Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

Deixem-me ver se percebi: «a CP ameaça com o fim do Comboio Histórico no Douro caso não encontre parceiros para ajudar a financiar este serviço que, este ano, custou 150.000 euros»? Há nisto alguns aspectos de que ainda estou a tentar recuperar.

1. Desde logo, a CP entrou agora numa fase em que lança (segundo a insuspeita Lusa) ameaças públicas. Isto requer que sejamos informados já sobre quem é a voz ameaçadora lá dentro.

2. Depois, a CP põe em causa a continuidade do comboio histórico se não arranjar parceiros que financiem o seu serviço. A gente é levada a pensar que a CP precisava que o Governo criasse uma Fundação do Comboio Histórico do Douro à sombra do Orçamento do Estado e que a coisa se resolvia, que é como quem diz: acabavam as ameaças.

3. Além disso, a CP põe-se a perorar por causa de 150 mil euros que a empresa pública diz ter gasto este ano com o serviço especial do Douro. Ou seja: parece que estamos perante uma CP de outro planeta e não perante aquela cujos prejuízos anuais se têm acumulado assustadoramente sem que lhe tenhamos escutado um único lamento pelo que isso custa a todos nós.

A minha dúvida não é menos assustadora: será que sempre vai em frente a compra da nova frota de carros de luxo para 13 directores da CP por quase o dobro do custo deste ano do comboio histórico do Douro?

 

 

FotosCaminhos de Ferro Vale da Fumaça

Autoria e outros dados (tags, etc)


150 comentários

Sem imagem de perfil

De Javali a 19.10.2011 às 18:56

Só à chapada. Sinceramente.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 19.10.2011 às 20:58

Também acho.
Sem imagem de perfil

De Miguel a 20.10.2011 às 07:51

Cá por mim, só à bala!
Imagem de perfil

De João Carvalho a 20.10.2011 às 08:25

Isso é o TGV japonês: comboio-bala.
Sem imagem de perfil

De jorge mesquita a 20.10.2011 às 09:08

Cuidado, por um pouco mais de custo, é melhor 3 balas!
Imagem de perfil

De João Carvalho a 20.10.2011 às 09:19

Cortando a do subsídio de férias e a do subsídio de Natal, fica uma bala.
Sem imagem de perfil

De Jaime a 20.10.2011 às 17:07

Isto só acaba quando acabarmos com o actual sistema, isto é, quando Portugal se levantar e das duas uma: Ou correr tudo á bala, como alguns aqui falam...ou se os 50% que não votam se levantarem e forem votar em qualquer coisa que não seja os 5 do costume. E não me diga que é tudo o mesmo! Se querem mudança, isso s+o acontece com gente nova e com ideias novas e força para mudar e que estejam fora do actual sistema.
Portugal..por favor, acorda!
Imagem de perfil

De João Carvalho a 20.10.2011 às 19:11

V. vai ter de arranjar um despertador daqueles!
Sem imagem de perfil

De Gandra a 19.10.2011 às 19:50

Caro João, se não fosse grave o que nos está a acontecer, seria forte razão para rirmos a bandeiras despregadas...mas não, isto é sério. Por tudo o que está a acontecer neste País ( e noutros, mas interessa-me o nosso ), em que não descortino o propósito de "ir ao bolso" de quem já não tem mais que o fundo roto. Não há mais nada cá em baixo. Portanto, tenham tento, metam pés ao caminho e vão buscar o dinheiro, que tanto querem, onde o deixaram "guardar". É óbvio que não irão caçar os larápios e tudo irá ficar na mesma. Provavelmente, de forma solene, em breve dirão que afinal o milhares de milhões não chegam e, e,...e aí sim, vai ser "risota" geral.
Está a ver, deixei-me contagiar e estou a sorrir, lembrando-me que isto é tudo uma palhaçada!
Ás armas, ás armas!!!
Imagem de perfil

De João Carvalho a 19.10.2011 às 21:02

Se conseguiu sorrir, meu caro, já fico satisfeito. Porque isto já não pode ser levado a sério há muito. A menos que seja mesmo a sério. Às armas!
Sem imagem de perfil

De Conceição a 20.10.2011 às 11:38

Isto já não dá para rir há muito tempo. Agora estamos na fase que só dá é para chorar. Infelizmente, ao que nós chegamos!
Imagem de perfil

