Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Reflexão do dia

por Pedro Correia, em 31.10.12

«Evidentemente, as pessoas têm todo o direito de se manifestar. Vivemos numa conjuntura particularmente difícil, há muitas pessoas que estão a sofrer bastante. Mas apesar disso há uma coisa que deve ser dita: no dia em que o Parlamento for desvalorizado, as manifestações cessam no nosso país. Um parlamento vivo é essencial para que haja uma verdadeira democracia e para que os direitos e as liberdades fundamentais sejam respeitados em qualquer país do mundo. Não há nenhuma democracia que subsista sem um parlamento activo, prestigiado e respeitado. Quando ouço algumas palavras de ordem fico preocupado. Há uma dissociação que me tem vindo a preocupar crescentemente entre o 'País das manifestações' e o 'País das instituições'. É grave que haja um desentendimento entre estes dois 'países'. (...) O Parlamento é a instituição central de qualquer regime democrático e atacar o Parlamento é atacar o cerne da democracia.»

Francisco Assis, no Frente-a-Frente da SIC Notícias

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

Sem imagem de perfil

De jose F a 01.11.2012 às 07:59

Prezado Pedro Correia,
Lembro-me da palavra de ordem do PS nos idos tempos de 1975: nao ha pao sem liberdade, nem liberdade sem pao. Havera mesmo liberdade nos dias que correm? Este governo faz um ataque a propriedade privada que o PC nunca tentou e que mais se assemelha a um verdadeiro saque!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.11.2012 às 10:36

Francisco Assis é um dos poucos socialistas lúcido. Não obstante algumas tiradas pouco sensatas ainda assim não se perverteu.

Atacar o cerne da democracia, via Parlamento, é o que muitos falsos democratas veem trilhando e não é preciso estar muito atento para perceber isso.
Sem imagem de perfil

De Antonio Almeida a 01.11.2012 às 13:45

Inteiramente de acordo com Francisco Assis !
Quando o Parlamento é atacado a democracia está em perigo
Pena seja que dos lados do Largo do Rato, não tenha vindo mais nenhuma voz nesse sentido !
Medo de perda de votos ?
Clarinho como água !
A talho de foice: Em 1975 o PCP também cercou o Parlamento e acolheu em ombros os camaradas deputados !
Quem não se lembra ?
Não é verdade S. Jerónimo de Sousa !
E agora não fora a polícia o Parlamento era invadido !
Sem imagem de perfil

De Rantanplan a 01.11.2012 às 14:34

Estou-me a cagar para o PS e estou-me a cagar para o PCP. Sou um verdadeiro democrata.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.11.2012 às 15:52

Assis anda a ler muitos contos da Alice no país das maravilhas. O parlamento e as instituições nacionais já foram atacadas da forma mais baixa e inadmissível que alguma vez uma nação pôde constatar. E tudo isto ocorreu na frente dos parlamentares.

Comentar post





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D