Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ponteiros trocados

por Pedro Correia, em 08.11.11

 

Mudou a hora. Passamos a reger-nos pela chamada "hora de Inverno". Mas Inverno porquê se ainda estamos em pleno Outono? E mudar a hora porquê se em dias de chuva, como é hoje o caso, começa a anoitecer às 17.30, o que contribui para acentuar um clima depressivo que a própria época do ano já propicia?

Segundo os especialistas que estiveram na origem desta directiva da Comissão Europeia - que tem vindo a ser aplicada desde 2002 em Portugal - a medida permite às famílias poupar cerca de 5% em energia eléctrica, havendo um benefício para as empresas em cerca de 3%. São as habituais contas dos teóricos que se regem apenas pelos princípios gerais da contabilidade sem saber aplicá-la a situações concretas: o que eventualmente se poupa em consumo energético logo se gasta em consumo de ansiolíticos e antidepressivos, consultas psiquiátricas e absentismo laboral. Um estudo realizado em Espanha - país que alinha o seu "horário de Inverno" pelo da Alemanha, como se não houvesse quase dois mil quilómetros de distância entre Madrid e Berlim - permite concluir que 56% dos trabalhadores sofre "algum transtorno" com este atraso dos ponteiros do relógio. Uns queixam-se de insónias, outros de falta de concentração. Uma clara maioria acusa sintomas de acrescido cansaço, com bruscas alterações de humor.

Nada mais absurdo do que esta permanente obsessão dos burocratas europeus em gerir ínfimas parcelas do nosso quotidiano com directizes traçadas a régua e esquadro no sossego dos seus gabinetes alcatifados, indiferentes ao pulsar da rua. O mesmo é dizer: indiferentes ao pulsar da vida.

Autoria e outros dados (tags, etc)


32 comentários

Sem imagem de perfil

De jj.amarante a 08.11.2011 às 15:46

O uso da hora de verão foi introduzido no tempo da segunda grande guerra, muito antes da União Europeia. Os burocratas de Bruxelas limitaram-se a uniformizar as datas de mudança da hora de verão para inverno e vice-versa, o que foi uma acção positiva, melhorando o pulsar da vida dos cidadãos europeus. Os burocratas europeus já fazem disparates suficientes para serem criticados apenas por aquilo que fazem, não há necessidade de os criticar por aquilo que eles não fizeram.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.11.2011 às 17:58

Haja alguém que saia em defesa da burocracia de Bruxelas que tudo condiciona até os horários dos países ditos soberanos.
Sem imagem de perfil

De io a 08.11.2011 às 18:23

Era mais bonito admitir o erro!
Sem imagem de perfil

De io a 08.11.2011 às 18:21

Estava a ficar baralhada... desde menina que me lembro da "mudança da hora para não gastar luz".
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.11.2011 às 19:21

Tenho as maiores dúvidas quanto à poupança no consumo de electricidade. Já vai muito distante o tempo em que as pessoas se deitavam "com as galinhas".
Sem imagem de perfil

De João André a 08.11.2011 às 16:08

Eu cá fico feliz com a mudança. Deixo de acordar de noite (pelo menos durante uns tempos) e voltar para casa depois de escurecer não me faz diferença. Não tenho filhos, mas imagino que fazê-los acordar e ir para a escola ainda no escuro seria bem mais complicado que fazê-los voltar da mesma nessa situação.

Não compreendo aliás porque razão se aborrece o Pedro com a hora. Nem a obsessão pelas distâncias. Portugal tem um horário desfasado do resto da Europa (excepção ao Reino Unido e Irlanda). Porque razão o há-de desfasar ainda mais por não querer mudar a hora?

Vejamos: actualmente, em Lisboa o nascer do sol é às 7:11 e o pôr do sol às 17:30. O número de horas de luz é um pouco superior (desde que não haja nuvens). Se não houvesse mudança de hora, o nascer do sol seria às 8:11 e o pôr do sol às 18:30. Que diferença isso faria? Haveria mais horas de sol? O planeta passaria a rodar mais devagar?

A razão para esse transtorno deve dever-se mais ao facto de ser Inverno do que à mudança de hora. Quem queira aproveitar o dia pode simplesmente acordar e ir para a cama mais cedo. O resto é apenas paleio de mal disposto.