De João Carvalho a 20.10.2011 às 12:10

Só um sorriso... vá lá...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.10.2011 às 20:31

Em primeiro lugar considero absolutamente abusivo e despropositado haver 13 directores na CP... para quê tantos??? Ou andam a brincar ao faz de conta... e só servem para ganhar os ordenados!!! Ou então andam a gozar " com o Zé Povinho!!! Em segundo lugar penso que a frota que lhes devia ser atribuída eram 13 carroças para eles serem aparelhados e andarem a puxá-las!!! Isso é que eles mereciam.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 19.10.2011 às 21:03

Eu dava-lhes 13 lugares no primeiro comboio que passasse. Só com bilhete de ida.
Imagem de perfil

De João Campos a 19.10.2011 às 21:56

Mas como, se já praticamente não passam comboios?
Imagem de perfil

De João Carvalho a 19.10.2011 às 22:10

Achas que não se arranjaria um daqueles muito maus e muito lentos? Nem metendo uma cunha ao ex-ministro Mendonça?
Sem imagem de perfil

De snyper a 19.10.2011 às 20:54

gestores publicos são autenticas quadrilhas, mas até quando ? tem que se formar uma ETA para começar a acabar com alguns. pode ser que depois os outros abram os olhos.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 19.10.2011 às 21:04

Uma ETA porquê? Não me sinto basco.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.10.2011 às 21:38

se fossemos bascos já a história era outra há muito tempo...disso não tenham dúvidas!
Imagem de perfil

De João Carvalho a 19.10.2011 às 22:55

Não tenho dúvida de que a história seria outra. Seria basca, talvez...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.10.2011 às 21:46

e os cartoes de credito que essa escumalha usa. ha e depois ficam com os carros para eles
Sem imagem de perfil

De SNYPER a 19.10.2011 às 22:12

poderíamos chamar uma revolta popular. afinal o povo que tudo paga nunca é ouvido. fazem debates nas televisões e quem é que lá está ? são sempre os mesmos a dizer que tem que se cortar nisto e naquilo.E ELES ? QUANTO É QUE GANHAM ? QUANTO É QUE LHE CORTAM ? E ATÉ QUANDO ? SÃO AUTENTICAS QUADRILHAS. XUUULOS
Imagem de perfil

De João Carvalho a 19.10.2011 às 22:30

Mas não é preciso GRITAR, certo? Cá em casa não se usa.
Imagem de perfil

De Inês Meneses a 19.10.2011 às 21:11

é que nem sei que dizer - vou partilhar, obrigada, João Carvalho
Imagem de perfil

De João Carvalho a 19.10.2011 às 22:31

Da minha parte, com todo o gosto, Inês.
Sem imagem de perfil

De Carlos Dias Ferreira a 19.10.2011 às 21:19

João:

Estou de volta ao convivio, para começar um grande abraço.
A isto chama-se gestão danosa e criminosa, aliás na linha seguida por quem escolheu estes fulanos para gerir esta empresa pública, ou não fossem eles
"amigalhaços" do pseudofilósofo que está em Paris.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 19.10.2011 às 22:34

Bem regressado, Carlos. Um abraço amigo.
Sem imagem de perfil

De Paulo a 19.10.2011 às 21:26

Caro João Carvalho.
Não é meu hábito fazer comentários em Blogs pois considero que as opiniões aí expressas porque são pessoais devem ser respeitadas.
No entanto como filho de um ex-ferroviário não posso deixar de me sentir indignado quando leio noticias como esta ou como a que recentemente anunciava o encerramento de várias centenas de quilómetros de via férrea porque supostamente "dão prejuízo ".
No caso que refere tal como no que eu refiro trata-se nada mais nada menos do que ceder, a custo zero, ao sector privado de transportes (entenda-se empresas de camionagem) aquilo que é de todos nós e pago por todos nós. Estes Directores que se preparam para ter um popó novo e não se preocupam com o que ele custa mas que se mostram incomodados porque um comboio turístico (que funciona como cartão de visita de uma Região e do País) tem um custo de funcionamento "elevado", são os mesmos que junto com os senhores do Conselho de Administração têm ligações quer por dinheiro quer familiares com donos de várias empresas de camionagem de Norte a sul do País.
Impõem-se a pergunta: Quem se beneficia, o País através de uma responsável redução de despesas ou os privados com a libertação de apetecíveis rotas e roteiros turísticos ?
Pela minha parte sei apenas que se prejudicam largas centenas de pessoas condenando-as a um isolamento ainda maior.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 19.10.2011 às 22:30

