dos intelectuais chineses que melhor encarnou o espírito da Primavera de Tiananmen.
Imagem de perfil

De Jorge Assunção a 08.07.2009 às 15:05

Também gosto muito de Zhang Yimou, Pedro. Mas é impossível não notar a aproximação que fez ao regime comunista chinês. Se o "Esposas e Concubinas", que a ariel refere num comentário mais abaixo, originou problemas com o regime chinês (muito a propósito dos acontecimentos de Tiananmen), a mensagem de "Herói" só pode ter agradado ao regime. A tal ponto que nele encontra-se a justificação para as atrocidades que o regime continua a cometer.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.07.2009 às 16:04

Jorge: não sei se viste um filme do Zhang chamado 'Ju Dou'. É um filme com a Gong Li, passado na China rural do início do século XX que tem muito a ver com o espírito de Tiananmen. Gostei também muito deste filme. Recomendo-o sem qualquer reserva.
Imagem de perfil

De Jorge Assunção a 08.07.2009 às 18:20

Nunca vi, Pedro. Mas é um filme que já está no radar há algum tempo. Quando descobri Yimou, através do "Herói", aproveitei para ver parte da obra dele, mas o 'Ju Dou' não foi incluído nas escolhas.
Imagem de perfil

De Pedro Quartin Graça a 08.07.2009 às 09:40

Excelente texto! Parabéns!
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.07.2009 às 10:17

Muito obrigado, caríssimo.
Sem imagem de perfil

De l.rodrigues a 08.07.2009 às 09:47

No seguimento do post dos Intelectuais... Quantos desses heróis tratavam mal as respectivas mulheres?
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.07.2009 às 10:14

Já lhe respondo. Primeiro vou buscar ali um Ezalo.
Sem imagem de perfil

De l.rodrigues a 08.07.2009 às 10:36

Isso já responde à minha pergunta.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 08.07.2009 às 10:49

Estupendo texto, compadre. Muito a propósito, quando Pequim nega agora a Primavera a Xinjiang ceifando vidas.
Fico à espera da indignação dos enviezados 'heróis' da enviezada política dos enviezados partidos que temos, aqueles para quem os direitos humanos costumam ser uma espécie de pastilha elástica.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.07.2009 às 13:31

Espera sentado, compadre. Eu farei o mesmo.
Imagem de perfil

De André Couto a 08.07.2009 às 10:54

Fantástico, Pedro.
Parabéns pela reflexão e pela qualidade do seu resultado.
Digo-te hoje o que o João Carvalho dizia ontem quando comentava um texto do Tomás Vasques.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.07.2009 às 13:20

Obrigado, meu caro. Um abraço.
Imagem de perfil

De ariel a 08.07.2009 às 10:57

Respeitar as minorias não está no ADN dos estados totalitários. A propósito da referencia a Herói de Zhang Yimou que me escapou, dos filmes dele que vi a temática tem sempre a ver com a intolerância do poder absoluto que está enraizada na tradição chinesa . Para mim, Esposas e Concubinas é uma obra prima.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.07.2009 às 13:29

É, sem dúvida, Ariel. A China comunista, que prometia o 'homem novo', nada mais tem a oferecer, 60 anos depois, do que os mil pecados do homem velho, ampliados pela extensão do território e pela enorme dimensão populacional. Racismo, xenofobia, intolerância e força bruta. Tudo velho como o mundo.
Imagem de perfil

De Daniel João Santos a 08.07.2009 às 11:28

Mas este povo é uma nota de rodapé nas noticias. Se calhar fica mal na fotografia, pouco relevante para as potencias que não querem chatear a China.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.07.2009 às 13:31

Pois. Há quem lhe chame 'realpolitik'. É como aqueles blogues, que gritam aos quatro ventos quando morre uma só pessoa num certo país e mergulham no silêncio quando morrem centenas de pessoas noutro país. Critérios...
Sem imagem de perfil

De mdsol a 08.07.2009 às 13:44

Bem vê, o tempo não dá para tudo... As Honduras...

:))
Imagem de perfil

De João Pedro a 08.07.2009 às 16:35

Isso agora lembrou-me aquela célebre frase de Estaline:" uma morte singular é uma tragédia; um milhão é uma estatística".
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.07.2009 às 23:20

Ora aí está uma frase que muitos discípulos do Zé dos Bigodes subscrevem. Até na nossa blogosfera.
Sem imagem de perfil

De Daniela Major a 08.07.2009 às 14:24

Excelente post Pedro. Esta fotografia sempre me impressionou imenso. Considero-a uma fotografia e um momento líndissimo
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.07.2009 às 14:28

Obrigado, Daniela. Esta fotografia tornou-se uma das mais fortes imagens iconográficas do século XX. E um impressionante símbolo da coragem humana.

Comentar post





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2015
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2014
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2013
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2012
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2011
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2010
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2009
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D