Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




E se Cavaco estivesse a reinar?

por Rui Rocha, em 22.01.12

As desastradas declarações de Cavaco Silva (e o desastre da governação do país nos últimos anos) têm sido aproveitadas pelos promotores da causa monárquica para salientar os benefícios da forma de organização política que defendem. Ora, não seria preciso procurar muito para encontrar situações em que são os membros da família real que desprestigiam a monarquia. Para não ir muito longe que o gasóleo está caro, fiquemo-nos pelo caso de Iñaki Urdangarin, genro do Rei de Espanha. Isto para dizer que, antes de tudo, estão as pessoas. E palermas, faroleiros, loucos, corruptos, bandidos ou assassinos não se distinguem por usar coroa ou não. Isto dito, e sendo a humanidade o que é, a comparação entre a monarquia e as alternativas democráticas de escolha do Chefe de Estado deve fazer-se pela facilidade com que em cada um dos sistemas é possível pô-los a andar. Concretizando, se Cavaco fosse Rei, teríamos que aguentá-lo toda a vida (os mais atentos dirão que andamos lá perto). Como felizmente não é, o próprio sistema encarrega-se de o despachar através do mecanismo da limitação de mandatos. E, mesmo que não o fizesse, em devido tempo ser-nos-ia devolvido o direito de decidir. E é sempre melhor incorrer no risco de escolher mal sabendo que mais tarde poderemos tentar corrigir uma má decisão do que, pura e simplesmente, não poder escolher.

Autoria e outros dados (tags, etc)


32 comentários

Sem imagem de perfil

De PALAVROSSAVRVS REX a 23.01.2012 às 12:02

Não me parece que tenhas provado o teu ponto, Rui. Um mau Rei pode ser sempre evacuado. Sempre. Não, não teríamos de arrostar com ele por toda a vida.

Viver para servir um Povo e tê-lo como cerne e centro da sua vida, coisa que define um Rei Moderno [não consta que os holandeses ou dinamarqueses sejam os mais infelizes e frustrados dos europeus], impedi-lo-ia de vir para diante das câmeras aldrabar a Opinião Pública acerca do que ganha ou não ganha, do que recebe de reforma ou não recebe de reforma.

Não é por aí. Há Repúblicas saudáveis e salubres. Não é, infelizmente, o caso da nossa. Por isso, desejo outra coisa, outra forma de Regime. E tenho direito a essa experiência.
Imagem de perfil

De Rui Rocha a 24.01.2012 às 11:09

Rex, as causas de afastamento que referes existem também nos sistemas republicanos impeachments, etc.). O ponto esté em que o afastamento (ou a necessidade de renovação) é a regra e noutros é a excepção.

Comentar post





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D