Faço minhas as palavras do Paulo. E as tuas, naturalmente, compadre. Como utente habitual e frequente de comboios, o meio de transporte ideal para mim, revejo-me inteiramente no que escreveste.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 19.10.2011 às 22:35

E eu, logicamente, fico encantado por contar com a companhia do Paulo e a tua.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 20.10.2011 às 08:22

No caso em apreço, meu caro, é de um comboio histórico que se trata. Mas o seu comentário, em matéria de conceito sobre política de transportes, é indiscutível.
Espero que nos vá brindando com os seus comentários, Paulo.
Sem imagem de perfil

De Paulo a 20.10.2011 às 22:29

Caro João.
Trata-se realmente de um comboio histórico. No entanto o fim deste serviço irá proporcionar o desinvestimento na linha onde o mesmo tem de circular. Tal desinvestimento levará ao degradar da linha férrea e do material circulante obtendo a CP o pretexto necessário para reduzir o nº de comboios ou talvez o fecho da linha. Só para que saiba (e porque estamos a falar da linha do Douro) foi exactamente o que aconteceu na linha que liga a Régua a Chaves no troço entre Vila Real e Chaves. Nesta linha começou-se por eliminar (através da alteração de horários) a ligação da via estreita com a via larga na Régua, depois reduziu-se o nº de comboios, entretanto deixou de se investir na linha com a consequente degradação dos comboios e da linha e por fim fechou-se a linha pois "não dava lucro" porque tinha um nº de passageiros muito reduzido. E sabe para onde fugiram os passageiros? Para as camionetas que propunham um serviço, até ao Porto, mais barato que o preço que pagavam por um bilhete de comboio até á Régua. Saiba também que pouco tempo depois da linha fechar o preço dos bilhetes das camionetas aumentaram 5 vezes mais em alguns casos. Passou-se ou passa-se o mesmo em várias outras linhas que fecharam ou que estão para fechar.
Estas linhas mereciam um comboio histório tal é a beleza da paisagem por onde passam. Digo-o com toda a sinceridade e um misto de tristeza pois já tive o prazer e o previlégio de viajar em muitas delas.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 21.10.2011 às 03:38

Não posso estar mais de acordo, Paulo.
Sem imagem de perfil

De paulo santos a 20.10.2011 às 12:14

se as rotas fossem apetecíveis seria porque dão lucro, se não dão lucro mais vale que sejam encerradas do que estarmos todos nós a pagar por elas.

Imagem de perfil

De João Carvalho a 20.10.2011 às 13:53

Todos não. Veja como V., por exemplo, não paga aquela rota histórica: só paga os carros de luxo dos directores!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.10.2011 às 15:44

eu por mim não pago nem uma coisa nem outra. Se as empresas públicas não dão lucro, vendam-se! se as rotas não dão lucro encerrem-se e deixem aos privados a iniciativa de criar emprego e empresas. Acabem de uma vez por todas com o estado social exagerado, onde todas as famílias têm pelo menos 1 pessoa a trabalhar para o estado - e sem criar riqueza -.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 20.10.2011 às 16:38

Não paga nem uma coisa nem outra, não é? Nem os carros deles, não é? Claro. E eu sou o rei de Inglaterra.
Sem imagem de perfil