PS - eu vivo actualmente com o sol entre as 7:40 e as 17:00. No momento em que escrevo já se pôs. Não me queixo. É um simples facto.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.11.2011 às 18:00

Você fica feliz com a mudança. Eu não. Empatamos, portanto. Precisamente para desempatar deixo no meu texto a ligação para o estudo feito em Espanha junto de sete mil pessoas e remeto-o para as conclusões nele contidas.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 08.11.2011 às 16:24

Não posso concordar mais, compadre. E ainda me lembro de um período de tempo (início dos anos 90?) em que alinhámos o ano inteiro pela "hora europeia" (de Bruxelas).
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.11.2011 às 18:01

É verdade, compadre. Lembro-me disso bem, quando vinha cá de férias. Nessa altura vivia num local pouco civilizado, onde a hora era constante ao longo do ano inteiro.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 08.11.2011 às 18:13

Hum... Deixa-me ver se sei... Macau?...

Essa colagem a Bruxelas, por seu turno, foi de um egoísmo escandaloso, já que nos distanciou ainda mais da hora solar: foi então decidido por dar jeito aos ministros e outros que tais, que andavam entre Lisboa e Bruxelas, Estrasburgo, etc., sem mexer no relógio. Os cidadãos anónimos? Que se lixassem, claro.

O desfazamento horário foi de tal ordem que a decisão ficou rapidamente sem efeito.
Imagem de perfil

De Laura Ramos a 08.11.2011 às 19:58

Eheh... e pôr as crianças a dormir às 9 e meia da noite, quando ainda fazia dia claro? "Mãããeee, ainda não é de noite!"
Imagem de perfil

De jonasnuts a 08.11.2011 às 16:25

Confesso que não percebo nada dos reais motivos que levam à mudança da hora, mas, por outro lado, confesso que me sabe muito bem sair de casa, já de dia, em vez de sair de noite.

A mudança da hora, torna as minhas manhãs, mais manhãs.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.11.2011 às 19:09

Já eu, Jonas, detesto ver o dia chegar ao fim às 17 horas.
Imagem de perfil

De jonasnuts a 08.11.2011 às 19:39

Também não gosto, mas a realidade é que nesta altura do ano, o dia tem menos horas de luz, e eu sacrifico as tardes mais rapidamente do que sacrifico as manhãs :)
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.11.2011 às 19:47

Eu às 17 horas muitas vezes ainda tenho cinco ou seis horas de trabalho pela frente, Jonas. E suspeito que sucede o mesmo a largos milhares de portugueses, daí as minhas sérias dúvidas quanto à poupança real no consumo de energia.
Mas concordo consigo: as manhãs tornam-se "maiores" com a antecipação da hora. Ao menos haja isso.
Imagem de perfil

De Ivone Mendes da Silva a 08.11.2011 às 16:44

Estás cheio de razão, Pierre. Eu nunca percebi este tango horário. Quando consigo acertar o passo, está na hora da hora de Verão.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.11.2011 às 19:24

A hora legal muda mas o nosso relógio biológico não, Ivone. Daí as conclusões referidas no estudo espanhol que menciono.
Sem imagem de perfil

De ze luis a 08.11.2011 às 16:45

Cavaco é que era iluminado, quando nos anos 90 pôs Portugal pela hora europeia. Infelizmente, há atrasos que são já irrecuperáveis.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.11.2011 às 19:11

Já andámos acertados com a "hora europeia", já andámos desacertados. O relógio biológico mantém-se, muitas vezes de passo trocado com a hora legal.
Sem imagem de perfil

De BST a 08.11.2011 às 17:01

A nossa hora natural é esta. Não nos esqueçamos que é meio-dia quando o Sol atinge o seu zénite sobre um lugar. Creio que, com esta hora, não é exacta a correspondência, mas está muito próxima. No Verão, pode-se prolongar o dia.
Mas se mantivéssemos agora a «hora de Verão» daqui a pouco tempo às 8 h da manhã seria noite cerrada e como os nossos cérebros reagem à luz e não aos regulamentos de Bruxelas há problemas de saúde pública, principalmente com as crianças, que são obrigadas a acordar de madrugada.
O que acontece com o regresso à hora natural (hora de Inverno) é o ganho de uma hora de luz de manhã.
Do ponto de vista económico há controvérsia sobre se há reais ganhos com o adiantar a hora no Verão.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.11.2011 às 19:12

