Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O paradigma volta a atacar

por João Carvalho, em 29.06.09

No sítio do costume, a Fátima Campos Ferreira deu a palavra ao socialista Vítor Ramalho. Em poucos minutos, o discurso reencontrou o novo paradigma. Basicamente, estava a ver que a coisa não era posta em cima da mesa e que corríamos um grande risco sistémico.

Autoria e outros dados (tags, etc)


12 comentários

Imagem de perfil

De ariel a 30.06.2009 às 00:23

Meu Deus, o Ramalho, esteve no prós e contras! Ainda bem que tenho este saudável hábito de ver a 2 às segundas -feiras, básicamente.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 30.06.2009 às 00:34

Esteve e ainda está. Estão todos com matérias em cima da mesa.
Sem imagem de perfil

De mdsol a 30.06.2009 às 00:55

ahahahahah
Não adianta, comecei a ler estas frases de modo enviesado e agora, cada vez que aparecem de novo ainda me dá mais vontade de rir...

Não estive a ver. Reparo agora que a FCF (não é futebol clube de nada, sim?) hoje tem o cabelo muito assapado ou acaçapado, tanto faz.

:)))
Imagem de perfil

De João Carvalho a 30.06.2009 às 00:57

Basicamente achapassado?
Sem imagem de perfil

De mdsol a 30.06.2009 às 01:04

É um pouco do passado presente.

:))))
Imagem de perfil

De João Carvalho a 30.06.2009 às 01:38

Não será um presente futuro? É que o paradigma parece que ainda não mudou.
Imagem de perfil

De Ana Vidal a 30.06.2009 às 12:39

Eu digo "acachapado". Está errado?
Imagem de perfil

De Ana Vidal a 30.06.2009 às 12:53

Que alívio. Já basta o paradigma, para ter de mudar.
Imagem de perfil

De Ana Vidal a 30.06.2009 às 12:41

Desta vez não vi. Vou guardar-me para quando mudar o paradigma, até lá o risco sistémico é muito alto e nem tudo fica bonito em cima da mesa.
Sem imagem de perfil

De Luís Reis Figueira a 30.06.2009 às 13:39

Desta vez, ao menos, a Fatinha teve o bom senso de não o convidar para a mesa (não fosse ele ter a tentação de ir «para cima da mesa»), mas ficou-se pela geral onde disse, mais uma vez, as generalidades do costume. É que estar em pé custa bem mais do que estar refastelado a discursar sobre o novo paradigma, o risco sistémico e tudo o mais que está "on". E a geral não tem tanto tempo de antena como o palco. Parece-me que aqui está uma boa ideia para a FCF:
o «prós e prós» não devia ter palco - só plateia.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 30.06.2009 às 16:05

Boa ideia, Luís.

Comentar post





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2015
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2014
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2013
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2012
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2011
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2010
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2009
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D