De Rodrigo Sousa Castro a 20.10.2011 às 14:50

Também sou filho de um ferroviário. Costumo dizer que nasci entre carris. O meu camarada Salgueiro Maia e tantos outros capitães também o eram Isto tem uma explicação que tem e ver com este debate. O transporte ferroviário era para nós filhos dos ferroviários gratuito enquanto estudantes e isso ( no meu caso foi assim) permitia-nos que de lancheira na mão nos deslocássemos onde havia estudos secundários.
Que saudades das automotoras ALLAN e NOHAB da linha do Tâmega e do comboio correio do Douro que me levava ao fim do dia para casa. Desde o 25 de Abril, e não por causa dele, que uma cáfila de incompetentes e corruptos se apossou da ferrovia em conluio com os sindicatos que a troco de benesses tudo aceitaram ás administrações . Um conluio vergonhoso entre trabalhadores e gerências, todos mamando á conta. Assim os sindicalistas urbanos estiveram-se borrifando para o aniquilamento das linhas de bitola estreita que serviam regiões de grande potencial turístico como o vale do Tâmega , Corgo e Sabor. A "moderna" clique sindical dos suburbanos de Sintra Cascais e congéneres marinbou-se também para a ferrovia nacional enquanto elemento estratégico de desenvolvimento e defesa nacionais e permitiu ás camarilhas rosa e laranja permutarem os tachos e mordomias com todo o conforto. Bastava parar os comboios da linha de Sintra para que os gerentes baixassem as calças e na embalagem mamassem mais um pouco. Despudor e compadrio. Ainda hoje quando vou á praia das Maçãs olho com saudade para a colónia de férias da CP que dava férias na praia a todos os filhos dos ferroviários (antes do 25A ) e que miseravelmente os sindicatos negociaram por um prato de lentilhas. Depois serviu para albergar Kosovares . Portanto meus amigos esta cena dos carros é mais uma que agora fora de tempo, porque o povo está atento, quanto mais não seja através das redes sociais, era só, dizia eu, mais uma cena de despudor desta gente que não tem a noção das dimensões e que chafurda no pote como bácoros sem escrupulos nem moral..
Imagem de perfil

De João Carvalho a 20.10.2011 às 16:40

Se ainda não o fez, sugiro-lhe que vá espreitar o blogue que coloquei na fonte que usei para ir buscar as fotos.
Sem imagem de perfil

De Pela verdade e transparencia a 19.10.2011 às 21:28

Para ler e refletir...
Pois é neste país damos prioridade à palhaçada e abafamos o que é grave. Pois tenho a dizer que a situação do país é muito pior do que imaginam, alguns sabem que é assim mas fazem de conta que não sabem. Neste país com raras exceções não há valores nem princípios, apenas interesses, há 2 pesos e 2 medidas para quase tudo. A hipocrisia é total, conseguimos ver um rato mas não um elefante, ou melhor não temos interesse em ver. Fazem tempestade num copo de água por aquilo que vale 1 e ignoram o que vale 10.
O Sr. Bastonário publicou um artigo onde diz:
"Infelizmente em Portugal, o poder judicial escapa a qualquer escrutínio democrático, ou seja, transformou-se num estado (totalitário) dentro do próprio estado (democrático). Os tribunais são locais onde frequentemente se cometem algumas das piores ilegalidades e atropelos ao direito, bem como algumas das mais chocantes violações dos direitos humanos ".
Vejam a gravidade, pior do que isto é difícil !!! E depois é o cidadão comum que viola a lei, que se porta mal !
Perante isto só há uma conclusão a tirar, este país não é um estado de direito mas sim uma republica das bananas, e achamos isto tudo normal !
Quantas instituições neste país têm pés de barro???
Há um artigo escrito por um jornalista e que foi considerado demolidor que diz "Os portugueses, na sua infinita e pacata desordem existencial, acham tudo "normal" e encolhem os ombros". Esta frase diz quase tudo sobre este país, os nossos valores, os nossos princípios. Não admira estarmos em crise... Mais, nós não somos exemplo para ninguém, neste país há um conjunto de pessoas poderosas que nos "atacam pelas costas" pois não são capazes de o fazer pela frente. Alguma comunicação social anda a enganar e usar as pessoas, pela frente diz uma coisa e por trás faz outra. Divulga violações de direitos humanos que acontecem noutros países e abafa as que acontecem cá pela estado como disse o Sr. Bastonário. Mas em relação a estes factos graves mais uma vez o que espero é o silencio da cumplicidade, vamos ver quantos comentários de apoio aparecem!
Imagem de perfil

De João Carvalho a 20.10.2011 às 04:12

Portanto, o que V. espera é o silencio da cumplicidade? Não é preciso ser tão céptico e derrotista: pelos vistos, nem V. nem eu ficámos em silêncio.
Sem imagem de perfil

De Paulino a 20.10.2011 às 10:30

Comprimentos a todos os que aqui aparecem, e quanto á questão acima referia concordo plenamente estamos na republica das bananas infelismente.
Só lá íamos se desta ouve se uma matança complecta dentro da assembleia não ficasse um único vivo não ficasse 1 único guloso com vida assim quem quisesse o poleiro durante muitos anos ia lembrar se do que se tinha passado e olhava para o bem do pais e não do seu próprio bolso e companheiros eram precisas mais que 3 balas muitas mais.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 20.10.2011 às 11:07