A principal razão invocada relaciona-se com factores económicos. Muita controversa, como sublinha.
Sem imagem de perfil

De sampy a 08.11.2011 às 17:49

Vai por aqui alguma confusão. Não existe propriamente "hora de Inverno", mas sim horário de Verão. Ou seja: encontramo-nos actualmente no horário normal, correspondente ao nosso fuso horário oficial; horário esse que sofre uma alteração em certo período do ano (dito "de Verão"), em que se adianta uma hora o fuso horário.
O horário de Verão é que foi instituído no pressuposto da poupança no consumo energético, procurando fazer coincidir o início da jornada laboral com as horas de sol.
Ao que parece, Portugal já utiliza este procedimento desde 1916. A tal directiva Comunitária veio apenas uniformizar o início e fim do horário de Verão dentro do espaço europeu.
Assim, há que esclarecer: os problemas têm que ver com o horário de Verão ou com o fuso horário? Ou será que o problema é mesmo o... Inverno?
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.11.2011 às 19:17

Essa hora legal dita de Verão vigora durante mais tempo do que a hora actual, dita de Inverno. Portugal, nas últimas décadas, já mudou a hora e já deixou de mudar. O problema é a progressiva falta de correspondência entre o horário de trabalho regular e a hora solar: cada vez se trabalha mais horas em horário nocturno real.
Sim, é o Inverno. Esse é o verdadeiro problema.
Sem imagem de perfil

De BST a 08.11.2011 às 19:17

Exactamente.
Lembrar que nos tempos em que Cavaco era primeiro-ministro chegámos a estar 2 horas adiantados em relação à hora real. Milhões de pessoas andaram meio zonzas com dia à 22 h no Verão e noite às 9 da noite no Inverno porque disseram ao Cavaco que era chato para alguns corretores da bolsa e tal,e o grandessíssimo estadista achava muito normal termos a hora de Berlim, apesar de os agricultores e gente da pecuária (ainda havia alguns de cada, à altura, protestarem por terem de trabalhar de noite).
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.11.2011 às 19:26

Lembro-me perfeitamente desse tempo e da confusão que nos fazia haver ainda sol às dez da "noite". Aí caiu-se verdadeiramente no extremo oposto.
Sem imagem de perfil

De macarvalho a 08.11.2011 às 17:53

É verdadeiramente deprimente ver chegar a noite às 17h e pouco, principalmente em dias de chuva.
Há um estudo feito em que se comprova que poupamos n% em electricidade em contraponto com os mais% em transtornos de natureza vária, sobressaindo o humor instável.
Este ano também decidi ler, com curiosidade, o "manual" com que nuestros hermanos nos deliciam, sobre a forma como devemos lidar com a mudança para a hora de inverno e fiquei a saber o que já todos sabemos. Traz transtornos!
Era simples a resolução.
Como me arrepia também ver como as nossas crianças saem da escola totalmente de noite, sujeitas sabe-se lá a quê, apesar de ser ainda a meio da tarde.
Quanto lhes custará também a elas?
Já alguém parou para observar a alegria da mudança para a hora de verão e que tantas vezes se evidencia unicamente por um olhar bem demorado para o céu?
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 08.11.2011 às 19:19

É isso mesmo que pretendo transmitir. O contraste entre a alegria generalizada que acontece à entrada do horário de Verão e a melancolia também generalizada que ocorre quando se passa para o horário de Inverno.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 08.11.2011 às 18:23

A hora não deveria mudar. Deveria ser hora de Verão o ano todo.

A hora de Inverno é uma merda porque nos obriga a trabalhar de noite, o que cansa a vista. A gente desperdiça precioso tempo de luz solar em atividades em casa (tomar duche, vestir-se, tomar o pequeno-almoço, etc) e no tráfego, que não precisam de luz solar para nada, para depois ao fim da tarde ser obrigado a trabalhar quando já não há luz. É uma absoluta merda.

Eu quero luz solar para trabalhar, não para estar em casa, que lá não faço nada que precise de boa luz.

Comentar post


Pág. 1/2



O nosso livro


Apoie este livro.



Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D