Três balas é melhor que duas e duas sempre é melhor que uma. Já os tais directores parece que são 13...
Sem imagem de perfil

De Vitor a 20.10.2011 às 11:59

Não podia estar mais de acordo consigo. Desde muito novo que sempre me irritou o "nacional porreirismo" e o "chico espertismo" que sempre foi bem visto e apoiado em votos.
Aqueles que sempre me responderam "fazem bem, se fosses tu fazias o mesmo..." deviam agora ser os exclusivos pagadores das dividas dos políticos.
Desde poder central a câmaras e autarquias tudo serviu para criar tachos, esbanjar dinheiro e viver na ostentação.
Somos (incluo-me porque estou cá e não tenho intenção de "fugir", se necessário irei à luta, pelo meu filho que não fez mal a ninguém nem roubou) de memória muito curta, porque não é a vangloriar-se de feitos com 500anos que vamos ajudar a construir alguma coisa de positivo! devíamos analisar os últimos 30 ou 40 anos, estar atentos e julgar os culpados por esta situação, porque a dar legitimidade sempre aos mesmos ou aos afilhados dos mesmos não sairemos deste buraco.
Somos também um povo nada solidário, em primeiro sempre o bem pessoal ou familiar, nem que para isso se tenha que hipotecar a restante comunidade e as gerações futuras, senão vejamos quantos presidentes de câmara são reeleitos vezes sem conta porque criaram tachos e esbanjaram dinheiro em bens fúteis, vale quase tudo pela política do tacho!
Claro os políticos e as "moscas" que circulam à sua volta limitam-se a ir até onde deixarmos, provavelmente com umas migalhas para os policias (entenda-se chefes), para os militares e para a comunicação social deixará tudo mais calmo e o povo vai em romaria a Fátima rezar por melhores dias e se calhar para pelo menos a minha nora não ser despedida pelo sr. presidente.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 20.10.2011 às 12:12

A nora? Fiquei à nora com o seu comenbtário, confesso.
Sem imagem de perfil

De Vitor a 20.10.2011 às 14:46

Olá João

Apenas a titulo de exemplo, normalmente o tacho inclui filhos, noras e por ai fora. Conheço alguns casos!
Imagem de perfil

De João Carvalho a 20.10.2011 às 16:41

Sem qualquer dúvida, Vítor.
Sem imagem de perfil

De s o s a 19.10.2011 às 21:30

Perspectivas. No caso o comboio turistico é só o comboio turistico. Exactamente por isso, se a comparação com a frota automóvel desfavorece o dito comboio, é aceitável, pacifico. Gosto de comboios, sou cliente de comboios, preciso dos comboios !!! Mas a realidade é esta: a incessante importancia do automóvel. E bem assim a falta de procura do comboio. Tenham presente que até o comboio internacional para frança , finalmente modernizado em 2009, está também em risco de acabar. E o facto é que apesar de realidade visivel na europa moderna, lógicamente nos eixos principais, na america do norte quase não existe. Ou seja, o comboio é dispensável, e nao fosse a pressao das mercadorias, menos existiriam.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 20.10.2011 às 04:18

Não lhe dou razão no que respeita à «falta de procura do comboio». Basta a gente lembrar-se dos ex-ministros Jamé e Mendonça, que gastaram milhões atrás do TGV. Realmente, o TGV não apareceu, mas nunca um comboio foi tão procurado...
Sem imagem de perfil

De s o s a 20.10.2011 às 10:43

parabens pelo humor. Fixe
Imagem de perfil

De João Carvalho a 20.10.2011 às 11:07

Obrigadinho.
Sem imagem de perfil

De s o s a 20.10.2011 às 10:47

e sobre o tgv. Eu e nós na generalidade não visionamos o futuro, embora o presente indique que será aereo. Seja como for, considero-me realista e fui o primeiro a ser contra a construçao do tgv. Explico com um exemplo que vou dar pela primeira vez, mas que tenciono repetir mais vezes, em vez de pormenorizar sobre classes e os paises onde existem mais de duas, no tocante a passageiros de comboios. Havia o concorde, e muito bem, porque supostamente era pago pelos passageiros. O TGV não será pago pelos passageiros e sim pelo contribuinte, por isso absolutamente contra a sua construçao. Um comentador escreveu um destes dias que a receita actual de bilheteira da cp não paga os juros da divida...
Imagem de perfil

De João Carvalho a 20.10.2011 às 11:08

No fundo, a CP faz parte da imagem deste país, não é?...
Sem imagem de perfil

De Detty a 20.10.2011 às 16:12

Gostei! Adoro as pessoas que têm sentido de humor.
Sem imagem de perfil

De Vitor a 20.10.2011 às 21:34

Mas parece-me que mais que o comboio o que está aqui em causa é a frota automóvel que nós vamos oferecer a uma data de "malandros" que é parasita de uma empresa, que supostamente gere as nossas linhas férreas e a nossa frota de comboios, não?
Se vão acabar com os comboios porquê oferecermos carros? cada um que fique com 1 dos comboios que vai parar!
Imagem de perfil

De João Carvalho a 20.10.2011 às 22:11

Evidentemente.
Sem imagem de perfil

De s o s a 19.10.2011 às 21:35

a foto está altamente. Para os desconhecedores, consegue ver-se o ponto onde anteriormente o comboio atravessava o douro, depois do pinhão. Do outro lado, fotografei exactamente o "cais", de um ponto e com um resultado que desafiaria o mundo a conhecer.
Sem imagem de perfil

De Luke a 20.10.2011 às 04:00

Viva,

A foto foi tirada a partir do espectacular miradouro de S. Salvador do Mundo e mostra a linha férrea na margem direita do Douro logo após o túnel da barragem da Valeira e antes da ponte que cruza o rio (lá ao fundo) ao chegar à estação da Ferradosa.

É dos locais mais espectaculares para observação das maravilhosas paisagens do Douro Vinhateiro.

Que a "Força" esteja com todos aqueles que queiram lutar contra a corja que nos tem desgovernado.

A luta vai ser dura e, quem sabe, sangrenta, mas no final a vitória será de todos os despojados e ofendidos deste país.



Sem imagem de perfil

De Vergueiro a 20.10.2011 às 10:13

Também reconheci a paisagem! :) já lá estive umas quantas vezes. E costumam lá estar muitos fotógrafos amadores (e não só) com as suas potentes objectivas à espera da hora em que o comboio passa.
Quanto ao comboio turístico, acho estranho que sejam necessários 150mil euros para manter o serviço. É um serviço muito procurado e normalmente incluído em pacotes turísticos dos visitantes da cidade do Porto e da Região do Douro, pelo que é muito bem pago pelo utente. Consultando o site temos:

Preços Individuais por viagem:
• Adulto: 45,00 €
• Criança (5 aos 12 anos, inclusive): 25,00 €
Preços de Grupo por viagem (para 10 ou mais pessoas):
• Adulto: 40,00 €
• Criança (5 aos 12 anos, inclusive): 20,00 €
Nota:
- Possibilidade de embarque nas Estações do Pinhão e Tua.
- Preço único para ida ou ida e volta
- O meio de pagamento disponível a bordo é o numerário, não sendo possível o pagamento através de Multibanco.


A 2ª nota deixa-me a dúvida se o preço de 45€ inclui volta, creio que não. Com preços destes é impossível dar prejuízo. Só é possível se foi criado um departamento(ou empresa do grupo) com trabalhadores(e director e administrador) imputados a 14meses nas remunerações+prémios, quando o comboio só circula durante 2meses e meio. Já nada me espanta neste nosso Portugal.
Creio que será um pretexto para venderem o serviço, não à camionagem (o turista não vem ver estradas sem graça), mas sim a operadores turísticos (preferencialmente familiares no sector).
Imagem de perfil

De João Carvalho a 20.10.2011 às 11:09

Úteis informações, meu caro.
Sem imagem de perfil

De Miguel - Alenquer a 20.10.2011 às 11:49

Quer dizer que os administradores não foram completamente parvos.
Aumentaram os preços para valores impossíveis, porque (dizem) só assim se consegue manter o serviço a funcionar.
Mas como o público foge daqueles preços, não se baixam os valores mas proclama-se que é impossível manter um serviço que não dá lucro.
Afinal, em Portugal há ou não há estrategas inteligentes e eficientes?
Só é pena que seja para o lado negativo.
Imagem de perfil

De João Carvalho a 20.10.2011 às 12:14

Talvez seja a chico-parvoíce. Mas não em matéria de automóveis, uqe é a especialidade da CP...

Comentar post


Pág. 1/5



O nosso livro


Apoie este livro.



Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D